Yushin Maru 2 é recebido com protestos na Indonésia

A Organização Jacarta Animal Aid, da Indonésia, foi ao porto de Surabaya liderar os protestos contra o Yushin Maru 2.

Eles tiveram uma reunião com as autoridades portuárias e relataram que os trabalhos no navio Yushin Maru 2 não começaram e não irão começar até que uma carta de garantia seja fornecida pelo governo japonês tornando claro que a Indonésia não será responsável pelo que possa acontecer ao navio. Eles também estão organizando uma manifestação em frente a embaixada japonesa.

Precisamos prolongar o atraso nas reparações do Yushin Maru 2 durante tanto tempo quanto possível. Sea Shepherd ofereceu uma recompensa $ 10 mil dólares para quem possa impedir, de forma não violenta, o navio de partir do porto de Surabaya pelo período de duração da temporada de caça as baleias deste ano.

Quanto mais tempo pudermos manter o Yushin Maru N º 2 a distância do Oceano Austral, Santuário das Baleias, maior será o impacto sobre seus lucros. O resto da frota baleeira está operando no lado leste da área de caça a meio caminho entre a Nova Zelândia e o Chile.

O navio Steve Irwin chegará em Hobart, em 17 janeiro de reabastecer.

“Temos demonstrado que os baleeiros podem ser fisicamente parados”, disse o Capitão Paul Watson. “Se tivéssemos apenas mais um navio, poderíamos detê-los em 90% e deixá-los totalmente falidos. Estamos fazendo o melhor que podemos com os recursos que dispomos. Com mais apoio, poderíamos ganhar esta guerra e salvar as baleias.”

À Sea Shepherd Conservation Society foi concedido acesso aos portos australianos apesar das demandas do governo japonês que solicitou que não fosse permitido a Sea Shepherd reabastecer na Austrália. Ao contrário da frota baleeira, o navio da Sea Shepherd não tem sido acusado de qualquer crime, pelo que não seria justa a proibição. A frota baleeira por outro lado é impedida de aportar na Austrália e Nova Zelândia. Estamos agora trabalhando para que sejam proibidos também de entrar nos portos da Indonésia por causa de suas atividades ilegais.

Navio japonês retorna para fazer reparos

Em 20 de dezembro de 2008, o navio da Sea Shepherd, Steve Irwin, interceptou o navio japonês Yushin Maru 2 em meio a um denso nevoeiro.

O navio arpoador japonês fugiu para norte uma zona de gelo pesado. O Steve Irwin não prosseguiu, para evitar forte tempestade que poderia encurralar o navio em meio a pesados blocos de neve. Ainda assim o Steve Irwin levou dois dias para sair do gelo denso.

“Eles só tinham duas opções”, disse o Capitão Paul Watson. “Eles poderiam ter ido ao sul com o Steve Irwin. No entando optaram pelo rumo norte para evitar a nossa companhia. Escolheram o caminho mais perigoso e parece que eles sofreram danos por essa decisão.”

A tripulação do Steve Irwin não avistou mais o Yushin Maru 2 com a frota baleeira. O navio foi reportado para Suryabaya em East Java aonde chegou em 5 janeiro, para reparos.

Sea Shepherd não sabe informar se o dano foi provocado pelo gelo, mas considera que essa seja a razão do navio ter que retornar. Os Navios baleeiros japoneses estão proibidos de entrar nos portos da Austrália e Nova Zelândia por causa de suas atividades ilegais no Oceano Austral. Isto os obrigou a ir mais longe, ao norte da Indonésia.

O Yushin Maru 2 tem previsão de sair de Surabaya em 16 janeiro, o dia previsto também para a chegada do Steve Irwin em Hobart, Tasmânia. Depois de reabastecido, o Steve Irwin volta imediatamente a persigui-los.

Como o Yushin Maru 2 foi forçada a sair da caça durante cerca de 40 dias isso terá um grave impacto sobre o número de baleias que a frota japonesa será capaz de caçar durante a ausência do Steve Irwin.

A mídia japonesa informou que o marinheiro que havia caído ao mar na noite de 5 de janeiro, cometeu suicídio.

Sea Shepherd ajuda na procura de marinheiro japonês desaparecido no mar

A Sea Shepherd Conservation Society uniu-se a busca do marinheiro japonês Hajime Shiraskai 30 anos do navio da Kyoshin Maru N º 2 desaparecido no mar desde segunda-feira dia 05 de janeiro de 2009.

O Steve Irwin está atualmente com a frota baleeira japonesa na posição de 62 graus 17 minutos Sul e 144 Graus 50 Minutos Ocidente.

O Capitão Paul Watson informou que a tripulação da Sea Shepherd ofereceu ajuda aos japoneses na busca pelo marinheiro desaparecido. Ajuda esta que foi recusada tendo o capitão do Yushin Maru n. º 3 alegando que não aceitaria ajuda de “eco-terroristas”.

Capitão Watson respondeu que mesmo assim a tripulação da Sea Shepherd está ajudando na busca sem interferir com os baleeiros enquanto eles estiverem nesta missão.

O Steve Irwin lançou dois barcos com tripulação ao mar e segue também fazendo buscas de helicóptero.

O Steve Irwin tem porém, tempo limitado, pois terá que seguir à Hobart na Tasmânia para reabastecer.

Navegando contra o Tempo – Sea Shepherd retorna para reabastecer!

O navio Steve Irwin está retornando para reabastecer. O Capitão Paul Watson esclareceu:

“Nós os mantivemos ocupados, impedimos suas atividades de caça por duas semanas, e os expulsamos das águas do território australiano. Agora precisamos retornar a terra para reabastecer. Não temos o luxo de ficar reabastecendo em alto-mar como a frota japonesa. Não temos os recursos para conduzir dois navios aqui, e não temos o apoio do Greenpeace para nos substituir. Estamos fazendo o melhor que podemos com os recursos que nos são disponíveis, e estamos tendo um impacto significativo em suas matanças.

O navio Yushin Maru #2, o primeiro baleeiro com que a Sea Shepherd se deparou nesta temporada, não tem sido visto desde 20 de dezembro. Para isso, Paul Watson aclarou dizendo:

“O Yushin Maru #2 não está com a frota, e não temos idéia de onde esteja, mas esse navio não pode matar baleias sem o navio-fábrica, Nisshin Maru”.

O Steve Irwin retornará ao porto disponível mais próximo para reabastecer, e então partirá de volta para perseguir a frota novamente o mais breve possível.

Sea Shepherd colide com navio baleeiro!

Nesta sexta-feira, 26, o Steve Irwin enfrentou o navio Kaiko Maru, que emergiu do nevoeiro, subitamente. O clima foi tenso para a tripulação da Sea Shepherd, que conseguiu lançar 10 garrafas de “manteiga podre” e 15 garrafas com metilcelulose (espécie de substância viscosa). Após o fato, o Segundo Comandante, Peter Hammarstedt, ainda brincou dizendo que o Kaiko Maru é um navio “fedorento e escorregadio”.

O incidente começou com o navio japonês avançando com força para o estibordo e golpeando o Steve Irwin, fato que originou o esmagamento sem motivo algum do corrimão de segurança do deck do helicóptero. Contudo, não houve nenhum dano grave para ambos os navios.

Desde sábado, o navio da Sea Shepherd tem perseguido a frota japonesa por 400 milhas ao meio de névoas pesadas, gelo grosso e um tempo traiçoeiro. Durante esse tempo nenhuma baleia foi morta.

Os baleeiros operavam dentro da zona econômica australiana.