Workshop sobre Pesca e Comercialização Ilegal de Tubarões e Raias na Costa Brasileira

No dia 03 de Junho a Sea Shepherd Brasil – Núcleo PR esteve presente na “X Semana do Meio Ambiente”, promovido pelo CEEP Dr. Brasilio Machado em Antonina/PR.  Foi realizado um Workshop sobre Pesca e Comercialização Ilegal de Tubarões e Raias na Costa Brasileira, ministrado pela bióloga e parceira da Sea Shepherd Natascha Wosnick.

Foto 1
Alunos, de diversas idades, e professores ficaram sabendo um pouco mais sobre finning, espécies ameaçadas, pesca e comércio ilegal de tubarões e raias.
O workshop também informou sobre as ações e campanhas realizadas pela Sea Shepherd Brasil e Global.

FOTO 2

A Sea Shepherd agradece o convite e recepção dos alunos e professores do CEEP Dr. Brasilio Machado.

FOTO 3

Campanha Dirty Sea e Atividade Educativa em Ilhabela

04 a 09 de Junho 2016 – Ilhabela/SP.

Na Semana do Meio Ambiente 2016 o Instituto Sea Shepherd Brasil e a Embaixada Mar e Vida Ecotrip realizaram atividades educativas na praia e no Colégio São João Ilhabela. A praia do Curral foi escolhida para a Campanha Dirty Sea Project, limpeza do micro lixo na praia e retirada de lixo no mar. No mar os mergulhadores retiraram petrechos de pesca e lixos diversos do fundo marinho na Laje de Santa Cruz. Os dias seguiram com muitas atividades e ocorrência de avistamento de baleias Jubarte no canal de São Sebastião.  Trazidos pelo mar, também houve registro do recolhimento de animais marinhos raros na região.

Ainda houve palestras, oficina e participação dos alunos do ensino fundamental e médio do Colégio São João Ilhabela, escola da iniciativa privada de Ilhabela que tem a filosofia essencialmente humanista, dedicando-se ao trabalho em constante avaliação e reflexão. Acredita que a educação “deve cumprir sua intenção de ser responsável pela socialização dos conhecimentos, apropriação da cultura e formação de cidadão consciente”.

Esta semana do meio ambiente serviu como reflexão dos nossos atos em relação à vida nos Oceanos. O quanto consumimos das riquezas tão escassas e qual o nosso papel na reservação das espécies. O que estamos fazendo com nossos Oceanos? Nossos mares estão sofrendo com o lixo e plástico, com a pesca predatória, matança indiscriminada e tantos outros crimes cometidos pela espécie humana.

Mesmo assim, um grupo de voluntários disponibilizaram tempo e atitude para conscientizar as pessoas da importância da preservação da vida marinha.

índice

Praia do Curral – Ilhabela. Apoio montado para a ação de limpeza do mar e praia.

Orientações antes do mergulho subaquático de limpeza

Orientações antes do mergulho subaquático de limpeza

Saída de mergulho no bote para limpeza sub na Laje Santa Cruz

Saída de mergulho no bote para limpeza sub na Laje Santa Cruz

Nos dias 04 e 05, sábado e domingo, partindo da base operacional da Embaixada Mar e Vida começou a limpeza do fundo mar, na Laje de Santa Cruz, entre a Praia do Curral e Veloso. Em terra, foi feita a limpeza do micro lixo ao longo da Praia do Curral.

A Campanha Dirty Project da Sea Shepherd Brasil em Ilhabela participou das atividades no município para a conscientização na semana em que se fala muito em preservação do meio ambiente. Muito dos nossos detritos (88% da superfície dos oceanos contém plástico) são os micros lixos despejados todos os dias em nossos oceanos. Neles contém tampinha de garrafa, embalagens plásticas de alimentos, sacos plásticos de supermercado, canudos, micro bolinhas de isopor, pedacinhos de fios coloridos, pedacinhos de plástico rígido, lata de alumínio, garrafa pet, cordas e muito mais.

Fitas plásticas retiradas de uma Tartaruga Cabeçuda, viva e salva, no dia 04/06/16 Praia do Curral.

Fitas plásticas retiradas de uma Tartaruga Cabeçuda, viva e salva, no dia 04/06/16 Praia do Curral.

Micro Lixo na Praia do Curral

Micro Lixo na Praia do Curral

Micro Lixo na Praia do Curral

Micro Lixo na Praia do Curral

Zoom do micro lixo na Praia do Curral – destaque bolinhas brancas de isopor por toda a orla da praia.

