Sea Shepherd Brasil Núcleo PR participa de gincana ecológica em comemoração aos 30 anos da escola de mergulho Scubasul

A escola de mergulho de Curitiba Scubasul completou em dezembro de 2016 30 anos de profissionalismo e capacitação de mergulhadores. Em comemoração ao aniversário e ao dia internacional do mergulhador, a escola organizou uma gincana ecológica que consistiu em diversas atividades subaquáticas e principalmente numa ação de limpeza subaquática e terrestre do Parque Nacional Marinho das Ilhas dos Currais, localizado à 25 km de Pontal do Paraná.

FOTO 1

A gincana aconteceu no dia 18 de dezembro e contou com a participação de mergulhadores, equipe e alunos da escola, voluntários do Núcleo PR do Instituto Sea Shepherd Brasil e do José Claro da Fonseca Neto, biólogo e fundador do Projeto Litoral Nota CEM.  O objetivo era de abraçar simbolicamente a ilha maior, Grapiá, e fazer a coleta do lixo encontrado.

O complexo de ilhas de Currais é formado por três ilhas, a Grapiá, 3 Picos e a Pequena. Considerado o 1º maior berçário marinho do Paraná, as três ilhas abrigam em torno de 8.000 aves marinhas e ninhos, de atobás, fragatas, garças, socós, trinta reis e gaivotas.

Os voluntários do Núcleo Paraná realizaram a ação de limpeza da parte terrestre da ilha maior, a Grapiá, com a ajuda de mergulhadores e do José Claro. Devido à grande dificuldade de acesso e mobilidade na ilha – pois a mesma é composta principalmente por pedras e vegetação, onde são encontrados muitos ninhos de aves com ovos – apenas 300 metros puderam ser percorridos. No perímetro coberto pelos voluntários, foram retirados 15 sacos cheios de lixo de 100 litros. A maior parte do lixo consistia em plástico, principalmente garrafas PET, e isopor. Segundo José Claro, o lixo possui duas origens: doméstica e da pesca. Algumas das garrafas encontradas possuem origem de outros países, como Coréia, China e Singapura, provavelmente trazidas por navios.

Todo o lixo retirado da illha e do mar foi ensacado e levado no barco  para o continente. O lixo foi devidamente encaminhado e descartado no balneário Pontal do Sul.

O evento recebeu cobertura midiática da TV educativa do Paraná e do programa Balanço Geral do Paraná da emissora RIC. As reportagens podem ser visualizadas através dos links:

– TV educativa: http://www.e-parana.pr.gov.br/modules/video/videosProgramas.php?video=25492

– Balanço Geral: http://pr.ricmais.com.br/balanco-geral-curitiba/videos/equipe-do-balanco-geral-acompanha-mergulho-ecologico-em-expedicao-de-limpeza-submarina-no-litoral/

http://pr.ricmais.com.br/balanco-geral-curitiba/videos/grupo-de-mergulhadores-realiza-mergulho-ecologico-para-remover-impurezas-e-preservar-praias/

A gincana ecológica foi a última ação do Núcleo PR no ano de 2016. A primeira ação do ano de 2017 já tem data marcada e será a limpeza das praias dos balneários pertencentes à Pontal do Paraná no dia 22 de janeiro.

O núcleo Paraná conta com diversos voluntários que se encontram mensalmente para discutir as próximas ações (palestras, eventos, mutirões de limpezas de praias). Se você quer conhecer um pouco do que fazemos, entre em contato através do e-mail nucleopr@seashepherd.org.br.

Sea Shepherd Brasil realiza resgate de jovem tartaruga marinha no Rio de Janeiro

Voluntários do Núcleo Rio de Janeiro do Instituto Sea Shepherd Brasil (ISSB) resgataram uma jovem tartaruga-verde – Chelonia Mydas, na tarde do dia 08 de dezembro, (quinta-feira), no Iate Clube do Rio de Janeiro (ICRJ), situado na zona sul da cidade.

A jovem tartaruga marinha foi encontrada bastante debilitada e com dificuldades de flutuação, por sócios do ICRJ, que acionaram o núcleo carioca da instituição.

“Ao chegarmos ao local e constatarmos a gravidade da situação, comunicamos ao Ibama/RJ a necessidade de resgate e contatamos o professor Jeferson Pires, médico veterinário e responsável técnico pelo CRAS/UNESA, sobre a necessidade de encaminhamento do animal para tratamento.” – informou Luiz André Albuquerque, Diretor do Núcleo Carioca do ISSB.

