Editorial

O primeiro dia do verão 2013

Comentário pelo fundador da Sea Shepherd, Paul Watson

Hoje é o primeiro dia do verão, e marca quatro temporadas completas que eu estou no exílio e incapaz de voltar para casa.

Tem sido um ano difícil, mas o mais importante é que tem sido um ano muito gratificante.

Voluntários da Sea Shepherd apaixonados salvaram 932 baleias durante a Operação Tolerância Zero no Oceano Austral, incluindo 50 baleias-fin ameaçadas de extinção. E os nossos voluntários foram salvar vidas em todo o mundo, de Taiji, no Japão, para a ilha La Reunion, no Oceano Índico, até a costa do Brasil, no Atlântico Sul e nas Ilhas Galápagos, no Pacífico.

Muitos dos filhotes de baleia e recém-nascidos, nascidos nesta primavera na Australia e Tonga e Nova Zelândia, nasceram porque a Sea Shepherd interveio. Isso me trouxe mais alegria do que qualquer outra coisa este ano.

Acho que a coisa mais gratificante, porém, é a crescente percepção de que a Sea Shepherd Conservation Society não é uma organização centralizada. É um movimento global.

O que eu criei em 1977 é agora um movimento de fluxo livre, com milhares de homens e mulheres apaixonados e criativos em todo o mundo, fazendo o que podem com os recursos disponíveis para defender e proteger os nossos oceanos.

E estamos fazendo isso de forma não-violenta e eficaz.

De muitas maneiras, eu acho que foi uma coisa positiva que eu tenha sido forçado pela pressão japonesa a ser exilado do movimento que eu criei. Como resultado, eu tenho visto muitas pessoas em todo o mundo contribuindo para o movimento com campanhas de proteção de tudo, de cracas gooseneck e pepinos do mar até os tubarões, tartarugas e baleias.

Nem uma pessoa, nem uma organização pode mudar o mundo, mas um movimento que flui sempre em evolução livre, que encoraja os indivíduos a agir, criar campanhas e ideias, e exercer a sua coragem e sua iniciativa contra as forças de destruição oceânica global pode, de fato, mudar o mundo.

O movimento da Sea Shepherd é forte, e é global, e está crescendo, e isso certamente vai sobreviver sem mim.

Essas corporações e governos tão decididos a destruir a vida nos oceanos devem entender que existem milhões de pessoas que vão defender as espécies e habitats em perigo, protegidos e ameaçados.

Vamos continuar a lutar contra os baleeiros, caçadores de focas, tartarugas, peixes e tubarões, e poluidores do mar, nos tribunais e na mídia.

No mês passado, Jairo Mora Sandoval, um jovem conservacionista que protegia tartarugas marinhas na Costa Rica, foi brutalmente assassinado. Ele tinha apenas 26 anos. Comparado com o seu sacrifício, o meu exílio e as ações judiciais contra nós, são relativamente menores.

Eles podem tomar a nossa propriedade, o nosso dinheiro, a nossa liberdade, mas não podem tirar a nossa paixão e a nossa dedicação para defender a vida e a diversidade nos oceanos. E se eles tomam nossas vidas, como fizeram com Jairo, é preciso que eles saibam que estamos preparados para morrer em defesa da vida e diversidade dos mares.

Este é um negócio sério. A defesa da diversidade nos oceanos é a causa mais importante do planeta. Mais importante do que a cura do câncer, ou derrotar o terrorismo, mais importante do que qualquer coisa que podemos imaginar, porque o oceano é o nosso sistema de suporte de vida, e sem o oceano, morremos, todos nós.

E, portanto, este é um movimento que atravessa todas as preocupações culturais, de classe e políticas, pois envolve todos nós, até mesmo aquelas pessoas também ecologicamente ignorantes para compreender a frágil teia de vida interdependente que contém o nosso sistema de suporte de vida mundial, juntos.

Se no último século milhões morreram em guerras para defender bens e poços de petróleo, acho que arriscar tudo para defender o futuro da vida no mar e, portanto, a nossa própria sobrevivência, é uma busca muito mais nobre.

Se há uma mensagem que eu passei minha vida tentando transmitir é simplesmente esta: se os oceanos morrem, morremos!

Este é um movimento pela vida, e um movimento contra a morte, um movimento pelo futuro, e contra a ganância e visões de curto prazo.

Tudo o que fazemos envia ondulações, positivas ou negativas, para o futuro, e o futuro de todas as pessoas e animais ainda por nascer é determinado por nossas ações.

E quanto à minha situação, eu sou livre sobre os mares e isto não é desagradável. Na verdade, tem sido uma aventura. Eu cruzei três oceanos para o lado mais distante do mundo, de onde eu comecei, sem documentos ou assédio. Eu tenho sido capaz de nadar com os tubarões e tartarugas, observar as baleias, os golfinhos e albatrozes, ver o nascer e o pôr do sol diariamente, sentir o vento no meu cabelo e o sabor do sal em minha boca.

Eu não me senti tão empolgantemente vivo em todos os anos como no ano passado. Tenho amigos e simpatizantes, uma família que me apoia, e eu tenho inimigos, para manter-me forte e vigilante.

Em suma, eu tenho tudo que eu preciso para estar seguro e feliz. Isso também me dá tempo para escrever.

Amanhã vai marcar o dia em que a lua estará mais próxima da Terra no ano inteiro. À noite, a galáxia joga dezenas de milhares de estrelas no céu. Cada dia revela um novo padrão de nuvens e novas experiências com o tempo e os ventos. A vida é bela, e um tesouro a ser apreciado a cada dia.

Então, para todos os guerreiros da Sea Shepherd em todo o mundo, tudo o que eu posso dizer é que estão todos fazendo um trabalho incrível em seus esforços para defender a vida no oceano e no planeta. Eu posso não ser capaz de estar com vocês, de falar diretamente com vocês, mas eu estou, e eu sempre estarei, com todos vocês.

Traduzido por Raquel Soldera, voluntária do Instituto Sea Shepherd Brasil

Back to list