Editorial

A última estação baleeira

Comentário por Peter Hammarstedt, Primeiro Oficial do Brigitte Bardot

Estação baleeira deserta em vid Air. Foto: Simon Ager

Estação baleeira deserta em vid Air. Foto: Simon Ager

As Ilhas Faroé são infames pelo abate anual de baleias-piloto e outros pequenos cetáceos, mas há 25 anos, o sangue de grandes baleias também mancharam as margens destas ilhas com um vermelho carmesim.

Enquanto estávamos atracados em Hvalvik, os tripulantes do Brigitte Bardot, Simon Ager, Megan Jolley e eu, visitamos vid Air, uma das duas estações baleeiras abandonadas que já foi responsável pelo processamento de centenas de baleias por ano, e apenas a uma curta caminhada de distância da cidade. A última baleia-fin a ser puxada para cima para deslizar na vid Air foi em 1984.

Esta última estação baleeira é preservada apenas pelo sal do mar que está lentamente recuperando o aço corrugado que esconde os tanques de gordura e motores a vapor da vista do público. Em muitos aspectos, parece que a estação baleeira parou em um flash de consciência provocada pela introdução da moratória mundial da caça comercial. Parece que os baleeiros foram trabalhar um dia, deixando suas facas e outras ferramentas de corte para trás, e não voltaram no dia seguinte. Como se o botão de parada de emergência tivesse sido pressionado em alguma grande máquina de condução de uma política de extinção, aquela que aqui emperrou.

Peter Hammarstedt e Megan Jolley inspecionam restos de uma baleia. Foto: Simon Ager

Peter Hammarstedt e Megan Jolley inspecionam restos de uma baleia. Foto: Simon Ager

Nenhum esforço foi feito para limpar a estação de caça às baleias. Os grandes tanques de ferro que uma vez converteram gordura de baleia em fumaça de óleo de carne, e costelas, e mandíbulas que uma vez fizeram parte dos esqueletos das baleias que viviam no mar. Se as paredes dos edifícios da vid Air pudessem falar, eles nos advertiriam que não há muito tempo. O sentimento de que os oceanos são inesgotáveis ​​levou quase todas as espécies de grandes baleias à extinção. Elas nos dizem para aprender com a história, ou sermos condenados a repeti-la.

O que é estranho na atitude das Ilhas Faroé com as baleias é que poucos defendem um retorno à caça comercial. Muitos são favoráveis ​​às intervenções bem sucedidas da Sea Shepherd contra a matança ilegal de baleias nas águas da Antártida pelo Japão. E, no entanto, há um surpreendente descompasso entre a dizimação das espécies de grandes baleias e a contínua matança de baleias-piloto.

O argumento mais comum ouvido é que as baleias-piloto estão em grande número. Nós fomos informados por moradores que as estimativas daqui são de que a população de baleias-piloto no Atlântico Norte é muito alta, cerca de mais de 700 mil. No entanto, há uma razão muito boa para a baleia-piloto ser listada como uma espécie ameaçada no âmbito da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies da Flora e Fauna Selvagens em Perigo de Extinção (CITES). A baleia-piloto é protegida internacionalmente da caça porque não há números exatos, e ninguém sabe quantas baleias-piloto realmente existem.

Vértebra de baleia dentro da estação baleeira. Foto: Simon Ager

Vértebra de baleia dentro da estação baleeira. Foto: Simon Ager

O que sabemos é que não adotar nenhum tipo de precaução é suicídio ecológico. Temos de assumir o menor denominador comum e, enquanto a comunidade científica internacional considerar que a baleia-piloto está ameaçada, então a destruição completa de grupos inteiros de baleias-piloto, grupos sociais complexos que evoluíram ao longo de eras, tanto social como geneticamente, é uma ameaça ambiental.

O sentimento de que a caça de qualquer cetáceo é de alguma forma sustentável é o mesmo que foi murmurou na vid Air antes de uma moratória total ser necessária para salvar as baleias de grande porte. A inflação deliberada de estatísticas que regem número de mamíferos marinhos tem sido utilizada para justificar o abate de todos os animais selvagens, desde as focas no leste do Canadá até as baleias nas águas da Antártida.

A estação de caça de baleias na vid Air é um símbolo de um tempo não tão distante, quando uma combinação de ignorância e desprezo flagrantes quase roubou-nos um dos maiores tesouros da natureza. O Fjord Sundini não tira a vida de baleias-fin, mas há apenas dois anos, várias centenas de baleias-piloto morreram aqui. Crânios de baleias-piloto ainda são encontrados, levados para a praia onde o Brigitte Bardot está atracado. Se os baleeiros de Hvalvik olhassem além do seu banho de sangue, nesse dia eles poderiam ter notado que, não muito além de seu campo de visão, a estação de caça à baleia na vid Air continua a marcar a decadência e a passagem do tempo, falando bem alto que a caça de baleias pertence ao passado.

Peter Hammarstedt exibe uma antiga faca. Foto: Simon Ager

Peter Hammarstedt exibe uma antiga faca. Foto: Simon Ager

Traduzido por Raquel Soldera, voluntária do ISSB.

Back to list

Related Posts