Zoom do micro lixo na Praia do Curral – destaque bolinhas brancas de isopor por toda a orla da praia.

Muito deste lixo são consumidos por animais que os confundem com alimento. Não é difícil encontrar o micro lixo alojado em estômagos de aves e mamíferos marinhos.

Vários outros fatores são atribuídos à mortandade precoce dos animais. Como foi o caso desta Toninha da espécie Ehpontoporia blainvillei e Albatroz (sem identificação) que foram encontrados mortos na praia que após coletas de informações foram recolhidos pelos monitores do Instituto Argonauta de Ubatuba.

Toninha abortada (Ehpontoporia blainvillei) ainda com o cordão umbilical

Toninha abortada (Ehpontoporia blainvillei) ainda com o cordão umbilical

Coleta de informação pelos Monitores Ambientais residentes.

Coleta de informação pelos Monitores Ambientais residentes.

Albatroz jovem sem identificação da cabeça

Albatroz jovem sem identificação da cabeça

Monitores de Praia para Resgate e Registro dos animais

Monitores de Praia para Resgate e Registro dos animais

Foto 12: Agentes Ambientais trabalhando na identificação e recolhimento do animal.

Agentes Ambientais trabalhando na identificação e recolhimento do animal.

Diante de tantos eventos ainda foi possível presenciar e registrar a pesca ilegal praticada na Praia do Curral. Pela manhã nos deparamos com uma rede espera de pesca muito próxima a arrebentação. No momento da foto, os pescadores estavam recolhendo a rede que ficou em espera na noite anterior, da qual foi retirado uma espécie de tubarão ou cação que não foi possível identificar em foto. O animal foi retirado rapidamente pelos pescadores da embarcação e recolhido ainda mais rápido para o interior da propriedade do pescador ali mesmo na praia.

Pescador local da Praia do Curral puxando a rede deixada na noite anterior. O local encontra-se muito próximo à arrebentação.

Pescador local da Praia do Curral puxando a rede deixada na noite anterior. O local encontra-se muito próximo à arrebentação.

 

Nestes dias atípicos de animais encalhados e mortos nas praias de Ilhabela (devido às tempestades em alto mar ou morte através da pesca incidental) muito outros animais tiveram outra história para contar. Estes foram salvos do lixo despejado por nós, no leito marinho. Foram salvos: esponjas do mar, pepino do mar, estrela, ofiúros, caranguejos, cracas, ouriço do mar, poliquetas entre outros.

Corda de seda com caranguejo preso entre as cerdas

Corda de seda com caranguejo preso entre as cerdas

foto 15: Caranguejo salvo das cerdas da corda.

Caranguejo salvo das cerdas da corda.

pedaço de madeira com cracas e ouriço do mar devolvidos ao mar

pedaço de madeira com cracas e ouriço do mar devolvidos ao mar

Separação dos animais do lixo na peneira

Separação dos animais do lixo na peneira

Animais separados nos recipientes de água salgada

Animais separados nos recipientes de água salgada

Voluntários da atividade de limpeza de mar e praia.

Voluntários da atividade de limpeza de mar e praia.

Nos dias 07 e 09, terça e quinta-feira, em conjunto com o Colégio São João Ilhabela, Embaixada Mar e Vida e Instituto Pró Marinho, desenvolveram atividades para alunos do ensino fundamental e médio.

Santuário Marinho Municipal- imagem da internet Ilha das Cabras, Praia das Pedras Miúdas ao Portinho

Santuário Marinho Municipal- imagem da internet
Ilha das Cabras, Praia das Pedras Miúdas ao Portinho

O Instituto Sea Shepherd Brasil apresentou-se na sala de projeções falando da importância da preservação dos oceanos, enquanto simultaneamente ocorria palestra na sala de informática tendo como principal tema, o Santuário Marinho de Ilhabela, e em outro espaço aberto à dinâmica “A Teia da Vida”. O objetivo das atividades foi transmitir aos alunos a missão da Organização, a importância do trabalho voluntário e o dever de todos na proteção do Santuário Marinho de Ilhabela.

Sala de projeção Sea Shepherd Brasil – Em defesa dos oceanos

Sala de projeção Sea Shepherd Brasil – Em defesa dos oceanos

As atividades surtiram entusiasmo nos estudantes, os quais participaram com perguntas, interação e conscientização.

