Capitão Paul Watson recebe passaporte da Nação Original

O fundador da Sea Shepherd Conservation Society, Capitão Paul Watson, foi homenageado com um passaporte Original Nation em uma cerimônia em Melbourne.

Na sexta-feira, 19 de janeiro, os representantes da Sea Shepherd, Anna Gordon e Jordan Crooka, aceitaram o passaporte em nome de Capitão Watson, que está atualmente a bordo de navio da Sea Shepherd, o Steve Irwin. Tendo recentemente saído da Sea Shepherd EUA e Sea Shepherd Austrália, o Capitão Watson permaneceu a bordo do navio para documentar a campanha em defesa das baleias da Sea Shepherd.

Coordenado pelo homem Jabbir Jabbir e Nyul Nyul, Rodney Augustine, da região de Kimberley, e assinou pelo Oficial da Embaixada, Robbie Thorpe, do povo Krautungalung da Nação Gunnai, os proprietários tradicionais do lago Tyers, o passaporte é uma demonstração de solidariedade entre os primeiros povos da Austrália e o Capitão Watson. Numa altura em que os líderes de muitas nações deixaram Capitão Watson sem assistência, é um reconhecimento dos Primeiros Australianos pelos anos que ele passou a cuidar do planeta e das criaturas que habitam nossa casa.

Sr. Thorpe disse: “Nós apreciamos o que os guerreiros ambientais como Paul Watson fazem. Alguém defendendo nossa flora e fauna é bem-vindo ao país. Estamos ansiosos para receber Paul em terra com uma cerimônia de boas-vindas ao País fumaça, momento em que nós vamos dar-lhe um nome oficial indígena”.

Aceitando a homenagem, o Capitão Watson fez a seguinte declaração: “Estou muito orgulhoso em receber um passaporte dos Primeiros Australianos, uma comunidade indígena que continua a manter ininterrupta a conexão entre as leis da natureza e a nossa espécie. Quando o povo aborígene olha para as baleias, eles vêem uma mente e um espírito semelhante a si mesmos, e eles sentem a mesma coisa que também me orientou desde 1975, quando eu olhei para o olho de uma baleia morrendo e vi uma outra realidade. Há muitos poucos dentro da sociedade antropocêntrica que entendem verdadeiramente o que fazemos, e por que fazemos o que podemos fazer para defender as baleias. Mas há muitos entre a comunidade biocêntrica que vêem, ouvem e sentem o parentesco entre todos nós que habitamos neste planeta dentro do processo contínuo da vida, desde o passado, através do presente e para o futuro. Eu sei que a Krautungalung, da Nação Gunnai, e todas as Primeiras Nações Australianas sabe do que eu falo. Obrigado Rodney Augustine, Robbie Thorpe e todos os envolvidos por seu apoio mais honrado.”

O Capitão Watson é o segundo ativista de alto perfil a ter recebido o passaporte honorário da Nação Original, depois do fundador do WikiLeaks, Julian Assange, que recebeu o prêmio em setembro do ano passado.

O ex-líder Verde, e membro do Conselho de Administração da Sea Shepherd Austrália, Bob Brown, disse: “O passaporte da Nação Original dado a Paul Watson reconhece a contribuição ímpar deste grande conservacionista para salvar as baleias da Austrália. A emissão deste passaporte pelos Primeiros Australianos será apoiado pela maioria dos australianos, que vão querer ver Watson na Austrália e seguro do assédio por pressão política japonesa”.

No ano passado, a Sea Shepherd lançou sua campanha australiana, a Operação Kimberley Miinimbi, se opondo à controversa estação de gás para James Price Point na costa de Kimberley, na Austrália Ocidental. Liderados por Bob Brown e pelo Diretor da Sea Shepherd Austrália, Jeff Hansen, a convite do povo Goolarabooloo, em cujo país a estação de gás proposta seria construída em cima, a operação é a sensibilização da costa de Kimberley para mostrar ao mundo o que todos têm a perder se o desenvolvimento ficar à frente.

