Home » Destaque, Notícias

Operação Rio Doce/Regência – Núcleo ES – PARTE 1

10 dezembro 2015

WE ARE: Marcos Neiva, Cíntia Silva, Thiago Barrack, Rafael Poltronieri e João Linhares (Instinto Imagem)

O Núcleo do Estado do Espírito Santo do Instituto Sea Shepherd Brasil em parceria com a Organização ‘Instinto Imagem’, estiveram e estarão continuamente presentes no litoral Norte capixaba, Linhares/Rêgencia. O Núcleo do ES realiza uma visita Técnica e de monitoramento contínua no local em conjunto com a sua equipe de Biólogos e voluntários.

A improbidade administrativa, a má gestão pública/privada e a falta da fiscalização em conjunto com a Água suja com rejeitos de minério, chegaram ao litoral do Espírito Santo há praticamente 1 mês após o rompimento da Barragem de Fundão, em Mariana (MG).

Regência: Encontro do Rio com o Mar.

A lama já avança por mais de 40km de extensão mar adentro, correndo o risco de atingir ao Sul os Distritos de Barra do Riacho, Santa Cruz (onde possui um dos mais importantes criadouros marinhos do Oceano Atlântico) e Nova Almeida. O Arquipélago de Abrolhos onde abriga uma das maiores concentrações de peixes por metro quadrado do planeta, em quantidade e variedade, localizado ao Norte, também não se encontra totalmente protegido do mar de lama. Segundo relatos da ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, a lama só iria se dispersar 3km para o Norte, mas, na verdade, já são mais de 30km segundo o próprio Órgão Ambiental Estadual.

Regência: Rio de lama com o Mar de lama

Satélite da Nasa mostra evolução da lama no Rio Doce (Foto: Reprodução/ WorldView Nasa)

A equipe do Núcleo do ES do Instituto Sea Shepherd Brasil realizou incursões nas áreas afetadas e das quais existiriam sinais de omissão e a “venda” da verdade absoluta. A nossa equipe também prontificou-se a dar o suporte ao salvamento e a reabilitação de animais marinhos possivelmente encontrados ainda vivos afetados pela lama no local.

A Equipe de voluntários e Biólogos do Núcleo do ES do Instituto Sea Shepherd Brasil trabalhou tanto por Terra quanto pela água (Rio e Mar) com medições via GPS, e, já agenda a possibilidade de sobrevoar a região para analisar com toda clareza e verdade o quanto realmente da área marinha está sendo afetada pela lama (Norte e Sul).

“Na boca dos culpados, até a verdade é suspeita. Queremos tirar as nossas próprias conclusões vindas de análises feitas pelos nossos próprios voluntários e profissionais. Nunca recebemos financiamentos de empresas poluidoras e muito menos dependemos desse sistema do qual participa no trabalho da possível contenção da lama. Além do mais, não gastamos 1L de água se quer da população local para o consumo próprio. Diferentes de outros e outras, temos consciência e seguimos muito bem estruturados em nossas operações. Mesmo assim, ainda tentam nos criticar. Incomodamos muita gente. Sabemos disso. A verdade para alguns é árdua, infelizmente. Somente iremos crer nos resultados das análises realizadas através dos nossos próprios profissionais e voluntários.” Relatou Thiago Barrack, Coordenador do Núcleo do ES do Instituto Sea Shepherd Brasil.

Bóias para a contenção de derramamento de óleo e petróleo sendo utilizadas pela equipe da Samarco para tentar barrar a lama.

Rio Doce: Seria só lama?

O Núcleo do ES do Instituto Sea Shepherd Brasil obteve também o contato e coletou variados depoimentos, desde moradores, pescadores, comerciantes, índios, turistas, curiosos, crianças, e até Agentes do CTA, Projeto Tamar, iCMBio e consultores da própria Samarco. A partir destes depoimentos começamos a descobrir a incerteza da palavra verdade do qual abrange uma Vila preservada e residida por um povo simples, descendentes de índios, caboclos e pescadores, chamada: Regência. Hoje, infelizmente, tomada pela cor marrom e amarelada da lama!