Dinâmica “A Teia da Vida”

Dinâmica “A Teia da Vida”

Palestra Projeto Parque Municipal Tartarugas de Ilhabela

Palestra Projeto Parque Municipal Tartarugas de Ilhabela

Dinâmica “A Teia da Vida”

Dinâmica “A Teia da Vida”

Foram abordados os impactos que os seres humanos causam nos oceanos, o consumo de animais ameaçados de extinção como também o lixo que produzimos.

Voluntárias na divisão das atividades com os grupos de alunos na Quadra Poliesportiva do Colégio

Voluntárias na divisão das atividades com os grupos de alunos na Quadra Poliesportiva do Colégio

Voluntários na base de praia do Curral - Embaixada Mar e Vida Ecotrip

Voluntários na base de praia do Curral – Embaixada Mar e Vida Ecotrip

“A diversidade nos nossos oceanos estão diminuindo mais e mais a cada dia e quando a diversidade colapsar, a interdependência entre as espécies também entrará em colapso e o resultado será um oceano morto.

E um oceano morto significa a morte para todas as criaturas, grandes e pequenas, porque se o oceano morrer, todos nós morreremos. O oceano é o coração do planeta e sustenta toda a vida, na terra e no mar.

Estamos impiedosamente pescando acima dos limites e muito do que está sendo feito, é de forma ilegal. Praticamente todas as operações comerciais de pesca no mundo estão em estado de colapso. Estamos poluindo os oceanos com plástico, petroquímicos, escoamento agrícola e esgoto. Estamos forçando a acidificação, a poluição sonora e a destruição dos habitats costeiros por causa do desenvolvimento.” Capitão Paul Watson – Fundador Sea Shepherd Conservation Society.

Sea Shepherd Brasil forma nova turma de resgate de animais petrolizados no Rio de Janeiro

A crescente exploração de petróleo no Brasil, principalmente no Estado do Rio de Janeiro, fez com que a Sea Shepherd Brasil identificasse a necessidade de multiplicar e aperfeiçoar os conhecimentos do biólogo e diretor geral da organização, Wendell Estol, em resgates de animais vítimas de acidentes com petróleo.

DLI_6521

Foto: Maraguary Ribeiro Santos

Com vasta experiência prática e muito conhecimento sobre a área, Wendell já formou mais de 3.000 (três mil) pessoas com seu curso Ações para Salvar Animais Marinhos em Derrames de Petróleo, que já passou por muitos lugares, como os 17 estados litorâneos do Brasil, além de países como Uruguai, Equador, Panamá, Costa Rica e Cuba, desde 2002.

Foto: Maraguary Ribeiro Santos

Foto: Maraguary Ribeiro Santos

Nos dias 04 e 05 de junho, o núcleo do Rio de Janeiro organizou e recebeu novamente o curso, que não acontecia na cidade desde 2014. Com uma turma composta, em sua maioria, por biólogos e veterinários, a Baía de Guanabara foi palco de um exercício prático que simulava o resgate de um golfinho. Para a parte teórica do curso, a turma contou com o apoio do Grupo de Mergulho Estácio de Sá (GMES), que cedeu um auditório equipado por dois dias e ainda sorteou um curso de mergulho entre os alunos.

DLI_6485

Foto: Maraguary Ribeiro Santos

Apesar da maioria dos alunos serem estudantes ou profissionais da biologia e da veterinária, os conhecimentos passados são úteis para qualquer pessoa que queira entender mais sobre o cenário do petróleo no Brasil, além de estar apto a participar de uma ação de emergência.

DLI_6457

Foto: Maraguary Ribeiro Santos

Entre os últimos alunos formados, tivemos também engenheiros, designers e fotógrafos que tiveram excelente desempenho nos exercícios.

DLI_6463

Foto: Maraguary Ribeiro Santos

Este curso de resgate capacitou nos últimos anos os voluntários do núcleo do Rio de Janeiro. Com o conhecimento adquirido no curso os integrantes do núcleo vem fazendo regularmente resgates de animais marinhos, não necessariamente petrolizados, mas que precisam ser resgatados para tratamento e reabilitação. Após o resgate os animais são encaminhados pelos nossos voluntários ao CRAS situado em Vargem Pequena.

resgate

O núcleo RJ da Sea Shepherd Brasil está reestruturando sua equipe de resgate, e contará com os alunos formados no curso em treinamentos regulares para manter os conhecimentos atualizados e a equipe sempre preparada para atuar, caso seja necessário.

