Sea Shepherd Brasil participa do VegFest SulBrasileiro em Curitiba/PR

Nos dias 09 e 10 de Julho, Curitiba foi sede do Congresso Regional do maior evento de veganismo da America Latina, o VegFest SulBrasileiro. Durante o evento, ocorreram palestras, cursos, aulas de culinária, além da participação de produtores veganos e ONG’s, como o Instituto Sea Shepherd Brasil.

Foto1

Foto2

O ISSB – Núcleo Paraná esteve presente para informar aos participantes sobre as ações realizadas no Brasil e no mundo, consumo do cação e sobre explotação no Brasil, entre outros assuntos que envolvem a proteção dos oceanos e sua fauna.

Foto3

As crianças também tiveram atividades exclusivas, onde puderam aprender mais sobre as diferentes espécies de tubarões.

Instituto Sea Shepherd Brasil pede explicações na Justiça sobre o Plano de Fiscalização para a liberação do TOBE; ICMBio tem 5 dias para responder

Mesmo sem estudos de viabilidade da atividade, o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade – ICMBio corre para tentar aprovar na Justiça um Plano de fiscalização e, assim,colocar os barcos de turismo novamente nas enseadas do Berçário em Santa Catarina para a prática do Turismo de Observação de Baleias Embarcado, o polêmico TOBE como ficou conhecido na região.

“Ainda estamos perplexos com a liberação desta atividade apenas condicionada a apresentação de um Plano de Fiscalização. A sensação é que a Justiça Federal de Laguna “cortou” o processo deixando de lado todas as provas que foram produzidas, e que comprovam o molestamento das baleias pelos barcos e o altíssimo risco deste turismo para os turistas.”, comenta Luiz Tamburo, Coordenador Regional do Instituto Sea Shepherd Brasil – ISSB, em Santa Catarina.

Baleia Franca sendo tocada. Molestamento intencional conforme lei brasileira - Foto: Turismo Vida Sol & Mar

Baleia Franca sendo tocada. Molestamento intencional conforme lei brasileira – Foto: Turismo Vida Sol & Mar

Por que este turismo (TOBE) causa molestamento nas baleias em Santa Catarina? 

A prática do TOBE é mundial e o seu crescimento já criou opositores por interferir em locais utilizados pelos cetáceos como berçários. Para o Instituto Sea Shepherd Brasil há provas suficientes nos autos para a proibição definitiva do TOBE na região do Berçário – Área de Proteção Ambiental da Baleia Franca/APABF, diante do documento da operadora Base Cangulo que admite a impossibilidade de desligar os motores dos barcos durante o avistamento das baleias, mesmo que o cetáceo e o seu filhote estejam a menos de 100 metros (violação da Portaria 117/96 IBAMA). Segundo o documento, isso acontece porque os barcos são obrigados a ficar na zona de arrebentação, já que as Francas ficam a menos de 20 metros dos costões e da faixa de praia.

“Tivemos a preocupação de verificar a veracidade destas informações através de uma consulta técnica ao subtenente Santos, da Polícia Militar e especialista em salvaguarda da vida humana, que confirmou e, inclusive, alertou sobre o altíssimo risco desta atividade para os turistas dadas as condições ambientais da região do berçário. Mas, todas estas graves informações parece que só foram consideradas pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região, que manteve a atividade suspensa quando ganhamos a liminar até que estudos conclusivos sejam feitos. Esperamos que este entendimento seja mantido pelos Desembargadores do TRF-4, seguindo o parecer da Procuradoria da República em Porto Alegre, pelo bem das baleias e segurança dos turistas.”, comenta Renata Fortes, advogada do Instituto Sea Shepherd Brasil – ISSB

Distância de 100 metros não respeitada, descumprimento da lei. Foto: Turismo Vida Sol & Mar

Distância de 100 metros não respeitada, descumprimento da lei. Foto: Turismo Vida Sol & Mar

O Plano de Fiscalização 

O Instituto Sea Shepherd Brasil apresentou quatro questões na Justiça para serem esclarecidas pelo ICMBio sobre o Plano de Fiscalização. A organização entende que o Plano de Fiscalização não possui qualquer eficácia, uma vez que as regras que ele visa fiscalizar não podem ser cumpridas nas enseadas do berçário por uma questão de segurança de navegação, mas, cumprindo determinação judicial, o ISSB apontou que um dos pontos mais importantes a serem esclarecidos é a questão da verba para por este plano em prática.

