Carta do Capitão para o Primeiro Ministro Japonês

Tradução: Igor Ramos, voluntário ISSB

O fundador da Sea Shepherd, Capitão Paul Watson, escreveu uma carta pessoal para o primeiro ministro Japonês, Shinzo Abe durante a sua visita à Australia.

 Na copia abaixo, o Capitão questiona, em nome dos voluntários, a respeito da decisão da Corte Internacional de Justiça, das duas moratórias e da pesca comercial no Santuário Antártico.

Paul também afirma que a Sea Shepherd não encerrará suas campanhas no Oceano Antártico e que a campanha “relentless” nunca terminou. “Se a frota baleeira Japonesa retornar ao Santuário Antártico em 2015, os navios e todos seus tripulantes (voluntários) estarão esperando para impedir a Pesca ilegal – assim regulamentada pela CIJ (Corte Internacional de Justiça).”

Capitão Paul Watson agindo como observador durante a campanha Tolerância Zero. Foto: Sea Shepherd

 Essa carta foi entregue diretamente para o primeiro ministro Abe pelo Senador Peter Whish-Wilson durante o jantar para Senadores e membros do Congresso na Austrália. A Sea Shepherd continua aguardando uma resposta.

Leia a carta abaixo:

 8 de Julho de 2014

 Caro primeiro ministro Shinzo Abe

 Desde 2002, a Sea Shepherd tem batalhado contra caçadores japoneses ilegais no Santuário Antártico das Baleias.

 Nós temos um total de 10 campanhas realizadas com auxilio dos nossos navios e de nossas tripulações voluntárias internacionais.

 Durante esse tempo, fiquei imensamente orgulhoso de ter conseguido impedir a morte de milhares de baleias e ainda mais orgulhoso por ter conseguido isso sem machucar nenhum tripulante japonês. Nós acreditamos no “santuário da vida” e devo ressaltar que nunca machucamos nenhum ser humano em todas as nossas campanhas.

 Os voluntários da Sea Shepherd vão para o Oceano Antártico para defender a integridade do Santuário Antártico das Baleias. Nós contamos agora com o veredito da Corte Internacional de Justiça afirmando que os baleeiros japoneses sempre foram ilegais, desde a primeira caça em 1987. Nós acreditamos que esse veredito reforça a posição da Sea Shepherd por mais de uma década.

 Seu governo, inicialmente, afirmou que respeitaria a decisão da Corte, contudo, esse período mal começou e já é a intenção do Japão desobedecer as leis e retornar a caçar ilegalmente no Oceano Antártico em 2015.

Em nome dos voluntários da Sea Shepherd ao redor do mundo, eu gostaria de respeitosamente solicitar que o Japão obedeça a decisão da CIJ e ambas as moratórias em vigor e não retome sua caça ilegal e comercial no Santuário Antártico das Baleias.

Caso a frota baleeira retorne ao Santuário em 2015, os navios e seus tripulantes voluntários retornarão para garantir que nenhuma lei seja quebrada e nenhuma decisão desobedecida.

 O Japão não tem qualquer justificativa tradicional ou direito de caçar no Oceano Antártico. O Japão não tem direito de caçar baleias ameaçadas de extinção – Fin e Cachalote – e nem o direito de caçar em águas territoriais Australianas.

 A Sea Shepherd não é contra o Japão. Na verdade, temos muito respeito pela cultura Japonesa e suas tradições. Temos muito japoneses trabalhando como voluntários em nossas campanhas.

 A Sea Shepherd se baseia no fato de que é ilegal a pesca baleeira comercial e de que é ilegal matar baleias no Santuário reconhecido Internacionalmente.

 Não há necessidade desse conflito continuar. O Japão não necessita matar baleias. O fato é de que a pesca continua apenas por causa dos subsídios do governo

 Em troca do fim da pesca de baleias, o Japão ganhará o respeito dos ativistas e protecionistas ao redor do mundo.

 As baleias já sofreram por muitos séculos. Está na hora da humanidade encerrar toda e qualquer brutalidade contra estes animais. Está na hora da humanidade protegem a vida e a diversidade das espécies no planeta Terra.

 Eu gostaria de ver o Japão se tornam um grande incentivador da proteção maritima e perder a fama de que é um país que apenas retira dos oceanos nem nada lhe devolver.

 Nossos oceanos estão morrendo sr. primeiro ministro, e se nossos oceanos morrerem, nosso destino não será diferente. Nós não podemos viver nesse planeta com um oceano morto.

 Eu gostaria de ver um mundo onde o Japão é uma parte da solução para salvarmos os oceanos e não uma ameaça a ser detida.

 E uma boa coisa a se fazer é aceitar a decisão da CIJ e cancelar toda e qualquer operação pesqueira ilegal em águas internacionais.

