Notícias

O Steve Irwin parte rumo à Nova Zelândia para reabastecer

Quinta-feira, 27 de janeiro de 2011.

Sea Shepherd escolta o navio Sun Laurel para fora do Santuário de Baleias do Oceano Antártico (Foto: Simon Ager)

Sea Shepherd escolta o navio Sun Laurel para fora do Santuário de Baleias do Oceano Antártico (Foto: Simon Ager)

O navio da Sea Shepherd, Steve Irwin, não tem outra alternativa a não ser parar de seguir o Nisshin Maru. O Steve Irwin irá agora para Wellington, na Nova Zelândia, para reabastecer e depois retornará para o Oceano Antártico.

“Temos de esgotar os nossos níveis de combustível até o ponto em que não temos escolha, a não ser voltar”, disse o Capitão Paul Watson.

O Bob Barker vai continuar perseguindo a frota baleeira. O Gojira está na rota de volta para o Santuário de Baleias do Oceano Austral, vindo de Hobart na Austrália.

“Nossa perseguição contínua, o fato da constante fuga do navio-fábrica, e que dois dos três navios arpoadores foram afastados da caça com a Sea Shepherd nas suas popas durante um mês tem prejudicado significativamente a capacidade da frota baleeira japonesa de realizar as suas operações aqui no santuário”, disse o capitão do Bob Barker, Alex Cornelissen. “Nós vamos persegui-los até o final da temporada. Este santuário de baleias deve ser defendido desses caçadores gananciosos”.

“Estou confiante de que as tripulações do Bob Barker e do Gojira podem manter a pressão sobre os baleeiros enquanto reabastecemos”, disse o Capitão Watson. “Eu tenho dois excelentes capitães e duas tripulações incrivelmente apaixonadas nos dois navios. As baleias permanecerão em boas mãos enquanto estamos fora”.

É uma viagem de sete dias para a Nova Zelândia, e sete dias para voltar, além de cerca de dois dias no porto. O Steve Irwin deve estar de volta no Oceano Antártico até meados de fevereiro. A temporada de caça vai durar até meados de março.

Os baleeiros estão cada vez mais desesperados nos últimos dias, e entraram em grandes áreas cheias de gelo para escapar dos navios da Sea Shepherd.

“Não importa para onde vão, nós vamos segui-los e seremos implacáveis na nossa perseguição. É um vasto oceano aqui, cheio de perigos da chuva e do gelo, e com nenhum recurso para assistência se for necessário. Reconhecemos estes perigos e reconhecemos que esta é uma campanha difícil contra uma oposição implacável. Não temos outra alternativa senão fazer tudo o que pudermos para salvar as baleias e defender o local que é designado por lei como um santuário para as baleias”, disse o Capitão Watson.

Foto: Glenn Lockitch
Foto: Glenn Lockitch

Traduzido por Raquel Soldera, voluntária do ISSB.

Back to list

Related Posts