Limpeza e Plantio de Mudas Nativas na Ilha do Capim em Laguna/SC

No dia 19 de Abril, voluntários do Instituto Sea Shepherd Brasil em parceria com o Instituto Guardiões do Boto realizaram uma limpeza e plantio de mudas nativas na Ilha do Capim, que fica próximo ao canal da barra na Cidade de laguna/SC.

Foto: Núcleo SC

Foto: Núcleo SC

As equipes unidas se deslocaram de barco até o local onde uma grande quantidade de lixo foi recolhida.

“A Ilha do Capim é freqüentada por pessoas que utilizam o espaço para acampar e fazer churrasco. Infelizmente nem todos tem a consciência de trazer de volta a terra o seu lixo. E o outro problema é  que a corrente do rio também leva lixo para lá”. Comenta Elias Ochs, presidente do IGB.

Foto: Núcleo SC

Foto: Núcleo SC

Foto: Núcleo SC

Após o recolhimento do lixo, que totalizou vários sacos de 100 litros, foi feito o plantio de mudas nativas, em especial a Aroeira que é bem resistente.

Foto: Núcleo SC

Um fato curioso é que foi encontrado um provável sambaqui no local. Sambaqui para quem não sabe é um sítio arqueológico (muito comum na região) dos antigos povos indígenas que habitavam o local. Será feito um posterior estudo para comprovar isso.

“Caso seja comprovado o sambaqui, tentaremos buscar  apoio do departamento de Arqueologia da Universidade Federal de Santa Catarina para preservar o local com mais afinco”. Comenta Hugo Malagoli, Diretor do Núcleo de SC.

Ação de Monitoramento de Golfinhos em Laguna/SC

Aos moldes da Campanha de Taiji, voluntários do Instituto Sea Shepherd Brasil, Núcleo de Santa Cataria, periodicamente vem monitorando os golfinhos de Laguna (botos pescadores) no canal da barra de Laguna, onde o descaso por parte dos governos Municipal (pois o boto é patrimônio do Município de Laguna) e Federal  que falta fiscalização e as Leis ainda permitem se colocar redes no rio.

Foto: Núcleo SC

Foto: Núcleo SC

Dezenas já foram mortos por conta dessa prática e os poucos que ainda sobrevivem, são molestados por praticantes de Jet Ski que em sua ignorância passam alta velocidade no canal, pondo em risco os golfinhos que ali ajudam os pescadores artesanais.

Foto: Núcleo SC

Foto: Núcleo SC

“Estamos atentos a esses criminosos e já identificamos alguns deles. Estamos colhendo mais dados para que possamos impedir essas praticas de utilizar redes no rio e Jet ski no canal da barra, de maneira mais eficiente”. Comenta Hugo Malagoli, Diretor no Núcleo de SC.

Segundo Evento de limpeza de praia e limpeza sub aquática em Bombinhas SC

Pelo segundo ano consecutivo, o Instituto Sea Shepherd Brasil em parceria com a operadora de mergulho Hy Brazil, realizaram a limpeza de praias e limpeza sub aquática na Cidade de Bombinhas/SC, no dia 11 de Abril.

Foto: Núcleo SC

Foto: Núcleo SC

Desta vez o local escolhido foi o Estaleirinho, que é muito freqüentado por pescadores amadores e por adeptos das lanchas.

Foi feito uma varredura no local e tirado muito lixo, em especial latinhas de cerveja e muitos anzóis que ficam presos das pedras e em alguns animais.

Foto: Núcleo SC

Foto: Núcleo SC

“Tirei um anzol do tipo “garatéia” das costas de um pepino do mar. Pode parecer pouco pra nós, mas pro pepino do mar, com certeza fez toda diferença. A Sea Shepherd não cuida só dos animais bonitinhos. Cuidados e lutamos pela conservação de toda vida marinha. Essas ações sempre serão feitas enquanto houverem parceiros e voluntários interessados em preservar nossos mares”. Comenta o diretor do núcleo SC, Hugo Malagoli

Por terra, a equipe retirou vários sacos de lixo da costeira de Zimbros.

Foto: Núcleo SC

Foto: Núcleo SC

Inaugurada oficialmente a Embaixada do Instituto Sea Shepherd Brasil em Bombinhas/SC

No dia 11 de Abril o Instituto Sea Shepherd Brasil inaugurou oficialmente a sua embaixada na Cidade de Bombinhas, em Santa Catarina, na Operadora de mergulho Hy Brazil.

Foto: Núcleo SC

Foto: Núcleo SC

Um Coquetel Vegano foi organizado juntamente com uma palestra sobre a Sea Shepherd e suas ações no Brasil e no mundo.

Novas filiações e elogios por parte de quem participou, marcaram o evento.

“Esse evento é muito importante e marca a pro-atividade de algumas empresas em proteger o meio ambiente. Agora oficialmente temos uma base para operações de fiscalização no litoral norte. Agora temos mais condições de trabalhar em prol da conservação da vida marinha nas águas catarinenes”. Comenta Hugo Malagoli, Diretor Voluntário do Núcleo de SC.

