Voluntárias recolhem rede de pesca em Santa Catarina

Sea Shepherd retira 160kg de resíduos e redes de pesca em ações de limpeza e conscientização em Itapoá e Curitiba

Nas últimas semanas, o Núcleo Paraná da Sea Shepherd agiu em duas frentes: uma limpeza na Praia de Itapoá retirando restos de rede de pesca da areia; e uma ação de limpeza com campanha de conscientização em Curitiba.

Santa Catarina: Embora possa parecer algo simples, retirar redes da praia pode ser bem complicado. Isso porque é um lixo normalmente grande, fácil de se prender em outros objetos, assim como também de enroscar em nossos voluntários na hora de sua retirada. No segundo dia de limpeza, após quase 2 horas recolhendo resíduos plásticos da areia da Praia de Itapoá, mais uma rede foi encontrada – dessa vez, enroscada em pedras e outras formações naturais presentes no local.

Voluntárias recolhem rede de pesca em Santa Catarina

Foram cerca de 50 minutos de muito esforço para que as voluntárias Amalia Pereira e Barbara Carvalho conseguissem desemaranhar o resíduo abandonado, que estava completamente enrolado e repleto de nós.

Com a ajuda do pescador e morador local Giovani de Jesus, as voluntárias conseguiram arrastar o enorme enrolado de redes e cordas para fora do mar. Giovani contou que a maioria das redes é frequentemente descartada pelo caminho, sem conscientização ou o cuidado necessário para que elas não prejudiquem a fauna ou a flora marinha.

Ao todo, aproximadamente 80 kg de rede foram retirados do local nesta ação. A Sea Shepherd se preocupa com o impacto que o descarte incorreto de redes, cordas e outros resíduos gerados pela pesca e outras ações tem em nossas praias e, por isso, trabalha para conscientizar e oferecer soluções para garantir um oceano mais limpo e seguro para todos os seres.

Domingo de limpeza em Curitiba

Curitiba: Em pleno Domingo, dia de descanso para muita gente, as voluntárias Patricia Lisboa e Carolina Murakami, junto com Amalia Pereira, coordenadora do Núclero Paraná da Sea Shepherd Brasil, fizeram parte da 4° Ação de Limpeza na Praça Antonio Bertoli.

A cidade é considerada a Capital Ecológica e a Sea Shepherd está investindo em projetos de ações de limpeza próximos a rios e córregos, focando na educação ambiental, além da retirada dos resíduos descartados incorretamente.

Depois do trabalho de remoção, o local foi sinalizado com placas educativas, para conscientizar as pessoas sobre o lixo que produzem e que, uma vez descartado impropriamente, pode nunca ser retirado e acabar chegando ao mar.

Os resíduos foram classificados, separados, contados, pesados, e por fim descartados para a coleta seletiva. Foram 1.228 itens, com o peso de 81kg e nada menos que 33 sacos de lixo.

Entre os materiais coletados estão máscaras contra covid, 6 isqueiros, 70 embalagens em isopor, 242 sacolas plásticas, 72 rótulos de embalagens, 31 tampinhas de garrafas, 33 embalagens de cigarros, 62 copos plásticos, 76 pedaços de fios elétricos, 49 bitucas, 259 garrafas PET, 36 peças de roupas, 19 pés de calçados, 6 sacos de cimento, 2 de cal, 116 sachês de maionese, ketchup e mostarda todos com as embalagens fechadas.

Voluntárias com lixo recolhido e placas de conscientização

Ações assim são importantes para conscientizar a população. Pequenas atitudes, como recusar o máximo possível de sacolas e outros plásticos contribuem com a vida selvagem com o oceano e com o planeta.

Veja fotos das ações:

O Indivíduo Pode Fazer a Diferença

Primeira ação de 2021 da campanha Ondas Limpas da Sea Shepherd Brasil acontece com apenas duas voluntárias.

Itapoá- SC, 4 de janeiro de 2021 – A primeira limpeza de praia do ano da Sea Shepherd Brasil ocorreu com apenas duas voluntárias devido aos cuidados sanitários em prevenção ao corona vírus. A ação foi realizada em 300mts de areia próximo ao Porto na praia de Itapoá, no litoral norte de Santa Catarina.

A coordenadora da Sea Shepherd em Itapoá Amália Pereira e a voluntária Caroline Pereira de 21 anos tomaram todas as precauções, usando luvas, máscara e calçados nos pés. Em torno de duas horas de limpeza foram retirados aproximadamente 70 kg de lixos diversos, como bitucas de cigarros, 02 lâmpadas frias quebradas, 06 pilhas grandes (algumas oxidadas), 01 lata de tinta enferrujada, 01 extintor de incêndio enferrujado sem lacre com o pó vazando, galões plásticos de óleo/ combustível, tampinhas de garrafas pets, garrafas de vidro, garrafas pets, copos plásticos, potes plásticos diversos, alguns com água parada, cordas, plásticos diversos desfragmentados, pedaços de rótulos plásticos  de garrafas, embalagens plásticas de balas, pedaços de canos, 1 cabo de vassoura em metal enferrujado, 2 fraldas descartáveis recheadas, 01 calcinha, 02 mascaras.

Além da crise sanitária atual devido a pandemia, as voluntárias também perceberam outros riscos à saúde no local. Muitos cachorros soltos transitando pela praia resultando em muitas fezes pela areia dificultado que pedestres andem descalços pela sem correr sério risco de contrair doenças de pele e/ou algum tipo de zoonoses. Também observaram que é preciso usar repelente constantemente pois há muitos mosquitos devido a quantidade de água parada nas embalagens plásticas que foram encontradas entre restinga e areia.

Também foram identificados muitos objetos plásticos sendo trazidos do mar para a praia. “Creio que muito lixo vem pelo mar trazidos de Joinville para Itapoá”, explicou a voluntária da Sea Shepherd Brasil, Amália Pereira e continuou “enquanto fazíamos a coleta de detritos, sinalizei o local com placas educativas o que chamou a atenção de quem passava e consequentemente tiravam fotos e nos agradeciam elogiando pelo pequeno gesto.”

“Todos os dias o mar traz uma quantidade enorme de lixo plástico. Na temporada tem pessoas que varrem as areias da praia, mas o lixo não é retirado, somente empurrado para a restinga. É cruel o descaso que parte dos seres humanos tem com o lixo que produz, isso está afetando diretamente a nossa vida e se não tomarmos atitudes urgentes para diminuir o lixo na cidade, muito em breve não haverá mais praia saudável.”

                                                                                                            –  Amália Pereira

Doe para ajudar nas limpezas, resgate de fauna e comunidades que necessitam de assistência.