Editorial

O retorno de um perigoso crime ecológico

Comentário pelo Capitão Paul Watson

Fertilização do oceano com ferro. Foto: Woods Hole Oceanographic Institution

Pode um homem estuprar um oceano?

Há alguns meses o chamado geo-engenheiro Russ George fez exatamente isso. Ele expeliu 100 toneladas de sulfato de ferro no mar na tentativa de produzir plâncton, em um esforço cientificamente suspeito de capitalizar créditos de carbono.

A Sea Shepherd é muito familiarizada com o Sr. George.

Nós o paramos em Galápagos em 2007. Nós o paramos em Bermudas, Madeira e Ilhas Canárias, em 2008. Nós ajudamos a levá-lo à falência em 2009.

Agora ele está de volta.

Este poluidor criminoso conseguiu fazer ao largo da costa oeste do Canadá a mesma coisa que o impedimos de fazer na América do Sul e África.

As imagens de satélite confirmaram que George gerou um florescimento de fitoplâncton artificial que está cobrindo 10.000 quilômetros quadrados. Ele fez isso despejando 100 toneladas de sulfato de ferro no Oceano Pacífico em um redemoinho de 200 milhas náuticas a oeste das ilhas canadenses de Haida Gwaii.

Em agosto de 2007, a Sea Shepherd Conservation Society trabalhou com a Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos e o Parque Nacional de Galápagos para sufocar os planos de George de criar um monstro florescimento de fitoplâncton algumas centenas de quilômetros do Parque Nacional de Galápagos. Em 2008, enfrentamos sua “pesquisa” em um navio em Bermudas e enfrentamos George em Madiera. Nós o encontramos lá e seus planos de poluir as águas do Atlântico terminaram.

No ano seguinte Planktos faliu, e pensamos que havíamos derrotado este plano ecologicamente insano. Planktos encerrou suas operações, afirmando que a culpa do fechamento do projeto foi “uma campanha de desinformação altamente eficaz travada por anti-offset cruzados.”

O anúncio deixou de mencionar que esses “cruzados” não eram apenas a Sea Shepherd, mas a Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos, os governos do Equador, Bermudas, Espanha e toda uma comunidade científica que ficou chocada com o fato de que George tinha a intenção de usar o oceano como um laboratório para testar seu esquema de compensação de carbono.

O plano era a Planktos vender “créditos de compensação de carbono”, por desencadear flores de plâncton que, em tese, absorvem uma quantidade previsível de dióxido de carbono pelo aquecimento de gás através da fotossíntese, e depois afundam no fundo do mar. Os créditos seriam vendidos a empresas ou indivíduos que tentam compensar as emissões de dióxido de carbono provenientes do transporte.

O plâncton ocorre naturalmente quando a poeira contendo ferro se instala sobre as águas do oceano, onde a falta de ferro, de outro modo, evitar que os plânctons prosperem. Flores enormes resultaram após a poeira do deserto do Saara e os golpes sobre o Atlântico, por exemplo. Os esforços para replicar o processo oficialmente tiveram forte oposição de grupos ambientalistas. A Sea Shepherd Conservation Society se opõe ao despejo do esquema do pó de minério de ferro porque foi condenado pela Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos e foi, de fato, uma violação dos Estados Unidos e regulamentos internacionais sobre a imersão de materiais no mar. O Parque Nacional de Galápagos, a Fundação Charles Darwin, e o Ministério do Meio Ambiente do Equador também se opuseram ao esquema. A Sea Shepherd não faz qualquer juízo sobre o mérito científico, se houver, a este regime. Agimos porque o despejo foi uma violação da lei equatoriana, americana e da lei internacional.

Será que o despejo de pó de minério de ferro no mar estimula plânctons? Flores de plâncton irão aumentar o sequestro de dióxido de carbono? Nós não sabemos, mas as respostas têm de ser encontradas no laboratório antes de utilizar o oceano vivo como uma instalação de testes. A Sea Shepherd Conservation Society não está em posição para determinar o mérito científico. Nós só podemos agir de acordo com as recomendações de organismos científicos e agências de aplicação da lei. Como uma parceira do Parque Nacional de Galápagos e da Polícia Nacional do Meio Ambiente do Equador que agimos de acordo com a sua oposição a este esquema, e nós concordamos com a Agência de Proteção Ambiental, nos Estados Unidos, e o Centro de Pesquisas Darwin, em Galápagos, que o esquema de Planktos faltava credibilidade científica suficiente.

Planktos Inc. não foi capaz de fornecer a Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos qualquer informação relativa a uma avaliação por parte da empresa ou de qualquer órgão regulatório dos potenciais impactos ambientais de seu projeto planejado com a adição de ferro, tais como: 
 a quantidade estimada e os impactos potenciais de ferro que não seja absorvido pelo fitoplâncton; 
 os valores e potenciais impactos de outros materiais que podem ser liberados com o ferro; 
 os valores estimados e os impactos potenciais de outros gases que podem ser produzidos pelas flores fitoplâncton esperados ou por bactérias de decomposição do fitoplâncton mortos; 
 Os extensão estimada e os impactos potenciais de hipóxia no oceano profundo (baixa de oxigênio) ou anóxia (falta de oxigênio), causada pela decomposição bacteriana das flores fitoplâncton esperadas, ou
 os tipos de fitoplâncton que se espera que venham a florescer, e os impactos potenciais de qualquer florescimento de algas nocivas de que podem se desenvolver.

