Mergulhadores segurando bandeira da Sea Shepherd

Campanha Ondas Limpas subaquática em Ilhabela reuniu voluntários para limpeza marinha

Ação teve como objetivo o mergulho subaquático no Parcel Santa Cruz da Praia do Curral para a remoção de detritos e petrechos de pesca (ByCatch) com resgate de fauna marinha.

#ByCatch – Mais de 9 milhões de toneladas de animais já foram capturados incidentalmente nos últimos anos. Foram mais de 600 mil toneladas de redes de pesca perdidas ou abandonadas no mar. As redes fantasma matam inúmeras espécies marinhas, das menores como crustáceos (foto), aves, tartarugas como também animais maiores como baleias e golfinhos. Esta é uma estatística estarrecedora quando aliamos estas informações com o esgotamento de vida nos oceanos pela pesca e poluição por plástico.

A Campanha Ondas Limpas da Sea Shepherd Brasil visa mitigar estes impactos com ações diretas de limpeza de fundo marinho. Esta ação teve como objetivo o mergulho subaquático no Parcel Santa Cruz da Praia do Curral para a remoção de detritos e petrechos  de pesca (by-catch) com resgate de fauna marinha.

Caranguejo preso em rede de pesca
Voluntários com lixo recolhido

Como foi esta ação? Foi em novembro,  quando voluntários do núcleo São Paulo mergulharam para retirar petrechos de pesca do parcel bem próximo à praia. Foram retiradas cordas, pedaços de rede e linhas com anzóis descartados pela pesca que ocorre ali, outros são detritos que vem pelas correntes, inclusive rede de pesca fantasma ocasionando o mortal bycatch. Além de retirar os petrechos de pesca,  foram resgatados os pequeninos animais alojados nos detritos. Foram dezenas de caranguejos, ofiúros, ascídias, lagostins, camarões, mexilhões, poliquetas entre outros. A ação começou bem cedo  para montagem da estação de triagem no espaço do parceiro @MareVidaEcotrip e equipar os mergulhadores. Depois da  hidratação com frutas e água os 11 mergulhadores e voluntários em terra entraram em ação seguindo a preleção. Após 1 hora de mergulho (mas com uma manhã inteira de trabalho),  os voluntários trouxeram os detritos para tenda para separação dos materiais e resgate de fauna. 

#StopbyCatchDay 1o. Dezembro - VOCÊ SABIA?

Estima-se que 40% de toda pesca é bycatch (Keledjian et al 2014), Baleias, golfinhos, focas, tartarugas, raias, tubarões, aves marinhas, peixes e invertebrados capturados acidentalmente e descartados…Vidas desperdiçadas!

A comissão dos Oceanos dos Estados Unidos declarou em 2005 o bycatch como a maior ameaça aos mamíferos aquáticos no mundo (Yopung and Ludicello 2007), e para agravar este problema, somente uma pequena parte dos “bycatches” são de fato registrados.

Cerca de 640 mil toneladas de petrechos de pesca são perdidas no mar todos os anos se tornando redes fantasmas (Macfadyen et al. 2009).

Pela perspectiva do bem estar animal, os emalhes das baleias são indiscutivelmente uma das piores formas de mortalidade causada por seres humanos aos animais selvagens (Cassof et al 2011).

Os animais podem morrer afogados, pois presos não conseguem subir à superfície para respirar, também sofrem lacerações devido aos cabos pesados que rebocam, infecções, e podem morrer de fome, pois não conseguem se alimentar de forma eficaz (International whaling Commission 2018).

Fonte: @vivaverdeazul

Junte-se ao movimento!
Campanha Ondas Limpas da Sea Shepherd Brasil para erradicar o Lixo Marinho e proteger, conservar nossos ambientes costeiros. Atuamos prevenindo e removendo plásticos que entram nos nossos oceanos e vias marinas. Acesse seashepherdbrasil.org.br e DOE.

Doe para ajudar nas limpezas, resgate de fauna e comunidades que necessitam de assistência.

Na Amazônia, Sea Shepherd ajuda a mitigar poluição de rios por meio da educação

Coordenação em Manaus realiza ações educacionais e conversas sobre logística reversa de resíduos com peças-chave de Manaus e redondezas.

Educar hoje para criar um mundo mais sustentável amanhã. Com esse objetivo, a ONG de preservação marinha Sea Shepherd realiza, no mês de novembro, ações educacionais sobre a preservação do meio ambiente, dos oceanos, e de sua própria sobrevivência.

