Japan Dolphins Day na Avenida Paulista, em São Paulo (SP)

O Instituto Sea Shepherd Brasil participou, mais um ano, do Japan Dolphins Day

Por Claudia Hallage, voluntária do Núcleo SP do Instituto Sea Shepherd Brasil

Com uma proposta diferenciada, o Núcleo SP do Instituto Sea Shepherd Brasil foi à Avenida Paulista, cartão postal da cidade de São Paulo, no último domingo, 01/09, dia que marca o início da temporada de caça aos golfinhos em Taiji, no Japão.

Ativistas unidos pela vida dos golfinhos. Foto: Fernanda Oliveira Santos

Teresa Hirs e Rosana Tsibana, mais uma vez a Embaixadora da Boa Vontade de Okinawa se juntou à nós nessa luta. Foto: Fernanda Oliveira Santos

Nossos ativistas usaram uma abordagem mais sutil, voltada às crianças e seus pais. A informação foi passada com a ajuda da Palhaça Fofinha que pintou golfinhos nas crianças enquanto contava, como se fosse uma história infantil, que “lugar de golfinho é nos Oceanos”. A mensagem atingiu “em cheio” o público alvo dos parques marinhos, seus mais animados espectadores: as crianças.

Fofinha pintou o rosto de ativistas e crianças. Foto: Fernanda Oliveira Santos

Fofinha pintou o rosto de ativistas e crianças. Foto: Fernanda Oliveira Santos

Os ativistas da Sea Shepherd também circularam pela Paulista com um golfinho inflável na maca de transporte, na qual estava escrito: “socorro! estão me sequestrando” e “socorro! não quero ir para um aquário”. O “passeio” chamou a atenção de quem passava pela rua, e resultou em muitas abordagens para questionar o porquê de um golfinho estar sendo sequestrado.

Ativistas chamara a atenção de quem passava pela Avenida Paulista. Foto: Fernanda Oliveira Santos

O Instituto Sea Shepherd Brasil agradece a participação de Fofinha e suas pinturas. Neste dia, também fomos presenteados pela Gabriela Oliveira, proprietária da Magic Toys, com mesas e cadeiras infantis!

Japan Dolphins Day neste domingo, na Avenida Paulista, em São Paulo

Por Claudia Hallage, voluntária do Núcleo SP do Instituto Sea Shepherd Brasil

Dia 01/09/2013 terá inicio mais uma temporada de caça aos golfinhos, em Taiji, no Japão. Os maiores interessados nesta prática são os parques marinhos e resorts espalhados pelo mundo. A Sea Shepherd mais uma vez mostra a verdade cruel sob o pano escuro do interesse econômico.

Golfinho recebendo suas primeiras lições após ser selecionado, em Taiji. Apenas a fome faz com que ajam dessa maneira. Foto: Sea Shepherd

Golfinhos, baleias, focas e tantos outros animais marinhos vivem em parques aquáticos pelo mundo como objetos de entretenimento. Sempre que questionados, esses estabelecimentos afirmam, categoricamente, que os animais são bem tratados, felizes e se divertem. Sempre escondem a origem e a forma como foram parar em tanques artificiais, mas a verdade sempre aparece, e aos poucos as pessoas se deparam com ela, de maneira surpreendente.

Golfinhos já nos parques aquáticos, cativeiro de onde nunca sairão. Foto: Sea Shepherd

A Sea Shepherd acompanha a caça de golfinhos anualmente através de seus Guardiões da Enseada, na esperança de que cada vez mais pessoas conheçam a verdade e tomem uma atitude em defesa da vida marinha.

Guardiões da Enseada em Taiji. Foto: Sea Shepherd

Este é o nosso objetivo! Trazer à tona os fatos para que cada um possa escolher conscientemente o que é diversão.

Exatamente por isso, neste domingo, dia 01/09, estaremos na Av Paulista, n. 854, com diversas atividades voltadas a adultos e crianças. Passeio ciclístico, atividades lúdicas, bate papos e educação ambiental farão parte deste dia.

Não perca a oportunidade de conhecer o outro lado da história!

Participe do Japan Dolphins Day, na Avenida Paulista, n. 854, em São Paulo (SP), das 11h às 14h, neste domingo, 01/09.

Núcleo ES ministra palestra na Universidade Federal do Espírito Santo

Por Thiago Barrack, coordenador voluntário do Núcleo ES do Instituto Sea Shepherd Brasil

No dia 29/08, o Grupo de Apoio do Espírito Santo do Instituto Sea Shepherd Brasil através do seu Coordenador, Thiago Barrack, ministrou uma palestra com o tema: “Sea Shepherd: Quem Somos!”, no Campus da Universidade Federal do Espírito Santo, em Alegre, a 189km da capital Vitória (ES). A palestra ocorreu no Auditório do CREAD.