Núcleo do ES do Instituto Sea Shepherd Brasil ao lado do Gestor da Reserva Biológica de Comboios.

Voluntária do Núcleo do ES do Instituto Sea Shepherd Brasil coletando depoimentos dos moradores.

Núcleo do ES do Instituto Sea Shepherd Brasil ao lado de uma tribo indígena local do qual nos prestou depoimentos.

Após obtermos e analisarmos toda a documentação captada, a equipe do Núcleo do ES do Instituto Sea Shepherd Brasil em conjunto com o “Instinto Imagem”, chegaram á uma linha de raciocínio. Os relatos dos moradores, índios e pessoas das quais residem e vivem na região, não coincidiam com os relatos e também depoimentos colhidos pela nossa mesma Equipe, através dos Técnicos e analistas ambientais federais dos quais ali trabalhavam. Existia ali, segundo os nossos depoimentos colhidos, uma contradição entre o que estava vivo, e, agora, infelizmente morto e omisso, tudo, ocasionado pela lama. Tínhamos ,ali, então, a obrigação de descobrir. – “Defender, Conservar e Proteger” –

“Á partir dessa linha de raciocínio e com os depoimentos contraditórios, nós, do Núcleo do Espírito Santo do Instituto Sea Shepherd Brasil em conjunto com a organização ‘Instinto Imagem’, nos reunimos e traçamos uma nova linha de estratégia. Começamos então a procurar a OMISSÃO. Queriamos comprovar se realmente haviam-se provas escondidas, animais marinhos mortos e enterrados. Queriamos saber qual o lado estava correto. Mesmo tendo a plena certeza de que o lado certo, não era o lado do “sistema”. Iniciamos então, uma busca no local indicado por moradores. Começamos a cavar e a gravar tudo o que encontrávamos, enterrado ou não. O local do qual estávamos era uma área deserta, bem ao lado da junção do rio de lama com o mar de lama. O acesso somente poderia ser feito através de uma embarcação. Felizmente, no local, apenas encontravam-se a equipe do Núcleo do ES e do ‘Instinto Imagem’ trabalhando, e, o piloto da nossa embarcação nos aguardando. No final, infelizmente a “caça ao tesouro” não foi tão agradável. Realmente algumas provas e amostras encontradas não foram nada animadoras para nós. Sentimos realmente o possível cheiro da “mentira e da omissão” naquele lugar.” Disse Thiago Barrack, Coordenador do Núcleo do ES do Instituto Sea Shepherd Brasil.

“Houveram desencontros de informações entre pessoas que vivem e sobrevivem na comunidade durante anos com agentes dos orgãos fiscalizadores. Para mim a omissão de quem pode e não auxilia o povo, é comparável a um crime que se pratica contra a comunidade inteira. A omissão é um dos crimes mais graves, porque todas as atrocidades são cometidas por conta dela sem que ninguém se sinta culpado.” Finalizou Thiago Barrack.

Bando de Trinta-réis-de-bando (Thalasseus acuflavidus) ainda com vida ao lado do Mar de lama.

Trinta-réis-de-bando (Thalasseus acuflavidus) anilhado e encontrado morto no Mar de lama.

Núcleo do ES do Instituto Sea Shepherd Brasil captando informações da anilha do Trinta-réis-de-bando (Thalasseus acuflavidus) encontrado morto no Mar de lama.

Ovo de uma possível tartaruga encontrado ao redor do Mar de lama.

Espécie de peixe encontrada morta aos arredores do Mar de lama.

Todas as provas encontradas serão levadas para a análise e estudadas pela nossa equipe Técnica e de Biólogos. A equipe de Biólogos do Núcleo do ES do Instituto Sea Shepherd Brasil já se encontra trabalhando para obter maiores informações e dados das amostras colhidas. Os restantes das provas serão mantidas em confinamento interno da equipe e da organização nacional, para possíveis futuras questões jurídicas.