De maneira lúdica e interdisciplinar voltado à realidade dos alunos em sala – a Sea Shepherd conseguiu cativar, em sua primeira turma, uma classe de 15 alunos que já retornam às suas atividades presenciais, na Escola Adventista de Santo Antônio, na zona oeste de Manaus.

“Ideias muito criativas e facilmente implementáveis foram geradas, como uso de madeira, vidro, bambu e até barro e argila para substituir os acessórios de plástico que comumente utilizamos e descartamos – principalmente nesta época pós-pandemia”, afirma Nathalie Gil, coordenadora nacional do projeto Sea Shepherd Educação.

Gil reforça a importância de se debater o lixo que geramos, em particular o plástico, um resíduo relativamente recente em nossas vidas, mas que hoje é onipresente.

“O resíduo é um problema de décadas na região de Manaus. Há uma imensidão de lixo sendo despejado no rio Amazonas e o aterro sanitário da capital só poderá receber resíduos até 2021”, aponta a coordenadora.

Segundo a Secretaria Municipal de Limpeza Urbana (Semulsp), entre janeiro e setembro deste ano já foram retiradas mais de oito mil toneladas de lixo dos rios e igarapés de Manaus. A Semulsp mantém o serviço diariamente em toda a capital, atendendo, em média, 36 igarapés por mês. Quase 880 toneladas de resíduos são retiradas mensalmente dos rios, um dos mais onerosos aos cofres públicos, a um custo de quase R$ 1 milhão, a cada 30 dias.

Após algumas tentativas no passado, recentemente foram implementados 38 PEVs em pontos estratégicos da cidade, em uma ação conjunta com o Ministério Público, Semplusp e redes de distribuidoras que através do Fórum de Logística Reversa se uniram para fazer acontecer.

Para Elisa Müller, Coordenadora da Associação Aliança, que está na linha de frente do desafio dos resíduos em Manaus, há ainda muito que fazer. “O sucesso da implementação das PEVs é só o começo. Agora temos que mobilizar empresas responsáveis pelo resíduo gerado, para assim estruturar de fato a logística reversa de nossa região, gerar renda e educar uma geração que irá enfrentar o problema do lixo como nenhuma outra” afirma.

Doe para ajudar nas limpezas, resgate de fauna e comunidades que necessitam de assistência.

Garrafa jogada em praia

Mutirão da Sea Shepherd retira mais de 400 Kg de lixo

Mais de 400 kg de detritos, microlixo e petrechos de pesca foram recolhidos durante mutirão de voluntários da Sea Shepherd em celebração ao Dia Mundial da Limpeza. A ação envolveu dezenas de pessoas em 7 cidades de todo o Brasil, com o intuito de desenvolver um dia de ativismo ambiental em pró aos oceanos e qualidade de vida.

Além das embalagens plásticas de alimentos que foram encontradas, outros detritos mortais, como rede de pesca fantasma e outros petrechos de pesca foram retirados de costões e rios.
As ações foram realizadas em parceria com o Limpa Brasil e Teoria Verde, além de entidades locais. Participaram os seguintes núcleos:

Paraná – Quatro Barras Rio Cercado / Bracajuvava
Paraná – Curitiba
Paraná – Limpeza em rio com voluntário mirim
São Paulo – Ilhabela – Costão Rochoso da Praia do Curral
São Paulo – Arujá
Santa Catarina – Florianópolis na Praia Ponta de Baixo
Santa Catarina – Itapoá

Voluntária recolhendo lixo em Itapoá

Doe para ajudar nas limpezas, resgate de fauna e comunidades que necessitam de assistência.

Doe para ajudar nas limpezas, resgate de fauna e comunidades que necessitam de assistência.

Voluntários retirando pneu do rio

Mutirão de limpeza retira mais de 270 kg de lixo de rios do Paraná

Um mutirão de limpeza organizado pelos moradores do município de Quatro Barras (PR), com o apoio da Sea Shepherd Brasil, retirou mais de 270 kg de lixo dos leitos e dos arredores dos rios Cercado e Curralinho neste domingo (20). A mobilização contou com aproximadamente 20 pessoas, além do auxílio da prefeitura da cidade e da Sanepar, e também realizou o plantio de mudas nativas da mata atlântica local.

