Editorial

Vergonha da represa de Bonneville

Comentário de Sandy McElhaney, Guardiã da Represa voluntária

Leões marinhos sob o sol. Foto: Erwin Vermeulen / Sea Shepherd

Enquanto as operações de resgate de mamíferos marinhos no sul da Califórnia lidam com um encalhe em massa sem precedentes de centenas de filhotes de leão-marinho famintos, cerca de mil milhas até a costa, as autoridades do Oregon estão preparando armadilhas na barragem de Bonneville para matar até 92 leões-marinhos da Califórnia por comerem salmão. Leia de novo. Funcionários do Estado de Oregon estão se preparando para matar até 92 leões-marinhos da Califórnia por comer salmão.

Os leões-marinhos da Califórnia na represa de Bonneville, que em circunstâncias normais teriam a proteção do Ato de Proteção aos Mamíferos Marinhos, não têm o benefício dessa proteção porque as pessoas querem vê-los mortos. As pessoas querem tanto vê-los mortos que, em 1994, eles foram a causa da alteração da lei federal que foi criada para proteger os leões-marinhos. Graças a seção 120 do Ato de Proteção aos Mamíferos Marinhos, o governo federal tem a autoridade para permitir que os Estados MATEM certos pinípedes que tenham um “impacto negativo significativo sobre a queda ou recuperação das unidades populacionais de salmão para a pesca em situação de risco”. Sob essa autoridade, desde 2008 trabalhadores do Estado de Oregon removeram 40 leões-marinhos do rio Columbia. Dez dos leões-marinhos foram colocados em cativeiro e os restantes foram mortos, simplesmente porque as pessoas afirmavam que comeram muito salmão.

Não basta para os funcionários do Departamento de Pesca e Vida Selvagem de Oregon matar leões-marinhos da Califórnia, eles também matam pássaros. Um anúncio recente no site do departamento anunciava uma vaga de emprego para um “Inspetor de Cormorão” para “prestar assistência ao Coordenador de Predação aviária com a coleta letal e dissecção de cormorões realizada em barcos em condições climáticas variadas”. O salário é entre 2.038 e 2.113 dólares por mês. De acordo com o anúncio, experiência anterior com caça às aves aquáticas é desejável.

Os leões-marinhos de Steller, que atualmente têm a proteção da Lei de Espécies Ameaçadas, também estão sujeitos a torturas diariamente na represa de Bonneville. Em 2012, o Serviço Nacional de Pesca Marinha anunciou uma proposta para “retirar da lista” estes animais. Se isso acontecer, será apenas uma questão de tempo antes de Oregon matá-los também. Até então, as armadilhas mortais estão definidas e prontas para o azar dos leões-marinhos da Califórnia que estão perto da barragem da maldição.

Os indiciados leões-marinhos da Califórnia foram documentados no rio Columbia desde o tempo de expedição de Lewis e Clark. Eles foram observados do norte até as Cataratas do Celilo. Estes animais são parte do ecossistema natural do rio. Eles comem o que precisam para sobreviver. Pode a espécie de glutões conhecidos como Homo sapiens dizer o mesmo? Os cientistas acreditam que os encalhes em massa de leões-marinhos na Califórnia estão ligados à sobrepesca. Os leões-marinhos estão morrendo de fome porque suas mães estão passando fome. Suas mães estão passando fome porque estão comendo a sua comida.

A grande ironia na represa de Bonneville é o fato de que, mesmo no seu momento mais voraz, os leões-marinhos obtêm menos de 4 por cento do salmão. Adivinha quem tem mais de 4 vezes o valor disso? Pesca comercial, pesca desportiva e artesanal, autorizadas a obter até 17% do mesmo salmão em risco que os leões-marinhos são mortos por comer. Se o salmão está tão em perigo, não deveríamos estar protegendo-os dos maiores predadores de todos, nós, seres humanos? Ou, na verdade, fazem os leões-marinhos e aves de bodes expiatórios para que fique simplesmente mais fácil para os seres humanos obterem o salmão para si? Os animais selvagens não têm escolha. Estes peixes são a única opção para o seu sustento. Os seres humanos têm muitas opções, e tem exercido através da construção de barragens que mastigam o salmão ameaçado, estocando o rio com espécies não nativas que comem o salmão ameaçado, e poluindo o rio. É uma vergonha esta represa em que os peixes no rio Columbia são carregados com arsênico, mercúrio e PCB em níveis superiores aos recomendados pela Agência de Proteção Ambiental. É uma vergonha que as pessoas da represa matem leões-marinhos para que se possa pescar e consumir os peixes tóxicos.

Voluntários da nossa Campanha Guardião da Represa 2013 estão agora no Porto de Astoria e na Represa de Bonneville para monitorar os atos abomináveis ​​cometidos contra esses leões-marinhos. Sob a direção da líder da campanha, Ashley Lenton, eles vão observar e relatar a marcação, tortura e a morte, agora até o final de maio.

Para se candidatar a servir como um Guardião da Represa, envie um e-mail para damguardian@seashepherd.org

Traduzido por Raquel Soldera, voluntária do Instituto Sea Shepherd Brasil

Back to list

Related Posts