Tartaruga marinha sendo resgatada no Iate Clube do Rio de Janeiro. Crédito: Gisele Pontes

Tartaruga marinha sendo resgatada no Iate Clube do Rio de Janeiro. Crédito: Gisele Pontes

“Durante o resgate, observamos que a tartaruga estava com o ânus obstruído por um saco plástico. Cuidadosamente o retiramos e demos certo conforto ao animal, mas provavelmente ainda havia muito plástico em seu estômago, pois não parava de expeli-los. Infelizmente, mais da metade das tartarugas marinhas do mundo já ingeriram plástico e outros detritos produzidos por humanos, pois são confundidos com alimento.” – Rodolfo Giordano, biólogo e voluntário carioca do ISSB.

Pedaços plásticos sendo expelidos pelo ânus da tartaruga. Crédito: Gisele Pontes Foto 03 – Tartaruga marinha resgatada.

Pedaços plásticos sendo expelidos pelo ânus da tartaruga. 

 

Tartaruga marinha resgatada. Crédito: Gisele Pontes

Tartaruga marinha resgatada. Crédito: Gisele Pontes

Após resgate, o animal foi entregue a Patrulha Ambiental da Prefeitura do Rio de Janeiro e conduzido para o Centro de Recuperação de Animais Silvestres (CRAS), da Universidade Estácio de Sá (UNESA), onde receberia atendimento veterinário, visando sua reabilitação e posterior reintrodução em seu habitat natural.

Entrega da tartatuga marinha na Patrulha Ambiental do Rio de Janeiro. Crédito: Gisele Pontes

Entrega da tartatuga marinha na Patrulha Ambiental do Rio de Janeiro. Crédito: Gisele Pontes

Estaremos acompanhando o caso e na torcida por sua pronta recuperação.

Nossos agradecimentos aos voluntários Rodolfo Giordano, Gisele Pontes e Luiz André Albuquerque.

Caso você tenha interesse em tornar-se um voluntário do Núcleo Rio de Janeiro, escreva-nos um e-mail para nucleorj@seashepherd.org.br

Nota informativa:

A poluição dos oceanos por resíduos plásticos tem ganhado proporções inimagináveis, com consequências catastróficas para a vida nesse ecossistema. Um das vítimas desse tipo de poluição é a tartaruga marinha. A ingestão de detritos plásticos pode ferir e até matar tartarugas marinhas, bloqueando seu intestino, perfurando sua parede intestinal e liberando produtos químicos tóxicos em seus tecidos internos.

Descarte seu lixo corretamente e não seja cúmplice da morte de animais inocentes. Conscientize-se !

Crédito: Gisele Pontes

Impactos do lixo plástico na alimentação e morte dos animais é tema de palestra de Bia Figueiredo em Ilhabela/SP

Nos dias 24 e 25 de Novembro de 2016, a integrante da Sea Shepherd Global, Bia Figueiredo foi ao Colégio São João Ilhabela/SP palestrar sobre sua experiência como parte da tripulação dos navios, suas experiências a bordo da Campanha Icefish e principalmente alertar as crianças e adolescentes sobre os impactos que o lixo plástico causa no meio ambiente e aos animais, quando são confundidos e ingeridos como alimento.

Apresentação artística de todo lixo plástico produzido no intervalo das aulas.

Apresentação artística de todo lixo plástico produzido no intervalo das aulas.

 

Alunos participando da apresentação sobre o lixo plástico no Colégio São João Ilhabela – litoral norte de SP

Alunos participando da apresentação sobre o lixo plástico no Colégio São João Ilhabela – litoral norte de SP

Foi muito impactante a reação de todos os alunos ao verem a quantidade de lixo plástico que se é produzido e descartado no intervalo das aulas. Principalmente, porque os alunos assistiram aos vídeos mostrando toda realidade dos impactos causados pelo lixo plástico no meio ambiente, onde os animais os consomem como alimento e podem morrer contaminados por objetos plásticos que não são digeridos pelo seu organismo.
Um dos vídeos assistidos foi a remoção de um canudo plástico das vias respiratórias de uma tartaruga marinha. Acesse o link: Equipe de pesquisa salva tartaruga marinha com canudo preso no nariz.

