Sea Shepherd Brasil (ISSB) flagra pesca ilegal na costa sul gaúcha

A Sea Shepherd Brasil, desde dezembro de 2017, realiza operações de monitoramento da costa gaúcha, muitas com a parceria da polícia federal e brigada militar, visando identificar práticas ilegais de pesca no extremo sul do Brasil. Os principais pontos de observação ocorreram na Praia do Hermenegildo, na fronteira com o Uruguai. Mais de 150 espécies de animais marinhos foram encontradas mortas devido a ação dos pescadores. Dentre eles: 38 tartarugas, 21 golfinhos e  9 lobos marinhos, alguns com marcas de tiros. Mais de 50 redes foram apreendidas, algumas colocadas em área de banho, colocando em risco a vida dos banhistas e praticantes de esportes aquáticos

[youtube]https://youtu.be/cAlIvOrLZqg[/youtube]

Durante estas operações de monitoramento foram flagradas atividades pesqueiras, principalmente de arrasto, realizada pela indústria pesqueira e também por pescadores amadores que desrespeitam as leis de pesca amadora artesanal, utilizando materiais de uso exclusivo de profissionais.

Em sua primeira operação, realizada em 08/12/2017, o ISSB encontrou, na costa extremo sul, entre o Farol da Barra do Chuí e Farol do Albardão, uma situação no mínimo caótica. No trecho de pouco mais de 90km de praia foram flagradas 9 embarcações industriais cometendo crimes e transgressões da legislação pesqueira, 4 praticando pesca de arrasto e 5 colocando redes de emalhe em área de exclusão de pesca industrial.

Operação Monitoramento Pesca Ilegal 08/12

 

Operação Monitoramento Pesca Ilegal 08/12

 

De dezembro, até esta data, já foram realizadas 3 operações, que flagraram juntas, 16 embarcações cometendo o ilícito de pescar nesta área de exclusão de pesca industrial. As embarcações foram localizadas, filmadas e fotografadas e todas as imagens do ilícito foram encaminhadas aos órgãos competentes para que as embarcações sejam autuadas e devidamente punidas.

Operação Apreensão Redes em Área de Banho.

 

Operação Apreensão Redes em Área de Banho.

 

Além da pesca industrial ilegal, também foram identificadas redes de emalhe costeiro irregulares. Neste monitoramento foram contadas 41 redes de emalhe costeiro, o que é um número que evidencia o uso de redes por parte de amadores. Este fato demonstra que esta ocorrendo ilícito nesta modalidade de pesca,  uma vez que este petrecho de pesca é de uso exclusivo de profissionais, visto que o município de Santa Vitória do Palmar/RS possui apenas 7 pescadores profissionais registrados para pesca na costa marítima.

“Outro dado que impressiona é o número de animais mortos, no primeiro monitoramento foram mais de 150 de diversas espécies, sendo que chamou mais atenção foram as 38 tartarugas, 3 golfinhos e  9 lobos marinhos, alguns com marcas de tiros”, destaca Wendell Estol, biólogo e diretor do ISSB. “Cabe ressaltar que estes são animais que transitam justamente na mesma localidade da costa em que se encontram as embarcações que estão cometendo crimes e pescando ilegalmente, evidenciando que morreram devido ao enredamento nas redes ilegais . A situação das redes de emalhe costeiro ficou pior com a chegada do período de veraneio, eram mais redes, inclusive na área de banho”, complementa, Estol.

Neste período se realizou uma operação conjunta entre Sea Shepherd, Policia Federal, Brigada Militar, Departamento de Pesca do Município de Santa Vitória do Palmar e surfistas locais, para retirada das redes de pesca da área de banho. Como resultado foram apreendidas 11 redes e cabos em um trecho de pouco mais de 2km de área de banho. Porém, o mais preocupante estava justamente fora da área de banho, o uso de redes de emalhe por parte de amadores.