De acordo com coordenador da Sea Shepherd Brasil, Jackson Silva, a limpeza nos rios tem impacto direto na represa do Iraí, que abastece Curitiba. “Sabemos da situação precária que se encontra a represa do Iraí, atuando aproximadamente com 20% de sua capacidade. Com essa seca, podemos ver o volume absurdo de lixo descartado incorretamente”, afirma.

Um dia antes da limpeza dos rios paranaenses, no dia 19, foi celebrado o Dia Mundial Da Limpeza. Para Silva, o fato de a limpeza ter sido uma mobilização da própria comunidade é algo a celebrar. “Os próprios moradores da região se organizaram para fazer essa limpeza. A educação e conscientização ambiental pode e deve fazer a diferença nas nossas comunidades”, aponta.

Voluntários coletando lixo

Doe para ajudar nas limpezas, resgate de fauna e comunidades que necessitam de assistência.

Doe para ajudar nas limpezas, resgate de fauna e comunidades que necessitam de assistência.

Vamos fazer um grande mutirão em casa no Dia Mundial da Limpeza

A meta é superar 3 mil itens recolhidos no dia 19 de setembro

No Dia Mundial da Limpeza, 19 de setembro, a Sea Shepherd Brasil e a iniciativa Limpa Brasil farão uma grande mobilização de recolha do lixo nas casas e ruas. O objetivo é ir além do resultado alcançado no esquenta em agosto, quando nossos voluntários destinaram corretamente quase 3 mil itens somente nas cidades de Ilhabela e Arujá (SP), Curitiba e Florianópolis.

Neste ano, devido à Covid-19, o Dia Mundial de Limpeza será uma mobilização em casa, por meio de ações individuais ou em família, para evitar aglomerações. É uma oportunidade para protegermos o meio ambiente em pequenos atos que fazem muita diferença.

Para participar, os voluntários devem se cadastrar no site do Limpa Brasil. 

Lixo coletado

Mutirão na sua casa

Voluntária segurando bitucas

Há muitas coisas que os voluntários podem fazer individualmente ou em família no Dia Mundial da Limpeza:

  • Mutirão de eliminação do Foco de Dengue
  • Doação de roupas
  • Limpeza de arquivos desnecessários em dispositivos digitais
  • Separação dos resíduos (recicláveis, compostos e rejeitos)
  • Coleta de óleo
  • Coleta de resíduos eletrônicos
  • Horta e compostagem
  • Reaproveitamento de alimentos
  • Revitalização de espaços
  • Descarte de remédios vencidos em farmácias
  • Ações de bem-estar emocional, como meditação, esporte, yoga, leitura, dança.

O problema do lixo

No mundo, anualmente são jogados nos oceanos mais de 8 milhões de toneladas de lixo. Mais de 1,3 bilhões de toneladas são produzidas ao ano.

No Brasil, apenas 1% a 3% é enviado para a coleta seletiva. Somos o terceiro maior produtor de resíduos no mundo! O lixo domiciliar representa 54% do todo volume gerado no país e metade das cidades brasileiras ainda despejam a céu aberto. Em 2019, mais de 10 toneladas de resíduos e mais de 25 mil bitucas de cigarro foram despejadas em nossas praias.

Como podemos mudar esta realidade?

A Sea Shepherd desenvolve campanhas para mitigar os impactos do lixo no mar e nos rios. Todos os anos, são retiradas toneladas de detritos pelos nossos voluntários no Brasil e mundo. Aqui no país, a campanha Ondas Limpas faz mutirão de limpeza em seis estados com a ajuda de voluntários.

Lixo coletado

A segurança de todos

Durante a ação, os voluntários devem se manter em distanciamento social e usar luvas, máscara, álcool em gel para a segurança.

Usar a camisa Sea Shepherd Brasil é importante. Vamos registrar o mutirão e publicar nas redes sociais marcando a @seashepherdbrasil e com as hashtags: #EuCuidoDoMeuQuadrado, #OndasLimpas e #SeaShepherd.

Outra recomendação é calcular e pesar o lixo recolhido para avisar ao coordenador da região. Assim podemos contabilizar o resultado e termos certeza de que superamos a meta!

Dia: 19/09/2020
Onde: na sua casa
Inscrições: www.limpabrasil.org/cadastro-voluntarios 

Conheça o Sea Shop e Ajude a Sea Shepherd