World Clean Up Day 2018 – Espírito Santo, Brasil

Praia da Sereia, Praia da Costa em Vila Velha/ES

As praias de Vila Velha são bastante frequentadas pelos locais e por turistas, por serem bem estruturadas em termos de serviços e balneáveis, o que não é uma generalidade na região metropolitana. A área definida para a limpeza de praia foi a chamada Praia da Sereia, na qual o mar apresenta-se mais tranquilo e, por conseguinte, atrai a maior parte dos banhistas. Neste ano, por exceção, a estação da primavera veio com tempo fresco e poucos dias de sol, levando um público menor do que usual a frequentar o litoral.

Praia da Sereia – Vila Velha- ES. Imagem da internet

A Praia da Sereia, bem como toda a praia da costa, possui muitas lixeiras de fácil acesso, o que permite o descarte adequado de lixo por parte dos frequentadores. Havendo, ainda, por questão cultural, o descarte na areia e nas rochas, que também constituem parte da visitação do local. 

“Havia mais grupos fazendo limpeza em outras áreas da Praia da Costa e até conhecemos uma senhora comerciante que faz a conscientização dos banhistas há mais de vinte anos a esse respeito. Percebemos o lado positivo desse esforço ao notar a praia visivelmente mais limpa do que outras”, disse Marina Mello Allemand Damião, acadêmica de biologia e voluntária do ISSB.

Parte do lixo descartado foi coletado entre as rochas da Praia da Sereia

A quantia de lixo recolhido foi menor do que o esperado e isto pode ser devido a união destes fatores: menos frequentadores na praia por causa do clima, lixeiras em boa quantidade e bem posicionadas e uma ação constante de conscientização. Os filtros de cigarro lideraram em quantidade (centenas) dentre o que foi retirado do ambiente, vindo logo após os palitos de picolé e pedaços de plástico. Estes materiais evidenciam que o descarte é realizado durante a estada do visitante na praia. Conscientização é a palavra chave nesses termos, precisamos abandonar a cultura do descarte imediato se quisermos preservar o que há de vida nos oceanos. E essa causa urge providências.

“A vida marinha sofre com os nossos atos, direta ou indiretamente. É a pesca excessiva, a descarga direta de esgoto sem tratamento, o lixo deixado nas praias que vai parar nos estômagos, na escassez já visível de alimento aos animais marinhos. Nós frequentamos a praia e deixamos um rastro negativo e nunca pensamos em como ressarcir aqueles que de fato dependem desse ecossistema para sobreviver. Fizemos nesse dia um ato quase simbólico, de recolher a parcela de dano que segue sendo acumulada todos os dias”, disse Cíntia da Silva Varzim, bióloga e voluntária do ISSB. 

Voluntários Sea Shepherd Brasil no Espírito Santo.

 

World Clean Up Day 2018 – Rio de Janeiro – Brasil

Praia do Leme em Copacabana – Rio de Janeiro

O dia 15 de setembro de 2018 será um dia eternizado: foi o dia em que ocorreu o World Clean Up Day 2018. Foram 6 voluntários cujo foco era limpar a área da praia do Leme/Copacabana, no Rio de Janeiro, e promover a educação ambiental. Com os materiais para coleta prontos, sendo eles sacos de pano, caixas de papelão e luvas, foi dado início ao projeto.

Com a tenda armada, o início dos trabalhos começou com a educação ambiental

À beira do calçadão do Rio de Janeiro, os voluntários falaram às pessoas sobre a importância de salvar os oceanos.

Cada voluntário se espalhou para poder abranger uma área maior, aumentando então os pontos de coletas de lixo. Os objetos encontrados que mais chamaram a atenção, foram as bitucas de cigarro, canudos, tampinhas de garrafa, pedaços aleatórios de plástico e outros materiais descartados de forma indevida, cujo destino final dos mesmos, seria o pior lugar possível para descarte: o oceano. Felizmente foi possível catalogar cada objeto encontrado e descartá-los de forma correta nas lixeiras. Os 5 mais coletados foram o micro lixo plástico, canudos, embalagem de alimentos, embalagem do canudo, tampas de garrafa pet.