“Os povos indígenas da conexão da Austrália ao país da terra e mar é o que o Capitão Paul Watson e a Sea Shepherd são”, disse o Diretor da Sea Shepherd Austrália, Jeff Hansen. “Viver em paz e harmonia com o mundo natural e todos os seus habitantes. Qualquer crime contra a natureza é um crime contra a humanidade, simplesmente porque não pode sustentar a vida neste planeta sem uma terra saudável e ambiente marinho. Reconhecendo o Capitão Paul Watson desta forma consolida ainda mais a noção de que a maioria dos australianos são contra a caça às baleias. Nós devemos toda a honra ao homem que tem liderado a luta pelas baleias da Austrália, em território da Austrália, concedendo-lhe uma passagem segura para a Austrália”.

O passaporte será entregue ao Capitão Watson em seu retorno da campanha de baleias.

(Da esquerda para a direita) Anna Gordon, Coordenadora de Relações de Doação da Sea Shepherd Austrália; Robbie Thorpe, do povo Krautungalung da Nação Gunnai, os proprietários tradicionais do Lago Tyers; e Jordan Crooka, membro da tripulação da Sea Shepherd Melbourne

Traduzido por Raquel Soldera, voluntária do Instituto Sea Shepherd Brasil

Sea Shepherd dá boas-vindas ao lendário mergulhador para nosso Conselho de Administração

Enzo Maiorca visita o Steve Irwin em Siracusa, Itália. Foto: Sea Shepherd

A Sea Shepherd tem a honra de receber Enzo Maiorca e sua filha, Patrizia Maiorca, para o Conselho de Administração Internacional da Sea Shepherd. Enzo é conhecido em todo o Mediterrâneo como o Rei do Abismo. Ele é um lendário mergulhador livre, que estabeleceu vários recordes mundiais durante sua carreira de mergulhador. O cineasta francês Luc Besson ficou tão inspirado pela vida de Enzo Maiorca que produziu um filme chamado The Big Blue, inspirada em Enzo Maiorca e no mundo de mergulho livre competitivo.

Durante a Operação Fúria Azul, a campanha da Sea Shepherd para defender o atum azul no Mediterrâneo, o Steve Irwin ficou ancorado em Siracusa, na Sicília, Itália. Lá, o Capitão Watson conheceu Enzo Maiorca, e eles trocaram um aperto de mão que foi um marco na história dos oceanos. O mergulhador lendário livre compartilhou uma profunda experiência que ele teve no oceano:

“Anos atrás, quando estávamos mergulhando, um golfinho macho guiou minhas filhas, Rossana e Patrizia, e eu, quase levando-nos por nossas mãos, e nos deu a chance de salvar um golfinho fêmea que estava enroscado nas malhas de uma rede de pesca . Eu sustento que suas ondas cerebrais influenciam nossas mentes. O que é certo é que os nossos braços foram a maca por meio do qual nós levamos aquele pobre animal exausto, minado pela contrações, para a superfície. Assim que ela chegou na superfície, depois de respirar espuma e sangue, ela deu à luz um filhote de golfinho sob o olhar atento de seu companheiro. O pequeno foi levado para os mamilos de sua mamãe por movimentos suaves de bico do golfinho adulto. Eu gosto de pensar que naquele dia reuni uma família. Tanta raiva permeou meu ser quando me dei conta do massacre ilegal de cetáceos em Taiji, junto com o massacre perpetrado ilegalmente pela frota baleeira japonesa no Santuário Antártico das Baleias, que eu só posso condenar – sem quaisquer circunstâncias atenuantes – aqueles piratas do Sol Nascente, verdadeiros piratas que trazem morte e destruição irremediável para os mares deste mundo.”