Em uma segunda operação de monitoramento realizada em 23/01/2018 foram contadas 59 redes de emalhe nos mesmo 90km de praia que haviam sido percorridos entre o Farol do Albardão e Farol da Barra do Chuí, evidenciando mais ainda que estas redes são de amadores, uma vez que com a chegada do veraneio, de um mês a outro, o número de redes aumentou.

operação de monitoramento realizada em 23/01/2018

 

operação de monitoramento realizada em 23/01/2018

No mesmo monitoramento foram avistados também um grande número de animais mortos, com destaque para 13 golfinhos, que chamamos de Toninhas ou Franciscanas, que é uma das espécies de pequenos cetáceos mais ameaçadas do mundo e quem tem sua distribuição reduzida a apenas o litoral Sul do Brasil, Uruguai e Argentina. A Sea Shepherd Brasil permanecerá atuando nesta região o ano todo para coibir estes crimes contra a fauna marinha brasileira.

Desde 2012 a área entre o Farol do Albardão e Farol da Barra do Chuí e uma destas zonas, tal proibição da pesca industrial nesta área foi promulgada através de uma Instrução Normativa Interministerial, INSTRUÇÃO NORMATIVA INTERMINISTERIAL MPA/MMA N° 12, DE 22 DE AGOSTO DE 2012, que dispõe sobre critérios e padrões para o ordenamento da pesca praticada com o emprego de redes de emalhe nas águas jurisdicionais brasileiras das regiões Sudeste e Sul.

Em seu artigo 7º diz: Art. 7º Proibir a pesca de emalhe por embarcações motorizadas até a distância de 5 (cinco) milhas náuticas, a partir da linha de costa, do farol do Albardão/RS até o limite sul do Estado do Rio Grande do Sul, sendo as coordenadas definidas em Datum WGS 1984, -33,202460 S -52,706037 W, a partir da data de publicação desta Instrução Normativa Interministerial, exceto para a pesca com redes de lance de praia, para a qual a entrada em vigor obedecerá ao disposto nos §§ 2º e 3º do artigo 6º.

LIXO NAS PRAIAS – Limpeza e conscientização ambiental O que você pode fazer a respeito disso?

Recolhemos no último final de semana detritos diversos, foram plásticos sortidos em utensílios de uso único como canudo, copos ou garrafas de água, talheres, garrafas de vidro e muita bituca de cigarro que foram retirados do ambiente. Não é só um ato de cidadania que visa a conservação do meio ambiente e animais marinhos mas também um ato de conscientização da realidade em que vivemos: Lixo e mais lixo em nossas praias por falta de educação e respeito aos aceanos.

 

Limpar uma praia é uma ótima maneira de envolver todas as pessoas, desde crianças a adultos, que juntos podem proteger e conservar os oceanos em poucas horas de limpeza. Requer poucos recursos e pode ser organizado com um pequeno esforço e parcerias.

Os voluntários da Sea Shepherd se organizam todo mês para limpeza dos detritos marinhos em praias do país. Toneladas de lixo, em terra e mar, já foram retirados nos estados brasileiros em que atuamos. E neste mês de dezembro não foi diferente! O resultado foi o seguinte:

 

Em São Paulo, no Canto do Forte em Praia Grande, houve Clean Up com remada ecológica. A ação retirou 25 quilos de micro lixo, dentre eles foram: 1687 bitucas de cigarro, 731 canudos, 13 latas de bebidas, 08 garrafas de vidro, 83 tampinhas de garrafa, 128 copos plásticos, 31 embalagens de isopor e muitas oferendas religiosas em poucas horas de limpeza na orla da praia.

