Sea Shepherd Brasil resgata jovem biguá na praia do Leblon, Rio de Janeiro

Na tarde do dia 11 de março, voluntários do Sea Shepherd Brasil – Núcleo Rio de Janeiro receberam um pedido de socorro para um biguá que se encontrava desde o início da manhã na praia, próximo ao canal do Jardim de Alah, zona sul carioca.

Foto 01

Biguá na praia do Leblon. Foto: Sea Shepherd Brasil

Andrea Falcão, moradora do Leblon, fez o contato com o grupo carioca, ao encontrar o animal e perceber que o pequeno biguá encontrava-se por longo período parado no mesmo lugar, sem qualquer movimentação, mesmo com pessoas transitando próximas ao mesmo, indicando que poderia estar com problemas.

Flavia Trindade com o jovem biguá. Foto: Sea Shepherd Brasil

Flavia Trindade com o jovem biguá. Foto: Sea Shepherd Brasil

A voluntária Flavia Trindade rapidamente se dirigiu ao local e ao chegar, percebeu que o jovem biguá estava aparentemente debilitado, sem  conseguir voar e consequentemente mergulhar.

foto 03

Então, foi realizada a contenção do animal e o devido transporte, sendo o animal encaminhado ao CRAS (Centro de Reabilitação de Animais Silvestres), que há poucos dias atrás, também recebeu uma fragata resgatada por voluntários do Sea Shepherd Brasil.

O biguá foi recebido pela veterinária Mariana Falco, que logo constatou que o animal encontrava-se abaixo do peso e desidratado, mas que receberá os devidos cuidados para que, em breve, seja devolvido à natureza!

Biguá entregue aos cuidados do CRAS/Unesa. Foto: ISSB/Núcleo RJ

Biguá entregue aos cuidados do CRAS/Unesa. Foto: ISSB/Núcleo RJ

Nossos agradecimentos à Flavia Trindade (Sea Shepherd Brasil), Andrea Falcão, prof. Jeferson Pires e Mariana Falco (CRAS/Unesa), pelo empenho e dedicação em prol da vida marinha.

Sea Shepherd Brasil – Núcleo RJ se mobiliza para resgate de uma fragata, no Clube Guanabara.

Na manhã do dia 05 de março, voluntários do Núcleo Rio de Janeiro do Instituto Sea Shepherd Brasil após serem comunicados, se mobilizaram para resgatar uma fragata no Clube Guanabara, situado no bairro de Botafogo.

O animal estava debilitado e segundo informações colhidas no local, foi encontrado próximo à Ilha Redonda na quinta-feira. Desde então, estava sob os cuidados dos funcionários do estabelecimento.

01

Fragata no Clube Guanabara – Fotos: Lorena Mossa

 

Fragata no Clube Guanabara – Fotos: Lorena Mossa

Fragata no Clube Guanabara – Fotos: Lorena Mossa

A remadora Lorena Mossa, após ciência da presença do animal no local, entrou em contato com o Núcleo RJ. Cientes da necessidade de cuidados extras, o professor e médico veterinário Jeferson Pires, responsável pelo CRAS (Centro de Reabilitação de Animais Silvestres) da Universidade Estácio de Sá foi acionado e autorizou o recebimento da fragata.

Voluntários se encaminharam para o resgate e ao chegarem ao Clube Guanabara, foram informados que a fragata estava se alimentando, porém sem condições para voar. Após imobilização, o animal foi conduzido até o CRAS, em Vargem Pequena – zona oeste do Rio de Janeiro, onde receberá os devidos cuidados e ficamos na torcida para que possa se recuperar, realizando-se a sua soltura.

Transporte da Fragata após imobilização. Foto: ISSB/ Núcleo RJ

Transporte da Fragata após imobilização. Foto: ISSB/ Núcleo RJ

Fragata sendo entregue aos cuidados do CRAS/Unesa. Foto: ISSB/Núcleo RJ

Fragata sendo entregue aos cuidados do CRAS/Unesa. Foto: ISSB/Núcleo RJ

Nossos agradecimentos a todos que se mobilizaram e colocaram-se à disposição nesta tentativa de salvar uma vida: a remadora Lorena Mossa, ao prof. Jeferson Pires e a Mariana Falco (CRAS/Unesa) e aos voluntários do Núcleo RJ: Ed Bastos, Adriana Moretta e Grégor Daflon.

Sea Shepherd Núcleo ES fideliza Embaixada do Mar.

Em prol do planeta, das gerações futuras e do bem mais precioso que todo o ser vivo tem o direito: A VIDA! O Villa dos Lobos Centro Cultural e o Instituto Sea Shepherd Brasil firmam uma parceria para trazer ao Estado do Espírito Santo uma maior infra-estrutura e, apoio aos ativistas e voluntários da organização mais ativista e radical no mundo em favor da Vida Marinha.

