Sobreviventes a bordo do Sam Simon

Declaração da Sea Shepherd sobre o naufrágio do Niko Ivanka e o resgate dos sobreviventes

Operação conjunta da Sea Shepherd e da Guarda Costeira Liberiana resgata os sobreviventes do naufrágio e segue no local buscando desaparecidos.

Monrovia, Liberia – Em 17 de Julho, o navio da Sea Shepherd Sam Simon foi alertado para a emergência do navio de carga liberiano Niko Ivanka pelo Comandante da Guarda Costeira Liberiana; enquanto o cargueiro estava afundando na costa da Liberia, na África Ocidental. O Sam Simon, sob o comando do Capitão Thomas Le Coz, imediatamente respondeu ao chamado e partiu para o local do naufrágio.

Capitão Thomas Le Coz buscando sobreviventes
O capitão do Sam Simon e sua tripulação na busca por sobreviventes. Foto por Géraldine Morat/Sea Shepherd.

Às 23h00, o Sam Simon foi a primeira embarcação a chegar ao local da emergência e começou a conduzir operações de busca e resgate. Havia destroços e detritos na água. A visibilidade estava prejudicada pela chuva e escuridão.

Às 23h16, seis sobreviventes foram vistos no único bote de emergência do Niko Ivanka. A tripulação da Sea Shepherd auxiliou os marinheiros da Guarda Costeira Liberiana a bordo do Sam Simon para resgatar as seis pessoas.

As seis pessoas – que estavam na água havia nove horas – declararam que o navio havia afundado.

De acordo com os sobreviventes, o Niko Ivanka deixou o porto de Monrovia com 26 a 28 pessoas a bordo.

Pouco tempo depois, a tripulação do Sam Simon ouviu vozes pedindo socorro. Outras cinco pessoas foram resgatadas após passarem 13 horas na água. Duas trajavam coletes salva-vidas e outras três estavam se segurando nelas.

No total, onze pessoas foram recuperadas do mar e estão agora sendo tratadas a bordo do Sam Simon pelo oficial médico, que é um médico de emergências.

A busca por desaparecidos continua, incluindo duas crianças. Dois rebocadores se juntaram ao Sam Simon na busca.

 

Desde 2017, a Sea Shepherd tem uma parceria com a Guarda Costeira Liberiana para combater a pesca ilegal, não reportada e não regulada através de patrulhas marinhas sob direção do Ministro da Defesa Nacional da Libéria, o brigadeiro-general reformado Daniel Ziankahn. Até o momento, 15 embarcações foram apreendidas por pesca ilegal e outros crimes ambientais.

Expedição Boto da Amazônia

Sea Shepherd inicia seus esforços de longo prazo para a conservação dos botos da Amazônia

Sea Shepherd expande seus esforços de conservação para a Amazônia em parceria com os
principais cientistas locais para a conservação dos icônicos golfinhos do rio Amazonas.

A Sea Shepherd Brasil lança a sua campanha em conjunto com a Sea Shepherd Global, a EXPEDIÇÃO BOTO DA AMAZÔNIA, a primeira campanha da Sea Shepherd Global no Brasil. O anúncio foi feito em um evento virtual da Sea Shepherd no Brasil no dia 5 de junho pelo próprio Capitão Paul Watson, fundador da organização internacional de conservação marinha, após uma conversa inspiradora com a líder indígena Juma Xipaia.

A Sea Shepherd chega na Amazônia no segundo semestre deste ano, e seus cientistas se unirão à cientistas renomados do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), que lideram a pesquisa científica mundial sobre o boto rosa, como é popularmente conhecido, ou boto amazônico (Inia geoffrensis) e o tucuxi (Sotalia fluviatilis), porém necessitam aprofundar suas pesquisas, que já indicam que essas espécies necessitam constar na lista de risco crítico de extinção pela International Union for Conservation of Nature (IUCN) para receberem a proteção ambiental que necessitam na região.

Estudos já demonstram que os botos da Amazônia tendem a diminuir sua população pela metade a cada 10 anos. Há várias ameaças a estes cetáceos, como a pesca acessória em redes, caça intencional de pescadores para diminuir a competição por peixes, a construção de represas que isolam as espécies, e cada vez mais, botos são assassinados com a intenção de servir de isca para a pesca ilegal de uma espécie de bagre necrófago local, a piracatinga.