A tarefa de separar os itens coletados foi realizada para a coleta de dados e lixo em descarte adequado

Dados colhidos para posterior estudo

Além do Clean Up, foi promovido a educação ambiental. Na tenda, fotos de animais marinhos em contato direto com o lixo foram expostas, além de banners que mostravam a importância da preservação das espécies de tubarões e sobre a preservação e conservação do planeta, além de informações sobre quanto tempo determinados elementos descartados demoram para se decompor na natureza. Muitas pessoas se sentiram tocadas e surpresas positivamente com o projeto e disseram que iriam repensar seus hábitos de descarte e de como reaproveitar o lixo em casa. Um caso emocionante que aconteceu nesse dia, foi o fato de uma menininha de 5 anos ter  ajudado com o lixo. Ela trouxe o que cabia em sua pequena mão: algumas embalagens de canudo, uma nota fiscal e um copo de plástico. Além de ter gostado muito de aprender um pouquinho mais sobre a preservação dos oceanos e dos tubarões, um conhecimento que de fato, ela irá lembrar para sempre!

Muitas são as causas do impacto do lixo nos animais marinhos.

E com a exposição dos fatos em fotos é possível chamar atenção de quem passa.

O World Clean Up Day 2018 foi e continuará sendo um evento de extrema importância em escala global. É com muito orgulho que a Sea Shepherd Brasil promoveu essa ação incansável com muita determinação incentivando a limpeza das praias e do leito oceânico em 4 estados brasileiros – sendo eles RJ, ES, PR e SP – além de repassar conhecimento para que cada um pudesse fazer a sua parte em prol dos oceanos e da vida marinha!

Equipe Clean Up Day 2018 – Copacabana, Praia do Leme.

Negada Proposta do Japão para Retomar Caça Comercial de Baleias

Durante a 67ª Comissão Internacional da Baleia (IWC), realizada em Florianópolis, o Japão perdeu a votação sobre sua proposta para o retorno da caça comercial à baleia.

[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=ahPLlJF36Ag[/youtube]

Florianópolis, BRASIL – 14 de setembro de 2018 – O 67º Encontro Internacional da Comissão Baleeira (IWC) acaba de terminar no Brasil. Este ano, a reunião semestral prometia ser aquecida, pois duas propostas opostas para o futuro da CBI foram trazidas à mesa.

O país anfitrião Brasil, juntamente com a Argentina, Colômbia, México, Chile, Costa Rica, Panamá e Peru, propôs a “Declaração de Florianópolis”, uma oposição direta à proposta do Japão de “Way Forward”.

A Declaração de Florianópolis consiste em mudar o papel da IWC de uma organização voltada para a gestão de estoques de cetáceos para um órgão regulador de conservação de cetáceos. Reafirma a moratória à caça comercial de baleias e concorda que o uso de métodos de pesquisa letais é desnecessário.

Em contrapartida, o Way Forward do Japão, dizia que a moratória da caça comercial já deveria terminar. A proposta defendia o retorno da caça comercial à baleia. A moratória sobre a caça às baleias foi estabelecida por essa mesma comissão em 1986. Apesar disso, mais de 32.000 baleias foram mortas desde então pelo Japão, Islândia, Noruega e Rússia (a Rússia continuou matando baleias após a moratória em 86 e 87).

O Japão, a Noruega e a Islândia nunca respeitaram as restrições da comissão. A Islândia estava no plenário do Brasil, afirmando que a caça comercial deveria retornar como uma prática sustentável. Ao mesmo tempo, a Islândia está atualmente envolvida no assassinato comercial de baleias-comuns ameaçadas de extinção, incluindo algumas que estão grávidas. As Ilhas Faroe dinamarquesas também continuaram sua caça aos golfinhos e baleias-piloto enquanto a convenção continuava e havia um representante na comissão.

A Declaração de Florianópolis foi adotada por maioria de votos e a proposta japonesa para o retorno da caça comercial perdeu 41 votos contra 27. Quatro países se abstiveram de votar.

Anteriormente, o Japão, a Noruega, a Islândia e as Ilhas Faroé (Dinamarca) não mostraram qualquer respeito por quaisquer regras ou regulamentos deste ou de qualquer outro organismo regulador. É questionável se eles respeitarão a resolução deste ano.

Durante o discurso do Japão após a derrota de sua proposta, eles ameaçaram deixar a IWC, ou formar um órgão separado que atenderia aos países que querem o retorno da caça comercial.

