Editorial

Peixes-boi estão morrendo em números recordes na Flórida (EUA)

Comentário por Jennifer Mishler, da Sea Shepherd Jacksonville, Flórida (EUA)

A maré vermelha produz brevotoxin, uma neurotoxina que é responsável por um número recorde de mortes entre os peixes-boi. Foto cedida pela NOAA

Os peixes-boi são amados aqui na Flórida, e vimos o quanto o Festival Peixe-boi deste ano, em Crystal River, sensibilizou sobre os animais em extinção. Além de sua natureza amável, os peixes-boi são importantes para o ecossistema marinho como herbívoros de ervas marinhas e outras vegetações. No entanto, os peixes-boi que chamam as águas da Flórida de casa, estão enfrentando ameaças graves e iminentes.

Devido redução de seu número, foram estabelecidas proteções para eles. O Ato do Santuário de Peixes-Boi da Flórida de 1978, a Lei de Proteção de Mamíferos Marinhos de 1972 e a Lei de Espécies Ameaçadas de 1973 protegem os peixes-boi nas esferas estadual e federal. Sob essas proteções, é ilegal perseguir, caçar capturar ou matá-los nos Estados Unidos, mas eles continuam a enfrentar outras ameaças, incluindo colisões de barco, a perda de habitat, poluição, linhas e redes de pesca e uma proliferação anual de algas tóxicas, conhecida como maré vermelha, por causa da mudança de cor dessas águas debaixo d’água.

Apesar de muitas algas não serem prejudiciais e, na verdade, fornecerem uma grande quantidade de alimento para a vida oceânica, algumas algas crescem excessivamente, esgotando o oxigênio da água, e produzem toxinas prejudiciais para a vida marinha, para os ecossistemas, assim como para os seres humanos. A maré vermelha produz brevetoxin, uma neurotoxina que  os mamíferos marinhos consomem quando comem plantas, tais como algas marinhas, outras formas de vida marinha que ingeriram a toxina, ou quando ingerem as próprias algas. Brevetoxins também pode ser prejudicial para os seres humanos, através do consumo de marisco, ou se a toxina atingir o ar.

Antes de 2013, a maré vermelha foi responsável pela mortalidade recorde de 151 peixes-boi, em 1996, mas este ano as causas combinadas de morte tomaram uma proporção muito maior na população de peixe-boi. De acordo com um relatório da Comissão de Pesca e Vida Selvagem da Florida, 585 peixes-boi morreram até 2 de maio de 2013 – o que é aproximadamente 11% da sua população total! Alguns peixes-boi doentes foram encontrados e estão sendo reabilitados em várias instalações.

Enquanto a maré vermelha está matando peixes-boi na costa sudoeste da Flórida, sua população também está sendo ameaçada por mortes inexplicáveis ​​na costa leste do estado, o que alguns especialistas acreditam que é devido ao peixe-boi consumir algas no lugar de sua grama marinha habitual, que foi morrendo .

A luta dos peixes-boi recentemente teve uma pausa quando a Flórida aprovou a HB999, uma emenda a um projeto de lei para criar uma regulamentação ambiental para estabelecer regulamentações para os fertilizantes locais e regulamentação das zonas úmidas (já que uma possível causa da proliferação de algas é o escoamento das operações agrícolas e industriais). Com o verão se aproximando rapidamente, os peixes-boi enfrentam ainda outra ameaça com um maior número de velejadores.

No topo de tudo, o Serviço de Pesca e Vida Selvagem dos EUA está considerando mudar o status dos peixes-boi, uma das primeiras espécies listadas como ameaçadas de extinção, após a aprovação da Lei de Espécies Ameaçadas, de perigo de extinção para ameaçada de extinção. Como os peixes-boi ainda enfrentam graves ameaças, e 2013 foi um ano recorde para as mortes do peixe-boi, estamos pedindo que eles continuem a ser protegidos, em níveis local, estadual e federal.

Foto cedida por Carol Grant / OceanGrant.com

Traduzido por Raquel Soldera, voluntária do Instituto Sea Shepherd Brasil

Back to list

Related Posts