Sea Shepherd em SC faz monitoramento da chegada de pinguins ao Estado

Por Hugo Malagoli, Diretor Regional Núcleo SC

Todos os anos, nessa época de inverno, centenas de Pinguins juvenis da espécie Magalhães deixam seu habitat natural e aventuram-se pelos mares do sul do país em uma verdadeira saga .

Centenas fazem a migração que naturalmente selecionará os melhores e mais fortes espécimes, que então voltarão para sua colônia.

Foto: Núcleo SC

No decorrer do percurso, muitos morrem e outros tantos se perdem em sua viagem. E os sobreviventes que aparecem nas praias de SC são o foco da nossa ação.

Foto: Núcleo SC

Foto: Núcleo SC

Nos meses de julho, agosto, setembro e outubro, o núcleo de voluntários fará o monitoramento e caso encontre algum em situação crítica, irá resgatar e encaminhar ao CETAS (centro de triagem de animais silvestres) no bairro Rio Vermelho.

Informamos as pessoas em geral que ao encontrarem esses animais na praia não tentem alimentá-los e muito menos colocá-los na geladeira ou freezer. Deve-se colocá-los em caixa de papelão forrada com jornal e ligar para as autoridades competentes, neste caso, a Polícia Militar Ambiental de SC no fone (48) 3269 7111 que fará o recolhimento.

A Sea Shepherd só fará o recolhimento se estiver próximo ao local, pois não somos órgão governamental que recebe verba para isso. Fazemos o que é possível fazer, como cidadãos comprometidos, mas dentro de nossas possibilidades de recursos humanos e financeiros.

Foto: Núcleo SC

Mergulhadores pelos oceanos: campeões de mergulho livre se unem à Sea Shepherd para acabar com os massacres nas enseadas

Tradução: Igor Ramos, voluntário ISSB

 A Sea Shepherd tem o orgulho de anunciar o vídeo: mergulhadores pelos oceanos. Os melhores mergulhadores na categoria mergulho livre juntaram-se à Sea Shepherd, mostrando suas camisetas da Sea Shepherd ao lado das águas cristalinas da reserva marinha de Plemmirio em Siracusa, Itália, chamando a atenção do mundo para os massacres ocorridos em Taiji, Japão e nas ilhas Faroe.

 Cercados por paisagens de tirar o fôlego, os “mergulhadores pelos oceanos” mandaram uma mensagem muito clara para as ilhas Faroe e para o Japão: “Sem mortes nas enseadas. Acabem os massacres agora.”

 Todo ano, de Setembro a Março do ano seguinte, os Cove Guardians (Guardiões da Enseada) observam a famosa e horrenda enseada de Taiji, no Japão, monitorando e expondo para o mundo as atividades e atrocidades lá cometidas – o massacre e a captura para cativeiro de golfinhos e botos.

A Sea Shepherd Global lançou sua maior campanha nas Faroe Islands no dia 17 de Junho. A Operação GrindStop 2014 irá defender baleias piloto e golfinhos de massacres cruéis conhecidos como Grind.

Mergulhadores pelos Oceanos juntamente com os voluntários da Operação Siracusa. Foto: Sea Shepherd

 A operação anti-pesca para defender a Reserva Marinha de Plemmirio, Operação Siracusa, é a primeira operação da Sea Shepherd na Itália. Nossa meta é defender e conservar a vida selvagem para gerações futuras, essa está correlacionada com a proteção do Ecossistema Marinho do Mediterrâneo. Apenas durante os 10 primeiros dias de campanha, equipamentos – incluindo redes ilegais – foram encontrados, 1000 ouriços foram salvos juntamente com diversas outras espécies, e 7 empresas pescadoras foram denunciadas e fechadas.

 “A cidade nos recebeu de forma generosa. A cidade tem uma história extraordinária, misturado com uma biodiversidade impressionante. Sem o apoio dos cidadãos e voluntários, nós nunca teríamos conseguido um resultado tão impressionante em um período de tempo tão curto. A Sea Shepherd está muito orgulhosa da primeira campanha na Itália e continuará oferecendo assistência e proteção para esses lugares cuja biodiversidade é única e muito variada.” Disse Alex Cornelissen, Diretor Executivo da Sea Shepherd Global, direto de Siracusa.

