Baleeiros pararam de correr para leste e estão voltando para oeste

Quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011. 

O Steve Irwin rumo ao Mar de Ross (Foto: Barbara Veiga)

O Steve Irwin rumo ao Mar de Ross (Foto: Barbara Veiga)

Após se dirigir para leste na velocidade máxima por 2.000 milhas náuticas, e antes de entrar na Passagem de Drake, no Oceano Austral, o navio-fábrica de caça ilegal japonês, Nisshin Maru, fez recentemente uma completa inversão de marcha e agora se dirige de volta para oeste, o caminho que percorreu durante a semana passada. O Primeiro Oficial do Bob Barker, Peter Hammarstedt, da Suécia, informou que os caçadores de baleias agiram repentinamente, uma vez que alcançaram a posição de 64 graus e 4 minutos ao sul e 074 graus e 10 minutos a oeste, às 17h00 (tempo médio de Greenwich). Os baleeiros também diminuiram sua velocidade e se dirigem para oeste a 11 nós, abaixo da velocidade de 14 nós em que viajavam quando seguiram para leste.

A virada poderia significar duas coisas. Primeiro, eles podem estar fazendo um grande círculo na rota de volta ao Japão, ou, em segundo lugar, podem estar retornando ao recinto de caça às baleias no Mar de Ross, onde os três navios arpoadores japoneses poderiam estar à espera para continuar o seu abate ilegal de baleias.

Os relatos do Japão de que a Agência de Pesca Japonesa suspendeu a caça não especificaram por quanto tempo a suspensão vai durar. Pode ser permanente, durante esta temporada, por duas semanas, ou por poucos dias. Os três navios da Sea Shepherd, Steve Irwin, Bob Barker, e Gojira, permanecerão no Oceano Antártico, até as embarcações baleeiras partirem.

“A Agência de Pesca Japonesa não teve escolha senão suspender as operações de caça às baleias. A Sea Shepherd já forçou a suspensão das operações, bloqueando todas as operações de caça desde o dia 09 de fevereiro, e bloqueou cerca de 75% de todas as operações de caça no mês de janeiro”, disse o Capitão Paul Watson. “Nós não permitiremos que os baleeiros japoneses matem outra baleia aqui no Santuário de Baleias do Oceano Austral”.

O Capitão Alex Cornelissen, do Bob Barker, está em contato com a Marinha chilena para relatar os movimentos do navio baleeiro para o Chile. O governo chileno está monitorando de perto os movimentos do Nisshin Maru, e deixou claro que os baleeiros japoneses que caçam e transportam carne de baleia entrarem nas águas chilenas serão declarados como embarcações ilegais. Por enquanto, o Steve Irwin e o Gojira permanecerão no no Mar de Ross para aguardar os movimentos dos baleeiros.

Traduzido por Raquel Soldera, voluntária do ISSB.

Baleeiros japoneses são escoltados para fora da área de matança de baleias

Sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011.
 
A frota baleeira japonesa está se dirigindo para o leste, na velocidade máxima, e está agora a leste da fronteira de sua área de matança de baleias. A fronteira leste das operações dos baleeiros japoneses é de 145 graus a oeste. Os navios baleeiros e os dois navios da Sea Shepherd estão agora em 72 graus ao sul e 133 graus a oeste, em um curso de 145 graus. Com o Bob Barker e o Gojira em seu encalço, o Nisshin Maru continua se dirigindo para o leste, a 14 nós.

O Yushin Maru 3 e o Nisshin Maru fogem do Bob Barker (Foto: Sam Sielen)

O Yushin Maru 3 e o Nisshin Maru fogem do Bob Barker (Foto: Sam Sielen)

Ambos os navios baleeiros e os navios da Sea Shepherd, Bob Barker e Gojira, estão agora mais próximos da América do Sul do que da Nova Zelândia e Austrália. Esta posição é de 3.000 milhas náuticas a sudeste de Hobart, na Austrália, e 1.700 km a sudoeste da Patagônia, na Argentina.

