Editorial

Islândia continua a matança de baleias fin ameaçadas

Comentário por Erwin Vermeulen, Engenheiro Chefe da Sea Shepherd

Baleia fin ameaçada. Foto: Erwin Vermeulen / Sea Shepherd

Foi um desses dias mágicos no mar. O navio em que trabalhei havia deixado a colônia de pingüins-reis e elefantes marinhos da ilha sub-antártica da Geórgia do Sul para trás, e nós estávamos a todo vapor para nordeste, para outra pérola da fauna do Atlântico Sul: para a Ilha de Gonçalo Álvares, ou Ilha Gough.

Não havia vento, muito raro neste ‘cinquenta furioso’, e o mar estava liso como um espelho. Nessas condições, é fácil detectar vida selvagem e uma grande baleia soltando o ar. Nós diminuímos a velocidade e depois de um tempo parados veio primeiro uma, depois duass e, posteriormente, cinco baleias fin se movendo na direção do navio. Elas são muitas vezes vistas sozinhas, ou uma mãe e um casal de filhotes, mas normalmente elas viajam em pequenos grupos como este. Quando a alimentação é boa, esses grupos podem se unir em um grupo de mais de uma centena.

Tanto quanto sabemos, estes são os segundos maiores animais que já existiu no planeta, após a baleia azul. Para um comprimento de 20 metros e mais de 75 toneladas de peso que estes mamíferos pelágicos podem chegar, eles são extremamente elegantes, simples e rápidos. Normalmente eles evitam navios ou são indiferentes a eles, mas às vezes eles correm com os navios, quebrando ondas em um curso paralelo, a uma distância segura.

Eles atingem uma velocidades de até 40 quilômetros por hora, e podem facilmente ultrapassar o nosso navio. Esta velocidade que lhes permitiu evitar o extermínio em massa que se abateu sobre a espécie da lenta baleia franca com o advento do vapor e, mais tarde, os motores a diesel, a invenção do arpão explosivo e a introdução de navios-fábrica.

Na década de 1950 e início de 1960, 30 mil baleias foram mortas a cada ano. Entre 1905 e 1976, 725 mil baleias foram capturados no Oceano Austral, 74 mil no Pacífico Norte, entre 1910 e 1975 e 55 mil no Atlântico Norte, entre 1910 e 1989.

Quando elas chegam no sul na primavera, ou no norte, no hemisfério norte, elas se concentram em apenas uma coisa: comer. Elas devoram krill e peixes de cardume do Oceano Austral (e Ártico), após acasalar e dar à luz em seus locais de reprodução desconhecidos. Elas se alimentam engolindo grandes quantidades de presas, sua garganta expandindo até que a água é pressionada para fora através das barbatanas.

Agora, no final da temporada e em seu caminho para o norte novamente, fugindo do inverno antártico implacável, elas estavam gordas e felizes e, aparentemente, isso as deixou curiosas.

Até 184 baleias fin podem ser mortas na caça deste ano. Foto: Erwin Vermeulen / Sea Shepherd

O que elas fizeram esse dia eu nunca as vi fazer antes. Elas lentamente rodearam o navio, circulando, e vez ou outra, viraram um pouco de lado, mostrando tanto o lado esquerdo cinza-escuro de suas cabeças quanto o seu lado direito, com o distintivo maxilar inferior pálido branco e olhando sobre a superfície para estas pequenas e eufóricas criaturas aplaudindo sobre o corrimão. Todo mundo que olhava para esses olhos diziam o mesmo – eles mostram inteligência e curiosidade.

Toda vez que me deparo com cetáceos desta maneira, dois pensamentos surgem na minha mente: o primeiro, provavelmente algum resquício genético do antigo caçador, penso o quão fácil seria matá-las assim. E logo o segundo, talvez a voz da compaixão, da razão e da civilização, penso “quem poderia matar um belo e majestoso ser sensível como este?”.

Nós todos sabemos quem.

O Japão já matou 18 baleias fin nas últimas oito temporadas de caça na Antártica (dez no verão austral de 2005/6, três em 2006/7, zero baleias um ano depois, uma tanto em 2008/9 e 2009/10, duas em 2010 / 11 e uma em 2011/12). A pontuação foi zero novamente este ano. Desde a temporada de 2007/8, eles haviam atribuído uma quota de 50 baleias por ano, mas as intervenções cada vez mais eficazes da Sea Shepherd têm evitado esses números de abate.

A Groenlândia tem uma cota da Comissão Internacional da Baleia (International Whaling Commission – IWC) de 19 baleias fin, a subespécie do Atlântico Norte, por ano. A Groenlândia queria aumentar a sua cota, mas a proposta foi recusada, porque as investigações mostraram que a carne de baleia foi vendida livremente em mais de cem lojas na Groenlândia, e foi servida em restaurantes turísticos como “churrasco de baleia” ou “sushi da Groenlândia”. A Groenlândia mata baleias sob uma licença aborígene, que exige que todos os produtos das baleias mortas devem ser utilizados para a subsistência da população humana original. Os groenlandeses, porém, comercializaram a carne de baleia, que também foram encontradas em lojas da Dinamarca.

