Editorial

Operação Paciência Infinita – está funcionando!

Comentário do Coordenador da Campanha Guardiões da Enseada, Scott West

Homem Tartaruga

Homem Tartaruga

Estamos sob a pele deles. Estamos pressionando-os. Estamos salvando golfinhos.

Há vários dias, “o homem tartaruga”, que já tinha feito o bastante, e mais uma vez atacou as Guardiões da Enseada Rosie e Tarah. No caso de você estar curioso, Homem Tartaruga é o assassino de golfinhos envelhecido que tentou tentar empurrar o Guardião da Enseada, Rex Ray, do caminho que leva à Colina Glenda durante a campanha do ano passado. Para sua decepção, o Homem Tartaruga descobriu que Rex era feito de pedra, e caiu para trás, ficando no chão com os braços e as pernas freneticamente balançando, como uma tartaruga de barriga para cima, com Rex filmando o incidente. O Homem Tartaruga não achou graça, mas demos muitas risadas às suas custas.

Enfim, o Homem Tartaruga perdeu novamente, desta vez atacando Rosie e Tarah. A polícia, quem você poderia naturalmente esperar que estivesse ao lado dos bandidos da União dos Pescadores, teve que admitir que o Homem Tartaruga estava errado, e transmitiu este caso de ataque para o promotor local. A polícia, acreditamos, tomou uma posição insustentável, mas está fazendo o melhor para manter a paz em Taiji. Agradecemos a sua presença, que por sinal está custando à Prefeitura de Wakayama uma fortuna.

Agora, temos outro exemplo de frustração da União dos Pescadores de Taiji. Alguns meninos em um brilhante SUV preto pago fizeram uma visita à Rosie ontem na base de refúgio de golfilhos de Taiji. Estes dois poderiam ser nacionalistas japoneses chamados até Taiji para defender a honra do Japão. A polícia nos diz que são da yakuza, membros da tradicional organização criminosa japonesa. Mas quem quer que sejam, eles certamente subestimaram o seu alvo e logo correram de volta sob uma rocha.

A fim de continuar a operar em Taiji, a Sea Shepherd tem que honrar a promessa que o Capitão Paul Watson fez em 2003, de que não violaria a lei japonesa no Japão. Claro, nós poderíamos cortar algumas redes e afundar alguns barcos, o que seria divertido, fácil, e seria exatamente o que o governo do Japão espera que façamos. Mas se a Sea Shepherd é expulsa de Taiji, em seguida, os assassinos de golfinhos podem voltar à normalidade, sem interferência alguma. Eles poderiam voltar a acordar e ir trabalhar. O governo do Japão poderia respirar aliviado por não ter que lidar com as centenas (talvez milhares) de telefonemas e e-mails que os seus funcionários da embaixada recebem sempre que anunciamos que uma caçada está em andamento. Além disso, o governo não teria que levar uma no queixo, porque esses 28 cretinos em Taiji estão trazendo vergonha e constrangimento enorme para o país do Japão.

Os Guardiões da Enseada da Sea Shepherd não são os únicos ativistas que estão em Taiji, mas nós somos os pioneiros na tática de não ir embora. Agradecemos todos os voluntários que escolhem vir a Taiji e se posicionar contra o abate e a captura. A presença de todos, e de cada activista aqui, custa dinheiro para o governo. No entanto, somos em particular quem está permitido a usar a camisa Guardião da Enseada em Taiji e representa a Sea Shepherd. Não temos tempo para doçura e iluminar as pessoas que querem amar e abraçar a União dos Pescadores. É ingênuo. Sim, a mudança só virá a partir do Japão, mas somente quando o governo disser aos cretinos em Taiji para parar. Então, estamos essencialmente realizando uma ação direta nos moldes japoneses. O Japão entende a pressão e até mesmo bullying. Com os Guardiões da Enseada estão em campo, tornando a vida difícil para os cretinos, e anunciando ao mundo quando uma caça ou abate está em andamento, a pressão é exercida sobre o governo do Japão. Essa tática poderia não funcionar, mas os verdadeiros heróis da batalha seguem o que está acontecendo em Taiji, e pegam seus telefones e manda e-mails para as embaixadas japonesas e consulados em todo o mundo.

Está funcionando? Sim! Nós temos evidências de um aumento da frustração por ver o Homem Tartaruga e os caras patetas em sua van brilhante. Muito mais importante, porém, são os números reais. Antes da primeira campanha Guardião da Enseada, em 2010-2011, os cretinos estavam matando cerca de 1.600 golfinhos por ano, mas durante a primeira campanha Guardião da Enseada, mataram 825, cerca de metade da quantidade normal. Embora qualquer golfinho morto seja uma tragédia, salvar 800 vidas é certamente um sucesso. Encontre qualquer um desses golfinhos salvos e veja se eles estão reclamando sobre a nossa tática, posso garantir-lhes que não. A propósito, os golfinhos mortos até agora durante esta segunda campanha Guardião da Enseada está seguindo muito de perto para o mesmo número de mortos nesta mesma época no ano passado. Se tudo correr conforme o planejado, e pudermos continuar pressionando os assassinos em Taiji, vamos salvar um adicional de 800 golfinhos com a nossa presença aqui e os telefonemas e e-mails de apoiadores da causa de todo o mundo.

Então, a que se deve a redução no número de golfinhos mortos em Taiji? A diferença é a presença de Guardiões Sea Shepherd e a persistência de pessoas envolvidas em todo o mundo, inclusive no Japão, que continuam indignadas e querem fazer algo para acabar com isso. O que você está fazendo para ajudar a acabar com a matança de cetáceos em curso?

Nossa briga não é com o povo japonês, nunca foi, mas com o governo do Japão. Poderia ficar perigoso para os Guardiões em Taiji. É necessário que mais Guardiões apareçam e fiquem com a líder da campanha, Rosie Kunneke. Há segurança nos números. Além disso, as recentes hostilidades, embora tolas, reforçam o fato de que as campanhas de ação direta não são para os fracos. Então, se você quer ser parte da solução, me escreva no coveguardian@seashepherd.org e siga os relatórios tintim por tintim dos Guardiães da Enseada para que você possa fazer sua parte e fazer pressão sobre o governo do Japão.

Uma nota final – a Sea Shepherd é uma organização agressiva, mas não-violenta. Nós nunca iremos instigar a violência contra um ser humano. Dito isto, eu informei a polícia em Taiji no início que não seria passivamente vítima. Vamos honrar a lei japonesa, que por sinal reconhece claramente o direito de defesa. Eu acho que os caras no SUV poderiam ser mais do que surpreendidos se eles tivessem realmente conseguido colocar uma mão sobre Rosie.

Traduzido por Raquel Soldera, voluntária do Instituto Sea Shepherd Brasil

Back to list