Editorial

Besteiras políticas de traição

Comentário pelo capitão Paul Watson

Três australianos que embarcaram no Shonan Maru #2. Da esquerda para a direita: Glen Pendlebury, Geoffrey Tuxworth, e Simon Peterffy

Três australianos que embarcaram no Shonan Maru #2. Da esquerda para a direita: Glen Pendlebury, Geoffrey Tuxworth, e Simon Peterffy

Durante a Guerra Boer, Harry “Breaker” Morant e Peter Handcock foram feitos bodes expiatórios para o Império Britânico, quando a Austrália assinou suas execuções para satisfazer seus mestres coloniais na Grã-Bretanha. Eles morreram para a realização das ordens do Marechal britânico, Horatio Herbert Kitchener, que precisava sacrificar um par de soldados coloniais para apaziguar o imperador alemão.

No interesse de não perturbar os britânicos, a Austrália traiu dois de seus próprios cidadãos, levando-os à morte. Isso foi em 1902.

Ontem, 07 de janeiro de 2012, os australianos Geoffrey Tuxworth, Simon Peterffy e Glen Pendlebury foram feitos dispensáveis bodes expiatórios políticos para apaziguar os japoneses. A procuradora-geral da Austrália, Nicola Roxon, foi rápida em condenar estes três bravos homens, dizendo que eles foram detidos pelo Japão em águas internacionais, e a Austrália seria impotente para impedir que sejam levados de volta para o Japão.

É claro que a única razão pela qual embarcaram no Shonan Maru #2 foi porque seu governo se recusou a cumprir sua promessa pré-eleitoral e ser duro com os baleeiros ilegais japoneses no Santuário Antártico das Baleias.

Quando os governos se recusam a representar a vontade de seu próprio povo, a vontade do povo encontra meios alternativos de expressão.

A procuradora-geral foi rápida em acreditar na mentira dos baleeiros, de que os homens foram levados como prisioneiros a 44 quilômetros da costa, quando o embarque ocorreu a 16 milhas náuticas e, portanto, dentro da zona de 24 milhas contíguas da Austrália. Sem qualquer hesitação, ela concordou que estes três homens, os cidadãos de seu próprio país, poderia, ser levados ao Japão e presos.

Ela esquece que a urna que lhe deu este trabalho e o título que ela gosta não foi colocada em Tóquio. Ela vai ser uma traidora de seu próprio povo e uma bajuladora do Japão se ela permitir que este sequestro ocorra.

É a mentalidade política colonial subserviente tão arraigada que se torna uma segunda natureza para os políticos australianos, concordando com as exigências de nações poderosas como a superpotência econômica do Japão? A fim de manter Tokyo feliz, Geoffrey, Simon e Glen serão tornados bodes expiatórios para aplacar a ira do Japão e a humilhação de ter seu navio de “segurança” embarcado uma segunda vez?

Se o governo trabalhista da Austrália permite a deportação forçada de três dos seus próprios cidadãos das margens de sua própria nação serem levados para o Oceano Antártico e depois para o Japão para serem presos, será um erro que este governo vai se arrepender. Ele irá ilustrar de uma vez por todas que a promessa de proteger as baleias do Oceano Antártico dos arpões dos baleeiros japoneses não passava de um oportunismo político feito com nenhuma outra razão senão roubar votos de pessoas que realmente se preocupam em proteger o planeta onde vivem. Também irá ilustrar que, assim como Harry “Breaker” Morant, estes três homens, Geoffrey Tuxworth, Simon Peterffy e Glen Pendlebury, são cidadãos simplesmente dispensáveis, sendo usados para manter o império econômico do Japão apaziguado.

Também será uma desgraça sangrenta e uma mancha permanente sobre o escudo da Austrália e do legado do governo Gillard. Todos os dias que estes três homens passarem em uma cela de prisão no Japão seria um lembrete diário da desonestidade, engano e vergonha de um governo que traiu seu próprios cidadãos.

Traduzido por Raquel Soldera, voluntária do Instituto Sea Shepherd Brasil

Back to list