Dive For Fun e Sea Shepherd, uma Parceria pela Vida Marinha!

Com o intuito de colaborar para a preservação do mundo subaquático e manutenção da vida no planeta Terra, a Escola de Mergulho Dive For Fun e o Instituto Sea Shepherd Brasil firmam parceria para trazer à cidade de São Paulo maior infra estrutura e apoio aos ativistas, aos voluntários, aos mergulhadores apaixonados e preocupados com a preservação do meio ambiente!

Foto: Mara Lott

A partir do mês de novembro de 2014 a Escola de Mergulho Dive For Fun, localizada no bairro da Aclimação na capital paulista, tornou-se embaixada oficial do Instituto Sea Shepherd Brasil em São Paulo. A enorme infra estrutura da escola de mergulho será fundamental para o desenvolvimento de atividades que visem a conservação  da vida marinha como um todo. O Instituto utilizará as dependências da escola para promover palestras, cursos, eventos, ações e campanhas importantes para conscientizar e capacitar pessoas que se interessem pelas causas de proteção ambiental, que tanto são importantes para nossas vidas. Os moradores da cidade de São Paulo terão agora uma base completa da Sea Shepherd próximo de seus afazeres do dia-a-dia.

Embaixada Sea Shepherd. Foto: Mara Lott

 Além dos cursos ministrados nas dependências da Dive For Fun, a escola também será ponto de apoio para o recrutamento de novos voluntários e ponto de divulgação de seus novos projetos. Os interessados também poderão se informar sobre as campanhas da Sea Shepherd no Brasil e no mundo e também terão acesso aos materiais oficiais como camisetas, adesivos, entre outros.

Filiações podem ser feitas diretamente na Escola. Foto: Mara Lott

Atualmente, a Sea Shepherd é considerada a ONG de proteção dos mares mais ativista do mundo e conta com a participação efetiva de milhares de voluntários em todo o planeta. O centro de mergulho Dive For Fun, não poderia ser diferente: Localizado no bairro da Aclimação, conta com enorme estrutura, estacionamento próprio para 15 carros, oficina equipada para manutenção de todo tipo de equipamento de mergulho, recarga de cilindros e aluguel de equipamentos, salas de aula multimídia, amplo espaço confortável e climatizado, muito agradável e um astral muito positivo! Assim como uma bela loja para oferecer todos os tipos de equipamentos e receber os amigos apaixonados pelo mergulho e pela vida!

Desde sua inauguração em Fevereiro de 2014 a Dive For Fun vem em busca de ideias inovadoras e traz aos moradores de São Paulo inúmeras novidades no que se diz respeito a mergulho, viagens, lazer, preocupação com a preservação do meio ambiente, ações sociais que tragam benefícios a todos nós habitantes do mesmo planeta!

As ações da Sea Shepherd interessam a todos. Através de seus projetos, toda a comunidade, os órgãos governamentais, outras ONGs e a iniciativa privada são beneficiadas, as ações do Instituto Sea Shepherd preservam um bem comum que pertence a todos: o mar e a sua biodiversidade.

Faça uma visita na Dive For Fun e conheça ainda mais o mundo do mergulho! A Sea Shepherd precisa de você para continuar promovendo ações de forma ágil e eficaz. Portanto, se você também se revolta com a situação do nosso litoral e no mundo, torne-se um Guardião do Mar e faça a diferença.

 

A Dive For Fun funciona de segunda a sexta-feira das 10h as 20h e aos sábados das 9h às 14h.

Telefone para contato: (11) 3213-0906 ou (11) 9.4750-5700

Rua Ximbó, 392 Aclimação – São Paulo – Bem próximo ao Parque da Aclimação!

www.diveforfun.com.br

www.facebook.com/diveforfunbrasil

www.youtbe.com/diveforfunbrasil

Sea Shepherd Brasil realiza cine-debate do filme “A Enseada” com professores e alunos do Colégio Pedro II

No dia 21 de Outubro, o Colégio Pedro II, no Rio de Janeiro, foi palco da 7a Jornada do Meio Ambiente para os alunos do curso técnico de Meio Ambiente, e para abrir o evento, o Instituto Sea Shepherd Brasil (ISSB) foi chamado para participar com a realização de um cine-debate com o filme “A Enseada”, ganhador do Oscar de melhor documentário em 2010.