Concentração de voluntários para limpeza na praia, boas práticas sustentáveis e remanda ecológica do Canto do ForteSP

Na tenda armada na praia os banhistas puderam saber mais sobre a Organização e ação do dia, como também puderam saber mais sobre as boas práticas sustentáveis que devemos adotar no dia a dia, ao exemplo de RECUSAR as sacolas plásticas e utilizar sacolas retornáveis, utilizar canudos de bambu, talhares de metal ou madeira e muitas outras práticas que contribuem para evitar o lixo em nossos oceanos.

O evento teve a participação da Raia Sul Guarderia como co-organizadora e do artista plástico e Embaixador do Mar Erick Wilson que ajudaram mais uma vez na atividade.

 

Trabalho meticuloso de separação do lixo.

Remada Ecológica no Canto do Forte – Praia Grande SP.

No Paraná, em homenagem ao Dia Internacional do Voluntariado em 05 de dezembro, data instituída em 1985 pela Organização das Nações Unidas (ONU) a ação ocorreu em Pontal do Paraná e concentrou-se nos balneários de Santa Terezinha e Praia de Leste. 

Muito lixo estava na areia, mas a maior parte estava nas áreas da vegetação de restinga.

Dentre os resíduos retirados da praia predominaram as garrafas PET e vários tipos de plásticos, bitucas de cigarro, hastes de cotonete, pedaços de isopor, garrafas de vidro e latinhas de alumínio. Também foi encontrado muito material considerado micro lixo, o qual representa um grande risco à vida marinha, pois muitos animais acabam ingerindo esses materiais causando sofrimento e muitas vezes a morte do animal.

Diversos tipos de materiais são encontrados nas praias.

Há mais de um ano o ISSB núcleo Paraná realiza limpezas de praia, não só com o intuito de manter as praias limpas e minimizar os impactos antrópicos na vida marinha, mas também de conscientização do público.

Já no Rio de Janeiro, a coleta do micro lixo ocorreu na Praia Vermelha – Urca. Neste dia a Sea Shepherd Brasil e demais Organizações fizeram um evento único – educação ambiental e cleanup na praia e mar.

Voluntários da Sea Shepherd retiraram micro lixo na areia da Praia VermelhaRJ

No espaço da tenda entre os demais participantes, retratamos em exposição de fotos de como o lixo pode prejudicar a vida marinha. 

Exposição de fotos na Praia da VermelhaRJ

No Rio Grande do Sul, na Praia do Hermenegildo a ação ocorreu para registros de imagens e monitoramento. A atividade de limpeza de praia ocorrerá no próximo ano dia 06 de janeiro em parceria com a Prefeitura de Santa Vitória do Palmar. Junte-se a nós!

E assim se encerra mais um mês de atividade da Campanha Marine Debris Sea Shepherd no litoral brasileiro. Devemos manter as praias e o ambiente marinho limpos. Atitudes como descartar o seu lixo corretamente e reciclar seus resíduos podem ter grandes resultados para o equilíbrio da vida marinha.

Reflita suas atitudes! #Reduza #Recuse #Reuse #Recicle.

 

A vida marinha agradece.

Instituto Sea Shepherd Brasil

Dezembro 2017 – Paraná, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, São Paulo.

 

 

Em Santos no litoral paulista, voluntários da Sea Shepherd Brasil fizeram limpeza de praia e conscientização ambiental com banhistas

Voluntários reúnem-se em Santos SP para Clean Up na Ponta da Praia

 

Em Santos, na Ponta da Praia, os voluntários da Sea Shepherd Brasil participaram de mais um dia de limpeza de praia e práticas sustentáveis.

É a repetição da Campanha Marine Debris Sea Shepherd que visa retirar detritos das praias e do fundo marinho como também sugere as melhores práticas sustentáveis aplicadas no dia a dia das pessoas.

Voluntários fazem a coleta de micro lixo na orla da praia

O bom clima e a praia lotada foram propícios para conversar sobre a conservação dos oceanos e como podemos mudar nosso comportamento em relação ao lixo que consumimos e descartamos.