O fundador da Sea Shepherd, Capitão Paul Watson, que passou muitos anos se opondo aos programas japoneses de “pesquisa científica”, declarou esta manhã: “Após a muito bem-vinda Declaração de Florianópolis, a derrota da proposta japonesa fez da 67ª reunião da Comissão Baleeira Internacional uma impressionante evento histórico para as baleias do mundo ”.

“A Declaração de Florianópolis declara que o objetivo da CBI é a conservação das baleias e que a matança comercial de baleias não deve mais ser discutida”, concluiu o Capitão Watson.

FLORIANÓPOLIS, SC, 10.09.2018 – IWC-SC – protesto durante de ongs ambientais 67ª reunião anual de Membros da IWC (International Whaling Commission) em Florianópolis nesta segunda-feira 10. (Foto: Naian Meneghetti/Brazil Photo Press/Folhapress)

Florianópolis nesta segunda-feira 10. (Foto: Naian Meneghetti/Brazil Photo Press/Folhapress

Florianópolis nesta segunda-feira 10. (Foto: Naian Meneghetti/Brazil Photo Press/Folhapress

Florianópolis nesta segunda-feira 10. (Foto: Naian Meneghetti/Brazil Photo Press/Folhapress

FLORIANÓPOLIS, SC, 10.09.2018 – IWC-SC – protesto durante de ongs ambientais 67ª reunião anual de Membros da IWC (International Whaling Commission) em Florianópolis nesta segunda-feira 10. (Foto: Naian Meneghetti/Brazil Photo Press/Folhapress)

FLORIANOPOLIS, SC, 10.09.2018 – EVENTO – Vice-Minister for Foreign Affairs Mitsunari OKAMOTO and taniai masaaki membro do parlamento japones falao na 67ª reunião anual de Membros da IWC (International Whaling Commission) em florianopolis brasil na tarde desta segunda-feira 10. (Foto: Naian Meneghetti/Brazil Photo Press/Folhapress)

FLORIANOPOLIS, SC, 10.09.2018 – EVENTO – plenaria de abertura da 67ª reunião anual de Membros da IWC (International Whaling Commission) em florianopolis brasil na tarde desta segunda-feira 10. (Foto: Naian Meneghetti/Brazil Photo Press/Folhapress)

FLORIANOPOLIS, SC, 10.09.2018 – EVENTO – joji morishita fala na 67ª reunião anual de Membros da IWC (International Whaling Commission) em florianopolis brasil na tarde desta segunda-feira 10. (Foto: Naian Meneghetti/Brazil Photo Press/Folhapress)

Florianópolis nesta segunda-feira 10. (Foto: Naian Meneghetti/Brazil Photo Press/Folhapress

Florianópolis nesta segunda-feira 10. (Foto: Naian Meneghetti/Brazil Photo Press/Folhapress

FLORIANÓPOLIS, SC, 13.09.2018 – IWC-SC – embaixador da Representação Permanente do Brasil junto a Organismos Internacionais (Rebraslon) em Londres, Hermano Telles Ribeiro e comissario do brasil na cib 67ª reunião anual de Membros da IWC (International Whaling Commission) em Florianópolis nesta Quinta-feira 13. . (Foto: Naian Meneghetti/Brazil Photo Press/Folhapress)

 

BB tries to stop whale loaded on Nisshin.
© Sea Shepherd/ Glenn Lockitch 2013

 

Minke whale iillegally slaughtered by Japanese whalers in Australian Antarctic waters off Mackenzie Bay.
© Sea Shepherd/ Glenn Lockitch 2013

 

Minke whale iillegally slaughtered by Japanese whalers in Australian Antarctic waters off Mackenzie Bay.
© Sea Shepherd/ Glenn Lockitch 2013

 

Fonte: SeaShepherd Conservation Society

Uma Grande Vitória Para as Baleias

O Japão perdeu a moratória fica de pé.

[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=iq53xaqAEG8[/youtube]

 

Apesar de subornar nações com táticas insidiosas, a proposta do Japão para derrubar a moratória de 31 anos sobre caça comercial falhou por 41 votos contra 27 com 2 abstenções.

A proposta com o título enganoso: The Way Forward foi na verdade uma tentativa de retroceder para antes de 1987, quando o abate comercial de baleias era legal

Após a mais que bem vinda, Declaração de Florianópolis, de ontem, esta derrota a proposta japonesa fez da 67ª reunião da Comissão Internacional da Baleia um evento histórico impressionante para as baleias do mundo.