Abertura do evento: Diretoria e Professores. Foto: ISSB

Panorâmica do cine-debate. Foto: ISSB

O filme apresenta a cruel matança anual de golfinhos na cidade de Taiji, no Japão e a inegável ligação da indústria de entretenimento  e o cativeiro destes animais em parques marinhos e resorts pelo mundo. Além disso, a contaminação da carne de golfinho com mercúrio e outros metais pesados também é abordada, assim como as consequências que o consumo dela pode trazer.

Filme “A Enseada” Foto ISSB

Filme “A Enseada” Foto ISSB

Após a exibição, a plateia de professores e futuros técnicos do meio ambiente pôde tirar dúvidas sobre o tema com nossa equipe presente: o Diretor Regional, Luiz André Albuquerque, o voluntário Guilherme Pirá, que fez parte das operações Paciência Infinita, em Taiji, e Grindstop 2014, nas Ilhas Faroé, além do professor e educador ambiental Ed Bastos.

Luiz Albuquerque apresentando o trabalho da organização. Foto: ISSB

Guilherme Pirá esclarecendo o trabalho dos Cove Guardians em Taiji. Foto: ISSB

Dentre os temas discutidos, o panorama atual da matança, a eficácia das estratégias da Operação Paciência Infinita em defesa dos golfinhos em Taiji e os problemas que os oceanos enfrentariam com a extinção de algumas espécies, foram os que mais tiveram atenção. Depois do filme, todos conseguiram entender melhor que a forma mais eficaz de acabar com a matança é boicotando a indústria de entretenimento com cetáceos em cativeiro, que coloca milhões de dólares nos bolsos dos caçadores de golfinhos para continuarem sua covarde procura por animais nos oceanos, disfarçando essa prática de “tradição e cultura”.

Além disso, houve espaço para apresentar a atuação da Sea Shepherd em outras operações ao redor do mundo, como na Antártica para proteger baleias; no Canadá, na Namíbia e no Reino Unido para proteger focas; no Mediterrâneo para proteger atum; na Austrália para proteger tubarões; nas Ilhas Faroé para proteger golfinhos e baleias piloto; na Alemanha para proteger aves marinhas; na Costa Rica para proteger tartarugas; em Galápagos, no Senegal e na Itália contra pesca ilegal e no Brasil através de ações diretas contra a pesca ilegal, o turismo irregular de observação de baleias – franca embarcado, a capacitação através do curso de resgate de animais e educação ambiental, notadamente contra os impactos do lixo marinho.

Ed Bastos abordando os impactos do lixo no ambiente marinho. Foto: ISSB

Felizmente, o público pareceu bastante preocupado com a questão da poluição dos oceanos e do uso de plástico, que vêm sendo ignorada há anos. A Sea Shepherd tem investido, cada vez mais, em recursos, pesquisas, parcerias e operações para lutar contra esse mal, como é o caso da mais nova embarcação a fazer parte de nossa frota, o R/V Martin Sheen, com o foco em pesquisa e parcerias com a Ocean Alliance na Operação Golfo Tóxico; com a Bionic Yarn e Parley For the Oceans para a retirada de plástico dos oceanos e transformá-los em um tecido de alta qualidade para o mercado da moda; e com o BG 500 em operações de limpeza e resgate de fauna, na Praia da Urca, no Rio de Janeiro.

Diretoria do Colégio Pedro II e voluntários do Núcleo RJ. Foto: ISSB

Platéia atenta ao debate . Foto: ISSB

Gostaríamos de agradecer a diretoria do Colégio Pedro II e a professora Mônica Belchior pelo convite e pela iniciativa de formar bons cidadãos do mundo. Ficamos muito felizes em ver que o debate foi encerrado com muitos aplausos e interesse dos alunos em fazer parte da nossa equipe de voluntários. Ao final do filme, todos estavam cientes de que “se os oceanos morrerem, nós morremos”.