Na tenda os visitantes puderam saber mais sobre a ação do dia, conversaram sobre a campanhas internacionais da Organização e sobre este movimento global em defesa, conservação e proteção dos oceanos em muitos países.

Na orla da praia a tenda da Sea Shepherd abrigou o trabalho de separação do lixo e conscientização ambiental entre os banhistas

Neste dia os voluntários, que são pessoas comuns como você, foram além do “Desafio dos 10 Metros – Recolha o micro lixo a sua volta” – e recolheram 3,4 quilos de pequenos lixos, entre os mais encontrados são as embalagens de alimentos, pontas de cigarro, sacos plásticos, e outros micros lixo que não foram parar nos oceanos.  O maior vilão destes detritos urbanos, que tornam-se detritos marinhos, é o plástico. De peso relativamente leve, o plástico contém as mais diversas formas e cores, facilmente confundido com alimento na fauna marinha. Numa amostra de poucos quilos e numa praia constantemente limpa pelo município foram recolhidos ao nosso redor as quantidades:

588 bitucas de cigarro

132 canudos plásticos

31 tampinhas de garrafa plástica

22 copos plásticos

14 garrafas plásticas

12 tampinhas de garrafa de metal

11 talheres

As embalagens plásticas de uso único são o lixo mais encontrado nas praias

Voluntários separando o micro lixo.

“Os detritos são prejudiciais à vida marinha e podem trazer resultados catastróficos e muitas vezes fatais. Podem causar lesões ou morte por afogamento, lesão através de emaranhamento e lesões internas, ou fome após a ingestão” Sea Shepherd Marine Debris Campaign.

Acesse em nosso canal do youtube SeaShepherdBrasil – 

[youtube]https://youtu.be/053cb8bW_w4[/youtube]

Santos CleanUp PromoOficial

As limpezas de praia que fazemos são muito importantes, demonstram atitude contra o lixo nas praias e toda família pode participar! Acreditamos que as ações são eficazes mas precisamos RECUSAR o plástico de uso único. A mudança de comportamento ao adotar práticas mais sustentáveis faz a dependência deste material ser fácil de ser mudada e reduzida. Afinal, é triste saber que são mais de 500 anos para este material decompor-se na natureza. O primeiro plástico fabricado ainda está entre nós em forma de farelo e micro partículas!  Pense nisso! Estamos comprometendo o nosso futuro e o das próximas gerações, uma herança maldita que degrada todas as espécies, inclusive a humana.

REDUZA! Volte a utilizar sacolas retornáveis, caixas de papelão, copos, garrafas e talheres de metal, sabão em barra ou em pó, sacos e embalagens de papel. Pratique pequenos atos em defesa dos oceanos #Recuse, #Reduza, #Reuse #Recicle!

 

A vida marinha agradece.

Núcleo Rio de Janeiro realiza atividade no Dia Mundial de Limpeza de Rios e Praias 2017.

O Dia Mundial de Limpeza de Rios e Praias (DMLRP), conhecido mundialmente como “Clean Up Day”, foi comemorado no dia 22 de setembro de 2017, pelo Núcleo Rio de Janeiro.

 

Na cidade do Rio de Janeiro, em parceria com organizações voluntárias como o Projeto VerdeMar, o Rio Ocean Club e a operadora de mergulho Mergulho Carioca, um grupo de 50 (cinquenta) voluntários, entre mergulhadores, canoístas e banhistas, participaram da ação ambiental de limpeza da praia e do ambiente submerso, na Praia Vermelha, no bairro da Urca.

 

Foram coletados cerca de 30 (trinta) kg de resíduos sólidos, entre petrechos de pesca, lixo flutuante e lixo coletado na praia pelos voluntários. Após uma triagem, observou-se que a maior parte deste lixo coletado era composto de material plástico, mas uma significativa parcela de metais também foi encontrado.

 

Entre os itens mais recolhidos do ambiente estavam latas, garrafas pet, embalagens de produtos diversos, anjóis e linhas de pesca.

