Editorial

O pequeno segredo mortal da Namíbia: o abate das focas peludas

Comentário de Pat Dickens, Coordenador da Sea Shepherd África do Sul

Colônia de focas na Namíbia

Colônia de focas na Namíbia

Em menos de quatro meses, o abate de focas peludas irá começar, e cerca de 90 mil focas serão brutalmente abatidas a golpes de clavas até sua morte, no que é agora o maior assassinato da vida selvagem marinha do planeta. Isso é considerado o mais brutal de todos os abates, e é agora responsável pela morte de mais focas do que a temporada de caça canadense de focas.

Em 1º de julho de 2011, o assassinato anual de 85 mil focas bebês e mais 6 mil adultas começa na Namíbia. Pelos próximos 139 dias, bebês aterrorizados serão separados de suas mães e violentamente espancados até a morte. Filhotes e mães serão cercados… homens com clavas irão se movimentar e as focas serão massacradas. A areia na praia irá literalmente ficar manchada de vermelho, com sangue, e os corpos ensangüentados jogados na traseira de veículos que os aguardam. Logo depois, tratores serão trazidos para limpar e restaurar a praia antes que os turistas cheguem para ver a colônia, pois tudo isso acontece numa determinada reserva das focas.

O cabo das focas peludas consta no Apêndice 2 do CITES (Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies da Fauna e da Flora Selvagem Ameaçadas de Extinção). Isto significa que sua sobrevivência está dependente de conservação. Eles têm uma taxa de mortalidade natural de 30 %  nas primeiras semanas de vida. O abate começa quando os filhotes de focas têm apenas sete meses de idade, ainda pequenos filhotes, e muito dependentes de suas mães.

A perda do habitat, a pesca comercial, a poluição, e a fome, são também as principais ameaças para estes animais. Entre 1994 e 2000, foi estimado que 300 mil focas morreram de fome, mesmo enquanto as taxas de nascimento dos filhotes decaem com cada passar de ano. Em 1993, a taxa de nascimento era de 164.248, em 2000, era de 147.823, e em 2006 foi de apenas 107.910, porém o governo da Namíbia permite que 90 mil focas sejam cruelmente assassinadas a cada ano… embora alguns se refiram a isso como um “descarte”.

Trabalhadores retiram a pele de milhares de focas bebês e dispõem seus restos mortais
Trabalhadores retiram a pele de milhares de focas bebês e dispõem seus restos mortais

O “descarte” é dirigido por apenas um homem, Hatem Yavuz, que tem o contrato para comprar cada pele resultante do abate de focas da Namíbia até 2019. Ele paga $7 por couro, enquanto turistas estrangeiros pagam $ 12 para ver a colônia. Enquanto Yavuz eventualmente venderá seus casacos de pele por $ 30 mil, os trabalhadores locais da Namíbia recebem menos de um salário mínimo. Não há sistema de lucros compartilhados no local, e menos de 150 nativos são empregados para participar do “descarte”. “Para que elas (as focas) sintam menos dor, elas precisam ser mortas com uma clava com um prego na ponta”, diz Yavuz, que descreve a si mesmo como um amante dos animais.

Fatos relacionados:

O SPCA da Namíbia, que tem o poder legal e o mandato para prevenir crueldade e acabar com o “descarte”, na verdade aprova o violento abatimento de 85 mil focas bebês.

O ato de proteção dos animais de 1962 da Namíbia dá ao SPCA o poder de prender e deter qualquer um pego abatendo um animal à morte.

A Sea Shepherd da África do Sul e a Iniciativa de Salvamento das Focas da África do Sul (SASSI) estão considerando uma variedade de opções orientadas para a ação neste ano.

Um grande agradecimento a todos envolvidos na proteção da nossa fauna da exploração dos homens.

Traduzido por Tomaz Horn, voluntário da ISSB.

Back to list

Related Posts