Em 2008, 191 países concordaram com uma moratória em grande escala comercial de esquemas de fertilização de ferro. O acordo, aprovado em 30 de maio de 2008, em uma reunião da Convenção das Nações Unidas sobre Diversidade Biológica, em Bonn, na Alemanha, pediu a proibição de projetos de fertilização do oceano até grandes cientistas entenderem melhor os riscos e benefícios potenciais de manipular a cadeia alimentar oceânica. As regras da ONU eram tão rigorosas que ainda tiveram o impacto negativo de limitar alguma pesquisa científica legítima para a fertilização com ferro. Russ George, que rejeitou a moratória em 2008 como “mitologia”, disse que não se aplicam a seu projeto. Assim, em face da condenação internacional e do direito internacional, George fez o que queria fazer e conseguiu despejar 100 toneladas de pó de ferro no mar. As imagens de satélite da NASA mostram que George realmente desencadeou um florescimento artificial de fitoplâncton em cerca de 10.000 quilômetros quadrados ao largo da costa norte de British Columbia. George afirmou que sua equipe de cientistas não identificados monitoram os resultados do maior experimento de geo-engenharia já realizado, com equipamento emprestado de agências norte-americanas como a NASA e a Administração Nacional da Atmosfera e do Oceano. Ele afirmou que é o “projeto de restauração do oceano mais substancial na história”, e coletou uma “maior densidade e profundidade de dados científicos do que nunca”.

A Sea Shepherd não acredita por um momento que a NASA e a Administração Nacional da Atmosfera e do Oceano façam parte do que era claramente uma operação ilegal. Para tornar a questão ainda mais sinistra, George enganou o povo Haida, em Haida Gwai, para ajudar a financiar o despejo, passando-o como um projeto de aumento de salmão. George convenceu o povo Haida a canalizar mais de um milhão de dólares de seus próprios fundos para o projeto que, supostamente, beneficiará o oceano e as populações de salmão. Falando para a nação Haida, o presidente tribal Guujaaw disse que foi dito que o despejo seria ambientalmente benéfico ao oceano, o que é crucial para a sua subsistência e da cultura. As pessoas da aldeia votaram para apoiar o que foi dito ser um “projeto de aumento de salmão” e não teria acordado se lhes tivessem dito sobre quaisquer potenciais efeitos negativos, ou que era uma violação de uma convenção internacional. O povo Haida deveria processar George por fraude, e ele deve ser responsabilizado por suas operações potencialmente destrutivas. O oceano não pode ser usado como um laboratório para um esquema para vender créditos de carbono. Se Russ George não for punido por isso, ele provavelmente irá despejar novamente, e ele estará incentivando outros a despejar pó de ferro no mar. Há uma razão para que os níveis de plâncton sejam mantidos sob controle através de meios naturais de pastagem por baleias e peixes. Quando os seres humanos começam a mexer com os processos naturais, quase sempre resulta em resultados negativos. A razão que George jogou o pó de ferro fora da Colúmbia Britânica foi porque ele foi encorajado a fazê-lo pelo governo canadense. Eles sabiam do plano e não fizeram nada para impedi-lo. Isso faz sentido, considerando que o obstrucionismo canadense dificultou as negociações sobre a geo-engenharia em uma reunião recente da biodiversidade da ONU na Índia, onde o Canadá foi criticado por ser um dos “quatro cavaleiros do geo-engenharia.” Os outros três, sendo Austrália, Nova Zelândia e Grã-Bretanha. O governo canadense se recusou a fazer qualquer declaração sobre a operação. O pó de ferro despejado no oceano era de Alberta. Parece que o governo canadense quer tomar o crédito se o esquema funcionar, mas para ter uma desculpa se isso não acontecer, dizem que não o aprovaram.

O povo Haida não está feliz com Russ George. Russ George é um estuprador de série do oceano e precisa ser detido antes que ele polua mais ecossistemas oceânicos com sua semente de cientista louco nessa tentativa ecologicamente insana de produzir colônias anormalmente grandes de oxigênio de empobrecimento, matando peixes para o único propósito de fazer um lucro do negócio bobo de negociação de créditos de carbono.

Quem é o criminoso ecológico, Russell George? Era uma vez um tripulante a bordo do navio do Greenpeace, Rainbow Warrior e ele usa esse fato para se estabelecer como um ambientalista “credível”, embora ele agora acusa o Greenpeace de ser uma das “organizações marginais ambientais”, juntamente com a Sea Shepherd, por atacar sua” ciência”.
 Russ tem uma licenciatura em biologia, mas também afirmou que ter um diploma em física nuclear, o que ele não tem. Ele afirmou isto quando estava promovendo a fusão a frio, outro projeto sem qualquer credibilidade científica ou pelo menos que tenha demonstrado ser credível.

Russ George é simplesmente um vigarista manipulando preocupações das sociedades sobre as mudanças climáticas. Ele tem uma história de ignorar a comunidade científica, juntamente com um histórico de envolvimento em sistemas sombrios “fique rico rápido”. Agora que ele levantou a cabeça de novo, a Sea Shepherd estará acompanhando, e vamos interferir com os planos futuros de despejar pó de ferro no ambiente marinho. Os governos do mundo têm a responsabilidade de proteger a integridade de nossos oceanos, mas os governos, como de costume, estão fazendo vista grossa quando se trata de intervir contra operações que dão lucro com a exploração irresponsável dos ecossistemas marinhos.

Traduzido por Raquel Soldera, voluntária do Instituto Sea Shepherd Brasil

Back to list