Notícias

Posição do Instituto Sea Shepherd Brasil e o acidente na Bacia de Campos (RJ)

Para conhecimento de todos.

Temos recebido diversas críticas a respeito de nossas ações, ou melhor, do que supostamente não estamos fazendo, em relação ao derrame da Chevron.

Saibam que já estamos envolvidos nesta questão a cerca de dez dias, muito antes de nossos “críticos” saberem através da mídia. Neste período fizemos um levantamento dos custos de uma operação com embarcação e aeronave (pois o derrame ocorreu a 120 km da costa), que giram em torno de R$100.000 reais para 3 míseros dias de operação.

O Instituto Sea Shepherd Brasil não dispõe destes recursos, e nossa opção é aguardar o deslocamento da mancha, para, caso ocorra a contaminação de fauna e a mesma chegue ao litoral, possamos agir em uma operação de resgate.

Nossos voluntários, que receberam ou não o treinamento, já foram comunicados, e agora aguardamos para saber o número de pessoas que está disposta a se envolver de fato.

Quanto aos críticos de nossa dita “inoperância”, eu pergunto: o que vocês vão fazer a respeito deste derrame? Sim, pois como cidadãos brasileiros, vocês têm o dever de fazer algo pelo nosso patrimônio ambiental. Ficar sentado em frente a um computador criticando organizações sem nem ter o conhecimento sobre o que está acontecendo não ajuda em nada, é um ato similar ao do policial que atira antes de perguntar.

Quem sabe se tais pessoas estivessem dispostas a assumir alguma responsabilidade poderíamos ter hoje os recursos necessários para operar em alto mar.

Aos que acreditam em nosso trabalho, tenham certeza que estamos fazendo tudo o que está ao nosso alcance, e, caso seja necessário, e nós todos torcemos para que não seja, estaremos prontos para atender animais que estejam contaminados.

A vida marinha agradece.

Wendell Estol
Diretor Nacional Voluntário do Instituto Sea Shepherd Brasil

Barcos trabalham para a contenção de óleo junto a plataforma da Chevron. Foto: Reprodução/O Dia

Barcos trabalham para a contenção de óleo junto a plataforma da Chevron. Foto: Reprodução/O Dia

Back to list