Editorial

O Vento Divino poupou 900 baleias-piloto nas Ilhas Ferozes

Comentário por Peter Hammarstedt, Primeiro Oficial do Bob Barker

Matança de baleias-piloto em 2010. Foto: Peter Hammarstedt

Matança de baleias-piloto em 2010. Foto: Peter Hammarstedt

É um fenômeno incrível – as baleias-piloto de barbatanas longas de grupos diferentes se juntam para formar uma agregação fantástica, um super grupo que socializa em conjunto. Pesquisadores de cetáceos ficam maravilhados com a ocorrência natural, porque o ato social é semelhante a um festival humano, vivo com a reprodução da música, e sim, mesmo amor e sexo.

Nas Ilhas Faroé dinamarquesas, esta maravilha é vista como uma oportunidade não para aprender com esta espécie fantástica, mas a extinção da estrutura social e dos laços familiares com ganchos e espadas.

Ontem à noite, um super grupo de 1.000 baleias-piloto foi visto nas praias de Kirkjubø, em Streymoy.

Em um país onde transcorre o debate sobre cortes orçamentários de pesquisa marítima e os esforços de resgate, um helicóptero foi imediatamente despachado para ajudar no “Grind”, um método cruel de caça às baleias que envolve o encalhe à força de grandes grupos de cetáceos, antes de cortar as espinhas dorsais com facas.

Como o helicóptero pairava em cima, vários barcos de pesca da capital de Torshavn e de vilarejos vizinhos correram para o local, com seus decks completamente carregados com ferramentas de morte. Os barcos correram contra a escuridão iminente e as condições meteorológicas se deteriorando enquanto a decisão foi tomada para impulsionar o grupo apavorado para Sandágerði, a praia da morte de Torshavn. À espera de uma mudança nas correntes Nólsoy, as baleias-piloto entraram em pânico e eram difíceis de controlar, especialmente quando o tempo piorou.

Quando a atual direção finalmente mudou, o super grupo foi dividido em quatro grupos. O primeiro grupo de 81 baleias-piloto foi levado para o litoral, onde grupos de rapazes e homens esperavam para cortar suas medulas espinhais em um banho de sangue secular, que neste caso foi descrito por um observador como a “mais horrorosa matança de baleias que tinha visto em muito tempo”.

Em última análise, as 900 baleias-piloto restantes, que esperavam ansiosamente e inutilmente chamavam seus membros de grupo, foram poupadas por ventos que se recusaram a ceder – os restos esfarrapados e espancados do super grupo foram conduzidos de volta para o mar, como o resto da matança foi cancelada.

Na ausência da Sea Shepherd nas Ilhas Faroé, as areias das Ilhas Faroé, mais uma vez, ficaram pegajosas com sangue fresco. Durante os meses de julho e agosto, a presença de frota da Sea Shepherd, sob o comando do capitão Paul Watson, impediu uma única baleia de ser morta durante o que normalmente é o período mais sangrento de caça para as Ilhas Faroé durante o ano inteiro. Durante esses dois meses apenas, a Sea Shepherd efetivamente salvou a vida de mais de 500 baleias-piloto.

Novecentas baleias-piloto agora lutam para reconstruir suas famílias desfeitas. Enquanto elas continuam a nadar nas águas das Ilhas Faroé, eles correm o risco de outra matança. Houveram três Grinds na semana passada nas Ilhas Ferozes. Cada Grind é um lembrete de que a Sea Shepherd é a única esperança para estas baleias-piloto, e cada baleia-piloto morta é um testemunho ao fato de que a Sea Shepherd deve retornar para novamente enfrentar os assassinos de baleias no próximo ano.

O vento poupou vários cetáceos no Atlântico Norte, ao mesmo tempo que a frota da Sea Shepherd se prepara para se manifestar no “Vento Divino”, que vai parar a frota baleeira japonesa de matar baleias ilegalmente no Oceano Antártico. No ano passado, 863 baleias foram poupadas dos arpões dos baleeiros japoneses, como resultado das intervenções da Sea Shepherd.

Traduzido por Raquel Soldera, voluntária do Instituto Sea Shepherd Brasil.

Back to list