 

 

 

Equipamentos de campo do ISSB são roubados durante operação no litoral do RS

Por Rodrigo Marques, Coordenador Núcleo RS

Todos sabem o quanto é difícil ser ambientalista neste país e isso não é segredo pra ninguém. Existem crimes ambientais ocorrendo por toda a costa brasileira e os órgãos fiscalizadores, infelizmente, não conseguem dar conta de todo esse problema. Sendo assim, grupos de pessoas juntam-se para auxiliar no que for preciso, para que a vida marinha possa ter uma chance de sobrevivência e os crimes não continuem impunes. Assim foi no caso do derrame de petróleo em 2012, onde o Instituto Sea Shepherd Brasil (ISSB), por solicitação do Ministério Público do RS, acompanhou todo o processo e auxiliou na punição dos envolvidos, bem como em outras diversas ocasiões onde o ISSB, de forma voluntária, colocou-se na linha de frente e não recuou.

Recentemente, lançamos a Operação Redes em Chamas e algumas pessoas se sentiram um tanto quanto “incomodadas” com esta ação. Em razão do caráter ativista e radical, a Sea Shepherd, constantemente, é alvo de ameaças e agressões verbais sejam pessoalmente ou em redes sociais. Esses “agressores” são aqueles nos quais a Sea Shepherd fechou as portas ou impediu que continuassem a ganhar dinheiro fácil, através da pesca predatória ou qualquer outra atividade ilegal relacionada ao oceano.

O Instituto Sea Shepherd Brasil está desde quarta feira (15/10) em campo, no litoral norte do RS fazendo exatamente isso, tentando buscar de alguma forma auxiliar na preservação de nossos oceanos, conscientizando, fiscalizando e denunciando o que está errado. Ao que parece, algumas das ameaças se concretizaram, já que o ISSB teve o local onde estavam os materiais de trabalho no campo, arrombado e os pertences roubados. Nada mais foi levado, apenas o material essencial para a instituição – Lunetas, Binóculos, Máquina Fotográfica, tripés, cabos, etc. deixando bem claro o que eles queriam de fato: IMPEDIR O NOSSO TRABALHO !!!

Boletim de ocorrência feito após o roubo.

A Sea Shepherd sempre será uma ONG ativista. atuando onde os crimes ambientais marinhos acontecem e nada, nem ninguém irá nos deter, na busca para defender e conservar os ecossistemas marinhos, o que juramos proteger. 

Eles podem até tentar, mas nunca irão nos intimidar!

A vida marinha agradece!

ISSB desenvolve o Projeto “EducaMar em Ação” no litoral norte do RS

Por Rodrigo Marques, Coordenador Núcleo RS

No dia 15 de outubro o Instituto Sea Shepherd Brasil através de seu Núcleo no Rio Grande do Sul deu sequência ao projeto “EducaMar em Ação” lançado este ano na Península de Maraú BA. O propósito do projeto é apresentar os trabalhos do Instituto na costa brasileira e mostrar que é possível conservar e proteger nosso frágil ecossistema marinho através de pequenos gestos e ações simples.

Abertura do projeto e palestra institucional. Foto: Bibiana Pegorari

Um ônibus foi fretado para levar os 40 alunos da Escola Estadual Rio Branco até a praia de Cidreira no litoral norte do estado, onde eles puderam assistir a uma palestra institucional do ISSB com imagens e vídeos referente aos principais crimes ambientais que são frequentes em nossa costa e no mundo. Após a palestra de apresentação os alunos passaram por um treinamento de como agir em casos de encalhe de pequenos cetáceos e como proceder em caso de encontro com pinípedes e pingüins, comuns em nossa costa nos meses de inverno. A intenção da oficina foi de mostrar que com a atitude certa eles podem maximizar as chances de sobrevivência do animal e sem correr risco algum.*Os alunos foram instruídos a NUNCA tocar nos animais e tentar um resgate, deixando essa tarefa SOMENTE para o profissional habilitado.

