Editorial

O que eu aprendi no dia que uma baleia morrendo poupou minha vida

Comentário pelo Capitão Paul Watson

Paul Watson em cima de uma jovem baleia abatida, com o navio Phyllis Cormack atrás, em 26 de junho de 1975. Foto: Rex Weyler / Greenpeace

O maior presente que eu já recebi também é minha grande e duradoura maldição.

Era junho de 1975 e eu era um membro da tripulação da primeira campanha do Greenpeace para proteger as baleias. Foi na costa do norte da Califórnia, a 60 km da costa. Diante de nós, espalhados pelas águas como alguns invasores estrangeiros armados, estava a frota baleeira soviética.

Os navios eram cinza, preto, e manchados de ferrugem. De fora da parte lateral do maior, o enorme navio-fábrica Dalni Vostok, um fluxo constante de sangue espesso escorria para o mar.

Nos sentimos muito pequenos a bordo do Phyllis Cormack de 85 pés, que tínhamos fretado da British Columbia, comandado pelo grande capitão John C. Cormack.

Éramos um grupo de 13, e eu era o primeiro oficial.

Isso foi antes do limite de 200 milhas ser imposto, e quando os russos livremente pescavam e matavam baleias até 13 milhas da costa. Os americanos não gostavam, mas legalmente não havia nada que pudesse fazer. Assim, coube a um pequeno grupo de idealistas jovens canadenses desafiar os assassinos de baleias na costa californiana.

Estávamos procurando por eles desde abril, partindo do norte das Ilhas Queen Charlotte. Era como tentar encontrar uma agulha em um palheiro, e não tínhamos idéia de onde mesmo começar a olhar.

No entanto, no início de junho, recebemos uma dica de uma fonte que eu nunca pode revelar, em Washington DC, que se quiséssemos encontrar os baleeiros russos, precisávamos ir para o sul. À medida que prosseguimos para o sul, a fonte nos forneceu os movimentos da frota soviética.

E lá estávamos nós, a 60 milhas ao largo da cidade de Eureka, nos aproximando de um navio-fábrica maciço e três barcos assassinos rápidos, cada um montado com arpões pintados da cor dos ovos de Robin.

Nós os encontramos enquanto caçavam, chegamos no momento em que um arpão rasgou a parte traseira de uma jovem cachalote. Os baleeiros a deixaram lá flutuando com uma bóia de radiocomunicações anexada à medida que saíram em busca de outra vítima.

Lançamos um inflável Zodiac e eu estava na proa, a bolina enrolada em volta do meu pulso para apoio quando nos aproximamos do corpo subindo e descendo nas ondas.

Eu pisei fora do Zodiac, na carcaça da baleia. Ela ainda estava muito quente, e o sangue escorria e borbulhava de uma ferida aberta. Uma longa corda amarela de polipropileno saía do ferimento. Ela tinha sido cortada e os fios de nylon dançavam sobre a superfície da água, com o sangue formando uma espuma alaranjada.

O Phyllis Cormack se aproximou para que o nosso fotógrafo Rex Weyler tirasse uma foto da baleia, usando o meu corpo como um indicador para medir o animal. Era pequena, em torno de 22 pés. Uma baleia jovem.

Minha mão nua na baleia sentiu o calor do seu corpo e o sangue na minha pele ainda estava quente. A baleia estava deitada do seu lado esquerdo, e o olho direito estava aberto, olhando para o céu. A mandíbula inferior abria e fechava com cada ondulação, e eu podia ver as duas fileiras de dentes pontiagudos mais baixas.

De repente, ouvi um grito do Phyllis Cormack. O navio arpoador estava voltando, e eles tinham uma mangueira de incêndio jorrando um jato de água de alta pressão da proa.

Eu pulei no Zodiac enquanto os soviéticos rapidamente puxaram a baleia morta do lado de seu navio e faziam o caminho de volta para o navio-fábrica. Os seguimos e filmamos como eles transferiram a baleia até a rampa de lançamento, onde foi puxada por cabos e guinchos até o deck, onde homens com longas facas afiadas esperavam para esquartejar o corpo.

