ISSB promove limpeza nos Molhes da Barra de Laguna/SC

O Instituto Sea Shepherd Brasil, Núcleo de Voluntários de Santa Catarina, organizou uma limpeza nos Molhes da Barra de Laguna/SC em parceria com a Associação de Surf de Laguna. Fato inusitado que durante a limpeza, apareceram voluntários da CELESC (Centrais Elétricas de Santa Catarina S.A ) que trouxeram sacos de lixo que vinham recolhendo após sua campanha de conscientização, feito próximo ao local.

Foto: ISSB/SC

Foto: ISSB/SC

A limpeza concentrou-se no lixo não natural, ou seja, nos plásticos e derivados. Recolheu-se muitas garrafas e copos plásticos, preservativos, bitucas de cigarro, embalagem de salgadinhos, fraldas descartáveis, absorventes, e até sobras de rituais religiosos.

Apesar da limpeza a praia ainda ficou com aspecto de “suja”, pois o próprio rio, quando há chuvas torrenciais (que vem ocorrendo na região), carrega muita matéria orgânica proveniente da vegetação ao longo de suas margens. Foram muitos galhos, troncos e folhas, que foram deixados na areia para seguir seu curso natural no ciclo da vida.

Ao todo foram recolhidos 8 sacos de lixo de 100 litros, numa extensão de 200 metros de praia a partir do canto esquerdo dos Molhes, local onde há a pesca artesanal com o auxílio dos botos (golfinhos de laguna).

Foto: ISSB/SC

Foto: ISSB/SC

Foto: ISSB/SC

“Fizemos o que foi possível fazer, com o número de voluntários que tínhamos e nos orgulhamos muito disto”. Comenta Hugo Malagoli, Diretor Voluntário do Núcleo de SC.

Para as próximas ações em Laguna contaremos com participação de ONGs locais, potencializando as ações em prol da vida marinha, que é nosso foco principal.

Agradecimentos especiais à todos voluntários que puderam participar.

Sea Shepherd Brasil integra as manifestações mundiais do “World Love For Dolphins Day”

Mais uma vez, a Sea Shepherd Brasil, através do Núcleo Rio de Janeiro, fez parte do “World Love For Dolphins Day”, uma demonstração mundial na frente dos consulados e embaixadas japonesas em vários países a favor do fim da matança de golfinho que acontece em Taiji, no Japão. A data escolhida é o dia 14 de Fevereiro, quando é comemorado o Dia dos Namorados nos Estados Unidos e em outros lugares, e essa escolha é justamente para mostrar o amor que as pessoas sentem pelos golfinhos.

No Brasil, o final de semana de Carnaval nos fez adiantar a demonstração para o dia 12, pois queríamos que os oficiais consulares nos ouvissem. Depois de uma hora segurando cartazes e conversando com transeuntes, a estratégia se provou efetiva, pois um oficial do Consulado Geral do Rio de Janeiro foi à porta do prédio e tirou fotos dos ativistas.

“Esperamos que essas imagens cheguem ao governo em Tóquio para mostrar que também somos contra a matança anual de golfinhos.” – comenta Luiz André Albuquerque, Diretor Regional do Núcleo RJ.

O intuito de ter uma demonstração acontecendo em várias cidades do mundo ao mesmo tempo é mostrar ao governo japonês que a comunidade internacional repudia a captura e caça de golfinhos selvagens. Cada demonstração é reportada ao governo japonês, que precisa entender que a vida marinha não pertence à nenhuma nação, portanto não deveria ter o direito de se apropriar dos golfinhos que nadam perto de Taiji.

O núcleo RJ contou com a presença de vários voluntários, que vieram de diferentes cidades do Estado, aumentando a presença e a força do movimento. Além disso, a revista NOO, que é uma plataforma de conteúdo multimídia, cobriu a demonstração e vem dando destaque e apoio às ações da Sea Shepherd.

“Durante o processo de captura e caça, muitos golfinhos morrem afogados no sangue dos membros de sua própria família. Além de desnecessária, essa prática é extremamente cruel.” – explica Guilherme “Guiga” Pirá, voluntário da Sea Shepherd e integrante da equipe de Cove Guardians.

Todos os anos, voluntários da Sea Shepherd de várias partes do mundo viajam até o Japão para investigar, documentar, divulgar e se opor à matança de golfinhos que acontece em Taiji. Eles são conhecidos como Cove Guardians, e são os únicos que fazem uma presença constante e diária durante os 6 meses da temporada de caça, custando muito dinheiro às autoridades japonesas.

Essa caça é permitida pelo governo japonês, porém só é viável porque os caçadores recebem milhares de dólares de parques marinhos que possuem golfinhos em cativeiro. Após terem os golfinhos capturados, os caçadores permitem que treinadores desses parques selecionem os animais mais bonitos enquanto o resto da família é morta e processada para consumo humano.

Portanto, quem se opõe à essa prática e quer ver ela acabar tem a obrigação de não frequentar aquários, resorts e parques marinhos com golfinhos em cativeiro, pois o dinheiro arrecadado com a entrada dos visitantes é o mesmo que é entregue aos caçadores em Taiji.