A filha de Enzo, Patrizia, uma campeã mundial de mergulho livre, também se tornou membro do Conselho de Administração da Sea Shepherd. Uma ambientalista trabalhando incansavelmente para recuperar redes descartadas, que continuam a matar animais selvagens em nossos oceanos, Patrizia conheceu o capitão do Bob Barker, Peter Hammarstedt, no Festival Vegetariano em Gorizia, na Itália. “Enzo e Patrizia me disseram uma vez que a razão de nunca pararem com o mergulho livre é que esses preciosos minutos debaixo d’água é quando eles estão mais em paz. Como eles atingem as maiores profundidades, encontram-se cercados pelo azul por todos os lados, e o tempo desacelera, lembrando-lhes que eles são uma parte do mundo natural, e não algo separado dele. Minha esperança é que, como membros do Conselho de Administração da Sea Shepherd, eles vão se sentir como se estivessem rodeados pelo grande azul todo o tempo”, disse o capitão Hammarstedt.

“Estamos orgulhosos de ter a história viva do mergulho livre em nossa equipe internacional, e estamos confiantes de que, graças a esses embaixadores do azul profundo, nossos oceanos serão mais e mais firmemente defendidos e protegidos, até mesmo no seu canto mais remoto, para as gerações futuras”, disse Andrea Morello, Coordenador para a Sea Shepherd Itália.

Bem-vindos a bordo, Enzo e Patrizia!

Enzo e Patrizia Maiorca mostram seu apoio para a Sea Shepherd. Foto: Sea Shepherd

Capitão Hammarstedt aborda a multidão no Festival Vegetariano em Gorizia, Itália. Foto: Sea Shepherd

Traduzido por Raquel Soldera, voluntária do Instituto Sea Shepherd Brasil

Assine a petição e acabe com a pesca de tubarões no Brasil

Atualmente, cerca de 90% das espécies destes organismos estão sob algum tipo de ameaça de extinção no litoral brasileiro. Para ajudar a campanha da Sea Shepherd Brasil (ISSB) e da e Pró-Squalus, basta acessar o link abaixo:

Acesse aqui o link da petição

Se não pressionarmos nossas autoridades, corremos o risco de entrarmos em um colapso marinho. Sua ajuda é decisiva!

Container colocado na praia de Torres (RS) simula apreensão de barbatanas de tubarão. Foto: Rodrigo Marques/Núcleo RS

“Com esta ação, esperamos informar a população brasileira sobre o descaso com que o governo brasileiro trata a questão da pesca industrial. O finning (retirada da barbatana de tubarão) é cada vez mais frequente. Além disto, dar ciência a todos da verdadeira pilhagem que está sendo feita no patrimônio natural marinho, que é um bem de toda a nação brasileira e não pode ser exterminado, para simplesmente atender a o mercado de luxo asiático. Outro objetivo é chamar a atenção das autoridades brasileiras para o grande risco de extinção que as espécies de tubarões e arraias, nativas do Brasil. Para que este desastre não ocorra, estamos propondo a moratória por pelo menos 20 anos, em todo território nacional. Esta medida irá ajudar a preservar nossos tubarões, nosso patrimônio natural e empregos futuros das comunidades tradicionais pesqueiras”, destaca Wendell Estol, diretor geral do ISSB.

“Os Elasmobrânquios (tubarões e arraias) são um grupo importante nos oceanos, pois regulam todos os organismos que vivem nesse ambiente, ou seja, promovem a vida nos mares e oceanos. Um belo exemplo de consciência e preservação ocorreu no município de Passo de Torres (litoral catarinense). Munidos da consciência de proteção às gerações futuras de sua comunidade e pensando na preservação do meio marinho, assim como da manutenção da prática pesqueira saudável, a comunidade de pesca de Passo de Torres, através do Projeto Carcharias e a Colônia de Pescadores Z-18, baniu o finning. Sendo, atualmente a única comunidade de pesca no Brasil onde o finning não ocorre, ou seja, uma área livre de finning! O pedido de moratória visa contribuir nos esforços de preservação dos tubarões no Brasil. Preservando e conservando o mar, para todas as futuras gerações, sejam elas, das comunidades pesqueiras como dos próprios seres que habitam os mares”, afirma o Prof. Walter de Nisa e Castro Neto, Presidente do Projeto Carcharias e da Pró-Squalus.