Palestrante Thiago Barrack. Foto: Núcleo ES/ ISSB

O Grupo de Apoio do Espírito Santo do Instituto Sea Shepherd Brasil, considerada a ONG de proteção dos mares mais ativista do mundo, apresentou vídeos e debates sobre a necessidade de conservação, defesa e proteção dos ecossistemas marinhos, abordando também todas as campanhas, ações e as conquistas jurídicas da instituição ao longo dos 13 anos de atuação no Brasil, e em mais de 35 anos no mundo.

Participantes do evento. Foto: Núcleo ES/ ISSB

O evento foi um sucesso, trazendo ainda mais adeptos e simpatizantes da ONG para o Espírito Santo. As inscrições foram gratuitas.

Em especial fica o agradecimento às organizadoras, Thainá Torres, Joseana Pimentel e Fabrícia Kuster.

Organizadoras do evento e palestrante. Foto: Núcleo ES/ ISSB

Guardiões da Enseada em Taiji, no Japão

A quarta temporada da Operação Paciência Infinita começa em 01 de setembro

Os preparativos para a próxima temporada de assassinato. Foto: Sea Shepherd

A campanha 2013-2014 dos Guardiões da Enseada, Operação Paciência Infinita, começa oficialmente dia 01 de setembro, mas a líder veterana dos Guardiões da Enseada, Melissa Sehgal e o Guardião da Enseada Scott Cator já estão em Taiji. Quando eles chegaram, no dia 26 de agosto, uma nova força-tarefa da polícia estava no local e aguardava o aparecimento dos Guardiões da Enseada da Sea Shepherd.

Os preparativos para a próxima temporada de matança foram observadas em toda a cidade – lonas na entrada de União dos Pescadores, canos pintados e prontos para serem montados, e no chão do açougue de golfinhos, equipamentos prontos para processar os golfinhos. Apesar dos indícios do massacre iminente, muitos remanescentes do verão nojento em Taiji persistem, em especial o nade-com-os-golfinhos que continua durante todo o verão dentro da Enseada. Este programa permite que as crianças nadem com os golfinhos em cativeiro, no local exato onde os golfinhos foram arrancados de suas famílias.

No ano passado, cerca de 100.000 pessoas em todo o mundo, em sintonia com a nossa transmissão ao vivo a partir de Taiji, testemunharam o assassinato bárbaro e a captura de centenas de golfinhos. Este ano, temos o prazer de anunciar que a plataforma estará disponível no site da Sea Shepherd, em http://livestream.seashepherd.org. Isso permitirá que as pessoas acessem facilmente a transmissão ao vivo, de qualquer lugar do mundo.

Temos alguns novos elementos relacionados com a campanha que serão anunciados nos próximos dias, por isso, acesse nosso canal de transmissão ao vivo, direto de Taiji.

Um número sem precedentes de Guardiões da Enseada da Sea Shepherd estarão em Taiji durante a temporada de caça, que dura seis meses, para documentar e expor a horrível matança de golfinhos em Taiji, o marco zero do comércio de golfinhos em cativeiro. Mesmo que você não possa se juntar a nós em Taiji , você ainda pode fazer parte da solução, contatando a Embaixada do Japão.

Lista com os números de telefone das embaixadas japonesas e consulados em todo o mundo: http://embassy.goabroad.com/embassies-of/japan

Embaixadas japonesas no Brasil: http://www.br.emb-japan.go.jp/contato.html

Por favor, para que a sua mensagem tenha efeito positivo não utilize palavras de baixo calão ou racistas. Lembrem-se que existem japoneses ao qual trabalham em prol dos golfinhos e são contra esta matança. Julguem apenas os culpados!

Nós não vamos parar até que o massacre termine!

Canos pintados e prontos para serem montados. Foto: Sea Shepherd

Quando eles chegaram no dia 26 de agosto, uma nova força-tarefa da polícia estava no local e aguardava o aparecimento dos Guardiões da Enseada. Foto: Sea Shepherd

A líder veterana dos Guardiões da Enseada, Melissa Sehgal, e o Guardião da Enseada Scott Cator já estão em Taiji. Foto: Sea Shepherd

Instituto Sea Shepherd Brasil ministra a palestra “Conquistas Jurídicas na Proteção do Ambiente Marinho” na OAB/RJ

No dia 28 de agosto de 2013, o Instituto Sea Shepherd Brasil ministrou a palestra “Conquista Jurídicas na Proteção do Ambiente Marinho”, na 32ª Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional do Rio de Janeiro, a convite da Comissão de Direito Ambiental local, que promoveu um ciclo de palestras. O ISSB esteve representado por Luiz André Albuquerque, Coordenador Jurídico e Diretor Regional do Núcleo Rio de Janeiro, e Gisele Pontes, Coordenadora do mencionado núcleo.