O Nisshin Maru está fazendo mudanças de curso irregulares. “É como se estivessem decidindo para onde ir”, disse o capitão do Bob Barker, Alex Cornelissen. “Não há racionalidade nessas mudanças de curso. Eles vão para o leste, depois para o sul, depois para o oeste, depois para o norte, e depois para o leste novamente. Em suma, eles estão queimando um pouco de combustível, indo a lugar nenhum, e sem matarem uma única baleia”.

Bosun Benjamin Potts observa o Nisshin Maru e Yushin Maru 3 da proa do Bob Barker (Foto: Sam Sielen)

Bosun Benjamin Potts observa o Nisshin Maru e Yushin Maru 3 da proa do Bob Barker (Foto: Sam Sielen)

O Steve Irwin está vindo do sudeste, saindo de Wellington, a caminho do encontro com os outros dois navios da Sea Shepherd e da frota baleeira japonesa, o que deve acontecer dentro de uma semana.

Traduzido por Raquel Soldera, voluntária do ISSB.

Onde os baleeiros estão indo?

Comentário pelo Capitão Paul Watson

O monte Siple é uma bela vista. Em 3.110 metros de altura, ele domina a vista da costa Antártica – uma das poucas montanhas não escaladas no mundo. E isto não é surpreendente, porque é difícil de encontrar uma parte mais remota no planeta do que esta área pela Getz Ice Shelf.

O Nisshin Maru avança com o Monte Siple ao fundo (Foto: Gary Stokes)

O Nisshin Maru avança com o Monte Siple ao fundo (Foto: Gary Stokes)

O monte Siple é a terceira maior montanha na Antártica, e uma vista que nós não tínhamos visto antes, nestes sete anos de viagens que temos feito ao Santuário de Baleias no Antártico. A razão de nós não termos visto isso antes é porque nunca antes tivemos motivos para nos aventurarmos fora dos limites designados pelos japoneses como seu solo baleeiro oficial.

A fronteira oriental do seu solo de massacre é de 145 graus a oeste. O Nisshin Maru e o Yusshin Maru 3, com o Bob Barker e o Gojira no seu encalço, estão agora a 122 graus a oeste e 72 graus ao sul. Isto são 3.000 milhas ao sudeste de Hobart, na Austrália, e apenas 1.700 milhas ao sudoeste de Puntarenas, no Chile.

Isto são 400 milhas náuticas a leste do seu solo de caça e eles continuam a correr a leste sem motivo aparente. Talvez eles pensem que podem acabar com o combustível do Bob Barker. Caso isso aconteça, eles vão descobrir que o Bob Barker com seu enorme reservatório de combustível pode mais que derrotá-los.

O paradeiro do Yushin Maru 1 e Yushin Maru 2 é desconhecido, mas de pouca importância. Sem o navio fábrica Nisshin Maru, os arpoadores são desconhecidos. Eles não podem matar baleias se não puderem descarregar as carcaças para o matadouro sujo flutuante.

A frota japonesa baleeira teve uma temporada desastrosa até agora. A Sea Shepherd a encontrou antes que os japoneses sequer começassem a caçar baleias, e durante todo o mês de janeiro, dois arpoadores não puderam matar uma única baleia enquanto estavam sendo perseguidos pelo Steve Irwin e pelo Bob Barker. Durante este tempo, o navio-fábrica e o arpoador remanescente estiveram fugindo a maior parte do tempo, e apenas conseguiram começar a caçar baleias dois dias antes do Steve Irwin interceptá-los, em janeiro, os botando pra correr de novo. O Nisshin Maru  conseguiu escapar da perseguição através do gelo, e conseguiu caçar apenas mais alguns dias antes do Gojira redescobri-los, e o Bob Barker os perseguiu. Agora eles estão correndo para as fronteiras de seu território de caça. Nós não sabemos exatamente quantas baleias eles mataram, mas sabemos que não foram muitas.

