Notícias

Relatório do progresso da campanha Operação Sem Conciliação

Domingo, 30 de janeiro de 2011.

Relatório: 2 de dezembro de 2010 a 31 janeiro de 2011
61º dia da campanha, 31º dia em busca da frota baleeira japonesa

Frota da Sea Shepherd Conservation Society:

Steve Irwin:
(Holanda) Capitão Paul Watson com uma tripulação de 42 voluntários
Partiu de Hobart em 02 de dezembro de 2010
Interceptou a frota baleeira japonesa em 31 de dezembro de 2010

Bob Barker:
(Holanda) Capitão Alex Cornelissen com uma tripulação de 35 voluntários
Partiu de Hobart em 02 de dezembro de 2010
Interceptou a frota baleeira japonesa em 31 de dezembro de 2010

Gojira:
(Austrália) Capitão Locky MacLean com uma tripulação de 11 voluntários
Partiu de Hobart em 11 de dezembro de 2010
Interceptou a frota baleeira japonesa em 31 de dezembro de 2010 

Tripulação total: 88

Steve Irwin no campo de gelo (Foto: Barbara Veiga)

Steve Irwin no campo de gelo (Foto: Barbara Veiga)

Este ano é o mais fraco da frota japonesa, com apenas quatro navios, incluindo o navio-fábrica Nisshin Maru, e os três navios arpoadores Yushin Maru, Yushin Maru 2, e Yushin Maru 3. Os navios de investigação e o navio de segurança, Shonan Maru, estão ausentes da frota baleeira este ano.

A frota baleeira japonesa chegou com duas semanas de atraso no Santuário de Baleias do Oceano Antártico. Todos os três navios da Sea Shepherd conseguiram interceptar a frota baleeira antes de qualquer baleia ser morta, em 31 de dezembro de 2010. O Nisshin Maru, o navio-fábrica, escapou e fugiu para o leste. Dois dos navios arpoadores foram designados para permanecer na popa do Bob Barker e do Steve Irwin, para impedir os navios da Sea Shepherd de encontrarem o navio-fábrica. Embora essa tática funcione para os baleeiros, para manter a Sea Shepherd distante do navio-fábrica, ela tem o preço da remoção de dois dos três navios arpoadores da caça durante o mês inteiro.

Devido a limitações de combustível, os navios Yushin Maru tinham de substituir um ao outro, com o Yushin Maru 3 substituindo o Yushin Maru, em meados de janeiro. Isto teve como efeito o afastamento do terceiro navio arpoador das operações de caça por dias, porque o Nisshin Maru tinha de permanecer fora do alcance do helicóptero do Steve Irwin.

Resumo:

A Sea Shepherd manteve dois dos três navios arpoadores em observação durante 24 horas, por 32 dias, período em que estes navios não mataram uma única baleia. Isto significa que a eficiência da caça às baleias japonesa foi reduzida em dois terços. O Nisshin Maru poderia continuar caçando com este único arpoador disponível, mas não com 100 por cento de eficiência, porque ambos fugiam para o leste, oeste, leste novamente, e depois para o sul. Devido ao tempo gasto em águas muito ao norte, e no reabastecimento do navio-fábrica, a maior quantidade de tempo que este navio arpoador poderia ter operado de forma eficiente como um navio caçador assassino é de apenas 25 a 50 por cento.

Com três navios arpoadores, a frota baleeira geralmente pode matar oito a nove baleias por dia, é claro que quando o tempo, as condições de gelo e as baleias permitem que este número seja alcançado. Se todos os três navios estivessem operando com plena eficiência, em excelentes condições, poderiam ter matado de 240 a 300 baleias durante um único mês de operações.

Com a Sea Shepherd retirando dois dos navios arpoadores desta equação, a maior quantidade de baleias que podem ser mortas pelo navio arpoador restante seria de três por dia, cerca de 90 baleias em um mês. No entanto, sabemos que este navio foi um arpoador em constante movimento, ora preocupado em fugir, ora em ajudar um dos arpoadores, durante 50 a 75 por cento do tempo. Portanto, estimamos o máximo de eficiência a 50 por cento, 25 por cento no mínimo.

Se todas as condições eram ideais para a caça para este único navio arpoador, ele continuaria a ser capaz de matar 45 baleias, no máximo, ou, de maneira mais realística, 30 baleias, o que ainda está bem abaixo de sua meta. No entanto, acreditamos que este único navio arpoador tinha apenas cerca de cinco dias para realizar os seus exercícios de caça, o que significaria apenas 15 baleias mortas no máximo. Mas não saberemos os números finais das mortes, até que sejam liberados no final da época de caça.

Campanha: dificuldades e falhas

Esta não é uma campanha fácil, devido à caça, ao gelo, ao clima e aos arpoadores seguindo nossos navios. Nós experimentamos inúmeras dificuldades, incluindo a retirada forçada do Gojira para reparos de emergência, bem como as condições de gelo imprevisíveis. Nosso grande fracasso foi não impedir o reabastecimento do Nisshin Maru.