Sea Shepherd Brasil leva conscientização ambiental ao show do Criolo no Circo Voador (RJ)

Por Luiz André Albuquerque, Diretor Regional Voluntário do Instituto Sea Shepherd Brasil – Núcleo Rio de Janeiro

Nos dias 11 e 12 de janeiro de 2013, o núcleo carioca do Instituto Sea Shepherd Brasil (ISSB) marcou presença no show do cantor, compositor e rapper paulistano Criolo, no histórico palco do Circo Voador, localizado no bairro da Lapa, no Rio de Janeiro.

Foto: ISSB

Em dois dias com ingressos esgotados para o show, Criolo, que foi considerado artista revelação de 2011 e já realizou uma turnê internacional muito elogiada, participando de alguns dos principais festivais de música do mundo, interpretou canções do álbum “Nó na Orelha”, lançado em 2011.

Foto: ISSB

Apresentando-se com a banda Trio Preto +1, o cantor esteve a vontade no palco, cantando com intensidade, fazendo um show com atitude, engajamento social e muita diversão, levando ao delírio os fãs presentes.

Foto: ISSB

O stand da Sea Shepherd recebeu dezenas de pessoas interessadas em conhecer o trabalho desenvolvido em defesa da vida marinha e algumas que já conheciam a ONG, adquiriram produtos, como Marcelo Cabral, baixista da banda.

Foto: ISSB

O banner contendo informações sobre a prática do finning e a crítica situação dos tubarões, chamou a atenção do público presente.

Foto: ISSB

Ao final do show, Criolo gentilmente autografou seu vinil “Nó na orelha”, doado pelo nosso amigo e apoiador César Carpanez, que trabalha com merchandising do cantor. O vinil será leiloado visando a obtenção de recursos para as campanhas da organização no Brasil.

Foto: ISSB

Sea Shepherd coloca container com barbatanas de tubarão apreendidas no centro de Porto Alegre (RS)

Quem passou pelo Mercado Público de Porto Alegre (RS) na última sexta-feira (11), viu um container com 3,4 toneladas de barbatanas. A carga, que simula uma apreensão feita pelo IBAMA em uma operação realizada em Rio Grande, é uma ação do Instituto Sea Shepherd Brasil (ISSB). O objetivo é alertar a população e as autoridades para a pesca ilegal de tubarões na costa brasileira.

Container simulando apreensão de 3,4 toneladas de barbatana de tubarão. Foto: DCS

O finning, como é conhecida a pesca de tubarões para a retirada das barbatanas, é responsável pela morte de mais de 100 milhões de tubarões por ano no mundo. No Brasil, esta prática já exterminou 90% das espécies em águas brasileiras, deixando outras dezenas em risco de extinção.

A carga apreendida representa aproximadamente 40 mil tubarões mortos, cujas barbatanas serviriam como ingrediente para sopas servidas em Hong Kong. Além dos tubarões, as tartarugas, arraias, golfinhos e muitos outros animais marinhos são vítimas das técnicas de pesca de arrasto e da pesca com espinheis, praticadas por pesqueiros ilegais.

O Instituto Sea Shepherd Brasil entrou com uma petição no Senado Nacional para proibir a pesca de tubarões na costa brasileira por 20 anos. Durante esta ação, a população da capital gaúcha teve a oportunidade de assinar a petição e ajudar a salvar a vida de milhares de tubarões.

Neste domingo (14), o container foi levado para Torres, próximo à Praça de Esportes, na Praia Grande, onde a coleta de assinaturas continuará. Neste local, até fevereiro, acontecerão exposições, cursos educativos e ações de preservação ambiental.

A ação tem criação da agência DCS e direção de Biel Gomes, da Bloco Filmes.

Assine a petição e acabe com a pesca de tubarões no Brasil:

http://www.avaaz.org/po/petition/Tubaroes_em_risco_de_extincao_Campanha_pela_moratoria_da_pesca_de_tubaroes_na_costa_brasileira/

Se não pressionarmos nossas autoridades, corremos o risco de entrarmos em um colapso marinho. Sua ajuda é decisiva!