campanha, Destaque, Notícias, Operação Ondas Limpas

Sea Shepherd e Polícia Militar Ambiental retiram mais de um quilômetro de redes ilegais de pesca em operação conjunta

O aumento das mortes por enredamento de baleias chega a ponto crítico, e Sea Shepherd trabalha com monitoramento cidadão para apoiar esforços da Polícia Militar Ambiental.

Florianópolis – SC: Nesta segunda-feira, a Sea Shepherd Brasil cooperou com a 1a Companhia do 1o Batalhão da Polícia Militar Ambiental de Florianópolis em uma operação para amenizar a consequência do uso de equipamentos de pesca ilegal durante o período de pesca da tainha para as baleias.

Voluntários da Sea Shepherd com Policial Militar

Três voluntários da Sea Shepherd embarcados, mais cinco voluntários em terra, junto a três policiais do 1o Batalhão da Polícia Militar Ambiental de Florianópolis se mobilizaram em uma operação na manhã desta segunda-feira que resultou na apreensão de um pescador com mais de 550m de redes de uso ilegal e 50kg de peixe; e na retirada de uma rede de emalhe fixa de 887 metros de comprimento em localização protegida pela APA da Baleia Franca, proibida para este tipo de atividade. Estas redes serão destinadas ao P&P Polímeros para reciclagem.

Neste ano de 2021, houve um grande aumento de enredamento de baleias na região de Santa Catarina: que hoje já é o segundo estado com maior incidência de morte de baleias jubarte por enredamento no país com 11 casos, logo após  o estado de São Paulo com 12 casos.

A quantidade de baleias dessa espécie mortas no litoral brasileiro este ano é a maior dos últimos cinco anos, com 54 até agora – e a temporada de sua migração ainda planeja se estender até meados de setembro. Somente no entorno da ilha de Florianópolis, já houveram nove enredamentos. Em uma só semana no mês de junho, quatro ocorrências foram registradas. Duas baleias conseguiram sobreviver, mas as outras duas morreram.

A morte desses animais em redes ilegais de pesca é enquadrada como crime contra a fauna. A lei prevê até um ano de detenção e multa. De acordo com a PMA da região, as ocorrências deste tipo vem acontecendo no mesmo período da pesca da tainha, que coincide com a migração das baleias jubarte por nossa costa. Neste período o esforço de pesca aumenta e redes fixas em desacordo com a legislação são colocadas em diversos pontos da costa.

Em um litoral tão extenso, é desafiador obter uma fiscalização eficiente pela Polícia Ambiental. ‘Com as embarcações atuais a gente não consegue ter uma capacidade de carga muito grande. Então a Sea Shepherd chegando com uma embarcação sobressalente ajuda nesse recolhimento e na eficiência do dia.’ diz Cabo Roberto Salles do 1o Batalhão da Polícia Militar Ambiental, também presente na operação.

Voluntários da Sea Shepherd e cabo da Polícia Militar Ambiental observam rede apreendida

As baleias-jubarte têm como local de reprodução principal a região de Abrolhos, entre o Espírito Santo e a Bahia. Neste ano de 2021, em vez de seguir sua rota habitual de migração mais afastadas do litoral de Santa Catarina, elas se aproximaram do litoral e infelizmente algumas delas acabaram se enredando. Este fenômeno também tem sido observado na costa do Paraná e São Paulo, onde elas também atipicamente têm sido vistas com maior frequência.

Baleia enredada
Foto: Guilherme Bueno

‘É conhecido que estas baleias avistadas por nossa costa têm sido mais juvenis, e tem se observado que muitas chegam já fracas. Essas redes de pesca são pouco visíveis para as baleias, e quanto mais inexperiente e fraco for o animal, ele pode facilmente se enredar, e dificilmente conseguir escapar sozinho’, detalha a Diretora de Desenvolvimento da Sea Shepherd Brasil, Nathalie Gil, que acompanhou a operação.

As baleias-jubarte, segundo estudos, são fundamentais para o equilíbrio do clima do planeta e também para o ecossistema do oceano. Elas auxiliam na circulação de nutrientes, tanto das regiões mais ao sul para as áreas tropicais, quanto das áreas mais profundas às mais rasas do oceano.

A Sea Shepherd dará apoio à PMA para o combate à pesca ilegal até o final desta temporada de pesca da tainha no final deste mês, e construirá um plano de apoio de voluntários cidadãos à operação da Polícia Ambiental no retorno da temporada no ano que vem. Para quem se interessar em fazer parte do grupo de voluntários da Sea Shepherd, seja contribuindo com suas embarcações ou na operação, ou em outras atividades da organização, é só se inscrever aqui.

Pesca ilegal na temporada da pesca da tainha

Um grande hábito tradicional da região, a temporada da pesca da tainha possui diversas restrições para os pescadores em relação à embarcações utilizadas, tipos e técnicas de redes, dependendo do período e localização para este tipo de prática. A região sul da ilha de Florianópolis, onde ocorreu esta operação, é uma área protegida como parte da APA da Baleia Franca, o tipo de pesca de emalhe fixo é considerada proibida. Estas leis têm como objetivo a proteção das baleias e outros animais da região, que podem se enredar em suas malhas e ocasionar a morte dos animais que habitualmente frequentam esta área.

 

Veja o vídeo da ação:

A APA da Baleia Franca

Desde o ano 2000 a Área de Proteção Ambiental da Baleia Franca, ou Berçário da Baleia Franca como é melhor conhecida, é uma região com uma área de 156 mil hectares, 130 km de costa marítima, que abrange nove municípios desde o sul da ilha de Florianópolis até o Balneário Rincão.

As finalidades da APA da Baleia Franca são, dentre outros objetivos, principalmente  proteger, em águas brasileiras, a baleia franca austral (Eubalaena australis), que utiliza esta região como um berçário. 

Em sua rota migratória reprodutiva, a baleia franca passa pela região entre os meses de junho e novembro. Neste ano de 2021 vem sendo observada a presença maior também da baleia jubarte (Megaptera novaeangliae) que atipicamente vem frequentando e estacionando nesta área em vez de sua habitual migração da Antártida até Abrolhos.

O que posso fazer se encontrar um animal marinho morto ou debilitado?

  • Mantenha distância e ajude a isolar a área. Não tente chegar perto do animal ou ajuda-lo, isso pode ser fatal tanto para você quanto o animal.
  • Você também pode avisar a Sea Shepherd em nossas mídias sociais @seashepherdbrasil (Instagram e Facebook) para entrarmos em contato com as autoridades.

O que posso fazer se encontrar uma rede de pesca ilegal?

  • Denuncie para a Polícia Militar Ambiental. O telefone da PMA de Florianópolis é (48) 3665-4906
  • Você também pode avisar a Sea Shepherd em nossas mídias sociais @seashepherdbrasil (Instagram e Facebook) para entrarmos em contato com as autoridades

Fotos e vídeo: Todd Southgate
Imagens de drone por Guilherme Bueno

Back to list

Related Posts