“O ICMBio, ano passado, informou que não possuía recursos financeiro e humano para apresentar um Plano de Ação Emergencial visando a proteção do Berçário, diante das 12 (doze) mortes de baleias francas, por redes e colisões. A APA da Baleia Franca está com o Plano de Manejo atrasado por falta de verbas – com prazo estimado de conclusão de 04 (quatro) anos, e agora se propõe a bancar um Plano de Fiscalização que prevê a presença de monitores do ICMBio contratados em todos os passeios, com que verba? Esse foi uma das questões que apresentamos.”, informa Luiz André Albuquerque, Diretor Jurídico do Instituto Sea Shepherd Brasil – ISSB.

Distância de 100 metros não respeitada, descumprimento da lei. Foto: Turismo Vida Sol & Mar

Distância de 100 metros não respeitada, descumprimento da lei. Foto: Turismo Vida Sol & Mar

Outras entidades no movimento de defesa dos Berçário

No dia 28 de junho, o Instituto Sea Shepherd Brasil, juntamente com diversas entidades de proteção aos animais e ambientalistas se reuniram na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) para conhecer os fatores que estão impactando o Berçário, no I Ciclo de Debates sobre a Área de Proteção Ambiental da Baleia Franca, promovido pelo Observatório de Justiça Ecológica (Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade Federal de Santa Catarina) e a Associação Catarinense de Proteção aos Animais – ACAPRA. Na oportunidade foi lançada pela ACAPRA a campanha “Berçário Livre!”, e o portal sobre o Berçário da Baleia Franca Austral em Santa Catarina.

Debate na UFSC sobre o TOBE. Foto: Observatório de Justiça Ecológico

Debate na UFSC sobre o TOBE. Foto: Observatório de Justiça Ecológico

Participantes do 1º Ciclo de Debates sobre APABF . Foto: Observatório de Justiça Ecológico

Participantes do 1º Ciclo de Debates sobre APABF .
Foto: Observatório de Justiça Ecológico

Sea Shepherd Global lança Operação Bloody Fjords

Na sequência do sucesso da Campanha em Defesa da Baleia-piloto 2015, a Sea Shepherd Global anuncia a Operação Bloody Fjords , uma nova campanha direcionada à sangrenta matança de baleias-piloto nas Ilhas Faroe.

Todo ano, mais de 1.000 baleias-piloto migrantes e outros golfinhos são caçados e brutalmente mortos no protetorado Dinamarquês das Ilhas Faroe numa pratica conhecida como o ‘grindadráp’ ou ‘grind’. A prática cruel e sangrenta continua com o apoio do governo Dinamarquês, contrapondo com as obrigações legais internacionais da Dinamarca.

A Operação Bloody Fjords  anuncia uma nova direção para a Sea Shepherd assim que a organização leva sua batalha contra o grindadráp para o coração das Instituições  Dinamarquesas e Faroeses que continua a promover esta prática ultrapassada.

“Obrigado pelo trabalho cansativo de nossos tripulantes voluntários que estiveram em terra nas Ilhas Faroe durante nossas campanhas passadas, nós tivemos todas as evidências em fotos e vídeos e nós precisamos levar esta batalha além das costas sangrentas das Ilhas Faroe”, disse o líder de Campanha da Operação Bloody Fjords , Geert Vons. “Iremos atacar o grind nas arenas judicial e política, no comércio, na indústria e como sempre na mídia,” ele continuou.

A nova estratégia vem em resposta ao aumento às restrições que foram colocadas na entrada dos voluntários da Sea Shepherd nas Ilhas Faroe.

“As autoridades Faroesas recusaram nossa entrada ao país deles numa tentativa de acobertar os horrores do grindadráp.”, disse o Capitão Alex Cornelissen, CEO da Sea Shepherd Global.

“Mas como o campo de batalha muda, nós também mudamos nossas táticas. A Sea Shepherd está mais barulhenta agora, mais forte e mais determinada do que nunca para acabar  com a matança sangrenta,” ele concluiu.

Um total de 28 voluntários da Sea Shepherd foi preso por interferir contra o grindadráp, muitos deles foram subsequentemente deportados pelo “crime” de defesa das baleias-piloto.

Em 2014, a Capitã da Sea Shepherd Treverton foi presa depois que ela defendeu com sucesso um grupo grande de golfinhos da matança, prevenindo-os de chegar nas praias assassinas das Ilhas Faroe. Ela ainda aguarda o seu julgamento.