Gisele Pontes iniciou a palestra falando ao público presente sobre a criação do ISSB, as formas de atuação da organização no Brasil e o trabalho realizado em conjunto com alguns órgãos públicos como o Ministério Público Federal e a Polícia Federal, através de representações que são encaminhadas a partir de denúncias recebidas, após constatação do crime ambiental, bem como no suporte técnico através da entrega de laudos que confrontam derrames de petróleo, principalmente.

Foto: 32ª Subseção da OAB/RJ

Na sequência, Luiz André Albuquerque discorreu sobre as ações civis públicas movidas pelo Instituto Sea Shepherd Brasil desde sua criação, citando as cinco principais ações que são importantes marcos jurídicos na proteção da vida marinha brasileira.

Os advogados presentes tiveram informações sobre as ações civis públicas movidas contra Henri Xavier e a empresa Pescados Amaral, referentes à pesca predatória de arrasto marinho ilegal, sendo a duas ações julgadas procedentes em favor do ISSB, considerados precedentes inéditos na América Latina e na Justiça brasileira, com a decisão em relação a empresa Pescados Amaral, declarada tombada pelo patrimônio histórico do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) pela relevância socioambiental.

As ações civis públicas movidas contra a empresa Dom Matos Comércio de Pescados, pela prática predatória de 36 mil tubarões, para a prática do finning (extração das nadadeiras/barbatanas) e contra Jonan Queiroz de Figueiredo e João Dias da Silva, pelo abate de 83 golfinhos no litoral do Amapá, também foram objeto de apresentação, estando as referidas ações ainda pendentes de julgamento. O Instituto Sea Shepherd Brasil tem confiança na procedência das decisões.

Por fim, foram apresentadas as motivações que levaram o ISSB a requerer e obter na Justiça Federal a suspensão do turismo de observação de baleias embarcado (TOBE) dentro da APA da Baleia Franca, em Santa Catarina. Não somos contra o TOBE, mas desejamos que sejam avaliados os impactos e que seja respeitada a legislação vigente de proteção aos cetáceos.

“Neste caso específico, a alegação de prejuízos econômicos não pode se sobrepor a preservação de uma espécie ameaçada de extinção, principalmente, pela possibilidade da realização do turismo de avistamento de baleias franca por terra, em vários pontos da região, bem como a execução de monitoramento aéreo e também terrestre, para fins de censo de identificação visual”, disse Luiz André Albuquerque.

Foto: 32ª Subseção da OAB/RJ

O evento contou com a palestra “Crime Ambiental Marítimo”, proferida pela Dra. Valéria Lisboa, integrante da CDA-OAB/RJ, que abordou várias questões como a necessidade de proteção e fiscalização da “Amazônia Azul” – extensão marítima brasileira, as leis que regem os crimes ambientais em águas internacionais e da dificuldade na sua aplicação, a exploração petrolífera e a falta de recursos para compensação de eventuais danos, etc.

Dra Valéria Lisboa

Na sequência, foram ministradas as palestras da Dra Érica Roberta Santiago, Presidente da Comissão de Direito Ambiental da 32º. Subseção,da OAB/RJ abordando o tema “Noções de Direito Ambiental e Desenvolvimento”; do Dr. Sérgio Mendes, pedagogo e Diretor Executivo do GRES Império Serrano voltada para o “Racismo Ambiental” com foco na intolerância étnica, racismo e a Lei 10.639/2003 (que garante a obrigatoriedade do ensino da história e cultura afro-brasileira no currículo oficial da rede de ensino complementar)

Foto: 32ª Subseção da OAB/RJ

A última  palestra do evento foi proferida pelo Cacique Tucano, da Aldeia dos Índios Tamoios – Aldeia Maracanã, que apresentou o tema “Racismo Ambiental: Conceito, Forma e Experiências”, finalizando-se os trabalhos com um debate sobre os temas abordados.

Gisele Pontes, Dra. Valéria Lisboa e Dr. Luiz André Albuquerque no final do evento. Foto: 32ª Subseção da OAB/RJ