 Sobre os Mergulhadores pelos Oceanos:

 Enzo Maiorca: Enzo é campeão de mergulho livre, também é conhecido como “rei dos abissais”. Ele é um ícone internacional para mergulhadores de todo o mundo. Desde 1988, Enzo se dedica à proteção do ecossistema marinho, mostrando grande comprometimento e dedicação pela causa. Em Setembro de 2012, ele se tornou um membro da Sea Shepherd Conservation Society. Enzo, juntamente com sua filha Patriza Maiorca foram as mentes por traz da criação da Operação Siracusa.

 Patrizia Maiorca: Patrizia é uma campeã em ambas categorias de mergulho livre. Desde que se aposentou das competições de mergulho, ela dedicou sua vida, junto com seu pai, Enzo, para proteger o meio ambiente junto com o ecossitema Marinho. Ela é membro da Sea Shepherd Conservation Society e tem sido extremamente importante durante a Operação Siracusa.

 Herbert Nitsch: Conhecido como “o homem mais profundo do mundo”, Herbert é o detentor do recorde de mergulho mais profundo não assistido, atingindo uma profundidade de -253,2 metros. Ele é ativista e conservacionista. Se tornou um membro da Sa Shepherd em Dezembro de 2013.

 Gianlucsa Genoni: Gianluca começou sua carreira em competições como nadador, mas rapidamente se fascinou pelo mergulho livre. Dentre suas conquistas, está o recorde de mergulho com oxigênio puro, conquistado em 2008, o recorde de mergulho livre auxiliado por propulsão elétrica, conquistado em 2012, assim como diversos outros recordes mundiais em diferentes categorias de mergulho.

 Mike Maric: O amor de Mike pelo mergulho livre teve início em 1997, graças ao seu encontro com Umberto Pelizzari. Ele se especializou no uso de monoflipper – foto ao lado – e três anos depois, em 2004, conquistou o recorde na categoria “Jump Blue”. Seu foco atualmente é ensinar o uso de “monoflippers”. Segundo Mike, “essa é a forma mais próxima que um homem tem de se sentir um golfinho”. Mike traina e assessora a campeã mundial Ilaria Bonin e é consultor do Projeto ADN Swim.

Exemplo de “Monoflippers" Foto: Solidworks/blog

Assista o vídeo:

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=D5GEdx4ZnyI[/youtube]

 

Carta do Capitão para o Primeiro Ministro Japonês

Tradução: Igor Ramos, voluntário ISSB

O fundador da Sea Shepherd, Capitão Paul Watson, escreveu uma carta pessoal para o primeiro ministro Japonês, Shinzo Abe durante a sua visita à Australia.

 Na copia abaixo, o Capitão questiona, em nome dos voluntários, a respeito da decisão da Corte Internacional de Justiça, das duas moratórias e da pesca comercial no Santuário Antártico.

Paul também afirma que a Sea Shepherd não encerrará suas campanhas no Oceano Antártico e que a campanha “relentless” nunca terminou. “Se a frota baleeira Japonesa retornar ao Santuário Antártico em 2015, os navios e todos seus tripulantes (voluntários) estarão esperando para impedir a Pesca ilegal – assim regulamentada pela CIJ (Corte Internacional de Justiça).”

Capitão Paul Watson agindo como observador durante a campanha Tolerância Zero. Foto: Sea Shepherd

 Essa carta foi entregue diretamente para o primeiro ministro Abe pelo Senador Peter Whish-Wilson durante o jantar para Senadores e membros do Congresso na Austrália. A Sea Shepherd continua aguardando uma resposta.

Leia a carta abaixo:

 8 de Julho de 2014

 Caro primeiro ministro Shinzo Abe

 Desde 2002, a Sea Shepherd tem batalhado contra caçadores japoneses ilegais no Santuário Antártico das Baleias.

 Nós temos um total de 10 campanhas realizadas com auxilio dos nossos navios e de nossas tripulações voluntárias internacionais.

 Durante esse tempo, fiquei imensamente orgulhoso de ter conseguido impedir a morte de milhares de baleias e ainda mais orgulhoso por ter conseguido isso sem machucar nenhum tripulante japonês. Nós acreditamos no “santuário da vida” e devo ressaltar que nunca machucamos nenhum ser humano em todas as nossas campanhas.

 Os voluntários da Sea Shepherd vão para o Oceano Antártico para defender a integridade do Santuário Antártico das Baleias. Nós contamos agora com o veredito da Corte Internacional de Justiça afirmando que os baleeiros japoneses sempre foram ilegais, desde a primeira caça em 1987. Nós acreditamos que esse veredito reforça a posição da Sea Shepherd por mais de uma década.

 Seu governo, inicialmente, afirmou que respeitaria a decisão da Corte, contudo, esse período mal começou e já é a intenção do Japão desobedecer as leis e retornar a caçar ilegalmente no Oceano Antártico em 2015.

