Destaque, Notícias

Sea Shepherd anuncia “Operação Milagro II”

“Milagro” significa “milagre” em espanhol, portanto, Operação Milagro é um nome muito apropriado para a campanha que tem a intenção de salvar o mamífero marinho mais ameaçado de extinção do mundo – a Vaquita Marina (Phocoena sinus).


A vaquita é endêmica do norte do Golfo da Califórnia, também conhecido como o Mar de Cortês, no México. Existem, hoje menos de 100 vaquitas. Esse pequeno boto se encontra nessa situação tão delicada por causa da pesca com redes de emalhe (Redes de espera), também muito utilizadas no Brasil.

O habitat da vaquita é cercado por três vilas pesqueiras. A pesca é feita com pequenas lanchas (pangas) que cercam o local com redes de espera amarradas em boias. Essas redes são largadas e deixadas por várias horas em um mesmo local, as vezes, mais de um dia. São feitas com nylon transparente ou verde.

Isto, combinado com o fato d´água ser completamente turva, as redes ficam quase invisíveis para a vaquita. Enquanto nadam dentro do refúgio marinho criado para elas em 2005, os botos muitas vezes se enredam e são incapazes de voltar à superfície da água para respirar, morrendo afogadas. Isso acontece com frequência com varias outras espécies marinhas que se encontram com esse tipo de rede, como tartarugas e golfinhos.


Os pescadores locais normalmente estão atrás de camarões e corvina. No entanto, existe uma outra espécie, também ameaçada de extinção, que despertou o interesse de alguns. O totoaba (Totoaba macdonaldi) é um peixe que também é endêmico do mar de Cortês. Na China, a bexiga natatória desse peixe é comercializada ilegalmente, isso criou um mercado negro no Mar de Cortês.

A bexiga natatória do totoaba é vendida por valores maiores que de muitas drogas, o que levou o cartel Mexicano e a máfia Chinesa a se envolverem nesse negócio ilícito, causando pânico dentro das comunidades locais e piorando a situação da vaquita ao extremo. Esse é o maior motivo de restarem tão poucas vaquitas.

Como o totoaba é mais ou menos do mesmo tamanho da vaquita a rede para pesca-lo tem um emalhe de um tamanho que enrosca a vaquita muito facilmente (maior que 15 cm de emalhe). Os Chineses acreditam, que a bexiga natatória do Totoaba tem propriedades medicinais, o que criou um problema semelhante ao trafico de barbatanas de tubarões. Nesse caso, também, somente 5% do animal é utilizado e o resto é jogado de volta ao mar.

Pressionado por cientistas e ONGs do mundo inteiro o governo Mexicano tomou uma atitude e anunciou um moratório de 2 anos a todo tipo de pesca com redes de emalhe na maior parte da área onde a vaquita habita. O navio da Sea Shephed Martin Sheen estava lá, registrando a pesca ilegal e estamos prontos para voltar com a segunda parte da campanha que será uma parceria com o governo Mexicano para patrulhar as águas da reserva e garantir a sobrevivência desse animal que muitos ainda nem conhecem.

Sobre a vaquita:

– A vaquita é o mamífero marinho mais ameaçado de extinção do mundo.

– Estimativas baseadas em pesquisa acústica indicam que existem menos de 97 vaquitas restantes.

– Estima-se que apenas 25 são do sexo feminino em idade reprodutiva.

– As vaquitas são encontradas somente em uma pequena região no norte do Mar de Cortês, no México.

– A população diminuiu 18.5% por ano desde o inicio da pesca ilegal do totoaba.

– O governo do México, determinado a impedir a extinção da vaquita, decretou em abril de 2015, uma moratória de dois anos sobre a pesca com redes de emalhar no habitat da vaquita.

– A vaquita é também conhecida como o “panda do mar” por causa das círculos escuros ao redor dos olhos e da boca.

– Elas têm um tempo de vida relativamente curto em comparação a outros botos, de aproximadamente 20 anos, e nunca foram mantidos em cativeiro. Com um ritmo mais lento de reprodução do que a de outros botos – só tem no máximo um filhote a cada dois anos – esses pequenos animais estão sendo exterminados mais rápido do que eles podem reproduzir.

[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=Ct77GmmyAEo[/youtube]

Back to list

Related Posts