Caçadores de tubarão são presos dentro da Reserva Marinha de Galápagos

Foto: Parque Nacional de Galápagos

Foto: Parque Nacional de Galápagos

Um dos maiores casos de caça ilegal de tubarões na história do Parque Nacional de Galápagos está em curso na província equatoriana. Os guardas florestais do Parque e um navio da Marinha equatoriana apreenderam o navio de pesca industrial de espinhel de Manta, no Equador, e cerca de 30 pescadores. No momento da captura, o navio de pesca estava pescando há 20 milhas marítimas dentro da área designada da Reserva Marinha de Galápagos, a sudeste da Ilha Genovesa.

Após a inspeção, ficou claro que o navio estava usando espinhel para pescar tubarões comercialmente, o que é ilegal na Reserva Marinha de Galápagos. Além disso, descobriu-se que este navio estava envolvido em um massacre em massa de tubarões. O navio detido estava cheio de tubarões, 357 no total. A lista incluiu a morte confirmada de 286 tubarões-raposa, 22 tubarões-azuis, 40 tubarões de Galápagos, 6 tubarões-martelo, 2 tubarões-tigre e 1 tubarão-mako.

Foto: Parque Nacional de Galápagos

Foto: Parque Nacional de Galápagos

O Parque Nacional de Galápagos abriu um processo administrativo contra a embarcação, seu proprietário, e a tripulação. Simultaneamente, a nova promotoria ambiental para Galápagos iniciou um processo penal, a fim de obter penas máximas para as pessoas envolvidas neste crime ambiental grave.

A Sea Shepherd Galápagos irá acompanhar de perto este caso, quando for a julgamento. O impacto sobre o frágil ecossistema de Galápagos é devastador, e uma mensagem precisa ser enviada de que tais atividades altamente ilegais terão graves conseqüências.

A Sea Shepherd Galápagos está implementando o Sistema de Identificação Automática, que vai melhorar ainda mais a capacidade de monitoração de navios para o Parque, fazendo com que a pesca ilegal fique cada vez mais difícil dentro das águas protegidas da Reserva Marinha de Galápagos.

A Sea Shepherd tem trabalhado em estreita colaboração com o Parque Nacional de Galápagos desde o ano de 2000, e com a Polícia Nacional equatoriana desde 2007.

Traduzido por Raquel Soldera, voluntária do ISSB.

Sea Shepherd investiga cemitério secreto de baleias-piloto debaixo d’água

Mergulhador da Sea Shepherd analisa um crânio de baleia-piloto encontrado no local. Foto: Simon Ager

Mergulhador da Sea Shepherd analisa um crânio de baleia-piloto encontrado no local. Foto: Simon Ager

A tripulação da Sea Shepherd Conservation Society, a bordo do rápido navio interceptor, Brigitte Bardot, investigou um enorme cemitério submerso, onde carcaças de baleias-piloto são descartadas após os grinds em Vestmanna e Leynar, nas Ilhas Faroé. O maciço cemitério secreto submerso foi descoberto durante a Operação Grind Stop do ano passado, uma campanha da Presidente da Sea Shepherd França, Lamya Essemlali, atualmente a bordo do Brigitte Bardot.

“Muitos dos moradores negam a existência deste cemitério, mas as imagens falam por si. Carcaças de baleias-piloto são despejadas em uma fenda secreta entre Vestmanna e Leynar, e onde podem, então, ser secretamente arrastadas para o mar”, disse Essemlali.

Mergulhadores da Sea Shepherd, o canadense Simon Ager e o americano Beck Straussner, mergulharam 20 metros  em uma fenda na lateral de um penhasco monumental, para confirmar o segredo sujo que abriga este fiorde. O que eles encontraram corrobora com relatos prévios da área. “Eu vi uma vala comum de proporções terríveis. Havia crânios, vértebras e costelas espalhadas pelo fundo do oceano, tanto quanto os olhos podiam ver. As algas dançam com a gordura ainda ligada aos ossos. Foi a primeira vez que eu chorei debaixo d’água”, disse Straussner.

news_110721_1_1_Sea_shepherd_investigates_whale_graveyard_(110721)

As baleias-piloto são descartadas no mesmo penhasco que também é utilizado para o descarte dos resíduos das famílias locais e dos resíduos industriais. “Os faroenses alegam que a matança é um bonito rito religioso de passagem. Mas, ao mesmo tempo, eles descartam os corpos destas bonitas criaturas em um poço de lixo que também contém peças de trator e gerador de resíduos industriais, entre outras coisas”, disse Ager.