PRONUNCIAMENTO DO NÚCLEO DO ES DO INSTITUTO SEA SHEPHERD BRASIL:

“ O Núcleo do Espírito Santo do Instituto Sea Shepherd Brasil gostaria de “parabenizar” a Samarco e a todos os envolvidos, até mesmo os orgãos públicos fiscalizadores dos quais deveriam ter prevenido antecipadamente esse desastre e verdadeiro crime ambiental. Enfim, vai aqui o nosso “Parabéns” a vocês. Além de pagar pelo assassinato da 5ª maior bacia hidrográfica brasileira, e, agora, já também assassinando os nossos Oceanos, vocês também debocharam da prevenção. PARABÉNS !!! ;-)” (Barulho de palmas de todos os envolvidos do Núcleo do ES na Operação) 

Conheça quem são e o que disseram os participantes por trás desta operação.

Operação Rio Doce – Regência – ES

GUARDIÕES DO RIO DOCE:

Marcos Neiva

“Fiquei bastante decepcionado com o governo de um modo geral no Brasil. Quanta omissão! Quanto descaso com as pessoas e com todo o ecossistema que foi afetado. NUNCA mais Regência será igual ao que era antes. Erros corriqueiros acontecendo em série. Já não bastava a falta de um programa preventivo, agora então sugerir a contenção de óleo para a lama foi o erro mais descabido e grotesco que um profissional responsável por esta área poderia cometer…” Marcos Neiva (Técnico Segurança do Trabalho/Acadêmico de Ciências Biológicas/Ativista Sea Shepherd Brasil – ES)

Cíntia Silva

“Este crime ambiental, cujos danos terão implicações por dezenas de anos, ainda é visto com leviandade e tratado como mero acidente. O que me preocupa, aquém da irreversibilidade das perdas para a vida animal -já suficientemente desrespeitada por aqueles que se indignam preferencialmente quando da perda de seres vivos que representam recurso financeiro- é o fato de que o local não está cheio de pessoas desenvolvendo medidas para salvar o pouco que nos resta, mas um covil de urubus sobre um rio morto que rende estudos e notícias”. Cíntia da Silva Varzim (Professora/Bióloga pela UFRGS/Ativista Sea Shepherd Brasil – ES)

Rafael Poltronieri

“Foi impactante e triste observar as águas tomadas pela lama. Até que ponto os animais que vivem nessa região irão pagar pela inconseqüência dos seres “humanos” ? A Nossa missão foi muito bem sucedida. Através do nosso trabalho levamos um pouco de justiça e esperança!” Rafael Poltronieri (Analista de TI/Ativista Sea Shepherd Brasil – ES)

João Linhares

“A Operação Linhares/Regência, foi de extrema importância já que a população merece um parecer real sobre a maior tragédia ambiental do planeta e muitas coisas estão sendo omitidas. Estamos sendo um porta voz de todas as pessoas e animais afetados. Foi difícil controlar a tristeza e “engolir” as lágrimas, mas estávamos no local com o propósito de realizar uma investigação minuciosa para repassar a população de forma transparente e é isso que vai acontecer. Seguindo as palavras do Thiago Barrack “Aqui ninguém se corrompe, a gente mostra a verdade!”.” João Linhares (Diretor e Fotógrafo – Instinto Imagem/Suporte Sea Shepherd Brasil – ES)

Thiago Barrack

“O desastre protagonizado pela mineradora Samarco é profícuo na produção de cenários apocalípticos. O Rio Doce e a sua junção com o litoral capixaba foi convertido em um verdadeiro abatedouro de seres aquáticos de variadas espécies. Ficou claro durante esta operação que as providências tomadas pelo governo brasileiro, a Vale e a BHP para prevenir os danos foram claramente insuficientes. Mas agora a história é outra, estamos aqui, e a vida marinha local agora tem voz!” Thiago Barrack Lavander (Gestor Empresarial/Coordenador Regional do Núcleo do Espírito Santo do Sea Shepherd Brasil)


Instituto Sea Shepherd Brasil
Núcleo Espírito Santo – ES
nucleoes@seashepherd.org.br
www.seashepherd.org.br

Suporte:
João Linhares – Instinto Imagem
www.instintoimagem.com
www.facebook.com/instintoimagem

All Contents Copyright © 2017 Sea Shepherd Conservation Society.

produzido por GPS Digital
EnglishFrançaisDeutschPortuguêsEspañol