O Gojira localizou o navio panamenho Sun Laurel em 12 de janeiro de 2011. No dia 13 de janeiro, o Bob Barker e o Steve Irwin encontraram o Sun Laurel para permitir que o Gojira continuasse procurando o Nisshin Maru. O objetivo era cortar o reabastecimento do Nisshin Maru. O Sun Laurel fugiu para o leste. Em 18 de janeiro, o Steve Irwin se distanciou do Sun Laurel e conseguiu afastar o navio arpoador de sua popa. O Steve Irwin foi então em busca do Nisshin Maru, porque o Gojira teve que voltar para Hobart, na Tasmânia, para reparos no seu computador e nas bombas de combustível de seus motores novos. Com o Steve Irwin com reservas de combustível limitadas, e sabendo que o Sun Laurel estava indo longe demais a leste, até o ponto de 143 graus a leste, o Capitão Watson pediu que o Capitão Cornelissen parasse de perseguir o Sun Laurel, porque uma vez que o Nisshin Maru fosse encontrado, o Bob Barker não seria capaz de voltar a tempo para perseguir o navio-fábrica, antes que o Steve Irwin tivesse que voltar ao porto para reabastecer. O Bob Barker parou de perseguir o Sun Laurel, mas não antes de plantar um dispositivo de rastreamento nele. A distância do Steve Irwin para o Sun Laurel era de 1.200 milhas náuticas. Relatórios da Nova Zelândia sugeriam que os caçadores estavam buscando fretar um navio fora da Nova Zelândia, enquanto o Sun Laurel levava o Bob Barker mais e mais para o leste.

Em 26 de janeiro, o Steve Irwin encontrou o Nisshin Maru e foi atrás dele. Infelizmente, o Nisshin Maru mudou seu caminho, através do gelo espesso, perigosamente, no desespero para fugir da Sea Shepherd. O Steve Irwin não poderia fisicamente prosseguir atrás do Nisshin Maru, devido a estas condições de gelo perigosas.

O rastreador do Sun Laurel indicou que o navio estava voltando para sudoeste, o que significava que o Nisshin Maru estava indo reabastecer. Tudo parecia certo para o Steve Irwin e o Bob Barker interceptarem o Sun Laurel antes que o Nisshin Maru pudesse alcançá-lo, exceto por um fator imprevisível… gelo!

Gelo!
 
Os dois navios da Sea Shepherd, cada um com um navio arpoador na sua popa – o Steve Irwin voltou a ser seguido de novo quando encontrou o Nisshin Maru – teriam tempo para cobrir a distância antes do Nisshin Maru se encontrar com o Sun Laurel. O problema era o gelo. Apesar dos gráficos de gelo confirmarem que o caminho era claro, tanto o Bob Barker quanto o Steve Irwin perderam uma grande parte do tempo trabalhando em grandes áreas de pesados gelos flutuantes.

Até o momento em que os dois navios chegassem, ainda com os arpoadores em suas popas, o Nisshin Maru já teria reabastecido. Foi a nossa principal falha durante a campanha deste ano.

Em 30 de janeiro, o Bob Barker, retomou a busca pelo Nisshin Maru, e se envolveu em um confronto com o Yushin Maru 3 no dia seguinte, na tentativa de desacelerar e desviar dos navios arpoadores. O Steve Irwin voltou para a Nova Zelândia com o navio baleeiro Yushin Maru 2 na sua popa.

A situação para fevereiro

O Gojira retornou ao Oceano Antártico e retomará a busca ao Nisshin Maru. O Bob Barker vai continuar a perseguir o Nisshin Maru, mantendo o Yushin Maru 3 ocupado. O Yushin Maru 2 vai demorar alguns dias para retornar ao Nisshin Maru, e esperamos que o Gojira tenha localizado o navio-fábrica até então.

O Steve Irwin vai reabastecer em Wellington, na Nova Zelândia, e deve estar de volta ao Santuário de Baleias do Oceano Austral em meados de fevereiro, com novos suprimentos para as tripulações do Bob Barker e do Gojira.

O Steve Irwin vai ter combustível suficiente para se manter até o final da temporada de caça às baleias, no final de março. O Bob Barker, com uma capacidade de combustível muito maior, também será capaz de permanecer no local até o final de março. O Gojira pode ser reabastecido pelo Bob Barker e pelo Steve Irwin, e também poderá continuar até o final de março.

Janeiro provou ser um excelente mês para a Sea Shepherd durante esta campanha. Nosso objetivo é continuar a fazer intervenções tão bem sucedidas em fevereiro. Um arpoador vai continuar fora da caça, com certeza, uma vez que continua na popa do Bob Barker. O segundo navio arpoador levará de três a quatro dias para voltar ao Nisshin Maru. O Gojira deve encontrar o Nisshin Maru em breve, e poderá guiar o Bob Barker até o navio-fábrica. O Steve Irwin vai desviar do arpoador em sua popa antes de chegar a Nova Zelândia, e será capaz de retornar ao santuário de baleias sem ninguém na sua popa.

A frota baleeira japonesa está começando a irritar a Agência de Pescas japonesa. Os baleeiros estão exigindo mais subsídios para compensar a sua incapacidade de atingir as suas quotas. A economia japonesa não aparenta estar saudável, e a indústria baleeira será escandalizada com acusações de corrupção, incluindo suborno e fraude.

Esta poderia ser a última temporada que a Sea Shepherd teve que enviar a sua frota até o Oceano Antártico. Esperamos que este seja o caso, mas se os baleeiros japoneses retornarem ao Santuário de Baleias do Oceano Antártico em dezembro de 2011, eles vão nos encontrar esperando por eles novamente.

Nós vamos afastar esses caçadores de baleia do Santuário de Baleias do Oceano Antártico por afundá-los economicamente.

A maré se voltou contra eles, e se voltarmos no final do ano, estaremos mais fortes do que este ano, tal como todos os anos desde que começamos nossas viagens para cá, em 2002. Nós aumentamos os nossos recursos, aperfeiçoamos nossas habilidades e aprendemos com nossas experiências.

Uma vez que conseguirmos afastar os caçadores de baleias japoneses do Oceano Austral, o nosso objetivo de tornar o Santuário de Baleias do Oceano Austral um verdadeiro santuário de baleias será realizado.

Traduzido por Raquel Soldera, voluntária do ISSB.

Back to list

Related Posts