Um crânio de baleia-piloto coletado do cemitério foi trazido a bordo do Brigitte Bardot para análise, mas foi posteriormente colocado de volta ao mar. “Teria sido ótimo manter o crânio para mostrar aos outros europeus as vítimas do grind. No entanto, seria ilegal trazer o crânio na União Europeia, porque as baleias-piloto são listadas como uma espécie ameaçada sob a Convenção de Berna. Ironicamente, a razão que não podemos trazer este crânio em terra para fins de divulgação, é o mesmo motivo que a caça de baleias-piloto não deve estar ocorrendo”, disse o sueco Peter Hammarstedt, Primeiro Oficial.

A Sea Shepherd continuará suas patrulhas nas Ilhas Faroé, na Dinamarca, em busca de baleias-piloto durante a Operação Ilhas Ferozes, uma campanha destinada a defender e proteger as baleias-piloto. Contudo, um navio da Marinha das Ilhas Faroé está atualmente atrapalhando o navio do grupo ambientalista. “As baleias-piloto são nossos clientes. E como bom pastores, vamos continuar por perto para defendê-las”, disse o capitão Fraser Hall, do Canada.

O Brigitte Bardot passou a noite de 20 de julho atracado em Vestmanna, em Streymoy, oferecendo excursões ao navio para as crianças locais. No final da manhã, o navio iniciou suas patrulhas estratégicas em Streymoy e Vaga.

Crânio de baleia-piloto trazido a bordo para análise. Foto: Simon Ager

Crânio de baleia-piloto trazido a bordo para análise. Foto: Simon Ager

 

Local do cemitério submerso de baleias-piloto. Foto: Simon Ager

Local do cemitério submerso de baleias-piloto. Foto: Simon Ager

 

 

 

 

 

 

 

 

Traduzido por Raquel Soldera, voluntária do ISSB.

 

Dois cidadãos das Ilhas Faroé se unem à Sea Shepherd em Torshavn Harbour

Hall e Hammarstedt, da Sea Shepherd, com os tripulantes das Ilhas Faroé, Kamarinum e Bogason. Foto: Ager Simon

Hall e Hammarstedt, da Sea Shepherd, com os tripulantes das Ilhas Faroé, Kamarinum e Bogason. Foto: Ager Simon

Na tarde de 19 de julho, o navio da Sea Shepherd, Brigitte Bardot, entrou em Torshavn Harbour, nas ilhas Faroé, para coletar dois tripulantes das Ilhas Faroé para a campanha em defesa das baleias-piloto, Operação Ilhas Ferozes. Magnus Hjaltalin A Kamarinum, 21 anos, de Torshavn e Reinert Hilmar Bogason, 21 anos, de Skala, se uniram à Sea Shepherd como os mais novos tripulantes do Brigitte Bardot.

O navio está atracado em Vestara Vag, onde cerca de 200 moradores das Ilhas Faroé, alinhados ao longo do cais, vislumbraram sua chegada. Sob o comando do Capitão Fraser Hall, do Canada, o Brigitte Bardot passou pela alfândega e imigração em Torshavn sem incidentes.

A maioria dos moradores estavam simplesmente curiosos sobre a presença da Sea Shepherd, com exceção de Marnar Andreasen, feitor do distrito de Torshavn para o grind, que se aproximou do navio usando seu tradicional “grindakniv”, a faca usada para cortar a medula espinhal das baleias-piloto encalhadas. Empunhando a faca em volta da tripulação, Andreasen advertiu a Sea Shepherd a não ficar “entre ele e suas baleias”. Implacável, a tripulação do Brigitte Bardot passou quase 24 horas guiando os moradores locais em um tour pelo navio.