A Sea Shepherd liderou a oposição ao grindadráp desde os anos 80, salvando as vidas de centenas de baleias-piloto e trazendo a atenção mundial para a matança contínua.

XDivers Scuba School torna-se a Primeira Embaixada Sea Shepherd Brasil, no Rio de Janeiro.

Com grande satisfação, o Instituto Sea Shepherd Brasil (ISSB) em parceria com a XDivers Scuba School, inauguraram no dia 23 de junho, a primeira Embaixada do Mar, sediada no Estado do Rio de Janeiro.

Foto 1

O evento foi aberto com uma saudação de Fernando Castro, biólogo e instrutor de mergulho, que representando a XDivers Scuba School, agradeceu a presença do público,  demonstrou seu contentamento com a parceria firmada e explicou o funcionamento da escola de mergulho e a preocupação com a proteção do meio ambiente marinho.

Em seguida, o Diretor Regional do Núcleo carioca, Luiz André Albuquerque, agradeceu a parceria estabelecida, saudou os presentes e realizou uma apresentação sobre o trabalho realizado pela Sea Shepherd Brasil: a atuação dos núcleos regionais através de ações de fiscalização e monitoramento; de resgates de fauna marinha; as capacitações e treinamentos de voluntários e em instituições públicas e privadas; bem como as principais ações civis públicas movidas pelo departamento jurídico do ISSB, em defesa da vida marinha.

Raphael Jordão/ Sea Shepherd Brasil

Raphael Jordão/ Sea Shepherd Brasil

Sofia Graça Aranha, Embaixadora do Mar do Sea Shepherd Brasil, também participou do evento e apresentou ao público, as ações e projetos da organização em relação a defesa dos tubarões e raias, que contam com várias espécies altamente ameaçadas de extinção.

Cerca de 30 (trinta) pessoas, entre mergulhadores, amantes da vida marinha, apoiadores e voluntários estiveram presentes a inauguração da Embaixada do Mar, que servirá de ponto de apoio para palestras, cursos e venda de produtos oficiais da organização.

Raphael Jordão/ Sea Shepherd Brasil

Raphael Jordão/ Sea Shepherd Brasil

Raphael Jordão/ Sea Shepherd Brasil

Raphael Jordão/ Sea Shepherd Brasil

Raphael Jordão/ Sea Shepherd Brasil

Raphael Jordão/ Sea Shepherd Brasil

Ao final das apresentações, os presentes se confraternizaram com um delicioso coquetel vegano preparado por Gisele Pontes, voluntária do Núcleo carioca; conheceram as instalações da XDivers; e visitaram o stand montado com produtos da Sea Shepherd, que estarão sempre disponíveis para venda na Embaixada.

Raphael Jordão/ Sea Shepherd Brasil

Raphael Jordão/ Sea Shepherd Brasil

Raphael Jordão/ Sea Shepherd Brasil

Raphael Jordão/ Sea Shepherd Brasil

Raphael Jordão/ Sea Shepherd Brasil

Raphael Jordão/ Sea Shepherd Brasil

Nossos agradecemos a Rodrigo Figueiredo e Juliana Cassab, proprietários da XDivers Scuba School, e a toda a sua equipe, por esta parceria que já é um grande sucesso !

Sobre a XDivers Scuba School.

A XDivers Scuba School começou a dar seus primeiros passos no mundo da educação e propagação da atividade do mergulho recreacional no ano de 1999, com instrutores  treinados e sempre atualizados além do padrão do mercado, garantindo um curso focado nos fundamentos de segurança, aquacidade e planejamento do mergulho, criando ao final de cada turma mergulhadores capacitados, independentes e seguros.

É um Diamond Instructor Training Center da certificadora Scuba Schools International – SSI, o que significa que estão aptos à certificar desde mergulhadores básicos até  profissionais de mergulho.

Venham nos visitar e prestigiar !!!