Mais sangue jorrou no mar.

E nós nos sentimos tão indefesos, tão pequenos e tão inúteis.

Depois que os navios arpoadores transferiram suas baleias, eles se espalhavam para continuar a matança. Seguimos um dos arpoadores em três Zodiacs enquanto o Phyllis Cormack lentamente nos seguia.

Não demorou muito para que os russos encontrassem outro grupo, e mais uma vez a perseguição começou. Mas desta vez estávamos perseguindo os baleeiros enquanto eles perseguiam as baleias.

Nossa estratégia era simples. Gostaríamos de colocar nossos corpos entre as baleias e os arpões. Fomos influenciados pelas ações não violentas de Gandhi, e esta foi a única tática que pudemos pensar para proteger as baleias sem ferir os baleeiros.

Nós tínhamos praticado o que faríamos depois durante mais de um ano, e voltei-me para Bob Hunter, o nosso líder da expedição, que estava no barco comigo, e disse: “Bem Bob, é isso. Vamos fazer”.

Eu liguei o motor, e nosso barco inflável rugiu à frente do navio arpoador, com os outros dois insufláveis ​​de cada lado. Em poucos minutos estávamos correndo à frente do baleeiro e atrás de um grupo de oito cachalotes magníficas.

Elas estavam correndo para salvar suas vidas, incapazes de conseguir aspirar ar o suficiente para um mergulho profundo. Elas foram jorrando rapidamente, e pudemos ver o arco-íris cintilante da névoa que expulsavam para o ar. Estávamos tão perto que podíamos sentir o cheiro da respiração, e nosso objetivo era bloquear o caminho do arpão.

Será que os soviéticos arriscariam matar um ser humano ao invés de matar uma baleia? A resposta a essa questão era um mistério para nós.

Mas nós estávamos tentando fazer com que nos dessem uma resposta de uma forma ou de outra. Enquanto os nossos três barcos infláveis ​​corriam antes da curva, eu olhei para trás e vi a sombra de um homem inclinando-se para trás com o enorme arpão, tentando alcançar uma das baleias em sua vista. Ele não estava conseguindo, e ficou claramente frustrado.

De repente, um homem maior veio para a frente ao longo da passarela e começou a gritar no ouvido de um arpoador soviético. O arpoador assentiu e se agachou atrás de sua arma enquanto o homem que mais tarde seria identificado como o capitão levantou-se e olhou para nós com um sorriso. Ele passou seu dedo lentamente pela garganta, e foi quando percebemos que Gandhi não ia funcionar para nós naquele dia.

Eu vi o grupo de baleias se levantar na nossa frente, enquanto o navio arpoador aumentava atrás de nós. Enquanto nossos infláveis se encontravam no vale profundo entre os dois, uma explosão terrível foi lançada sobre as baleias.

A ponta do arpão explosivo zuniu pelo ar enquanto o cabo conectado descia para a água, cortando a superfície como uma espada pesada.

Na nossa frente, uma cachalote fêmea gritou de dor enquanto rolou de lado, com uma fonte de sangue fumegante derramando dela. Ao lado dela, a maior baleia no grupo levantou-se da superfície do mar e mergulhou. Quando sua cauda poderosa bateu na água com um estrondo, ela desapareceu. As outras seis baleias tentaram fugir enquanto o macho enorme virou-se para defendê-las.

Por um momento, pensei que ele iria nos atacar. Nós todos tínhamos visto as impressões antigas e xilogravuras de cachalotes enfurecidos cortando botes baleeiros ianques no meio, derramando baleeiros feridos no mar.

Tivemos pouco tempo para pensar enquanto o oceano explodiu atrás de nós, e esta grande baleia se jogou na água tentando alcançar o homem por trás do arpão.

Eles estavam prontos para ela e tinha rapidamente recarregado a arma com um arpão. Enquanto a baleia se levantou e saiu da água, o arpoador baixou a arma, puxando o gatilho. Com uma explosão de trovão rasgou o arpão na cabeça da baleia.