Morador das Ilhas Faroé exibe seu 'grindakniv' usado para abate baleias-piloto. Foto: Simon Ager

Morador das Ilhas Faroé exibe seu 'grindakniv' usado para abate baleias-piloto. Foto: Simon Ager

Na manhã de 20 de julho, vários moradores de Torshavn montaram um stand ao lado do Brigitte Bardot para servir carne de baleia-piloto para aqueles que passavam. A carne de baleia-piloto tem uma concentração tão alta de metais pesados ​​que Pal Wiehe, Assessor de Saúde das Ilhas Faroé, recomendou que a população não consumisse nada. A carne de baleia-piloto foi oferecida à tripulação da Sea Shepherd, que surpreendentemente recusou. “Oferecer carne de baleia-piloto é como oferecer cigarros em uma convenção anti-tabagismo. Não só é irônico, mas também mortal”, disse o Primeiro Oficial sueco, Peter Hammarstedt.

“Eu estava em cima do muro sobre tudo isso, mas a matança está fora de mão. Baleias demais estão sendo mortas e os métodos de abate são desumanos”, disse Kamarinum.

“Alguém tem que ser o primeiro a se opor ao grind. Esperamos que outros faroenses sigam o nosso exemplo”, disse Bogason, sem saber que tipo de recepção o espera dos moradores depois que ele sair do navio.

Kamarinum e Bogason representam uma população crescente das Ilhas Faroé que se opõe a matança, mas têm muito medo de expressar suas opiniões antipatriotas em público.

“Kamarinum e Bogason são heróis que nos dão esperança de que podemos parar a matança nas Ilhas Faroé. Há uma nova geração nas Ilhas Faroé, que vêem o grind como o que é – um massacre bárbaro de cetáceos que não tem lugar atualmente no século 21”, disse o capitão Hall, do Canada.

Ao meio-dia, em 20 de julho, o Brigitte Bardot começou suas patrulhas planejadas da região mais a sul das Ilhas Faroé, em busca de baleias-piloto.

Traduzido por Raquel Soldera, voluntária do ISSB.

S.O.S. Emergência do Capitão Paul Watson: Salvem nosso navio!

Reportando da ponte do Steve Irwin

news_110719_1_4_photo1894Escrevo para vocês à bordo do navio, em Lerwick, Escócia: preciso de sua ajuda para liberar o nosso navio-almirante, o Steve Irwin.

Na tarde de sexta-feira, 15 de julho, o Steve Irwin foi detido pela Corte britânica devido a um processo civil trazido contra nós por uma empresa pesqueira maltesa, a Fish and Fish Limited. Eles alegam danos por conta dos atuns azuis que resgatamos de suas redes em junho de 2010, peixes que acreditamos terem sido pegos ilegalmente, após o término da temporada, sem a presença de um inspetor a bordo nem qualquer papel documentando a legalidade de sua pesca.

Temos um escritório de advogados nos representando, e acreditamos que temos as provas necessárias para apoiar nosso caso. Este processo também nos dará a oportunidade de expor o que alegamos serem as atividades ilegais da Fish and Fish; e defenderemos agressivamente o caso nessas bases. A proteção do atum azul é de importância vital para nossos oceanos e para a humanidade, porque se os oceanos morrerem… nós morremos.

Foto: Bill Rankin

Foto: Bill Rankin

Agora, se não depositarmos uma fiança de garantia de USD$1.411.692,87, o Steve Irwin ficará detido indefinidamente e, possivelmente, será vendido. Isto não seria apenas uma dificuldade financeira para a Sea Shepherd, mas, o mais importante, poderia nos impedir de chegar às Ilhas Faroe para proteger as baleias piloto, além de ameaçar a nossa capacidade de defender as baleias no Santuário de Baleias do Oceano Austral da frota baleeira em dezembro próximo.