O Villa dos Lobos Centro Cultural nasceu com o intuito de promover, divulgar e produzir as artes e as culturas em suas mais diversas formas. Fundado em 2015, tem como premissa a intersecção de conceitos, formas e áreas das artes como mecanismo de aprofundamento da produção e da compreensão de ideias e valores. O centro cultural conta com núcleos de cultura, que visam manter vivas as expressões culturais típicas de cada povo e abrir espaço para o contato com os idiomas, os hábitos, o modo de vida e a perspectiva única das sociedades.

IMG1

Villa dos Lobos Centro Cultural

O Núcleo do Estado do Espírito Santo do Instituto Sea Shepherd Brasil, agora, na cidade de Vila Velha, além de possuir um espaço físico com produtos disponíveis da organização para a venda, possuirá também um depósito para o armazenamento de equipamentos, sala para descanso, água e banheiros para os voluntários, espaços para que sejam ministrados cursos e palestras institucionais e de preservação ambiental, além também de promover a captação de novos voluntários capixabas no local.

“A inauguração do nosso espaço no Villa dos Lobos Centro Cultural, está prevista para o mês de Maio com todos os interessados, simpatizantes e curiosos sendo convidados a participarem. Nesta inauguração teremos a demonstração de algumas das principais campanhas já realizadas no Brasil e no Estado, pelo Instituto Sea Shepherd Brasil, como a “Mar de Sangue”, por exemplo, em prol dos tubarões. Quem aparecer para nos visitar terá uma grande surpresa, além também de conhecer mais sobre a profundeza dos Oceanos. Na inauguração prevista para o mês de Maio, teremos também além da demonstração de campanhas nacionais e mundiais, exposições fotográficas, com o apoio do nosso projeto parceiro “Instinto Imagem” e, demais fotógrafos da Natureza expondo as nossas operações no Rio Doce, e, a recente “Operação Porfia”, em defesa do Elefante Marinho “Fred”, ao qual foi recém finalizada. Faremos uma espécie de “Chamado do Mar”, onde divulgaremos em todas as nossas mídias oficiais o convite inaugural. Mas, quem tiver já o interesse em adquirir camisetas piratas e adesivos da organização mais ativista e radical do mundo, poderá se dirigir á recepção do local, pois os produtos já estão disponíveis para a venda.” Relatou Thiago Barrack – Diretor Regional do Espírito Santo do Sea Shepherd Brasil.

IMG2

Sea Shepherd Brasil – Núcleo ES

O Villa dos Lobos Centro Cultural se encontra no endereço:

Rua Santa Alice, 39

Praia da Costa – Vila Velha / ES

Cep: 29101-090

Telefone: 55 27 3299-2579

www.villadoslobos.org

www.facebook.com/villadoslobos

Além de oferecer um apoio á preservação da Vida Marinha, o Villa dos Lobos Centro Cultural oferece também diversos cursos de Música, Artes Visuais, Fotografia e Cinema, Teatro e Dança, Ninjutsu, Idiomas, Filosofia, e, galeria e exposição de artes.

Agradecimentos especiais para Vinicius Giovannini, Diretor Executivo do Villa dos Lobos Centro Cultural, por ter nos proporcionado essa nova experiência e estrutura. A vida Marinha agradece!

Rico bercário marinho da Ilha de Cabras ao portinho em Ilhabela/SP Precisa de Proteção

No último dia 24/02 o Instituto Sea Shepherd Brasil – Núcleo SP fez a atividade “Conscientização Ambiental e Matéria sobre o Berçário Marinho da Ilhabela” para alertar sobre a importância da proteção do fundo do mar da Ilha das Cabras à Praia do Portinho. O local é conhecido como o Santuário Ecológico Municipal de Ilhabela através do Decreto Municipal 953/1992 e pelo IBAMA há proibição de pesca nos 20 metros no entorno da Ilha das Cabras.

De grande beleza cênica e alta importância do ponto de vista ambiental e social, esta área sem proteção das autoridades requer atenção especial pela sua diversidade e variação genética que conserva em seu ecossistema os processos ecológicos fundamentais.

O registro da matéria contou com mergulhos da equipe de voluntários da Sea Shepherd Brasil que gravou imagens sub e colheu depoimentos de voluntários dedicados à preservação da biodiversidade do local.

Berçário marinho Praia das Pedras Miúdas – Ilhabela/SP ao fundo São Sebastião e terminal petrolífero.

Berçário marinho Praia das Pedras Miúdas – Ilhabela/SP ao fundo São Sebastião e terminal petrolífero.

Peixe Frade adulto no Santuário Ecológico Municipal (Marinho – Decreto 953/92 ) – Ilhabela/SP.

Peixe Frade adulto no Santuário Ecológico Municipal (Marinho – Decreto 953/92 ) – Ilhabela/SP.