A Declaração de Florianópolis afirma que o propósito da CBI é a conservação das baleias e que a morte comercial de baleias não deve mais ser discutida.

O Japão agora está ameaçando deixar a IWC, mas eles estão ameaçando deixar quase todo ano que não conseguem o que querem.

Aqui está a repartição dos votos:

Primeiro os bandidos votando na proposta japonesa.

Nações baleeiras
Japão
Noruega
Islândia

Nações não baleeiras sem nenhum interesse na caça à baleia, mas em dívida com o Japão.

Antígua
Benin
Camboja
Costa do Marfim
Granada
Guiné-Bissau
Quênia
Kiribati
Laos
Libéria
Ilhas Marshall
Mauritânia
Mongólia
Marrocos
Nauru
Nicarágua
São Cristóvão e Névis
Santa Lúcia
São Vicente
São tomé
Ilhas Salomão
Suriname
Tanzânia
Tuvalu

Contra a proposta

Nações baleeiras
Dinamarca
Estados Unidos

Nações não baleeiras
Argentina
Austrália
Áustria
Bélgica
Brasil
Bulgária
Chile
Colômbia
Costa Rica
Croácia
Chipre
República Checa
República Dominicana
Equador
Finlândia
França
Gabão
Alemanha
Índia
Irlanda
Israel
Itália
Lituânia
Luxemburgo
México
Países Baixos
Nova Zelândia
Panamá
Peru
Polônia
Portugal
Eslováquia
Eslovênia
África do Sul
Espanha
Suécia
Suíça
Reino Unido
Uruguai

Abstenções
Coréia
Rússia

A IWC se reúne novamente em 2020. Joji Morashita não é mais o presidente da IWC.

Atualização da Comissão Internacional da Baleia (IWC): O retorno do Japão à proposta da Whaling Comercial “The Way Forward” acabou de ser votado e negado pela comissão.

Outra vitória para as baleias, especialmente considerando que ontem a “Declaração de Florianópolis” foi aprovada e consiste em mudar o propósito da IWC para a conservação das baleias e não para fins de gerenciamento de estoque por mais tempo. Vendo que a caça às baleias não pertence ao século XXI.

Anteriormente, o Japão, a Noruega, a Islândia e as Ilhas Faroé (Dinamarca) não mostraram qualquer respeito por quaisquer regras ou regulamentos deste ou de qualquer outro organismo regulador.

Durante o discurso do Japão após a derrota de sua proposta ameaçou deixar o IWC.

De fato, uma vitória para ver as resoluções indo em frente, mas a questão permanece, será respeitada por essas nações baleeiras?

Apesar da decisão de Florianópolis e apesar da derrota da proposta japonesa, o Japão continua a matar baleias no Oceano Antártico e Pacífico Norte. E a Islândia, Noruega e Dinamarca continuam a matar baleias e, no caso da Islândia, ameaçadas de extinção e baleias azuis. o Atlântico Norte.

No geral, a 67ª Reunião da Comissão Baleeira Internacional foi um sucesso para as baleias.

Obrigado a todas as nações que apoiaram as baleias e um muito especial agradecimento ao Brasil pela Declaração de Florianópolis. Obrigado aos nossos parceiros anti-caça furtiva, Costa Rica e Equador, e especialmente ao Gabão, por sua forte defesa das baleias neste encontro histórico.

Sea Shepherd Conservation Society

Florianópolis nesta segunda-feira 10. (Foto: Naian Meneghetti/Brazil Photo Press/Folhapress

Florianópolis nesta segunda-feira 10. (Foto: Naian Meneghetti/Brazil Photo Press/Folhapress

Florianópolis nesta segunda-feira 10. (Foto: Naian Meneghetti/Brazil Photo Press/Folhapress

FLORIANÓPOLIS, SC, 10.09.2018 – IWC-SC – protesto durante de ongs ambientais 67ª reunião anual de Membros da IWC (International Whaling Commission) em Florianópolis nesta segunda-feira 10. (Foto: Naian Meneghetti/Brazil Photo Press/Folhapress)

FLORIANOPOLIS, SC, 10.09.2018 – EVENTO – Vice-Minister for Foreign Affairs Mitsunari OKAMOTO and taniai masaaki membro do parlamento japones falao na 67ª reunião anual de Membros da IWC (International Whaling Commission) em florianopolis brasil na tarde desta segunda-feira 10. (Foto: Naian Meneghetti/Brazil Photo Press/Folhapress)