O alto-astral está a bordo das três embarcações da Sea Shepherd. O conhecimento de que centenas de baleias foram salvas, mais uma vez, por mais um ano, é motivador.

“Nós estamos fazendo a diferença”, disse o artista Howie Cooke, de Byron Bay, na Austrália. “Sabendo que baleias irão viver e que poderiam de outro modo ter morrido, me faz muito feliz. Nossa tripulação tem sido ótima este ano, e eu acho que nós deixamos os baleeiros muito bravos e frustrados de novo”.

Onde os baleeiros estão indo? Isto realmente não importa, contanto que eles não matem baleias. A apenas um mês do final da temporada de caça as baleias, a tripulação da Sea Shepherd está confiante de conseguir manter o Nisshin Maru na corrida, a caça às baleias não irá recomeçar enquanto pudermos manter um navio da Sea Shepherd vigiando a popa da rampa do navio-fábrica.

 

O Nisshin Maru avança com o Monte Siple ao fundo (Foto: Gary Stokes)

O Nisshin Maru avança com o Monte Siple ao fundo (Foto: Gary Stokes)

 

Traduzido por Tomaz Horn, voluntário do ISSB.

O Yushin Maru 3 desiste de perseguir o Bob Barker

Quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011.

(Da esquerda para a direita) Bob Barker perto do Nisshin Maru, enquanto o Yushin Maru 3 mantém distância (Foto: Simon Ager)

(Da esquerda para a direita) Bob Barker perto do Nisshin Maru, enquanto o Yushin Maru 3 mantém distância (Foto: Simon Ager)

Enquanto o Steve Irwin avança ao sul em direção à frota baleeira japonesa, os navios da Sea Shepherd, Bob Barker e Gojira, estão mantendo os caçadores longe da matança de baleias.

Hoje, o Yushin Maru 3 fez um movimento para testar o capitão do Bob Barker, Alex Cornelissen. O navio arpoador chegou rapidamente, como se estivesse fazendo um movimento de transferência de uma baleia morta, apesar de não ter uma, mas se utilizou dos mesmos movimentos, como se fizesse.

O Bob Barker não recuou e manteve sua posição. Se o navio japonês tivesse continuado o seu movimento, teria havido uma colisão. O Yushin Maru 3 recuou e se retirou, deixando o Bob Barker bloqueando a rampa da popa do Nisshin Maru.

O Nisshin Maru tem sido incapaz de tirar o Bob Barker dos blocos de gelo. O Gojira continua na parte externa dos blocos de gelo, e acelera para encontrar os baleeiros quando estes emergem do gelo.

O Bob Barker bloqueando a rampa do navio-fábrica (Foto: Simon Ager)
O Bob Barker bloqueando a rampa do navio-fábrica (Foto: Simon Ager)

Não há nenhuma maneira possível para que os baleeiros japoneses carreguem as baleias sem causar uma colisão com o Bob Barker, e o Capitão Cornelissen não tem intenção de recuar para permitir que eles façam isso.

A frota baleeira está em 14 nós, em um curso de 045 na posição de 74 graus e 34 minutos ao Sul e 149 graus e 9 minutos a oeste. Esta posição é do lado sudeste do Mar de Ross, a cerca de 2.500 quilômetros da Nova Zelândia.

Há rumores de que o navio da Marinha da Nova Zelândia, Wellington, está indo para o Mar de Ross. Tanto sua missão como o seu destino são desconhecidos.

Traduzido por Raquel Soldera, voluntária do ISSB.

Sea Shepherd interrompe matança ilegal de baleias

Quarta-feira, 09 de fevereiro de 2011.