Pelos nossos oceanos e pelas baleias,

 

Capitão Paul Watson

Fundador (1977) da Sea Shepherd Conservation Society

 A carta original se encontra no endereço: http://www.seashepherd.org.au/images/stories/news/2014/news-140709-1-open-letter-to-Japanese-PM.pdf

ISSB no lançamento da exposição “10 anos na rota migratória da Baleia Franca”

Por Rodrigo Marques, Coordenador Núcleo RS

O Instituto Sea shepherd Brasil (ISSB) esteve presente na inauguração da exposição “10 anos na rota migratória da Baleia Franca” realizado no dia 11 de julho no Museu de Ciências e tecnologia da PUCRS, desenvolvido pelo publicitário e fotógrafo Marcelo Langon. Em 2004 o fotógrafo foi voluntário da ONG uruguaia Organización para la Conservación de Cetáceos (OCC) e ao todo já fotografou 10 temporadas da baleia franca austral. A exposição tem como objetivo aproximar as pessoas da espécie e desenvolver atividades educativas. A exposição conta ainda com um esqueleto completo de uma  Baleia de Bryde, trazendo mais uma opção de atividade voltada à Educação Ambiental.

Exposição "10 anos na rota da baleia franca". Foto: Aline Lahn

O ISSB foi representado pelo seu núcleo regional do RS e pela fotógrafa da Sea Shepherd Conservation Society, Carolina A. Castro. Ficamos lisonjeados e agradecidos pelo convite e, principalmente, pelas palavras de carinho e admiração direcionadas ao nosso trabalho realizado na Antártica em defesa das baleias no oceano austral e em outras partes do mundo pelo fotógrafo durante seu discurso de abertura.

Núcleo RS, Carolina A. Castro e Marcelo Langon. Foto: ISSB

A exposição pode ser vista no Espaço Mamíferos Aquáticos do  Museu de Ciências e Tecnologia da PUCRS a partir do dia 12 de julho.

Horário de funcionamento: Terça, quarta e quinta-feira das 9h às 17h – Sexta-feira  das 9h às 21h  – Sábado, domingo e feriados das 10h às 18h.

INSTITUTO SEA SHEPHERD BRASIL PRESENTE NO SEA SHEPHERD INTERNATIONAL SUMMIT 2014 – A ORGANIZAÇÃO QUE VIROU UM MOVIMENTO

Por Guilherme Pirá (Voluntário ISSB e SSCS) e Sofia Graça Aranha (Embaixadora do Mar – ISSB)

O Primeiro Encontro Internacional da Sea Shepherd (Sea Shepherd International Summit) aconteceu entre os dias 20 e 23 de Junho em uma bela propriedade privada cercada de vida selvagem e paz, em Woodstock, no estado de Vermont, Estados Unidos, propositadamente no solstício de verão do hemisfério norte, onde tivemos o dia mais longo do ano.

Propriedade em Woodstock, Estados Unidos, onde o evento aconteceu. Foto: Guilherme Pirá/ Sea Shepherd

Lá, tivemos a oportunidade de interagir com diretores, funcionários, capitães, líderes de campanhas e mais de 200 voluntários de todos os lugares do mundo, inclusive com o Capitão Paul Watson, fundador da Sea Shepherd Conservation Society (SSCS). Foram três dias de apresentações muito informativas e discursos extremamente inspiradores.

Sofia Graça Aranha, Capitão Paul Watson e Guilherme Pirá. Foto: Sea Shepherd

Primeiro Encontro Internacional da Sea Shepherd Conservation Society (Sea Shepherd Summer Summit). Foto: Sea Shepherd

O principal motivo desse encontro era mostrar que a Sea Shepherd tomou proporções tão grandes que deixa de ser uma organização para virar um movimento, que só é possível por causa da paixão que os voluntários têm em lutar pela vida nos oceanos. De acordo com o Capitão Paul Watson, “Não conseguimos viver nesse planeta com oceanos mortos. Se os oceanos morrerem, nós morremos”.

Capitão Peter Hammarstedt, Capitão Alex Cornelissen e Capitão Paul Watson. Foto: Guilherme Pirá/ Sea Shepherd

Para começar este final de semana histórico, representantes do povo Moicanos (Mohawks), das Seis Nações Iroquesas, fizeram uma emocionante cerimônia de abertura com canções nativas e presentes para proteger todos os envolvidos nas operações da Sea Shepherd pelo mundo. Os Moicanos são grandes admiradores dos esforços da Sea Shepherd porque também entendem a importância de respeitar a natureza e lutar por ela. Nos dias seguintes, participamos de diversas atividades, como workshops e apresentações sobre a proteção dos tubarões, as campanhas da Sea Shepherd pelo mundo, a importância da mídia no ativismo, veganismo saudável, a demonstração do uso de um drone, assim como uma caminhada guiada pela floresta, dentre outros assuntos que deixaram os participantes focados na organização o tempo todo. Entre as apresentações e workshops, as refeições veganas da cozinheira Laura Dakin do Navio da Sea Shepherd Steve Irwin (SSS Steve Irwin) mantinha todos muito bem alimentados. Foi um evento altamente inspirador que só contribuiu para o desejo desse movimento crescer ainda mais e continuar trazendo resultados positivos para a proteção da vida marinha.