ISSB e BG-500 promovem a campanha “Dirty Sea Project” na Praia da Urca, no Rio de Janeiro

Em continuação ao trabalho desenvolvido nos anos de 2013 e 2014 no bairro da Urca, no dia 07 de fevereiro, o Núcleo Rio de Janeiro do ISSB e o Projeto BG-500 realizaram mais uma atividade de educação ambiental e conscientização, com o grande diferencial que tem caracterizado os eventos realizados nesta localidade: o resgate da fauna marinha encontrada junto aos resíduos coletados no mar.

Coleta de lixo flutuante

 

Os voluntários das duas instituições realizaram um arrastão humano, coletando os resíduos sólidos encontrados tantos nos costões da Praia da Urca, como também os encontrados no fundo do mar.

Passado 01 (um) mês das festividades do início do ano, foram recolhidos um grande número de objetos jogados no mar e oferendas à Iemanjá, que passaram por uma triagem.

Triagem dos resíduos em caixas seletoras

Triagem dos resíduos coletados

Um dos resíduos encontrados, garrafa de água mineral.

Esta triagem visa encontrar vida marinha aprisionada nestes objetos, como peixes, camarões, poliquetas, planárias, pequenos caranguejos, etc, que são resgatados e devolvidos ao mar da Praia da Urca. Em aproximadamente 03 (três) horas de trabalho foram libertas cerca de 300 animais marinhos.

Animais marinhos resgatados

É por esses pequeninos que vamos nesse tipo de limpeza/resgate sub! Vou ampliar essa mesma foto e peço que reparem o abdômen da pequenina.  Essa massa escura é a próxima geração dessa espécie. Um animal adulto, saudável que iria acabar em uma lixeira junto dos resíduos sólidos retirados na ação. Uma simples lata de bebida pode conter mais de vinte indivíduos.  Diz Ed Bastos do BG 500

Se você costuma frequentar praias, mas não participa de ações voluntárias de limpeza de praias, talvez seja a hora de enxergá-las de uma perspectiva diferente e engajar-se na defesa do meio ambiente. Junte-se à nós ! Filie-se à Sea Shepherd Brasil

ISSB presente em feira tradicional da cidade de São José/SC

No dia 08 de Fevereiro, o Núcleo do Instituto Sea Shepherd Brasil em SC fincou sua bandeira em uma das feiras mais tradicionais no Centro Histórico da Cidade de São José,  a Feira da Freguesia.

Foto: ISSB SC

Foto: ISSB SC

A Feira, que acontece todos os primeiros domingos de cada mês, conta com uma grande diversidade de expositores e onde a cultura, meio ambiente, questão animal, música e tradição são divulgadas aos moradores da Região da Grande Florianópolis.

Foto: ISSB SC

“Agora poderemos contar com um novo espaço para a divulgação das nossas ações e filiações de novos voluntários”. Comenta o Voluntário Raphael Augustos.

“É muito importante que os voluntários de todo Brasil se organizem para participar destas atividades. Várias capitais possuem feiras ao ar livre e isso é importante porque mostra para as pessoas que a Sea Shepherd está presente em seu Estado, em sua Cidade”.  Comenta Hugo Malagoli, Diretor do Núcleo de SC.

Foto: ISSB SC

Agradecimentos aos Voluntários Raphael Augustus e Janice de Souza que organizaram a nossa participação na Feira.

ISSB realiza limpeza de orla na Praia da Daniela/SC

Pelo quinto ano consecutivo foi realizado em parceria com o Conselho Comunitário local, o CCPOntal, a limpeza de orla desta praia. Uma ação do bem que já se tornou tradição na belíssima praia da Daniela, em Florianópolis/SC.

Voluntários se mobilizaram em prol da vida marinha, retirando todo lixo que foi encontrado, deixando a praia como ela deveria naturalmente estar, sem lixo.

Foto: ISSB SC

Foto: ISSB SC

Para surpresa e felicidade dos organizadores, foi retirado menos lixo que os anos anteriores: “progressivamente a praia está ficando cada ano mais limpa, o que nos deixa muito esperançosos e crentes de que as pessoas estão evoluindo para uma consciência mais ecológica.” Comenta Hugo Malagoli, Diretor do Núcleo de SC.

Agradecimento especial aos voluntários que dedicaram uma parte de seu tempo para fazer a diferença. É indo a campo (filosofia primordial da Sea Shepherd – ativismo de ação direta) que se consegue um resultado real.

Foto: ISSB SC

Foto: ISSB SC

Com toda a certeza esta atitude prática salvou milhares de seres marinhos.

Muito mais que apenas divulgar petições ou compartilhar notícias indignadas na internet.

A Campanha Dirty Sea Project lançada pela Sea Shepherd está percorrendo o litoral brasileiro desenvolvendo Educação Ambiental e limpezas de orla e submersa.

Fique atento em seu estado e ajude a Sea Shepherd a manter as praias limpas.

A Vida Marinha Agradece!