Editorial

Praias de plástico

Comentário por Gary Stokes, Sea Shepherd Hong Kong

Plásticos são muitas vezes confundidos com ovas de peixe e comido por muitas aves e peixes. Foto: Gary Stokes

Após o rescaldo do Typhoon Vincent esta semana, o pior tufão a atingir Hong Kong em 15 anos, centenas de sacos plásticos de 25 kg, cheios de bolinhas de pré-produção de plástico (vulgo nurdles) produzidos pela SINOPEC Petróleo Hainan, agora estão lavando as praias de Hong Kong. Tracey Read, do grupo ambiental local DB Green, fez a descoberta na quarta-feira, 25 de julho, e alertou a Sea Shepherd Hong Kong sobre este desastre. Tracey acaba de retornar da expedição 5 Gyres Algalita, acompanhando os escombros do tsunami e da poluição de plástico no Pacífico.

Até agora, descobrimos mais de 250 sacos, dos quais aproximadamente 50% tinham derramado seu conteúdo mortal para o ecossistema. Isto é o equivalente a um derramamento de óleo solidificado. Cada saco contém aproximadamente 1 milhão de peletes. Os 250 sacos estavam todos na nossa praia local, tivemos que divulgar uma chamada para a ação, pedindo aos amantes do mar em toda Hong Kong para visitar suas praias locais e verificar se havia esses “sacos plásticos brancos de morte”, e se fossem encontrados, para relatar para a Sea Shepherd Hong Kong, que está trabalhando com as autoridades locais sobre a operação de limpeza.

O maior problema é que este material absorve toxinas e poluentes, ficando com uma cor marrom-amarelado. Quanto mais escura a cor sedimentada, mais tóxico é. Pequenos peixes, aves e até mesmo grandes espécies, tais como baleias, tubarões-baleia e raias, comem essas partículas, confundindo-as com ovas de peixe. Uma vez ingeridas, os animais ingerem todo esse tóxico, e muitas vezes morrem. O peixe maior come o peixe menor, e isso continua por toda a cadeia alimentar, espalhando a toxicidade em frutos do mar, que vão acabar nas nossas mesas para consumo humano.

Gary Stokes, da Sea Shepherd, Hong Kong e Tracey Read, da DB Green, com sacos de peletes de plástico encontrados na costa de Hong Kong. Foto: Gary Stokes

Após contato com as autoridades locais de Hong Kong, os sacos encontrados foram removidos em segurança. As partículas restantes estão espalhadas ao longo da costa, e a limpeza já começou, mas muito vai, infelizmente, permanecer no ecossistema.

O capitão Charles Moore PhD, um especialista no estudo de plásticos e autor do livro Plastic Ocean, comentou sobre o vazamento de Hong Kong:

“O pior derramamento de nurdles que eu vi documentado. Agora é ilegal na Califórnia derramar nurdles, e multas de seis dígitos estão sendo aplicadas”.

A SINOPEC enviou sua Diretoria para reunir-se com a Sea Shepherd Hong Kong e inspecionar os locais ontem. Eles anotaram os números dos lotes e os números de série para que eles possam nos ajudar a determinar quem estava na posse desses sacos no momento do tufão.

O Hong Kong Harbour Master confirmou que três recipientes de 12 metros foram levados ao mar de um navio para o sul da Ilha de Lamma. Estes recipientes foram recuperados, e estão em uma instalação de armazenamento em Tsing Yi. Dois dos recipientes foram encontrados abertos. Temos solicitado ao Harbour Master que nos permita inspecionar o conteúdo restante, para estabelecer quantos sacos podem ter escapado para o oceano, e também pedimos que eles falem com o remetente para descobrir se cada recipiente estava cheio no momento. Teremos mais detalhes após uma investigação.

Mais sacos estão agora sendo encontrados em outras praias em Hong Kong.

Nurdles (pré-produção de peletes de plástico). Foto: Gary Stokes

As senhoras fantásticas da equipe de limpeza FEHD. Foto: Gary Stokes

Traduzido por Raquel Soldera, voluntária do Instituto Sea Shepherd Brasil

Back to list