Ainda esse ano, o curso segue para Ilhabela (São Paulo), Cidreira (Rio Grande do Sul) e Montevidéu (Uruguai). Para mais informações e saber como participar, acesse nossa loja online www.seashop.org.br

Para contatar o núcleo RJ : nucleorj@seashepherd.org.br

Rio de Janeiro recebe o curso “Metodologias Aplicadas ao Estudo e Conservação de Raias e Tubarões”

O Instituto Sea Shepherd Brasil realizou nos dias 20 e 21 de maio no Rio de Janeiro, o curso de Metodologias Aplicadas ao Estudo e Conservação de Raias e Tubarões, no tradicional bairro da Urca, palco histórico da colonização da cidade. A realização contou com o apoio do GMES, escola de mergulho que é parceira da organização.

Palestrantes Bianca Rangel e Natascha Wosnick no primeiro dia do curso. Foto: Victor Saldanha

Palestrantes Bianca Rangel e Natascha Wosnick no primeiro dia do curso. Foto:
Victor Saldanha

O curso, ministrado pelas biólogas e parceiras do Instituto, Bianca Rangel e Natascha Wosnick, teve como objetivo trazer ao conhecimento dos alunos, aspectos básicos da biologia, como por exemplo, a problemática da pesca predatória e acidental (by catch) e o consumo de carne de cação (tubarão) no País; as metodologias não letais de estudos de reprodução; alimentação, migração e comportamento; interações negativas (ataques não-provocados); além de oportunidades de estágio no Brasil e no mundo, as biografia de pesquisadores atuantes na área e ações da Sea Shepherd Brasil e Global em prol dos tubarões.

 Bianca Rangel, falando a respeito de estudos não-letais reprodução em raias e tubarões. Foto: Victor Saldanha

Bianca Rangel, falando a respeito de estudos não-letais reprodução em raias e tubarões. Foto: Victor Saldanha

Natascha Wosnick, falando a respeito de interações negativas (ataques) entre humanos e tubarõesl. Foto: Victor Saldanha

Natascha Wosnick, falando a respeito de interações negativas (ataques) entre humanos e tubarõesl. Foto: Victor Saldanha

A turma contou com a participação de alunos do ensino médio, de graduação em diferentes áreas, mergulhadores e do professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Marcelo Vianna, responsável pelo Laboratório de Biologia e Tecnologia Pesqueira (IB/UFRJ). “Nossa turma no Rio de Janeiro superou todas as expectativas, contamos com a participação de muitos alunos que já trabalham na área, além de mergulhadores profissionais que já tiveram a oportunidade de mergulhar com tubarões por todo o mundo” disse Natascha. “Visto que contamos com a participação do professor Marcelo Vianna e do mergulhador profissional Cláudio Ferreira, as discussões envolvendo temas polêmicos como a pesca no Brasil e ataques a humanos foram aprofundadas, trazendo aos participantes a chance de ouvir o ponto de vista de dois especialistas nas áreas em questão” comentou Bianca.

Turma Rio de Janeiro. Foto: Victor Saldanha

Turma Rio de Janeiro. Foto: Victor Saldanha

Luiz André Albuquerque, Diretor Regional do Núcleo Rio de Janeiro foi responsável por apresentar aos participantes, as ações promovidas pela Sea Shepherd no Brasil e a nível Global em defesa dos tubarões, de forma a trazer ao conhecimento dos presentes sobre a atuação direta dos voluntários frente a problemática da pesca.

Luiz Albuquerque fala sobre as ações da Sea Shepherd (Brasil e Global) em defesa dos tubarões. Foto: Victor Saldanha.

Luiz Albuquerque fala sobre as ações da Sea Shepherd (Brasil e Global) em defesa dos tubarões. Foto: Victor Saldanha.

Cláudio Ferreira, fundador da escola de mergulho GMES sorteou entre os participantes um curso de mergulho de forma a incentivar os alunos a conhecer a vida marinha de perto e possivelmente, auxiliar nas ações de limpezas subaquáticas realizadas constantemente pelo núcleo carioca.

Cláudio Ferreira fala sobre sua experiência de mergulhos com tubarões e sobre a parceria do GMES com o Instituto antes do sorteio. Foto: Victor Saldanha.