[youtube width=”525″ height=”390″]https://www.youtube.com/watch?v=MU2Fvt3xW5s [/youtube]

No vídeo acima um canudo plástico sendo removido das vias respiratórias de uma tartaruga marinha. – Equipe de pesquisa salva tartaruga marinha com canudo preso no nariz – vídeo do youtube

E o outro vídeo assistido pelos alunos foi sobre as Ilhas Midway (norte do Oceano Pacífico), onde os filhotes de albatroz morrem por ingestão de plástico. Acesse o link: Midway Island, North Pacific Ocean, Unbelievable!

[youtube width=”525″ height=”380″]https://www.youtube.com/watch?v=1I7on22jA48 [/youtube]

No vídeo acima um filhote de albatroz morto, com o estômago completamente cheio de lixo plástico. Vídeo do youtube Midway Island, North Pacific Ocean, Unbelievable!

O mais gratificante após a palestra é ver em cada aluno, desde os pequenos até os adolescentes, uma sede implacável de mudança em relação ao uso e descarte do lixo plástico.
E também aprendemos muito com eles, de que não devemos mascarar a realidade do mundo, escondendo os fatos sobre a devastação do meio ambiente causada por nós, pois eles são o nosso futuro e a mudança para que tenhamos um mundo melhor.

foto-5-lixo-plastico-produzido-durante-o-intervalo-das-aulas-e-ensinando-sobre-o-impacto-na-vida-dos-animais-que-confun

A vida marinha agradece.

Vídeo: Midway Island, North Pacific Ocean, Unbelievable ! https://www.youtube.com/watch?v=1I7on22jA48
Vídeo: Equipe de pesquisa salva tartaruga marinha com canudo preso no nariz. https://www.youtube.com/watch?v=MU2Fvt3xW5s

“Meio Ambiente, Segurança e Saúde”: Sea Shepherd Brasil participa da SIPAT 2016, na SulAmérica Seguros

Nos dias 27 de outubro e 22 de novembro de 2016, o Instituto Sea Shepherd Brasil (ISSB) ministrou 03 (três) palestras dentro da Semana Interna de Prevenção a Acidentes de Trabalho – SIPAT 2016, a convite da SulAmérica Seguros, a maior seguradora independente do país.

Apesar de serem parte de uma norma regulamentadora, as SIPATs são eventos importantes e uma forma de proporcionar aos funcionários um ambiente de trabalho saudável e seguro, além de motivador por mostrar preocupação com o bem-estar dos colaboradores.

Crédito: Instituto Sea Shepherd Brasil

Crédito: Instituto Sea Shepherd Brasil

Crédito: Instituto Sea Shepherd Brasil

Crédito: Instituto Sea Shepherd Brasil

 

Diversos temas como Alimentação, Segurança e Comportamento foram abordados por vários profissionais e coube ao Diretor Regional do Núcleo Rio de Janeiro do Instituto Sea Shepherd Brasil, Luiz André Albuquerque, abordar o tema Meio Ambiente.

“A relação do meio ambiente com a segurança e a saúde” foi o título das palestras ministradas, que tiveram como foco, conscientizar os funcionários da empresa sob a necessidade de comportamentos ecologicamente corretos, tanto no ambiente de trabalho, quanto na vida cotidiana, visando a proteção individual e coletiva, bem como a salutar qualidade de vida.

Alguns dos pontos apresentados foram os descartes inadequados de resíduos sólidos; a importância da preservação dos oceanos; comportamento sustentável; dentre outros.

Crédito: Instituto Sea Shepherd Brasil

Crédito: Instituto Sea Shepherd Brasil

Crédito: Instituto Sea Shepherd Brasil

Crédito: Instituto Sea Shepherd Brasil

Cerca de 300 (trezentos) funcionários participaram das palestras e ao final de cada uma, foram realizados debates, objetivando a troca de informações e conhecimento.

“Falar com o colaborador sobre temas ambientais que são importantes para serem replicados no trabalho e em casa, ampliando o conhecimento sobre sustentabilidade, é muito importante para se abordar nesta semana dedicada à prevenção da segurança e da saúde” – disse Luiz André Albuquerque, representante do Sea Shepherd Brasil no evento.

“Sustentabilidade é um tema estratégico para a SulAmérica. Temos um importante papel a desempenhar nas questões ambientais, sociais e econômicas e, por isso, nossa Missão e Valores incorporam esse compromisso da Companhia. A SulAmérica assumiu voluntariamente compromissos que têm como princípios, a preservação do meio ambiente por meio da gestão integrada dos impactos ambientais decorrentes das operações de seu negócio” – comentou Fernando Terra, Coordenador da Segurança Corporativa da empresa.

