Editorial

Observações sobre um navio palangreiro

Por Julie Andersen, líder da Campanha Operação Requiem

O último lugar no mundo que eu pensei que estaria em pé, um necrotério congelante enorme, com um olho na porta para garantir que eu não encontrasse uma morte prematura, contando o número de carcaças de tubarão azul no casco de palangreiro no meio do Pacífico Sul, a centenas de quilômetros da costa. Mas aqui estava eu…

Sea Shepherd se aproxima de um palangreiro para inspeção. Foto: Julie Anderson / Sea Shepherd

“Palangreiro à vista!”

Até agora, nós só havíamos embarcado em navios cercadores – então eu estava ansiosa para ouvir aquelas palavras. Para mim, palangreiros significavam tubarões – e, provavelmente, muitos deles. Outra nova oportunidade de aprender tanto quanto possível sobre aqueles que fazem uma quantidade considerável de pesca que está dizimando populações de tubarões em todo o mundo. E o potencial para prender os pescadores pela sua captura ilegal de tubarões.

Iaekana, o oficial da marinha, e eu, nos aprontamos rapidamente e nos preparamos para embarcar no navio coreano – com uma licença legal para pescar em na Área Protegida das Ilhas Phoenix. Colocando nossas roupas secas, Iaekana me falou sobre um recente tiroteio a bordo de um navio palangreiro, o que resultou na morte de um pescador. Claramente um aviso – cercadores eram uma coisa, palangreiros, outra. Nós nos aproximamos e embarcamos com cautela.

Enquanto Iaekana pediu a papelada do barco, eu inspeccionei o navio grande, filmando e observando os faróis, as linhas longas e as bóias, e os sacos cheios de ganchos. Não demorou muito para que eu encontrasse as barbatanas de tubarão – secando na popa do barco, que penduram em uma linha entre as roupas recém lavadas da tripulação. Barbatanas de tubarão azul – e muitas delas – uma variedade de tamanhos de jovens tubarões para os tubarões, sem dúvida, maior que eu. Barbatanas dorsal, peitoral e caudal (rabo), todas penduradas no sol para secar.

Quando um tripulante se aproximou, ele disse-me em inglês que só pegaram alguns tubarões agora – hoje tinham capturado dois. Uma declaração triste, refletindo o estado de tubarões nos oceanos do nosso mundo, graças ao fato de serem caçados em todos os oceanos do planeta por suas barbatanas. Eu perguntei onde estavam os corpos dos tubarões que pertenciam àquelas barbatanas. Enquanto a pesca de tubarão é ilegal em algumas pequenas áreas da Área Protegida das Ilhas Phoenix, existem regulamentos que estipulam que um navio não pode desembarcar barbatanas de tubarões que pesam mais de 5% do peso “vestido” de tubarões. Ele apontou para o casco e confirmou que os corpos do tubarão estavam a bordo também.

Determinados a segurar este navio pela lei e, finalmente, tendo a chance de prender alguém em nome de tubarões, pedimos para entrar no freezer e no casco. Iaekana me disse para ir sozinha – ele disse que se nós dois fôssemos, poderíamos ser facilmente trancados e nunca mais ouviriam falar de nós. Então ele ficaria fora e veria a minha volta, e que eu deveria manter um olho sobre a equipe que me levou para o congelador – e a pesada porta pequena que estava entre os trópicos e o Ártico, e, neste caso, vida e morte . Olhei para o pequeno corredor gelado, e coberto de gelo. Embora eu não pudesse ver por mais do que alguns metros, me abaixei e marchei para a frente, na escuridão fria, afirmando que eu definitivamente deveria fazer alguma coisa para salvar os tubarões. As cavernas enormes do freezer carregavam a captura dos últimos dias – dezenas de atuns enormes e dois pequenos tubarões azuis.

Barbatanas de tubarão secando ao sol. Foto: Julie Andersen / Sea Shepherd

Com as barbatanas de mais de 50 tubarões secando naquela linha, eu precisava testemunhar mais carcaças de tubarão do que aquilo. Emergindo do freezer, eu perguntei onde o resto dos tubarões estavam, pensando comigo mesma que tínhamos conseguido os primeiros pescadores ilegais da viagem. Infelizmente, eles me levaram para um outro casco, desta vez no chão. Abrindo a escotilha maciça, eu olhei para a escuridão profunda e enquanto a luz foi reduzindo, meu coração afundou quando vi mais tubarões do que eu poderia contar.

O fato de que a carne de tubarão foi separada da carne de atum, muito mais valiosa, não me surpreendeu tanto. A carne de tubarão vale quase nada comparada com suas barbatanas – mas os pescadores mantém os corpos a bordo para terem o respaldo da lei, e às vezes os descartam no porto. No entanto, estes tubarões congelados estavam indo para a Coréia, onde há um mercado emergente para a carne de tubarão, sem dúvida, criado pela falta de outros peixes. O mesmo lugar que os tubarões que vimos sendo descarregados, congelados em Tonga, estavam indo também.

Mas não havia uma maneira segura para mim descer para o casco e manter uma rota de fuga, nem eu teria sido capaz de realmente contar mais do que os primeiros tubarões registrados, porque eles foram embalados muito bem por trás de grandes quantidades de isca. Eu realmente não tinha como realmente saber quantos estavam a bordo, e fui forçada a contar com os registros dos pescadores. Eu sabia com certeza que eram mais de 50, e muito provavelmente, as barbatanas em secagem foram apenas uma pequena quantidade de barbatanas a bordo – ou que estavam a bordo de uma vez antes de ser baldeadas. Mas horas de buscas e uma equipe de 20 provavelmente não teriam conseguido descobrir mais do que descobrimos. Frustrada, realizei as inspeções e observações que pude.

Eu levei Iaekana para as barbatanas que encontrei e perguntei se realmente não havia alguma lei que poderia ser aplicada. Certamente este crime contra a natureza e as gerações futuras tem uma punição apropriada, certo? No fundo, eu sabia a resposta, pois tive que me tornar uma especialista em pesca em Kiribati e as leis ambientais – para não mencionar todas as convenções e tratados que eles são signatários. Sem saber onde os tubarões foram capturados, e sem leis claras no lugar para protegê-los, ele balançou a cabeça lentamente: “não”. Os pescadores tinham feito a sua parte, registraram as suas capturas até onde podemos inspecioná-los, mantiveram os corpos de tubarão e também nos mostraram seus registros que contêm as áreas em que eles foram pescados. Talvez este barco tinha cumprido as exigências, mas eu sabia que muitos outros não cumpriram – e estavam fugindo. Mas a este ritmo, precisaríamos de uma frota de navios e um exército de funcionários para causar impacto.

Há certamente a necessidade de leis que protejam os tubarões. Caso contrário, os pescadores sempre serão capazes de fugir com as suas capturas. Se a posse de barbatanas de tubarão é proibida ou a pesca de tubarão (NÃO FINNING) é 100% ilegal em quaisquer águas, então é um caso claro que a lei está do nosso lado. Há um número crescente de lugares ao redor do mundo onde este é o caso, e a Sea Shepherd está pronta para ajudar a impor essas leis, tirando este peso dos países que já têm muito em seus ombros.

Eu sei que eu, pessoalmente, subiria em todos os navios do mundo se isso significasse uma chance de salvar os tubarões de uma extinção iminente.

Entrando no congelador. Foto: Julie Andersen / Sea Shepherd

Dentro do freezer de um palangreiro. Foto: Julie Andersen / Sea Shepherd

Traduzido por Raquel Soldera, voluntária do Instituto Sea Shepherd Brasil

Back to list