Berçário Marinho da Ilha da Cabras – área protegida em seus 20 metros pela Portaria N-19 de 19mar79 - o responsável pela fiscalização é o IBAMA.

Berçário Marinho da Ilha da Cabras – área protegida em seus 20 metros pela Portaria N-19 de 19mar79 – o responsável
pela fiscalização é o IBAMA.

Gravação de depoimentos sobre o local. Voluntária Claudia Santana – Mar e Vida Eco Trip

Gravação de depoimentos sobre o local. Voluntária Claudia Santana – Mar e Vida Eco Trip

Na série de mergulhos e registros do local foi possível identificar em suas belas paisagens aquáticas as várias espécies de peixes e muitos invertebrados neste berçário marinho. Não é difícil dizer o quanto é importante a sua preservação e o quanto há de descaso das autoridades em preservar esta joia do litoral norte em terras ilhabelenses.

São muitas as ameaças que cercam o local que vão desde o esgoto lançado ao mar à pesca ilegal, aos mergulhos sem monitoramento ao tráfego de embarcações motorizadas, falta de fiscalização e muito mais.

O turismo sem monitoramento no meio ambiente marinho cresce com a especulação imobiliária sem o devido tratamento de esgoto que se soma à presença do Porto de São Sebastião e Terminal petrolífero da Petrobras (TEBAR) que foram indicados pelo ZEE (Zoneamento Ecológico – Econômico do Litoral Norte do Estado de São Paulo) como os principais conflitos ambientais encontrados nesta região costeira. Ainda estão incluídos neste contexto os empreendimentos de exploração de petróleo e gás das camadas do Pré e Pós Sal, em instalação desde 2011.

Decreto Municipal 953/92 Santuário Ecológico Municipal da Prefeitura Municipal de Ilhabela.

Decreto Municipal 953/92 Santuário Ecológico Municipal da Prefeitura Municipal de Ilhabela.

Boias da rede de espera na Praia do Portinho - petrecho de pesca incidental para as tartarugas do local.

Boias da rede de espera na Praia do Portinho – petrecho de pesca incidental para as tartarugas do local.

Tartarugas-verdes mortas por pesca incidental em rede de espera na Praia do Itaquanduba em Ilhabela; B - Tartaruga- verde vítima de colisão com embarcação. Foto Projeto Parque Natural Municipal Tartarugas de Ilhabela.

Tartarugas-verdes mortas por pesca incidental em rede de espera na Praia do Itaquanduba em Ilhabela; B – Tartaruga-
verde vítima de colisão com embarcação. Foto Projeto Parque Natural Municipal Tartarugas de Ilhabela.

Neste rico berçário marinho, com condições ideais para que centenas de espécies de animais (vertebrados e invertebrados) encontrem abrigo, é ideal para que estes animais se alimentem, cresçam e reproduzam-se transbordando vida marinha para toda a região.

Peixe Budião verde na Ilha das Cabras – Ilhabela/SP – foto Thiago Guiado

Peixe Budião verde na Ilha das Cabras – Ilhabela/SP – foto Thiago Guiado

Tartaruga de Pente na Ilha das Cabras – foto Thiago Guirado

Tartaruga de Pente na Ilha das Cabras – foto Thiago Guirado

Marimbá e Sargentinho na Ilha das Cabras – Ilhabela.

Marimbá e Sargentinho na Ilha das Cabras – Ilhabela.

São muitas as espécies encontradas no local que apresenta diversos peixes recifais. Em um relatório técnico elaborado pelo Projeto Peixes Recifais da Região Sudeste – ECOPERE-SE apenas na Ilha das Cabras foram identificadas 147 espécies pertencentes a 54 famílias. Também foi reconhecida como local de reprodução de 23 espécies o que se conclui como área de especial interesse de proteção das populações e garantia da sobrevivência das espécies.

Mais dados foram publicados sobre a ocorrência de peixes recifais que se referem à Praia do Portinho. Neste local, foram identificadas 101 espécies pertencentes a 68 famílias demonstrando que se trata de uma região bastante rica em diversidade de espécies e que deve ser protegida.

Neste pequeno trecho de 1,5 km existem mais de 25 espécies classificadas com algum grau de ameaça de extinção, segundo a lista nacional (IBAMA, 2014) e da International Union for Conservation of Nature (IUCN). As atividades humanas contribuem de forma negativa para a proteção das espécies e isto deve ser mudado. É de suma importância diminuir os impactos no dia-a-dia, nas pequenas ações cotidianas e ainda exigir das autoridades e governantes a proteção dos ecossistemas marinhos.

.