 

Durante este processo de triagem do material recolhido, foi realizado um trabalho de resgate de fauna marinha, onde diversos seres marinhos – camarões, siris, poliquetas e ouriços – foram devolvidos ao oceano. Além da coleta do lixo encontrado, um grupo de voluntários conversava com as crianças e os adolescentes presentes ao evento, e através de fotos, pinturas e desenhos, os informava sobre a importância de preservação dos oceanos. Ao final do evento, todo o lixo coletado foi levado para uma cooperativa de reciclagem.

 

Os resultados serão repassados à organização nacional do evento para compor os dados mundiais da Organização das Nações Unidas (ONU).

 

“O principal objetivo é conscientizar as pessoas do grave problema de poluição dos oceanos. Há um longo caminho a ser percorrido até atingirmos a redução significativa do lixo descartado irregularmente, mas se fizermos a nossa parte, conseguiremos.” – informa Luiz André Albuquerque, Diretor Regional do Núcleo Rio de Janeiro.

Dia Mundial de Limpeza de Rios e Praias 2017 Sea Shepherd Brasil – Núcleo São Paulo reúne voluntários para limpeza do mar e praias.

16 de setembro de 2017

O Clean Up the World é uma campanha mundial o qual as comunidades se inspiram e se fortalecem em todos os cantos do globo para limpar e conservar o meio ambiente, seja ele marinho ou terrestre. A Sea Shepherd também organiza-se pelo mundo em várias cidades com a campanha Marine Debris Campaign com o envolvimento de milhares de voluntários.

Ilhabela/SP Voluntários mergulhadores com os parceiros da Embaixadas Mar e Vida e Colonial Diver, Profundo no Mundo, Itaquitanduva Aborígenes

 

Angra dos Reis RJ – Voluntários em saída de mergulho da Embaixada Dive For Fun

 

Praia Grande SP – Tenda com voluntários em ação de limpeza e educação ambiental

 

O trabalho voluntário de todos os envolvidos é a soma de esforços em defesa da vida marinha, num dia em que se chama a atenção para o lixo produzido por nós e jogado no ambiente natural.  Muito micro lixo são retirados das nossas praias devido ao estilo de vida que escolhemos. São sacolas e garrafas plásticas, canudos, embalagens de alimentos, pontas de cigarros e muito mais plástico a cada hora. Os oceanos recebem mais de 8 milhões de toneladas de plástico por ano! Além de prejudicar a vida marinha o lixo retirado é alarmante e representa o quanto precisamos mudar as nossas atitudes.

Praia Grande SP  Canto do Forte – esvaziando os sacos de lixo após coleta pelos voluntários.

 

Ilhabela SP Praia do Curral – lixo separado: pedacinhos de plástico, pontas de cigarro, latas, garrafas, tampas.

 

Ilhabela  SP Praia do Curral – Na separação dos animais do lixo, um ermitão e camarões vivos.

 

Ilhabela SP na Praia do Curral uma tartaruga verde (Chelonia mydas) foi resgatada no mar inerte e sem força a qual foi resgatada por voluntários e encaminhada para estabilização no Instituto Argonauta.

 

Por esta razão, os voluntários do núcleo São Paulo reuniram-se em 3 locais diferentes, em ação simultânea em Ilhabela na Praia do Curral, em Praia Grande no Canto do Forte e Angra dos Reis no Rio de Janeiro para levar conscientização às pessoas na praia como também realizaram mergulho de limpeza.

 

Desafio dos 10 metros – Dia Mundial de Limpeza de Rios e Praias 2017 Ilhabela  Praia Grande  Angra dos Reis.

 

Participe deste movimento global em defesa da vida marinha. Repense seu estilo de vida: Recuse, Reuse, Recicle, Reduza.

 

A vida marinha agradece.

Sea Shepherd Brasil

Pelos Oceanos.