Na mídia

Japão vai realizar caça de baleias no final do ano, apesar dos protestos

Por Brad Lendon, CNN

Foto: Adam Lau

Foto: Adam Lau

O Japão anunciou que vai caçar baleias no Oceano Antártico e neste final de ano vai enviar um navio da Agência de Pesca para escoltar seus baleeiros contra a intervenção prometida por um grupo de conservação.

“A Agência de Pesca irá enviar um barco de patrulha e tomar as medidas para reforçar a proteção aos navios baleeiros na pesquisa”, disse o Ministro das Pescas Michihiko Kano em uma coletiva de imprensa nesta terça-feira, 04.

Na sua reunião anual em julho, a Comissão Internacional da Baleia aprovou uma resolução que convocava os seus países membros a “cooperar para prevenir e reprimir ações que coloquem em risco a vida humana e a propriedade no mar.”

Este ano, o Japão reduziu sua campanha de caça planejada para ocorrer de dezembro a abril em dois meses, após os ativistas anti-caça da Sea Shepherd Conservation Society repetidamente interferir nas operações dos navios baleeiros.

A Sea Shepherd afirma que salvou 800 baleias por suas ações durante a temporada de caça passada. Baleeiros japoneses mataram 171 baleias minke e duas baleias fin durante a caça da Antártida, de acordo com números da Comissão Internacional da Baleia.

Em um comunicado divulgado na sexta-feira passada, a Sea Shepherd prometeu intervir nas operações baleeiras novamente.

“Eles terão que nos matar para nos impedir de intervir mais uma vez. … Nós vamos assumir quaisquer riscos para as nossas vidas necessários para deter esta invasão gananciosa e arrogante sobre o que é um santuário estabelecido para as baleias”, disse o líder da Sea Shepherd, Paul Watson, em um comunicado no site da organização. A Sea Shepherd terá mais de 100 pessoas no Oceano Antártico para bloquear a frota baleeira japonesa, segundo o comunicado.

Kano disse que o Japão quer continuar a caça de pesquisa com o objetivo de estabelecer que os estoques de baleias são suficientes para retomar a caça comercial completamente no futuro, de acordo com relatos da mídia japonesa.

A Sea Shepherd afirma que a caça de pesquisa é uma farsa, com a carne da caça que está sendo vendida aos consumidores e servidas em restaurantes.

O governo da Austrália condenou a decisão do Japão de retomar sua caça de pesquisa e seus planos para o futuro da caça comercial.

“O governo australiano continua se opondo a toda caça comercial de baleias, incluindo a chamada ‘caça científica’. Vamos continuar trabalhando para alcançar um fim permanente a toda a caça comercial de baleias”, disse o Ministro do Meio Ambiente, Tony Burke, em um comunicado.

“A Austrália acredita que a atividade baleeira do Japão é contrária ao direito internacional e deve terminar”, disse o procurador-geral australiano, Robert McClelland.

“É por isso que a Austrália está levando este caso ao Tribunal Internacional de Justiça para colocar um fim na atividade baleeira do Oceano Austral permanentemente”.

O Japão também caça baleias no Pacífico Norte, matando 100 baleias sei, 50 baleias Bryde, 119 baleias minke e três cachalotes na última temporada, de acordo com a Comissão Internacional da Baleia.

A Islândia e a Noruega também realizam caça de baleias. A caça de baleias aborígene é permitida no território dinamarquês da Groenlândia, nos Estados Unidos, Rússia, e São Vicente e Granadinas.

Traduzido por Raquel Soldera, voluntária do ISSB.

Back to list