O Nisshin Maru se aproxima do Gojira em plena velocidade. (Foto: Simon Ager)

O Nisshin Maru se aproxima do Gojira em plena velocidade. (Foto: Simon Ager)

O navio observador Gojira, da Sea Shepherd, encontrou o navio ilegal baleeiro japonês. A Sea Shepherd comunicou o Cetacean Death Star (Estrela da Morte de Cetáceos) em 21:15 (horário da Nova Zelândia), em 9 de fevereiro. O Nisshin Maru foi apanhado durante o processo ilegal de esquartejamento de baleia, em sua plataforma do convés, na posição de 74 graus e 16 minutos e 149 graus e 2 minutos a oeste.

O Gojira imediatamente iniciou a perseguição, na qual o Nisshin Maru tentou escapar, entrando em um campo de gelo. O Gojira tentou bloquear o caminho do grande navio-fábrica para assim ganhar tempo para a chegada do Bob Barker, que estava a 28 milhas de distância. O capitão Locky MacLean envolveu o Nisshin Maru em um confronto, e notificou o baleeiro japonês que eles não iam continuar sua caça ilegal.

O Nisshin Maru parecia estar envolvido em  operações de esquartejamento no instante em que foi descoberto. Luzes de trabalho iluminavam o convés, enquanto uma água começou a ser liberada pelos lados, e manchas marrom-avermelhadas eram visíveis ao longo do convés do navio, enquanto uma fumaça negra gritava da chaminé.

Tripulantes observam o Nisshin Maru do Bob Barker (Foto: Gary Stokes)

Tripulantes observam o Nisshin Maru do Bob Barker (Foto: Gary Stokes)

O Gojira parou em uma área repleta de blocos de gelo, enquanto o Nisshin Maru diminuiu sua velocidade. Apesar de várias chamadas para alterar o curso, o Nisshin Maru aproximou-se do Gojira. Quando o Nisshin Maru estava a 40 metros de distância, o capitão Mac Lean disparou um sinalizador, para sinalizar ao Nisshin Maru para alterar a rota. O navio-fábrica japonês alterou seu curso para estibordo, com o Gojira deslizando 20 metros abaixo a bombordo.

Às 02:20 horas, em 10 de fevereiro, o Nisshin Maru e um dos barcos arpoadores entrou em uma camada espessa de gelo, após ziguezaguear por várias horas através de um bloco de gelo solto. O Gojira se manteve contornando a borda de gelo, encontrando o Nisshin Maru do outro lado do bloco de gelo, usando sua vantagem de velocidade.

O Nisshin Maru se dirigiu ao sul, para uma área de gelo. Parecia que o Gojira estava prestes a perder o navio-fábrica em meio ao gelo espesso, quando o Bob Barker chegou a tempo para assumir a perseguição.

Às 04:00 horas, o Bob Barker se colocou imediatamente atrás da rampa da popa do Nisshin Maru para bloquear qualquer tentativa de desembarque de baleias mortas. O Bob Barker está agora facilmente perseguindo o Nisshin Maru através do bloco de gelo espesso, com o Gojira continuando a contornar o gelo, procurando por navios arpoadores.

O barco da Sea Shepherd, Steve Irwin,  partiu de Wellington, na Nova Zelândia, às 18:00 horas, em 9 de fevereiro e espera-se que encontre a frota da Sea Shepherd e a frota japonesa baleeira em aproximadamente 5 dias.

O Bob Barker precisa manter a posição na popa do Nisshin Maru até que o Steve Irwin possa ajudá-lo. Ao bloquear a rampa da popa, o navio-fábrica é incapaz de carregar baleias mortas dos navios arpoadores, permitindo que a Sea Shepherd efetivamente encerre suas operações de caça ilegal.

Tripulante da Sea Shepherd se prepara para desencadear o estilingue de tinta vermelha, simbolizando sangue, a bordo do navio fábrica (Foto: Simon Ager)

Tripulante da Sea Shepherd se prepara para desencadear o estilingue de tinta vermelha, simbolizando sangue, a bordo do navio fábrica (Foto: Simon Ager)

Traduzido por Bruna Vieira, voluntária do ISSB.