Imploro a vocês que ajudem a salvar o nosso navio hoje! Precisamos arrecadar urgentemente USD$1.411.692,87 para depositar nossa fiança. Tem doações chegando, mas estamos ainda muito aquém. Peço, encarecidamente, que enviem, hoje, a maior doação que puderem fazer – sua doação será incrivelmente importante e fará a diferença em ajudar a salvar as vidas das baleias ameaçadas.

Vocês já ajudaram a salvar milhares de baleias e incontáveis outras criaturas marinhas, mas se não tivermos nosso navio de volta logo, as baleias terão mortes trágicas por causa de nossa inabilidade de mover este navio e protegê-las.

Por favor, faça uma doação para salvar o Steve Irwin, para que possamos retornar ao mar e fazer o que sabemos fazer melhor – defender a vida nos nossos oceanos.

Nunca antes a necessidade de sua ajuda e apoio foram maiores.

Muito obrigado,

Por nossos oceanos e pelo Steve Irwin,

Capitão Paul Watson

Foto: Deborah Bassett

Foto: Deborah Bassett

Como colaborar:

As doações podem ser feitas através do link http://seashepherd.org.br/doacoes/ ou diretamente no site internacional: https://my.seashepherd.org/NetCommunity/SSLPage.aspx?pid=398

Caçadores de atum tentam atrasar o lançamento da Operação Ilhas Ferozes

“Se não é uma coisa, é outra coisa!” – Gilda Radner, como “Roseanne Roseannadanna”

Foto: Bill Rankin

Foto: Bill Rankin

As campanhas da Sea Shepherd Conservation Society são muitas vezes imprevisíveis, e devemos estar sempre preparados para os obstáculos e emboscadas. Assim como estavam prestes a partir de Lerwick, nas Ilhas Shetland, para lançar a campanha Operação Ilhas Ferozes, contra a matança ilegal de baleias-piloto nas Ilhas Faroé, na Dinamarca, dois funcionários do tribunal de Aberdeen chegaram ao navio da Sea Shepherd, Steve Irwin. Os funcionários entregaram à Sea Shepherd um aviso de detenção, porque a Fish & Fish, uma empresa de pesca de Malta, entrou com uma ação civil no Tribunal britânico, alegando que a Sea Shepherd havia danificado propriedades que afirmam possuir.

A Fish & Fish estão especificamente se referindo a danos que alegam terem sido feitos pela Sea Shepherd durante a pesca de atum-azul no Mediterrâneo em 2010.

A Sea Shepherd não está particularmente preocupada com o fato, porque suas ações contra as operações de pesca ilegal são tomadas somente após a obtenção de provas suficientes para provar que o alvo está funcionando ilegalmente, e acreditamos que temos provas contra a Fish & Fish e estaremos nos defendendo com base nisso. No entanto, não vamos esquecer que os processos podem ser arquivados por diversos motivos. Isto pode ter acontecido por reparação financeira, ou simplesmente porque a Sea Shepherd teve sucesso expondo as ilegalidades das operações que lucram com a destruição do atum-azul e queremos interferir em suas atividades. De qualquer forma, a Sea Shepherd está confiante de que sua defesa contra esta ação é forte.

Nesse meio tempo, um mandado para prender o navio foi convenientemente apresentado às 16h30min da tarde, na véspera de sua partida para as Ilhas Faroé, para proteger as baleias-piloto do abate.

A Sea Shepherd é capaz de enviar o navio Brigitte Bardot como planejado, mas a partida do Steve Irwin será adiada até que eles possam apresentar uma carta de fiança, que seu departamento jurídico está preparando.

Em qualquer campanha, a Sea Shepherd deve permanecer flexível e pronta para lidar com o inesperado. Este ataque jurídico pela indústria de pesca de atum irá nos atrasar, mas certamente não irá nos deter ou nos impedir de defender as baleias neste verão.

A Operação Ilhas Ferozes terá início, como programado, com a partida do Brigitte Bardot em 16 de julho, de Lerwick, nas ilhas escocesas Shetland.

Traduzido por Raquel Soldera, voluntária do ISSB.