Home » Editorial

E a sede de sangue continua nas Ilhas Faroé

28 agosto 2013

Comentário por Erwin Vermeulen

Cena mórbida: crianças sentam em cima de uma baleia-piloto recentemente morta após um grind nas Ilhas Faroé. Foto: Sofia Jonsson / Sea Shepherd

Em 27 de agosto, por volta de 14:00, outras 51 baleias-piloto foram massacradas nas Ilhas Ferozes. Desta vez, na aldeia Hvalvik , no leste da ilha Faroé, Streymoy, não muito longe da capital, Tórshavn. O nome significa Baía das Baleias, e 188 baleias-piloto foram mortas aqui, em maio de 2009. Felizmente, na noite do dia 26, a matança teria sido abortada em Suðuroy quando a escuridão caiu, caso contrário, os números de mortes seriam ainda maior.

Quando informamos sobre a temporada de matança sangrenta no início deste mês (Morte e sofrimento brutais; a atividade de sempre nas Ilhas Faroé) pedimos-lhe para escrever para as autoridades dinamarquesas.

Em 22 de agosto de 2013, Maria Padilla Arndt, mararn@um.dk, Assistente Cultural e Assessora de Imprensa do Consulado Geral da Dinamarca em Nova York, respondeu a um cidadão do mundo com o seguinte e-mail para defender o Grind. O e-mail é uma combinação de declarações apologistas padrão, e velhas mentiras. As respostas da Sea Shepherd são adicionados ao texto:

O Ministério das Relações Exteriores dinamarquês recebeu seu e-mail, onde você expressa seus sentimentos causados ​​por um e-mail que você recebeu contendo imagens de supostas mortes de golfinhos na Dinamarca. As fotos podem ter sido acompanhadas por comentários inflamados e enganosos, por exemplo, de que retratam um rito de passagem para os jovens. Tomamos nota do fato de que você encontrou as fotos acima mencionadas, e o texto que o acompanha, incomodando. As fotos são de capturas, não de golfinhos, mas de baleias-piloto nas Ilhas Faroe.

Sea Shepherd: As baleias-piloto estão atualmente classificadas na família Delphindae e, portanto, são golfinhos. No final, eles são todos os cetáceos, mamíferos, seres sencientes inteligentes. Em 13 de agosto, 430 golfinhos-de-laterais-brancas-do-atlântico foram abatidos; golfinhos também são mortos nas Ilhas Faroé . Veja o seu próprio link: As baleias e baleeiros nas Ilhas Faroe (em inglês).

As imagens são muito seletivas, e em parte ultrapassadas.

Sea Shepherd: Não há fotos antigas sendo usadas ​​quando 1.085 golfinhos foram abatidos desde 21 de julho deste ano, e as filmagens dos banhos de sangue estão sendo amplamente difundidas na imprensa das Ilhas Faroé, e por cidadãos das Ilhas Faroé através da mídia social.

Como você parece estar interessado no assunto, recomenda-se encontrar mais informações sobre as unidades pesqueiras de baleias-piloto nas Ilhas Faroé, na página inicial http://www.whaling.fo. Na Wikipedia, a enciclopédia livre na internet, você também pode encontrar um artigo chamado “Atividade baleeira nas Ilhas Faroe” (em inglês).

Os fatos que você vai encontrar, incluem o seguinte:

A finalidade da caça é para produção de alimentos,

Sea Shepherd:  a matança por alimento não é uma desculpa para a crueldade, da mesma forma que a necessidade de mão-de-obra não é uma desculpa para a escravidão. Além disso, as baleias-piloto são impróprias para a alimentação, como indicado no seu próprio link: Recomendação dietética sobre o consumo de carne e gordura de baleia-piloto (em inglês), e em: Moradores de Faroé são recomendados a parar de comer baleias ‘tóxicas’ (em inglês).

A caça é regulamentada pelas autoridades ,

Sea Shepherd:Os regulamentos não funcionam, já que não existem repercussões para a negligência grosseira. Alguns exemplos de abandono estão listados neste artigo: Morte e sofrimento brutais; a atividade de sempre nas Ilhas Faroé. Se as investigações sobre crueldade fazem parte dos regulamentos, você pode nos enviar as publicações dos resultados que essas investigações apontam?