Representante do povo Moicano (Mohawks). Foto: Gary Stokes/ Sea Shepherd

Caminhada guiada para conhecer a natureza local. Foto: Guilherme Pirá/ Sea Shepherd

Fomos representando o Instituto Sea Shepherd Brasil (ISSB) e fizemos contatos que nos ajudarão a proteger a nossa vida marinha. Infelizmente aqui, como em muitos outros países, nossos governos não têm interesse político, nem econômico para fazer isso, cabendo aos indivíduos apaixonados e criativos realizar esse trabalho.

 “Conheci muitas dessas pessoas durante as operações da Sea Shepherd, onde estamos em campo lutando para defender a vida nos oceanos, e o clima é bem tenso. Reencontrá-los aqui, nesse lugar lindo e com sorrisos nos rostos é como conhecer novamente as mesmas pessoas. Isso me dá mais força para continuar a luta”. Guilherme Pirá

“O Capitão Paul Watson pra mim é sem dúvida nenhuma o herói desse século e me sinto honrada em fazer parte dessa organização/movimento. Foi maravilhoso participar desse evento e poder conhecer pessoalmente Shepherds que eu só conhecia através das mídias sociais, pessoas que, assim como eu, lutam pela proteção da vida marinha. Tenho certeza que esse é o primeiro de muitos eventos que estão por vir”. Sofia Graça Aranha

Veículo recreativo da Sea Shepherd (Sea Shepherd RV). Foto: Guilherme Pirá/ Sea Shepherd

Tramandaí/RS é novamente palco de derrame de petróleo

Por Rodrigo Marques, Coordenador Núcleo RS

O Município de Tramandaí está sendo palco de outro desastre ambiental assim como foi em 2012. O problema agora ocorreu entre um navio com bandeira das Bahamas, o Pinnacle Spirit e uma das monobóias da Transpetro, uma empresa subsidiária da Petrobras, quando realizava operação de transbordo. O óleo não atingiu a costa desta vez, ficando somente no mar e não causando maiores problemas para a cidade. Já para a fauna marinha a situação é diferente e preocupante.  A extensão da mancha é dois metros de profundidade por dois quilômetros de extensão e, segundo informações, uma baleia foi avistada próxima ao local. Entre os meses de Junho e Novembro essa região é rota de Baleias Franca, o que agrava a situação consideravelmente.

O ISSB recebeu a informação através de suas fontes que foi utilizado um produto dispersante para conter a mancha, notificando assim, a Superintendência do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis – IBAMA, solicitando informações sobre o produto utilizado e o que está sendo feito a esse respeito. A Policia Federal também foi acionada e nos colocamos a disposição para auxiliar no que for necessário.

Em janeiro de 2012 o Instituto Sea Shepherd Brasil esteve presente no derrame de petróleo no Município de Tramandaí a pedido do MPF 4ª Região, acompanhando e registrando todo o processo de limpeza e os métodos utilizados. Foram emitidos relatórios e voluntários do ISSB depuseram na Superintendência da Polícia Federal relatando tudo o que foi observado no local, contribuindo assim, com a emissão das multas pelo dano ambiental causado pela empresa.

Em 2012 o problema foi entre a monobóia 602 da Transpetro e o navio grego Elka Aristotle, a seis quilômetros da costa onde, no momento de transferir o óleo para o duto, houve o derramamento no mar.

Derrame em janeiro de 2012 Foto: Zero Hora

Notificação a Superintendência do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis - IBAMA

Notificação Polícia Federal

Durante o dia o ISSB tentou contato com IBAMA sem sucesso. Apenas às 18 horas o contato foi feito e o funcionário que atendeu relatou que o horário de atendimento foi até às 13 horas devido ao jogo da seleção brasileira, só retornando o expediente na segunda feira.

Estamos agora aguardando a resposta dos órgãos competentes e estaremos atentos para possível deslocamento da equipe até a região afetada.

O Capitão Paul Watson precisa de você. As baleias precisam de você.

1 JULHO 2014

Tradução: Igor Ramos, voluntário ISSB

A Operação GrindStop 2014 está em andamento por quase um mês. Muitos voluntários de diferentes nações ao redor do mundo se juntaram conosco para com e pelas baleias nas Ilhas Faroe, Dinamarca. Nenhuma baleia foi morta nas Ilhas Faroe desde a nossa chegada. Estamos redistribuindo nossas equipes de solo e expandindo-as numa tentativa para que nenhuma baleia seja morta.

Não existe como saber se alguma baleia será morta ou capturada amanhã.

As baleias precisam da sua ajuda! Foto: Sea Shepherd/Peter Hammarstedt

Nós precisamos de você. As baleias precisam de você.

Nós ficarem em território Dinamarquês até o dia primeiro de Outubro. Por favor, considere preencher a ficha para se tornar um voluntário terrestre. Toda praia utilizada nos massacres está sendo vigiada por nós 24 horas por dia, 7 dias por semana. Nós estamos prontos para ajudar essas baleias, e você? Existem 22 praias utilizadas pelos caçadores. É um trabalho monumental e nós precisamos da sua ajuda. Precisamos dos seus olhos e de suas mãos. Quanto mais voluntários tivermos, mais fácil será a tarefa e melhores chances teremos de salvar esses animais.

Nós esperamos receber sua ficha de voluntariado em breve!