Cláudio Ferreira fala sobre sua experiência de mergulhos com tubarões e sobre a parceria do GMES com o Instituto antes do sorteio. Foto: Victor Saldanha.

O próximo curso Metodologias Aplicadas ao Estudo e Conservação de Raias e Tubarões acontecerá em João Pessoal/PB, nos dias 06 e 07 de agosto. O núcleo Rio de Janeiro receberá ainda este ano, os cursos de Ações para Salvar Animais Marinhos em Derrames de Petróleo (04 e 05/06) e Ecologia e Conservação de Pequenos Cetáceos (09 e 10/07).

Turma Rio de Janeiro. Foto: Victor Saldanha.

Turma Rio de Janeiro. Foto: Victor Saldanha.

Sea Shepherd Brasil participa da II Semana de Meio Ambiente da Faculdade Souza Marques, no Rio de Janeiro

Na noite do dia 20 de maio (sexta-feira), o Instituto Sea Shepherd Brasil participou da II Semana de Meio Ambiente da Faculdade Souza Marques, localizada na zona norte da cidade do Rio de Janeiro.

Rodolfo Gutterres Giordano, biólogo voluntário do Núcleo Rio de Janeiro, apresentou o tema “Biólogo – cientista até embaixo d’ água”, expondo vários assuntos, desde o início das pesquisas através do mergulho, passando pelas técnicas mais utilizadas pelos biólogos e as diversas formas de estudo, informando sobre a grande quantidade de espécies existentes no ambiente marinho.

Sea Shepherd Brasil / Raphael Jordão

Sea Shepherd Brasil / Raphael Jordão

Sea Shepherd Brasil / Raphael Jordão

Sea Shepherd Brasil / Raphael Jordão

Exibiu também, os vários locais onde trabalhou e adquiriu conhecimento técnico e prático e finalizou sua palestra, apresentando como é o seu trabalho como biólogo no Sea Shepherd Brasil.

Após a palestra, iniciou-se um debate com os alunos presentes, que fizeram várias perguntas sobre os assuntos abordados, com significativa parcela demonstrando grande interesse em seguir a carreira de biólogo marinho.

Sea Shepherd Brasil / Raphael Jordão

Sea Shepherd Brasil / Raphael Jordão

Em seguida, o Diretor Regional do Núcleo carioca, Luiz André Albuquerque abordou o tema “Os Impactos do Lixo Marinho”, apresentando através de imagens e dados resultantes de variadas pesquisas, os graves danos causados pelo descarte irregular de resíduos sólidos na vida marinha.

Além da grande quantidade de microplásticos presentes nos oceanos, decorrente do consumo humano em larga escala, as redes de pesca abandonadas e também o descarte dos resíduos industriais, causam grande impacto negativo na interação com animais marinhos, resultando quase sempre na morte deles. Recentes pesquisas apontam que até 88% da superfície dos oceanos do mundo está contaminada com lixo plástico. Mais de 1 milhão de aves marinhas são mortos todos os anos por consequência do lixo e cerca de 86 % das tartarugas marinhas são afetadas por lixo lançados no mar.

Sea Shepherd Brasil / Raphael Jordão

Sea Shepherd Brasil / Raphael Jordão

Importante ressaltar, que o lixo marinho também causa outros danos, como a dispersão de doenças pela disseminação de vetores (ratos e insetos); a diminuição do turismo; a introdução de espécies exóticas, pela dispersão do plástico flutuante; o prejuízo a navegação e a atividade pesqueira, dentre outros.

Ao final da apresentação, os alunos compreenderam a necessidade urgente de uma mudança de comportamento em relação a gestão dos resíduos sólidos (lixo) e se comprometeram a tornarem-se multiplicadores de uma campanha que visa conscientizar o maior número de pessoas dentro do círculo de amizade/relacionamento de cada um deles.

Sea Shepherd Brasil / Raphael Jordão

Sea Shepherd Brasil / Raphael Jordão

VOCÊ pode reduzir esse impacto ! Pequenas ações individuais quando somadas fazem muita diferença para o ambiente. Faça sua parte, lugar de lixo é na lixeira !!!

Se você deseja ser um voluntário do Núcleo Rio de Janeiro, escreva para nucleorj@seashepherd.org.br.

A Campanha Dirty Sea Project lançada pelo Instituto Sea Shepherd Brasil está percorrendo o litoral brasileiro desenvolvendo ações de Educação Ambiental e limpezas de praias e subaquáticas.