A caça é biologicamente sustentável ,

Sea Shepherd: a IUCN lista a baleia-piloto como ‘dados insuficientes’. Você não pode falar em sustentabilidade se o número da população é desconhecido. A IUCN tem o seguinte a dizer sobre esta espécie : “As ameaças que podem causar quedas generalizadas incluem altos níveis de som antropogênico, sonares especialmente militares e levantamentos sísmicos, e por captura. Principais ameaças que podem causar quedas generalizadas incluem emaranhamento em redes de pesca e da pesca da lula. A combinação de eventuais quedas impulsionadas por estes fatores se acredita que é suficiente para uma redução global de 30% ao longo de três gerações (72 anos; Taylor et al., 2007) não pode ser excluída (critério A )”.

“Não há informações sobre as tendências mundiais em abundância. Existe pouca informação sobre as subpopulações dentro da espécie (Donovan et al., 1993)”.

Apenas a NAMMCO chama a captura de sustentável. Suas opiniões não são credíveis, já que essa organização foi fundada por nações baleeiras para proteger sua indústria a partir de esforços de conservação.

Mesmo que a captura venha a ser sustentável, isto não justifica a crueldade.

As autoridades das Ilhas Faroé estão fazendo esforços contínuos para melhorar os métodos de abate .

Sea Shepherd: Tortura não pede melhoria dos seus métodos e instrumentos, mas a sua cessação. Não há formas humanas para matar, uma baleia ou golfinho socialmente complexos e altamente inteligentes ou golfinho e isso em si é abusivo. Se em qualquer parte da Europa você abatesse uma vaca, porco ou frango da forma como estes golfinhos são abatidos, você iria acabar na cadeia.

As Ilhas Faroe são um arquipélago no Atlântico Nordeste. A economia das ilhas é fortemente dependente do mar e seus recursos vivos.

Sea Shepherd: As Ilhas Faroe não precisam matar golfinhos para a alimentação, já que o período de isolamento e dependência de recursos marítimos está muito distante de nós. Existe um alto padrão de vida nas ilhas, e os supermercados estão por toda parte .

As ilhas são um território autônomo dentro do Reino da Dinamarca. Assuntos sobre a indústria, a agricultura, o ambiente, a pesca e a caça, estão sujeitos à autonomia das Ilhas Faroé .

Sea Shepherd: O Ministério das Relações Exteriores dinamarquês não deve esconder-se atrás da autonomia das Ilhas Faroé em matéria comercial ou industrial. Foi a marinha dinamarquesa que apareceu quando os navios da Sea Shepherd visitaram as ilhas em 2010 e 2011. Subsídios dinamarqueses são uma importante fonte de renda para as Ilhas Faroé . Os ilhéus seriam independentes se eles foram capazes de manter as suas próprias calças. A Dinamarca auxilia financeiramente os matadores e pode, portanto, partilhar a responsabilidade e a vergonha também.

Esta é uma questão moral que afeta e mancha o Reino da Dinamarca.

Se você , depois de ter-se familiarizado com os fatos da matéria, caso deseje abordar as autoridades das Ilhas Faroé a respeito de caça de baleias-piloto, o endereço de e -mail do Governo das Ilhas Faroé é mfa@mfa.fo

Sea Shepherd: Por favor envie-lhes um e-mail educado para que eles saibam como você se sente sobre o abate.

Atenciosamente,
Maria Arndt

______________________________________________________

MARIA PADILLA ARNDT / MARARN@UM.DK
ASSISTENTE CULTURAL e Assessora de Imprensa / Cultura , Imprensa e Diplomacia Pública
TELEFONE +1 (212) 705-4942 / CELULAR +1 (917) 362-8661
DINAMARCA, Consulado Geral, NEW YORK
Consulado Geral DINAMARQUÊS/ NY 10017-2201 NEW YORK
TELEFONE +1 (212) 223 4545 / USA.UM.DK

Baleias-piloto mortas alinhadas e numeradas após um grind nas Ilhas Faroé. Foto: Sea Shepherd

All Contents Copyright © 2017 Sea Shepherd Conservation Society.

produzido por GPS Digital
EnglishFrançaisDeutschPortuguêsEspañol