Figura 1: Animais do local encontram-se ameaçados de extinção - Foto Projeto Parque Natural Municipal Tartarugas de Ilhabela – 1.Tartaruga de pente, 2. Garoupa verdadeira, 3. Estrela do mar, 4. Garoupa negra, 5. Cavalo Marinho, 6.Peixe papagaio, 7.Garoupa nevada, 8. Neon-gobi, 9.Trinta-réis-de-bico-vermelho, 10 Garoupa verdadeira

Figura 1: Animais do local encontram-se ameaçados de extinção – Foto Projeto Parque Natural Municipal Tartarugas de Ilhabela –
1.Tartaruga de pente, 2. Garoupa verdadeira, 3. Estrela do mar, 4. Garoupa negra, 5. Cavalo Marinho, 6.Peixe papagaio,
7.Garoupa nevada, 8. Neon-gobi, 9.Trinta-réis-de-bico-vermelho, 10 Garoupa verdadeira

Se não protegermos este berçário marinho nossos filhos e netos terão uma herança amarga e só verão estes animais marinhos em livros. A proteção deste ecossistema marinho garantirá a manutenção da riqueza e abundância das espécies para o transbordamento de animais para locais onde a pesca é permitida.

Dará continuidade na valorização da arte dos pescadores artesanais como também aumentará o atrativo ecológico no setor turístico. Ainda, ao se criar uma Unidade de Conservação de proteção integral atenderá a uma normativa legal de recategorização do Decreto 593/92 que incide sobre o município.

“Seja um agente multiplicador da proteção da biodiversidade marinha. Exerça seu papel de cidadão consciente numa sociedade organizada que exige das autoridades a mudança de comportamento que devemos ter em respeito à vida dos oceanos. A economia implacável, os grandes empreendimentos e o turismo devem criar reservas de compensação ambiental com dispositivos para educação ambiental marinha, fiscalização e punição dos infratores. Desta forma poderemos contribuir ainda mais para a perpetuação das espécies, cuidando do bem mais precioso que é a vida. O Instituto Sea Shepherd Brasil continua forte na luta em defesa dos oceanos e agradece aos voluntários envolvidos nesta atividade”, finaliza Mara Lott, Coordenadora Sea Shepherd Brasil – Núcleo SP.

Equipe de Voluntários Sea Shepherd Brasil – Núcleo SP

Equipe de Voluntários Sea Shepherd Brasil – Núcleo SP

Praia das Pedras Miúdas com apoio de bote e mergulho da Equipe de voluntários ISSB - Embaixada Mar e Vida Eco Trip .

Praia das Pedras Miúdas com apoio de bote e mergulho da Equipe de voluntários ISSB – Embaixada Mar e Vida Eco Trip .

Equipe de Voluntários - Mergulhadores para registro das imagens sub.

Equipe de Voluntários – Mergulhadores para registro das imagens sub.

A vida marinha agradece.

Sea Shepherd Brasil promove em parceria com a ONG Parceiros do Mar, mutirão de limpeza de praias na região de Pontal do Paraná

fotosite1

No dia 20 de fevereiro de 2016, O instituto Sea Shepherd Brasil – Núcleo Paraná realizou o primeiro mutirão de limpeza de praias do núcleo na região de Pontal do Paraná. A ação foi feita em parceria com a Ong Parceiros do Mar  e contou com a presença de 24 voluntários!

fotosite3

Inicialmente, 3 balneários foram escolhidos para a limpeza: Beltrame, Shangrilá e Ipanema. Porém, a limpeza contemplou os balneários Beltrame, Inaja, Gaivotas, Ipanema, Leblon, Grajau, Marisol e Olho D´água.

fotosite4

fotosite5

Durante os percursos, muito lixo foi recolhido. Entre os itens encontrados com mais frequência pelos voluntários estão as bitucas de cigarro, objetos de plástico (tampas de garrafa pet, embalagens de sorvete, pirulitos e bala), isopor e restos de utensílios de praia (cadeiras, guarda-sol) e redes de pesca. Segue abaixo a reportagem feita com os voluntários da ONG Parceiros do Mar e Sea Shepherd Brasil.

Ao todo, 10 sacos de lixo foram retirados do litoral paranaense. A ideia deste mutirão realizado foi não apenas retirar o lixo encontrado nas praias, mas também conscientizar os banhistas que, se cada um de nós fizer a sua parte (não deixando lixo na praia, ou até mesmo levando uma sacola e limpando o que encontrar ao seu redor), podemos salvar a vida de muitos animais marinhos que não terão seu ambiente prejudicado. Afinal, “separados somos uma gota, mas juntos somos um oceano”!.

fotosite6

O Núcleo Paraná conta com diversos voluntários que se encontram mensalmente para discutir as próximas ações (palestras, eventos, mutirões de limpezas de praias). Se você quer conhecer um pouco do que fazemos, entre em contato através do email nucleopr@seashepherd.org.br ou pelo facebook (Clarissa Ribeiro Teixeira)