XDivers Scuba School

Endereço: Rua Joaquim Campos Porto, 361 – Jardim Botânico, Rio de Janeiro – RJ

Telefones: +55 21 3902.6002 | +55 21 3681.1810

E-mail: xdivers@xdivers.com.br

Sea Shepherd Brasil Encaminha Ofício a Superintendência do Ibama-ES para a Apuração do Caso da Arraia Morta Recentemente

O Núcleo do Espírito Santo do Instituto Sea Shepherd Brasil encaminhou um ofício na última Quarta-Feira (29), ao Superintendente do Ibama-ES, o Sr. Guanadir Gonçalves Sobrinho, pedindo a rápida e devida apuração do fato ocorrido na última Terça-Feira (28) na praia de Itapoã, Vila Velha, onde uma arraia, raia-manta (Manta birostris), pesando aproximadamente 600 quilos, foi capturada “acidentalmente” presa na rede de dois pescadores da colônia de pesca local. O ofício foi concedido a secretária de gabinete do superintendente, Nádia Amorim, pois o mesmo não encontrava-se presente no determinado momento. A mesma, em questão, assinou o recebimento do ofício com a promessa de encaminhamento para o Sr. Guanadir Gonçalves Sobrinho, Superintendente do Ibama-ES.

FOTO 1

Créditos: João Linhares – Instinto Imagem – Núcleo ES

FOTO 2

Créditos: João Linhares – Instinto Imagem – Núcleo ES

Este episódio não é a primeira vez que se sucede. No mesmo local, mais precisamente no mês de Agosto de 2015, uma arraia, similarmente raia-manta, de cerca de 400 quilos, foi também capturada por pescadores locais, na praia de Itapoã. Na época, de acordo com os próprios pescadores locais, o animal havia se prendido a uma rede de pesca por volta das 9h30 da manhã e, arrastada viva até a areia da praia. Segundo os autores do fato, a carne dela seria vendida em uma das barracas de peixes no local ao preço de R$6,50 o quilo.

Em Março de 2013, o governo brasileiro proibiu, a pesca de arraias mantas da família Mobulidae em águas jurisdicionais brasileiras em todo o território nacional.

A instrução normativa interministerial MPA/MMA N° 02, de 13 de Março de 2013, proíbe a pesca direcionada, retenção a bordo, transbordo, desembarque, armazenamento, transporte e comercialização destas espécies em águas jurisdicionais brasileiras e em território nacional.

Vale salientar que a instrução normativa ressalta também, que os indivíduos e raias da família Mobulidae capturados de forma incidental, deverão, obrigatoriamente, ser devolvidos inteiros ao mar, VIVOS, ou MORTOS, no momento do recolhimento do aparelho de pesca, e mais, deverá também constar-se nos Mapas de Bordo o registro dos indivíduos capturados e devolvidos ao mar na forma do disposto da Instrução Normativa Interministerial n° 26, de 19 de Julho de 2005.

CONFIRA A INSTRUÇÃO NORMATIVA COMPLETA SOBRE A PROIBIÇÃO DA CAPTURA DE

ARRAIAS MANTAS NO BRASIL:

http://www.icmbio.gov.br/cepsul/images/stories/legislacao/Instrucao_normativa/2013/ini_mpa_mma_02_2013_proibe_captura_raias.pdf

A espécie Manta birostris, conhecida como raia-jamanta ou apenas raia manta gigante, é a de maior tamanho entre as raias e foi descrita em 1792. São animais que existem há mais de 200 anos. A raia-manta é um dos maiores peixes do mundo, podendo alcançar oito metros de envergadura e pesar mais de duas toneladas. Apesar de impressionar com suas dimensões e velocidade, não possui ferrões, espinhos ou outras formas de defesa além de seu gigantesco tamanho. São animais de vida longa, podendo viver mais de 20 anos. O cérebro das “mantas”, são os maiores entre todos os peixes, proporcionalmente ao seu tamanho.

A raia-manta está classificada como “VULNERÁVEL” na lista vermelha da IUCN de espécies ameaçadas, em razão de sua lenta capacidade reprodutiva, pesca excessiva e captura acidental por redes de emalhe e espinhéis. A grandiosidade do seu tamanho pode ser comparada à sua docilidade. As “mantas” costumam interagir pacificamente com seres humanos, encantando desde os mergulhadores iniciantes até os mais experientes com a beleza de suas gentis e sofisticadas manobras pelos oceanos.

Fonte: Imagens Google

Fonte: Imagens Google

MANTAS LISTADAS NA IUCN, LISTA DE ESPÉCIES AMEAÇADAS EM EXTINÇÃO:

http://www.iucnredlist.org/details/195459/0

Com a missão de Defender, Conservar e Proteger os oceanos e, falar em nome daqueles que não possuem “voz”, o Núcleo do Espírito Santo do Instituto Sea Shepherd Brasil irá pressionar até o fim as organizações competentes e, principalmente o Ibama/ES a fim de solucionarem o caso o mais rápido possível com as devidas punições prescritas na legislação ambiental brasileira.