No início deste ano, a Groenlândia fez o que todos os caçadores de baleias do mundo fazem quando não concordar com a Comissão Internacional da Baleia (CIB) – eles ignoraram a decisão deste órgão impotente, e definem a sua própria quota – mas eles mantiveram o número de de baleias fin mortas em 19.

O atual assassino em massa hoje em dia quando se trata de baleias fin é a Islândia. A caça comercial foi interrompida na Islândia em 1986, quando a moratória da Comissão Internacional da Baleia entrou em vigor, mas eles usaram a familiar desculpa de caça ‘científica’ até 1989. A maioria das baleias que capturaram foi usada como alimento em fazendas de pele na Islândia. Em 1992, a Islândia deixou a Comissão Internacional da Baleia, mas não conseguiu retomar a caça, pois um país membro da Comissão Internacional da Baleia, o Japão, não foi autorizado a importar carne de baleia a partir de um país não-membro. Eles voltaram em 2002, com uma reserva à moratória. Em 2009, eles estabeleceram a sua própria cota de 154 baleias por ano. Naquele ano, eles mataram 125 desses animais; e 148 um ano depois.

Em 2012, a Islândia decidiu pelo segundo ano consecutivo, não matar baleias fin. Em 2011, não havia demanda por carne de baleia no Japão, em decorrência do terremoto e do tsunami ocorridos em março daquele ano. O terremoto teria danificado duas das fábricas de processamento de carne de baleia com que os islandeses fazem negócios. Negócio? Sim! Onde o apetite por carne de baleia minke é pequeno na Islândia, o mercado de carne de baleia fin é inexistente. A caça só é mantida pelo lucro das exportações para o Japão, um esquema de subsídios glorificado, enquanto os armazéns do Japão estão cheios de carne de baleia não vendidas, mas essa nação teme o dia em que eles serão os últimos matadouros de baleias do planeta.

Em 2012, de acordo com relatos da mídia da Islândia, o açougueiro de baleia da Islândia, Kristjan Loftsson e o CEO da Hvalur Company, poderiam não chegar a um acordo com o sindicato da pesca sobre salários e condições de trabalho. O fato de que o interesse dos consumidores por carne de baleia no Japão está diminuindo, e os lucros, portanto, desaparecendo, teve uma influência muito boa.

No entanto, no início de maio, Loftsson anunciou em um jornal islandês que as baleias seriam processadas de novo este ano. A caça está prevista para começar em junho, e executada através de setembro. Para a antiga cota de 154 baleias, mais 20 por cento da cota não utilizada no ano passado pode ser adicionada, o que significa que 184 baleias fin podem acabar mortas. Dois barcos serão usados ​​para caçar e, em seguida, levar as baleias para a estação de caça em Hvalfjordur.

A razão para reiniciar este empreendimento muito desprezado e mesmo economicamente doentio, pode ser que, depois de 2013, a autorização de cinco anos de Hvalur expira. “A maioria da carne de baleia deste ano seria exportada para o Japão – as coisas estão melhorando lá… tudo está se recuperando”, disse Loftsson. Loftsson é conhecido por falar muito na imprensa e depois recuar, citando variadas desculpas. Na Islândia, a carne de baleia minke está à venda em lojas e restaurantes de todo Reykjavic…. mesmo em um restaurante mexicano, que também bizarramente serve carne de papagaio (papagaio também é anunciado em restaurantes de todo Reykjavic). Não há nenhum sinal de carne de baleia fin ou seus produtos para venda em Reykjavic. Loftsson está alimentando seus navios baleeiros usando ‘biocombustível’, composto por 80 por cento de diesel e 20 por cento de óleo de baleia. Loftsson afirma que o petróleo é “adicionalmente amigável ao meio ambiente”, como ele é processado com a gordura de baleia usando o calor de aberturas vulcânicas da Islândia.

No entanto, os preparativos estão em andamento – dois navios, Hvalur 8 e Hvalur 9, estão sendo preparados para a caça (com 5-6 pessoas trabalhando no Hvalur 9). O Hvalur 9 parece estar em melhor condição do que o Hvalur 8, mas ambos estavam sendo trabalhados. Eles são amarrados com seis cabos tensionados de amarração de aço em cada embarcação, com sinais que afirmam que os navios estão protegidos pela Securitas, uma empresa de segurança internacional, com outros advertindo a vigilância da CCTV. Nenhuma embarcação está equipada com arpão, mas os decks foram limpos e protegidos por capas de lona. Os Hvalur 6 Hvalur 7 estão sendo repintados em Hvalfjorour. Eles foram rebocados de Reykjavik para Hvalfjorour no ano passado, e parecem que continuarão inoperantes, não muito mais do que peças de museu.

Se eles vão em frente, vai ser interessante ver se os EUA farão o resgate de sua condenação à caça de baleia fin pela Islândia com sanções econômicas, possível pela Emenda Pelly, e se a União Europeia vai seguir o exemplo.

Uma criança tampa o nariz, enquanto o processamento de baleias continua. Foto cedida por www.goecco.com

Traduzido por Raquel Soldera, voluntária do Instituto Sea Shepherd Brasil

Back to list

Related Posts