Em nome dos voluntários da Sea Shepherd ao redor do mundo, eu gostaria de respeitosamente solicitar que o Japão obedeça a decisão da CIJ e ambas as moratórias em vigor e não retome sua caça ilegal e comercial no Santuário Antártico das Baleias.

Caso a frota baleeira retorne ao Santuário em 2015, os navios e seus tripulantes voluntários retornarão para garantir que nenhuma lei seja quebrada e nenhuma decisão desobedecida.

 O Japão não tem qualquer justificativa tradicional ou direito de caçar no Oceano Antártico. O Japão não tem direito de caçar baleias ameaçadas de extinção – Fin e Cachalote – e nem o direito de caçar em águas territoriais Australianas.

 A Sea Shepherd não é contra o Japão. Na verdade, temos muito respeito pela cultura Japonesa e suas tradições. Temos muito japoneses trabalhando como voluntários em nossas campanhas.

 A Sea Shepherd se baseia no fato de que é ilegal a pesca baleeira comercial e de que é ilegal matar baleias no Santuário reconhecido Internacionalmente.

 Não há necessidade desse conflito continuar. O Japão não necessita matar baleias. O fato é de que a pesca continua apenas por causa dos subsídios do governo

 Em troca do fim da pesca de baleias, o Japão ganhará o respeito dos ativistas e protecionistas ao redor do mundo.

 As baleias já sofreram por muitos séculos. Está na hora da humanidade encerrar toda e qualquer brutalidade contra estes animais. Está na hora da humanidade protegem a vida e a diversidade das espécies no planeta Terra.

 Eu gostaria de ver o Japão se tornam um grande incentivador da proteção maritima e perder a fama de que é um país que apenas retira dos oceanos nem nada lhe devolver.

 Nossos oceanos estão morrendo sr. primeiro ministro, e se nossos oceanos morrerem, nosso destino não será diferente. Nós não podemos viver nesse planeta com um oceano morto.

 Eu gostaria de ver um mundo onde o Japão é uma parte da solução para salvarmos os oceanos e não uma ameaça a ser detida.

 E uma boa coisa a se fazer é aceitar a decisão da CIJ e cancelar toda e qualquer operação pesqueira ilegal em águas internacionais.

Pelos nossos oceanos e pelas baleias,

 

Capitão Paul Watson

Fundador (1977) da Sea Shepherd Conservation Society

 A carta original se encontra no endereço: http://www.seashepherd.org.au/images/stories/news/2014/news-140709-1-open-letter-to-Japanese-PM.pdf

ISSB no lançamento da exposição “10 anos na rota migratória da Baleia Franca”

Por Rodrigo Marques, Coordenador Núcleo RS

O Instituto Sea shepherd Brasil (ISSB) esteve presente na inauguração da exposição “10 anos na rota migratória da Baleia Franca” realizado no dia 11 de julho no Museu de Ciências e tecnologia da PUCRS, desenvolvido pelo publicitário e fotógrafo Marcelo Langon. Em 2004 o fotógrafo foi voluntário da ONG uruguaia Organización para la Conservación de Cetáceos (OCC) e ao todo já fotografou 10 temporadas da baleia franca austral. A exposição tem como objetivo aproximar as pessoas da espécie e desenvolver atividades educativas. A exposição conta ainda com um esqueleto completo de uma  Baleia de Bryde, trazendo mais uma opção de atividade voltada à Educação Ambiental.

Exposição "10 anos na rota da baleia franca". Foto: Aline Lahn

O ISSB foi representado pelo seu núcleo regional do RS e pela fotógrafa da Sea Shepherd Conservation Society, Carolina A. Castro. Ficamos lisonjeados e agradecidos pelo convite e, principalmente, pelas palavras de carinho e admiração direcionadas ao nosso trabalho realizado na Antártica em defesa das baleias no oceano austral e em outras partes do mundo pelo fotógrafo durante seu discurso de abertura.

Núcleo RS, Carolina A. Castro e Marcelo Langon. Foto: ISSB

A exposição pode ser vista no Espaço Mamíferos Aquáticos do  Museu de Ciências e Tecnologia da PUCRS a partir do dia 12 de julho.

Horário de funcionamento: Terça, quarta e quinta-feira das 9h às 17h – Sexta-feira  das 9h às 21h  – Sábado, domingo e feriados das 10h às 18h.