Este é o primeiro estudo de longo prazo que será realizado em múltiplos pontos do rio, tornando possível uma avaliação do verdadeiro estado de conservação dessas espécies. Será um estudo populacional de três anos abrangendo duas expedições por ano cobrindo quatro pontos do rio Amazonas, resultando em um total de seis expedições, 3.000 km percorridos e 100 dias de observação.

O Rio Amazonas é a principal artéria para o oceano, representando 20% da descarga fluvial global. No passado, esses golfinhos eram protegidos por mitos e lendas que eram transmitidos por gerações desde as tradições de grupos indígenas locais. Hoje em dia, infelizmente com a perda da força das culturas ancestrais isso se perdeu. Esses golfinhos são vistos como uma praga ou um incômodo para os pescadores. Ou pior, como ferramentas para pesca.

Para o fundador da Sea Shepherd, Capitão Paul Watson, os botos precisam de atenção imediata: "Estou muito animado que a Sea Shepherd Brasil vai fazer uma expedição no rio Amazonas e creio ser muito importante não só para o Brasil, mas em uma escala global, proteger os botos da Amazônia." Precisamos com urgência obter dados mais aprofundados sobre o declínio populacional desses animais para garantir que regras como a moratória da pesca da piracatinga, que está prevista para terminar em julho deste ano, continuem a proteger essas espécies.

A sua contribuição é urgente e necessária para que esta expedição seja uma de várias.

Fotos: Cristian Dimitrius, Gleeson Paulino, INPA

Sea Eagle

O Sea Eagle é o mais novo navio da frota de conservação marinha da Sea Shepherd

Graças à parceria com Allianz, a Marinha de Netuno ganha mais uma adição à sua frota de navios que atuam em ação direta na conservação dos ecossistemas marinhos e animais aquáticos.

Nos últimos seis meses, a Sea Shepherd estava trabalhando atrás das cortinas para adquirir, registrar e equipar a nova adição para nossa frota de embarcações de conservação marinha: O Sea Eagle, ou Águia do Mar.

O novo navio foi comprado a partir de fundos da Allianz SE, Allianz Tecnologia, e Allianz Itália, como parte da recente parceria de dois anos da Sea Shepherd com a Allianz para endereçar o problema do lixo marinho em poluição no oceano.

Tripulação em frente ao navio Sea Eagle
Sea Eagle

“Sea Shepherd está muito empolgada com esta nova parceria, que nos ajuda a ampliar a mensagem que redes de pesca é uma das causas principais da poluição do oceano,” fala o CEO Global da Sea Shepherd Capitão Alex Cornelissen. “Esta nova frota será dedicada quase que exclusivamente para trabalhar no mar Mediterrâneo., tanto para aperfeiçoar nossas campanhas existentes, como a Operação Siso, assim como uma embarcação perfeita para começar importantes novas campanhas.”

O Sea Eagle é um navio piloto Francês de 40 metros equipado para acomodar 19 tripulantes e carregar 2 barcos de apoio. Construído para o Oceano Atlântico, o navio é capaz de navegar os mares mais revoltos. Mesmo com as dificuldades causadas pela pandemia global, a tripulação da Sea Shepherd trabalhou incansavelmente para garantir um trânsito tranquilo da Sea Eagle de Thyborøn, na Dinamarca para Siracusa, na Italy, onde agora está sendo preparada para as próximas campanhas no Mar Mediterrâneo.

Bote de apoio do Sea Eagle
Interior do Sea Eagle

“A Sea Shepherd está muito grata pela ajuda da Allianz,” diz o Capitão Cornelissen. “Juntos iremos responder ao problema de redes de pesca abandonadas, vendo maneiras de converter plástico do oceano em materiais que podemos reutilizar ou vender para angariar fundos para nosso trabalho e criar mais conscientização sobre este problema.”

A Sea Shepherd hoje possui 11 navios em sua frota global, conhecida como a “Marinha de Netuno”, usadas nas campanhas de ação direta para defender, conservar e proteger a vida marinha e os habitats do oceano no mundo todo.

Conheça o novo Sea Eagle

Fotos: Sea Shepherd

Doe para ajudar nas limpezas, resgate de fauna e comunidades que necessitam de assistência.