Borrifos, Destaque, Editorial, Notícias

As baleias-de-bryde são observadas na costa do país

As baleias continuam a aparecer este ano, e com isso a Sea Shepherd retoma sua atividade de colaboração com organizações parceiras para a conscientização em Ilhabela.

Nos últimos dias, as baleias-de-bryde têm aparecido com frequência na região de Ilhabela-SP e em locais do Rio de Janeiro. A sua  população e conservação são pouco conhecidas, pois estas baleias tropicais, por mais que fiquem em nossa costa o ano inteiro, são muito elusivas e tímidas e se deslocam sozinhas ou em grupos pequenos em diferentes direções. 

Neste último ano de 2020 foram avistados 41 indivíduos desta baleia nas águas de Ilhabela. Em comparação, tivemos o avistamento de quase 200 jubartes.

Não é à toa que o Projeto Baleia à Vista – uma das organizações que atuam na região, junto com a Sea Shepherd, na observação dos cetáceos do local – nomeou uma baleia-de-bryde observada este ano de “Escondidinha” (veja foto) com alguns registros fotográficos que a distinguem pelas marcas de acidente com hélice em seu dorso: ela é muito arisca e rápida.

MAIS SOBRE A BALEIA-DE-BRYDE

As baleias-de-bryde (Balaenoptera brydei), também conhecidas por baleias Tropicais, ocorrem nos trópicos e vivem sua vida toda em águas quentes acima de 16°C. A população pode incluir até 90.000 a 100.000 animais em todo o mundo, com dois terços habitando o hemisfério norte.

Baleia-de-bryde denominada 'Escondidinha'

Elas são muito parecidas com a baleia Minke e Sei, portanto é fácil de confundir. Porém, é possível identificá-las por suas características: fica fácil reconhecer quando ela expõe sua nadadeira dorsal, pequena e falcada (parecida a uma quilha de prancha) afastada do centro do dorso. Outra característica marcante é a cabeça larga e plana com uma quilha central proeminente e duas quilhas laterais. Elas podem chegar a 15 metros e pesar 18 toneladas, e são misticetos (possuem cerdas na boca que as ajudam a se alimentar) e se alimentam de cardumes de manjuba e peixes pequenos. Seu borrifo pode atingir até 4 metros de altura! Elas não são cantoras, como percebido com o macho das jubartes, pois suas vocalizações são de baixa frequência, em pulsos. 

A baleia-de-bryde pode chegar a viver mais de 50 anos, e em sua gestação de 1 ano dá à luz a um único filhote, que mama por aproximadamente 1 ano, e podem medir ao nascer cerca 3 metros pesando 600 quilos. Elas são encontradas em todos os oceanos nas áreas costeiras e oceânicas, em águas tropicais e subtropicais. Podem permanecer na mesma área por muito tempo e migram muito pouco, deslocando-se no sentido costa-mar e vice-versa, e raramente saltam. 

A AMEAÇA À ESPÉCIE

Infelizmente, como todo ser marinho, ela ainda sofre ameaças apesar de moratória à caça que ocorreu em 1986. Elas foram extensivamente caçadas em todo o mundo por décadas, inclusive no Brasil, para fins comerciais. Ilhabela, inclusive, era no passado uma ilha com armação baleeira. 

Hoje as ameaças são outras, todas feitas pelo homem, pois sofrem nas capturas ‘acidentais’ (bycatch) em redes de pesca, como de emalhe, efeito do uso de sonar por petroleiras, tráfego de embarcações, e a degradação do habitat natural por desenvolvimento de cidades.

É importante aprender mais sobre as espécies marinhas, como a baleia-de-bryde, para sabermos como melhor protegê-las. A Sea Shepherd no Brasil trabalha com parceiros em Ilhabela para o conhecimento e conscientização dos cetáceos da região, em sua Campanha Borrifos. 

Saiba mais sobre nossa campanha Borrifos em Ilhabela neste link aqui.

Fotos: Projeto Baleia à Vista | Parceria: Brydes do Brasil e Projeto Baleia à Vista

Suas ações e escolhas diárias são a maneira mais eficiente de proteger o oceano.

Para voluntariar-se à Sea Shepherd e ajudar em nossas atividades em terra e mar, acesse aqui.

Doe para ajudar nas limpezas, resgate de fauna e comunidades que necessitam de assistência.

Back to list

Related Posts