INSTITUTO SEA SHEPHERD BRASIL PRESENTE NO SEA SHEPHERD INTERNATIONAL SUMMIT 2014 – A ORGANIZAÇÃO QUE VIROU UM MOVIMENTO

Por Guilherme Pirá (Voluntário ISSB e SSCS) e Sofia Graça Aranha (Embaixadora do Mar – ISSB)

O Primeiro Encontro Internacional da Sea Shepherd (Sea Shepherd International Summit) aconteceu entre os dias 20 e 23 de Junho em uma bela propriedade privada cercada de vida selvagem e paz, em Woodstock, no estado de Vermont, Estados Unidos, propositadamente no solstício de verão do hemisfério norte, onde tivemos o dia mais longo do ano.

Propriedade em Woodstock, Estados Unidos, onde o evento aconteceu. Foto: Guilherme Pirá/ Sea Shepherd

Lá, tivemos a oportunidade de interagir com diretores, funcionários, capitães, líderes de campanhas e mais de 200 voluntários de todos os lugares do mundo, inclusive com o Capitão Paul Watson, fundador da Sea Shepherd Conservation Society (SSCS). Foram três dias de apresentações muito informativas e discursos extremamente inspiradores.

Sofia Graça Aranha, Capitão Paul Watson e Guilherme Pirá. Foto: Sea Shepherd

Primeiro Encontro Internacional da Sea Shepherd Conservation Society (Sea Shepherd Summer Summit). Foto: Sea Shepherd

O principal motivo desse encontro era mostrar que a Sea Shepherd tomou proporções tão grandes que deixa de ser uma organização para virar um movimento, que só é possível por causa da paixão que os voluntários têm em lutar pela vida nos oceanos. De acordo com o Capitão Paul Watson, “Não conseguimos viver nesse planeta com oceanos mortos. Se os oceanos morrerem, nós morremos”.

Capitão Peter Hammarstedt, Capitão Alex Cornelissen e Capitão Paul Watson. Foto: Guilherme Pirá/ Sea Shepherd

Para começar este final de semana histórico, representantes do povo Moicanos (Mohawks), das Seis Nações Iroquesas, fizeram uma emocionante cerimônia de abertura com canções nativas e presentes para proteger todos os envolvidos nas operações da Sea Shepherd pelo mundo. Os Moicanos são grandes admiradores dos esforços da Sea Shepherd porque também entendem a importância de respeitar a natureza e lutar por ela. Nos dias seguintes, participamos de diversas atividades, como workshops e apresentações sobre a proteção dos tubarões, as campanhas da Sea Shepherd pelo mundo, a importância da mídia no ativismo, veganismo saudável, a demonstração do uso de um drone, assim como uma caminhada guiada pela floresta, dentre outros assuntos que deixaram os participantes focados na organização o tempo todo. Entre as apresentações e workshops, as refeições veganas da cozinheira Laura Dakin do Navio da Sea Shepherd Steve Irwin (SSS Steve Irwin) mantinha todos muito bem alimentados. Foi um evento altamente inspirador que só contribuiu para o desejo desse movimento crescer ainda mais e continuar trazendo resultados positivos para a proteção da vida marinha.

Representante do povo Moicano (Mohawks). Foto: Gary Stokes/ Sea Shepherd

Caminhada guiada para conhecer a natureza local. Foto: Guilherme Pirá/ Sea Shepherd

Fomos representando o Instituto Sea Shepherd Brasil (ISSB) e fizemos contatos que nos ajudarão a proteger a nossa vida marinha. Infelizmente aqui, como em muitos outros países, nossos governos não têm interesse político, nem econômico para fazer isso, cabendo aos indivíduos apaixonados e criativos realizar esse trabalho.

 “Conheci muitas dessas pessoas durante as operações da Sea Shepherd, onde estamos em campo lutando para defender a vida nos oceanos, e o clima é bem tenso. Reencontrá-los aqui, nesse lugar lindo e com sorrisos nos rostos é como conhecer novamente as mesmas pessoas. Isso me dá mais força para continuar a luta”. Guilherme Pirá

“O Capitão Paul Watson pra mim é sem dúvida nenhuma o herói desse século e me sinto honrada em fazer parte dessa organização/movimento. Foi maravilhoso participar desse evento e poder conhecer pessoalmente Shepherds que eu só conhecia através das mídias sociais, pessoas que, assim como eu, lutam pela proteção da vida marinha. Tenho certeza que esse é o primeiro de muitos eventos que estão por vir”. Sofia Graça Aranha

Veículo recreativo da Sea Shepherd (Sea Shepherd RV). Foto: Guilherme Pirá/ Sea Shepherd