Fuga apertada para o Gojira

Baleeiros atiram lanças na tripulação da Sea Shepherd

Sexta-feira, 04 de fevereiro de 2011.

Cara a cara com o Yushin Maru 3, a uns meros 10 metros de distância do Gojira (Foto: Simon Ager)

Cara a cara com o Yushin Maru 3, a uns meros 10 metros de distância do Gojira (Foto: Simon Ager)

O Yushin Maru 3 deliberadamente se jogou no navio da Sea Shepherd Conservation Society, o Gojira, nesta sexta-feira, 4, em uma tentativa para destruir o navio comandado pelo Capitão Locky MacLean.

“Era como olhar a face da morte quando o casco de aço, de repente, surgiu sobre nós. Nós acabamos de escapar de sermos cortados ao meio”, disse o Capitão MacLean.

Ambas as embarcações estavam em um curso paralelo, com o navio baleeiro Yushin Maru 3 no lado estibordo do Gojira. De repente, o Yushin Maru 3 deu uma guinada forte à bombordo, na tentativa de mutilar o Gojira.

O Capitão MacLean percebeu a tempo de acelerar, efetivamente evitando a colisão com o Yushin Maru 3, que estava a meros 10 pés da popa do Gojira.

O operador do barco Delta, Chade Halstead, escapou de ser ferido quando um dos baleeiros jogou lanças de bambu na tripulação do barco. A Sea Shepherd recuperou algumas destas lanças de bambu, potencialmente letais.

O Yushin Maru 3 se aproxima da popa do Gojira (Foto: Simon Ager)

O Yushin Maru 3 se aproxima da popa do Gojira (Foto: Simon Ager)

O Gojira e os barcos pequenos do Bob Barker estavam perseguindo o Yushin Maru 3 com bombas de tinta fedidas, em uma tentativa de manter o baleeiro longe do navio da Sea Shepherd, o Bob Barker. A operação foi um sucesso. O Bob Barker agora está livre para procurar o navio-fábrica japonês Nisshin Maru.

Com o Bob Barker escapando de suas mãos, o Yushin Maru 3 emitiu um sinal de socorro internacional, dizendo que eles foram atacados pelos navios da Sea Shepherd, o Bob Barker e o Gojira. No entanto, o Bob Barker estava há mais de sete quilômetros de distância quando os caçadores emitiram o seu sinal de socorro.

Tanto o Bob Barker quanto o Gojira reconheceram o pedido de socorro pelo rádio, e contataram o Yushin Maru 3 para obter informações sobre o que lhes afligia. Eles foram contatados três vezes por rádio, em japonês e em inglês, mas se recusaram a responder.

Apesar do fato de que a Sea Shepherd respondeu ao chamado dos baleeiros e registrar e monitorar este reconhecimento, o Instituto de Pesquisa de Cetáceos emitiu um comunicado de imprensa acusando a Sea Shepherd de não oferecer assistência, quando na verdade a ajuda foi oferecida três vezes.

O Gojira contatou o Yushin Maru 3 por rádio, indicando que não seriam amolados quando parassem atrás do Bob Barker. A Sea Shepherd vê a rejeição do contato de seus navios por parte dos baleeiros como uma provocação.

O Bob Barker está agora livre do Yushin Maru 3, e pode continuar a perseguição ao Nisshin Maru. O Bob Barker e o Gojira vão continuar a perseguir e assediar a frota baleeira japonesa, enquanto o Steve Irwin reabastece e recebe suprimentos em Wellington, na Nova Zelândia.

O barco inflável Delta, do Bob Barker, é atacado por uma lança de bambu lançada do Yushin Maru 3, em 04 de fevereiro de 2011.

http://www.youtube.com/embed/cfhhI5D_cjo

Traduzido por Raquel Soldera, voluntária do ISSB.