Crédito: Instituto Sea Shepherd Brasil

Crédito: Instituto Sea Shepherd Brasil

Nossos agradecimentos à SulAmérica Seguros, nas pessoas dos Srs. Fernando Terra e Alfredo Tinoco, integrantes do setor de Gestão de Segurança Corporativa, pelo convite para participação no evento.

Monitoramento de Ninho de Tartaruga na Praia de Camburi/ES é feito pelos voluntários da Sea Shepherd do Espirito Santo.

Na noite do dia 29, frequentadores da praia de Camburi flagraram uma tartaruga Cabeçuda (Caretta caretta), fazendo um ninho no meio da praia. A internauta Adriana Maia, após registrar o evento, acionou a Secretaria de Meio Ambiente da Prefeitura de Vitória, que compareceu ao local, identificou e protegeu o ninho.

foto-1

foto-2

(Créditos: Gazeta Online / Adriana Maia)

A Semman deu um parecer que irá monitorar o ninho diariamente com a fiscalização, junto com parceiros do programa de monitoramento de praia, que atua diariamente no local, além da participação do Projeto Tamar. Os institutos também contam com o apoio da população para proteger e acompanhar o nascimento dos filhotes, que tem previsão para nascerem em janeiro do ano que vem.

Além da ação indevida e ilegal humana, uma outra maior ameaça nas praias de desova é a iluminação direta sobre o ambiente, que desorienta os filhotes na hora do nascimento, que podem seguir o sentido contrario do mar, podendo ser facilmente predadas ou atropeladas em vias públicas (caso já ocorrido em Vila Velha).

“O Núcleo do Espírito Santo do Instituto Sea Shepherd Brasil do qual é legitimado pelos princípios, leis e acordos internacionais, irá atuar ativamente em prol da conservação desse respectivo ninho. Estamos elaborando um projeto de monitoramento secreto, do qual iremos acompanhar e fiscalizar não apenas a promessa dos órgãos públicos “competentes”, mas, como também, a ação ilegal do homem. O Núcleo do Espírito Santo empreenderá esforços visando firmar acordos de cooperação entre instituições e ongs que trabalham em prol da causa, para a efetivação da proteção desse ninho e de outras espécies e habitats marinhos.” Disse Thiago Barrack – Diretor Regional do Núcleo do Espírito Santo do Instituto Sea Shepherd Brasil.

foto3

foto4

(Créditos: Cíntia Silva – Núcleo ES – ISSB)

“A praia de Camburi não é um local onde a tartaruga-cabeçuda (Caretta caretta) costuma desovar. Se esse local tiver sido escolhido devido à degradação ou prejuízo de outro ambiente que ela teria por hábito, então nós não recebemos só o presente da vida na forma deste ninho, nós recebemos também um alerta. E, neste momento, a consciência ambiental de toda a população é muito importante, pois o ninho está em uma praia inserida no contexto urbano. Essa espécie corre risco de extinção, assim sendo, devemos entender a sua fragilidade e respeitar os processos que dão continuidade à vida, começando pelo próprio local da desova.” Relatou Cíntia Silva – Coordenadora Técnico-Científica e Bióloga do Núcleo do Espírito Santo do Instituto Sea Shepherd Brasil.

CONHEÇA A TARTARUGA-CABEÇUDA (CARETTA CARETTA):

 

foto5

(Créditos: Projeto Tamar)

Nome Científico: Caretta caretta

Nomes comuns: Cabeçuda ou Mestiça

Status internacional: Endangered (classificação da IUCN)

Status no Brasil: Ameaçada

Distribuição: Ocorre nos mares tropicais e subtropicais de todo mundo e também em águas temperadas

Habitat: Variável ao longo do ciclo de vida. Os filhotes e juvenis vivem em alto-mar; os adultos em áreas de alimentação situadas a profundidades entre 25 e 50m; sub-adultos têm sido capturados incidentalmente

Tamanho: Até 136 cm de comprimento curvilíneo de carapaça no Brasil

Peso: Média de 140 kg

Estimativa mundial da população: 60 mil fêmeas em idade reprodutiva

Curiosidades: No Brasil, as áreas prioritárias de desova estão localizadas no norte da Bahia, Espírito Santo, norte do Rio de Janeiro e Sergipe.