O caso também foi anunciado pelo Diretor Regional do Espírito Santo do Instituto Sea Shepherd Brasil, na Frente Parlamentar de Combate à Pesca Predatória, liderado pelo Deputado Estadual Bruno Lamas, realizado na última Quinta-Feira (30) na Assembleia Legislativa do Estado do Espírito Santo, onde também estiveram presentes representantes da Polícia Ambiental, IEMA, representantes do município de Aracruz, secretário de meio ambiente de Aracruz e do empresário de turismo, Thiago Calhau.

Créditos: Rafael Poltronieri – Núcleo ES

Créditos: Rafael Poltronieri – Núcleo ES

“Os oceanos enfrentam hoje em dia um sem número de ameaças. A pesca excessiva que tem vindo a ser realizada nos últimos anos está a deixar os oceanos cada vez com menos peixe. A pressão tem sido tão elevada que muitas espécies estão presentes na lista vermelha da International Union for Conservation of Nature (IUCN), ou seja uma lista de espécies com o respectivo risco de extinção, como é o caso da arraia, raia-manta (Manta birostris). Os pescadores precisam entender que eles podem SIM sobreviverem e sustentarem as suas respectivas famílias, pescando sustentavelmente, de um modo sustentável. Em pleno século XXI não existe mais espaço para tremenda ignorância humana. Caçar espécies ameaçadas e protegidas é CRIME AMBIENTAL.” Disse Thiago Barrack, Diretor Regional do Espírito Santo do Instituto Sea Shepherd Brasil.

“O culpado também somos “NÓS”! A população fica carecida e há a necessidade de saberem que na maioria destes casos de captura de espécies ameaçadas em extinção, o maior culpado é o próprio homem, o consumidor. Os cidadãos precisam entender que o mercado ilegal somente permanece, pois ainda existem pessoas que financiam este próprio mercado ilegal. Se não há demanda, não há captura, não há pesca ilegal ou até mesmo a morte “acidental” do animal ameaçado. A preocupação com a sobrevivência dessas espécies e com o consumidor atento às questões ambientais já levaram até algumas empresas, inclusive nacionais, a buscarem selos de pesca sustentável.” Finalizou Barrack.

Na Quarta-Feira (29), a carcaça da raia-manta, foi encontrada próximo a colônia de pescadores de Itapoã, jogada a beira-mar, totalmente deteriorada, sem as nadadeiras e com o ventre aberto.

Créditos: Luis Felipe Mayorga

Créditos: Luis Felipe Mayorga

Créditos: Luis Felipe Mayorga

Créditos: Luis Felipe Mayorga

Créditos: Luis Felipe Mayorga

Créditos: Luis Felipe Mayorga

Créditos: Luis Felipe Mayorga

Créditos: Luis Felipe Mayorga

PARECER DO IBAMA:

No último dia 30, Quinta-Feira, o Ibama deu um parecer, veiculado em um Jornal de âmbito capixaba, a Tribuna, explanando que irá investigar a captura da arraia gigante ocorrida na última Terça Feira (28) na praia de Itapoã. Segundo o jornal e relato do próprio Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – IBAMA, se identificados, os infratores poderão responder por crime ambiental.

Créditos: Núcleo ES

Créditos: Núcleo ES

NÓS NÃO IREMOS NOS CALAR, ATÉ QUE ESTA E OUTRAS BARBÁRIES TERMINEM DE UMA VEZ POR TODAS!

ANEXOS:

LINK DA CAPTURA EM 2015:

Jornal Entrevista – G1:

http://jornalentrevista.com.br/v1/2015/08/20/arraia-gigante- e-pescada- na-praia- de-itapoa-em-vila- velha-no- esarraia-gigante- e-pescada- em-vila- velha-fotoarquivo- pessoal-colonia- de-

pescadores/

LINKS NOTICIANDO A CAPTURA RECENTE (2016):

Gazeta Online

http://www.gazetaonline.com.br/_conteudo/2016/06/eu_aqui/3953333-arraia- gigante-de-600-kg- e-capturada- na-praia- de-itapoa.html

G1:

http://g1.globo.com/espirito-santo/noticia/2016/06/arraia- gigante-e- capturada-na- praia-de-itapoa-em- vila-velha.html

RENCTAS:

http://www.renctas.org.br/arraia-gigante- e-capturada- na-praia- de-itapoa- em-vila- velha-es/Maiores informações sobre o caso, favor enviar para: nucleoes@seashepherd.org.br

A vida marinha agradece !