FLORIANOPOLIS, SC, 10.09.2018 – EVENTO – plenaria de abertura da 67ª reunião anual de Membros da IWC (International Whaling Commission) em florianopolis brasil na tarde desta segunda-feira 10. (Foto: Naian Meneghetti/Brazil Photo Press/Folhapress)

FLORIANOPOLIS, SC, 10.09.2018 – EVENTO – joji morishita fala na 67ª reunião anual de Membros da IWC (International Whaling Commission) em florianopolis brasil na tarde desta segunda-feira 10. (Foto: Naian Meneghetti/Brazil Photo Press/Folhapress)

Florianópolis nesta segunda-feira 10. (Foto: Naian Meneghetti/Brazil Photo Press/Folhapress

Florianópolis nesta segunda-feira 10. (Foto: Naian Meneghetti/Brazil Photo Press/Folhapress

FLORIANÓPOLIS, SC, 13.09.2018 – IWC-SC – embaixador da Representação Permanente do Brasil junto a Organismos Internacionais (Rebraslon) em Londres, Hermano Telles Ribeiro e comissario do brasil na cib 67ª reunião anual de Membros da IWC (International Whaling Commission) em Florianópolis nesta Quinta-feira 13. . (Foto: Naian Meneghetti/Brazil Photo Press/Folhapress)

FLORIANÓPOLIS, SC, 10.09.2018 – IWC-SC – protesto durante de ongs ambientais 67ª reunião anual de Membros da IWC (International Whaling Commission) em Florianópolis nesta segunda-feira 10. (Foto: Naian Meneghetti/Brazil Photo Press/Folhapress)

 

Fonte: https://seashepherd.org/2018/09/14/a-win-for-the-whales/

SÃO PAULO – IX Semana Científica e Cultural da Universidade Federal de São Paulo – Campus Diadema

Na última semana de agosto o Instituto Sea Shepherd Brasil apresentou-se na IX Semana Científica e Cultural Unifesp Diadema para alunos universitários de biologia. Na oportunidade os estudantes puderam saber mais sobre a Campanha Milagro IV que ocorre no México com os navios da Sea Shepherd e apoio do governo local como
também das Campanhas Marine Debris e Operação Redenção.

 

Atentos, os alunos puderam conhecer algumas das campanhas da Sea Shepherd.

Logotipo da Campanha Milagros

A Campanha Milagro tem como objetivo a proteção do Refúgio da Vaquita (o menor cetáceo do mundo) conhecida como o panda dos oceanos, que está criticamente ameaçada de extinção e do peixe Totoaba que é capturado em redes ilegais para a extração de sua bexiga natatória e contrabandeado ao mercado asiático. A Vaquita é capturada de modo acidental nas redes ilegais do Totoaba, ambos endêmicos e ameaçados de extinção no Golfo da Califórnia, no México.

Vaquita Mexicana, o panda dos oceanos. Hoje restam menos de 30 indivíduos no planeta

Nas atividades do Brasil, a apresentação teve como foco as ações de limpeza de praia e fundo marinho da Campanha Marine Debris que ocorre em cinco estados brasileiros: São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Rio Grande do Sul e Espírito Santo com dezenas de voluntários envolvidos na conservação dos oceanos. 

Com o trabalho voluntário dos Sea Shepherds, centenas de lixo são retirados das nossas praias brasileiras. São milhares de filtros de cigarro, embalagens de alimentos, canudos, sacolas plásticas, garrafas pets e copos descartáveis são retirados mensalmente das praias e fundo marinho.

Logotipo da Campanha Marine Debris

 

Após a apresentação os alunos envolveram-se com os temas, fazendo perguntas sobre as campanhas.

 

E finalmente, a palestra encerrou-se com o pré-lançamento da Operação Redenção no Brasil que visa retirar redes ilegais e redes fantasmas como também fará atividades de resgate de fauna, limpeza de praia e monitoramento
pesqueiro. A Operação Redenção terá início na primavera deste ano, no Rio Grande do Sul que contará com apoio de voluntários, instituições locais e poder de polícia. Em breve mais informações de como participar e ajudar com recursos para o fundo e suprimentos.

Pelos oceanos!
Sea Shepherd Brasil