Home » Editorial

Uma longa jornada para casa e agora a viagem começa

5 dezembro 2012

Comentário pelo Capitão Paul Watson

Capitão Watson a bordo do Steve Irwin. Foto: Tim Watters / Sea Shepherd

Esta semana é a minha semana de aniversário, e uma semana maravilhosa na verdade, porque eu recebi o melhor de todos os presentes possíveis. O convés do Steve Irwin está novamente sob meus pés. Eu tenho uma equipe fantástica e nosso navio está em curso para a Antártida.

Tem sido uma longa viagem, da Alemanha para onde estou agora.

Através de dois oceanos e rios incontáveis, ao longo de três cadeias de montanhas, através de um deserto, sobre os lagos, e por dezenas de cidades e vilas. Um total de 9.000 milhas cobertas de Frankfurt, na Alemanha, para o sul do Oceano Pacífico.

Um pouco inconveniente, sem passaporte ou qualquer forma de identificação, e tudo mais difícil sem cartões de crédito ou acesso a caixas eletrônicos, sem acesso à internet, ou até mesmo um telefone celular.

Escuro, a ponto de invisível, mas foi essa invisibilidade que me manteve fora das garras do Japão – apesar de seus recursos, o seu pequeno exército de advogados e sua capacidade de usar sua influência econômica para me colocar na lista vermelha da Interpol sobre motivação política e acusações falsas.

Foram sete meses desde que os alemães me detiveram no aeroporto de Frankfurt, e quatro meses desde que deixei a Alemanha.

Eu não teria chegado aqui sem a lealdade e desenvoltura de apoiadores, amigos e familiares.

E por causa deles, eu agora volto para o Steve Irwin, viajando principalmente através da maior e mais livre nação no mundo – o oceano!

Eu não posso entrar em detalhes sobre as minhas viagens ao longo dos últimos quatro meses. Talvez eu tenha que fazer isso novamente em algum momento no futuro.

Mais importante ainda, precisamos agora focar no futuro imediato, e não no passado recente.

Nossos navios e nossa tripulação estão em movimento. O Steve Irwin e eu estamos no mar. O Bob Barker saiu em 30 de novembro de Sydney. O Brigitte Bardot também está no mar, e Sam Simon permanece em um local não revelado, em meio a rumores e especulações sobre o que é e onde está. Tudo o que posso dizer é que Locky MacLean, um cidadão da França e Canadá, é o capitão.

Eu agora sou o capitão do Steve Irwin, mais uma vez. Peter Hammarstedt, um cidadão da Suécia e dos EUA, é o capitão do Bob Barker, e o capitão do Brigitte Bardot é o mundialmente famoso marinheiro francês, o lendário Jean Yves Terlain.

Quatro navios com quatro capitães, oficiais, e uma tripulação de 120 pessoas de 24 países: Áustria, Austrália, Brasil, Canadá, Chile, Grã-Bretanha, Equador, Finlândia, Alemanha, Hungria, Índia, Israel, Itália, Japão, Holanda, Nova Zelândia, Noruega, Portugal, Rússia, Singapura, África do Sul, Espanha, Suécia e Estados Unidos.

O objetivo da Operação Tolerância Zero é interceptar e intervir contra a intenção da frota baleeira japonesa de matar 1.035 baleias no Santuário de Baleias do Oceano Antártico. Nosso propósito é duplo: salvar a vida das baleias e elevar os custos para a indústria baleeira japonesa, tanto quanto nos for possível, em perdas financeiras. No ano passado, custou cerca de 22 milhões de dólares norte-americanos, apesar do fato de que eles receberam um subsídio de 30 milhões de dólares roubados do fundo de socorro às vítimas do tsunami japonês.

E, como sempre, nossas ações são realizadas no espírito budista de Hayagriva, onde não causamos danos físicos aos nossos adversários. Nosso alvo são suas intenções, e frustrar suas ambições letais, mas nunca prejudicá-los. Infelizmente, eles não compartilham da nossa compaixão e, assim, os riscos que nossas tripulações enfrentam são consideráveis.

Nós nunca estivemos mais fortes, nem mais determinados. Nossa dedicação à defesa da integridade do Santuário de Baleias da Antártica não diminuiu, pois sabemos que a chave para o sucesso é persistência, paciência e perseverança.

Conseguimos a falência da frota baleeira. Conseguimos afundá-los economicamente. Agora precisamos afundá-los politicamente.

Em 1977, nos opusemos à matança de baleias na Austrália Ocidental, quando a Austrália era uma teimosa nação baleeira. Hoje, a Austrália é a nação líder na defesa das baleias no mundo. Isso me dá uma grande esperança para o Japão. O Japão pode ser uma grande força para o bem com a conservação marinha, e mais e mais japoneses estão nos apoiando a cada ano. Eu acredito que um dia o Japão vai ser uma nação que também protege as baleias, e não que as mata, assim como a Austrália se tornou hoje.

A caça de baleias está se tornando impopular no Japão. Apenas alguns anos atrás, a frota baleeira japonesa se afastava do cais com multidão aplaudindo, faixas, fitas e ampla cobertura da mídia.

Eles partiram esta semana de um local obscuro, sem alarde; vergonhosamente esgueirando-se para o mar, por medo de que iriam vê-los.

No início do mês, divulgamos um comunicado dizendo que iríamos enfrentá-los ao largo da costa do Japão e, aparentemente, eles acreditaram. Sua Guarda Costeira foi mobilizada, e tiveram uma grande despesa e esforço para esgueirar-se calmamente para fora do porto.

É claro que não tínhamos intenção de ir para Norte. Estamos esperando por eles no Sul, mas antes de chegar ao Santuário de Baleias do Oceano Austral.

Nossos navios vão espalhar-se para proteger as entradas para o Santuário, e uma vez que o Nisshin Maru for encontrado, iremos bloquear qualquer tentativa de realizar operações baleeiras.

Espero que este seja o último ano que temos que fazer esta viagem longa, cara e perigosa para o Oceano Antártico, mas vamos voltar novamente no próximo ano e no ano seguinte, e todos os anos seguintes, até que a matança de baleias termine.

Nós nos tornamos os guardiões das baleias no Santuário de Baleias do Oceano Antártico, e nunca vamos nos render a esses assassinos.

Um agradecimento especial a todos que doaram para a Sea Shepherd e tornaram possível para os nossos navios estar onde estamos agora. Nós ainda precisamos de sua ajuda para reabastecer os navios que nos permitem manter os nossos postos aqui na parte inferior do planeta, como os guardiões das grandes baleias.

Nós fazemos o que fazemos de modo que elas possam viver. Nós fazemos o que fazemos para as crianças do futuro, de modo que elas possam viver em um mundo com as baleias, porque quando as baleias não existirem mais, o mar vai morrer, e quando o mar não existir mais – nós, todos nós, vamos morrer!

Estou na ponte do Steve Irwin, olhando sobre o vasto manto de tinta azul do oceano, e vejo entre o mar e o céu salpicado de nuvens âmbar douradas um único esguicho diretamente à frente, e este esguicho simboliza a vida.

Enquanto o sol se põe a oeste, com um flash de faíscas verdes no horizonte, eu sinto que não há lugar que eu preferiria estar ou qualquer lugar que eu poderia ser mais feliz do que sobre estas águas, vivas e sustentáveis, ​​em uma missão para defender o Leviatã.

Traduzido por Rodrigo Marques, voluntário do Instituto Sea Shepherd Brasil

All Contents Copyright © 2017 Sea Shepherd Conservation Society.

produzido por GPS Digital
EnglishFrançaisDeutschPortuguêsEspañol