Foto: Núcleo SC

Foto: Núcleo SC

A Sea Shepherd Concluiu a Épica Campanha no Oceano Antártico, Operação Icefish

Tradução: Igor Ramos

A tripulação do Sam Simon foi capaz de recolher 72 Km de redes de pesca ilegais. Foto: Sea Shepherd / Giacomo Giorgi

Hoje, o navio da Sea Shepherd – MY Bob Barker – ancorou em Tema, Gana, concluindo, assim, a Operação Icefish.

A campanha atraiu a atenção mundial ao problema da pesca predatória de Marlongas na Antártica e região da Patagônia e abriu caminho para um nível sem precedentes de cooperação internacional na luta contra a pesca ilegal nos oceanos do mundo.

No início de 2014, dois dos navios da Sea Shepherd, o Bob Barker do Capitão Peter Hammarstedt e o Sam Simon do Capitão Sid Chakravarty zarparam da Austrália e Nova Zelândia respectivamente para patrulhar o Santuário Antártico. Os navios estavam a procura dos seis últimos navios pescadores de marlonga, os quais a Sea Shepherd chama de “Os 6 Bandidos”, conhecidos por pescarem ilegalmente nas aguas da Antártica.

No dia 17 de Dezembro de 2014, o Bob Barker interceptou o mais notório dos navios pesqueiros, o procurado pela Interpol: Thunder, no banco Bazare, Antártica. Nos quatro meses e meio seguintes a Sea Shepherd bateu o recorde mundial de maior perseguição a navios pesqueiros, tal perseguição ocorreu por 11533 milhas náuticas, saindo do Oceano Antártico, passando pelo Oceano Índico e finalmente chegando ao Oceano Atlântico.

Dia 25 de Dezembro de 2014,  o navio Sam Simon iniciou uma operação para retirar 72 quilômetros de redes de pesca ilegais abandonadas pelo navio Thunder enquanto esse fugia da Sea Shepherd. Todos os materiais recolhidos pela Sea Shepherd foram entregues para as autoridades nas ilhas Mauricius, dando inicio à primeira investigação oficial ao navio com alerta roxo na interpol, Thunder.

Dia 2 de Fevereiro, o navio Sam Simon interceptou dois outros navios da frota, os navios Kunlun e Yongding, em águas territoriais Australianas.

Em Março, o Kunlun e outro navio da frota, o Viking, foram detidos pelas autoridades no Sudeste da Ásia. As investigações continuam em sigilo.

No final do mês de Março, de forma inesperada, o navio Thunder afundou após 110 dias de perseguição. A Sea Shepherd acredita que o acontecimento foi um ato de sabotagem pelo capitão do navio e seus oficiais para tentar encobrir as evidências de pesca ilegal.

A Sea Shepherd entregou os tripulantes do Thunder à guarda costeira de São Tomé e Príncipe. Foto: Sea Shepherd / Jeff Wirth

A Sea Shepherd foi capaz de resgatar toda a tripulação de 40 tripulantes, incluindo o capitão, os oficiais e a tripulação de convés. Todos haviam abandonado o navio e se encontravam em botes salva vidas.

Todos os tripulantes do Thunder foram entregues para as equipes da guarda costeira de São Tomé e Príncipe mais tarde no mesmo dia. Toda a tripulação foi detida até o fim das investigações sobre o naufrágio.

O capitão do Bob Barker, Peter Hammarstedt, disse: “Como sempre, medimos o nosso sucesso com o número de vidas salvas. Ao longo da Operação Icefish, a Sea Shepherd não apenas salvou vidas de inúmeras marlongas, como também pode proteger muitas outras espécies de animais que acabariam entrelaçadas nas redes ilegais. Nós custamos aos pesqueiros milhões de dólares e equipamentos, mandamos, também, uma mensagem muito clara para aqueles que ficaram: a pesca não será tolerada nas águas da Antártica.”

O capitão Peter Hammarstedt irá continuar negociando com a Interpol por entregar evidencias do navio Thunder.

O capitão do Sam Simon, Sid Chakravarty, disse: “A cooperação com a Interpol durante a Operação Icefish mostrou uma nova forma de fiscalizar a pesca ilegal. O apoio entre a Sea Shepherd e a Unidade Especializada de Crimes Ambientais da Interpol inspirou governos do mundo todo a entrarem em ação. Foi uma experiência realmente inspiradora e uma grande honra liderar essa equipe dedicada de voluntários.”

O Capitão Sid Chakravarty irá continuar cooperando com as autoridades de São Tomé e Príncipe nas investigações sobre o naufrágio. A Sea Shepherd também ficará a disposição para auxiliar o Yongding a chegar ao porto em algumas semanas.

A Operação Icefish foi a primeira campanha da Sea Shepherd a ter como alvo os ilegais, não regulamentados e não oficializados (IUU) pescadores de marlongas nas águas da Antártica. A operação, foi também, a mais longa e mais contínua operação embarcada da Sea Shepherd até hoje.

Bob Barker e Sam Simon perseguindo o Thunder. Foto: Sea Shepherd / Simon Ager

O mais notório navio da frota pesqueira, Thunder, afundando sob circunstâncias suspeitas.. Foto: Sea Shepherd / Simon Ager