Ela gritou. Era um grito lancinante de dor, choque e confusão. Ela caiu de volta ao mar, rolando em agonia na superfície, em um mar escarlate manchado com seu sangue.

As duas baleias morreram lutando para salvar a vida entre o barco arpoador e nós seis em três barcos, sentados imóveis sobre as ondas.

Eu não conseguia tirar os olhos da baleia morrendo mais próxima de nós. Sua cauda batendo no mar e a espuma rosa ao redor dela.

Então, de repente, a baleia estava olhando diretamente para mim. Eu vi seu olho enorme e eu podia ver que ela me viu. Naquele momento, ela mergulhou mais uma vez e vi bolhas de sangue vindo à superfície, movendo-se mais perto de nosso barco. Em segundos a cabeça da baleia surgiu acima da superfície do mar e começou a subir, subindo cada vez mais, mas como se estivesse em câmera lenta, e inclinada para que pudéssemos ver que a sua intenção era a de desabar sobre nós.

E enquanto sua cabeça subia cada vez mais alto, vi seu olho mais uma vez, tão perto que eu podia ver meu próprio reflexo em seu orbe escuro profundo. De repente, fiquei impressionado com a percepção de que esta baleia entendeu o que estávamos fazendo.

Seu maxilar inferior pendia quase tocando ao lado de nosso barco inflável, tão perto que eu poderia ter tocado um dos dentes de seis polegadas com meus dedos.

Seus músculos tensionaram e ela parou de crescer, e começou a deslizar lentamente em um ângulo de volta para o mar. Eu mantive contato visual com ela até seu olho afundar abaixo da superfície do mar e desaparecer.

E assim ela morreu.

Ela poderia ter nos matado, mas ela não fez isso, e aquela troca de olhar tem me assombrado desde então.

Eu senti compreensão, e eu sabia que ela sabia que estávamos ali para salvá-la, não matá-la. Me senti envergonhado por ter falhado. Eu me senti impotente e com raiva, frustrado e admirado, tudo de uma vez. Eu me senti em dívida com ela por ter poupado minha vida.

Mas também vi outra coisa em seu olhar, e foi pena.

Não por ela, nem pela sua espécie, mas por nós.

Uma palidez desconfortável de vergonha caiu em cima de mim enquanto eu sentia o que a baleia havia percebido. É verdade que foi pena, mas pena de nós, que tiramos a vida tão implacavelmente, de modo impensado, e tão impiedosamente, e para quê?

Nós estávamos sentados em nossos pequenos barcos infláveis ​​no meio da frota baleeira soviética, com os corpos de uma meia dúzia de baleias cachalote deitadas sem vida ao redor. Eu assisti o sol começar a se pôr no oeste, e lembrei-me que os russos estavam matando baleias, principalmente pelo valioso óleo espermacete.

O óleo de espermacete é valorizado pela sua elevada resistência ao calor, e, portanto, é usado em máquinas onde existe um calor excessivo. Uma das utilidades deste óleo para os soviéticos era para o uso na produção de mísseis balísticos intercontinentais.

Aqui eles estavam massacrando estes magníficos, maravilhosos, inteligentes e socialmente complexos seres sencientes com a finalidade de fazer uma arma projetada para o extermínio em massa de seres humanos.

E eu pensei comigo mesmo, nós somos realmente tão loucos?

É esse pensamento, essa pergunta não respondida, que tem me assombrado todos os dias desde então.

É o que eu vi nos olhos daquela baleia que me levou a dedicar toda minha vida adulta para a defesa das baleias e das outras criaturas do mar, porque eu sei que, se não pudermos salvar as baleias, as tartarugas, os tubarões, o atum, a complexa biodiversidade marinha, os oceanos não vão sobreviver. Se a vida nos oceanos diminuir, a humanidade diminuirá, e se os oceanos morrerem, a humanidade vai morrer, pois não podemos sobreviver neste planeta com um oceano morto.

Reproduzido com permissão do The Guardian – O que eu aprendi no dia que uma baleia morrendo poupou minha vida

Traduzido por Raquel Soldera, voluntária do Instituto Sea Shepherd Brasil

Back to list

Related Posts