Primeiras instruções. Foto: Bibiana Pegorari.

Foto: Bibiana Pegorari.

Pequenos gestos podem salvar a vida do animal. Foto: Bibiana Pegorari.

Com a presença de barcos e redes de pesca à beira mar, os alunos aprenderam um pouco sobre o trabalho do ISSB no combate a pesca predatória. A pesca de arrasto, as redes ilegais, a época de defeso e a prática do Finning (retirada das barbatanas de tubarão) foram alguns dos assuntos abordados e discutidos ao longo do projeto.

Aprendendo a identificar a pesca de arrasto. Foto: Bibiana Pegorari.

Foto: Bibiana Pegorari.

Para o ISSB esse trabalho teve um enorme significado e mostra o quanto é importante valorizarmos os nossos jovens. Cada um dos alunos presentes mostrou um intenso desejo de aprender mais sobre as questões do nosso oceano e mostraram um enorme repúdio à matança de golfinhos em Taiji no Japão e na questão do Finning, assuntos desconhecidos entre eles até então.

Foto: Bibiana Pegorari.

O ISSB gostaria de agradecer aos envolvidos no projeto e esperamos que mais parcerias em prol da vida marinha surjam com essas iniciativas.

Participaram do projeto EducaMar em Ação:

Escola Estadual de 1ª e 2ª graus Rio Branco – Alunos e professores

Núcleo RS do Instituto Sea Shepherd Brasil

Marcão – Surfista local que auxiliou na execução do projeto

O projeto contou com o apoio da Sunrise Pub e de seu proprietário Daniel Portella Rocha que mais uma vez abriu suas portas para a Sea Shepherd e da Bióloga Bibiana Pegorari.

Grupo de Apoio Brasília do ISSB participa do Clean Up Day no Lago Paranoá

Dia 20 de setembro foi o Dia Internacional de Limpeza de Rios, Mares e Lagos, realizado em todo o planeta de forma simultânea e que torna a participação voluntária uma conspiração mundial em prol do meio ambiente equilibrado.

Em Brasília, foi realizado o Clean Up Day, organizado pelo movimento “Ocupe o Lago”, em parceria com a Agência das Águas do Distrito Federal (Adasa). A ação, denominada Semana Lago Limpo, realizou uma limpeza generalizada em 12 pontos críticos da orla do Lago Paranoá, direcionando todo o resíduo coletado para uma correta destinação.

O auge da atividade aconteceu no Pontão do Lago Sul onde mais de 50 mergulhadores voluntários se uniram para coletarem o lixo depositado irregularmente no fundo do espelho d’água.

Os membros do Grupo de Apoio Brasília do Instituto Sea Shepherd Brasil estiveram presentes participando da limpeza do Lago Paranoá.

A Scuba Du Escola de Mergulho, parceira do movimento, cedeu os cilindros aos mergulhadores e aos voluntários do Sea Shepherd. Em pouco tempo foram retirados vários quilos de lixo, incluindo pneus, latas, garrafas, sacos plásticos, sapatos, óculos, copos, skate, remo, faca e até um revólver calibre 38.

Durante o dia também ocorreram diversas atividades com outros parceiros do movimento. Houve programação com oficinas de teatro e contadores de histórias que conscientizavam as crianças sobre a importância da conservação dos mares, rios, lagos e oceanos, capacitação de voluntários, explanações sobre o descarte apropriado do lixo, entre outras atividades envolvendo a educação ambiental.

“Brasília precisa de mais ações como essa para proteger seus mananciais e sua principal fonte natural, de abastecimento e entretenimento dos brasilienses. O pouco que fizemos aqui hoje foi o início da realização de ações mais abrangentes de conscientização e educação ambiental para que a população perceba a importância de preservar e cuidar dos nossos lagos, mares e oceanos para o futuro do planeta.” – comenta Renato Coelho, voluntário do ISSB.

Voluntários do Grupo de Apoio Brasília no Clean Up 2014