Editorial

Vento Divino ganha tempo para os golfinhos em Taiji

Comentário pelo Capitão Paul Watson

Nuvens de tempestade sobre Taiji

Nuvens de tempestade sobre Taiji

O programa anual horrível de massacrar os golfinhos indefesos começou oficialmente em Taiji, no Japão, em 01 de setembro, mas graças à chegada oportuna de tufão Talas, a morte foi adiada por pelo menos uma semana. O mar não está sendo muito bom para o Japão este ano, mas, novamente, o Japão não tem sido muito gentil com o mar por algum tempo.

Os pescadores de Taiji, na prefeitura de Wakayama, orgulham-se em arrastar a reputação do Japão no meio da lama, continuando o que agora se tornou a matança de golfinhos mais barbaramente cruel e sangrenta do mundo.

A Sea Shepherd Conservation Society tem se oposto ativamente ao assassinato de golfinhos em Taiji desde 2003, quando divulgamos pela primeira vez imagens dos assassinatos brutais para a imprensa e apoiadores ao redor do mundo. Nesse mesmo ano, dois tripulantes da Sea Shepherd, Allison Lance, dos Estados Unidos, e Alex Cornelissen, dos Países Baixos, cortaram as redes de pesca e libertaram 15 golfinhos.

Os pescadores responderam às nossas ações colocando barreiras de lona, para bloquear as imagens de suas práticas sangrentas. Então, o cineasta Louie Psihoyos, e Ric O’Barry fizeram um documentário chamado The Cove, sobre o desafio de filmar o mal inominável atrás das barricadas. Este filme ganhou o Oscar de Melhor Documentário e chamou a atenção do mundo sobre o horror em Taiji.

Em 2010, a Sea Shepherd iniciou o programa Guardiões da Enseada, que trouxe 65 voluntários para Taiji ao longo de um período de seis meses, para, de maneira legal e não-violenta, incomodar, documentar, e irritar os assassinos de golfinhos. Nossas ações efetivamente abrandaram as operações dos pescadores, e resultou em metade dos golfinhos mortos entre 01 de setembro de 2010 e 01 de março de 2011, em comparação com temporadas anteriores, poupando as vidas de cerca de 750 a 800 golfinhos.

Os Guardiões da Enseada estão retornando este ano, mas a Sea Shepherd decidiu não chegar durante a primeira semana de setembro, de modo a não interferir à oposição mais moderada de Ric O’Barry. Ric veio para Taiji com a Sea Shepherd em 2003. Ele é um dedicado defensor dos golfinhos, estrela do The Cove, e continua a defender os golfinhos em todo o mundo.

Ric está fazendo um grande trabalho, mas sua abordagem difere da Sea Shepherd, e não queremos comprometer suas táticas, confundindo as autoridades japonesas com a nossa presença simultânea. Desejamos a Ric o melhor em seus esforços, e estamos à disposição para nos colocar em posição, uma vez que ele saia.

Os Guardiões da Enseada da Sea Shepherd retomarão as atividades em Taiji por mais seis meses, barrando todos os movimentos do governo japonês para impedir nossas intervenções legais e não-violentas.

O dia do início oficial da matança de golfinhos coincidiu com a chegada do tufão Talas, com uma velocidade do vento de 100 quilômetros por hora, e uma pressão central de 965. As fortes chuvas atingiram a costa sul, e o mar agitado e inundações ameaçam os golfinhos, que já estão presos em cativeiro em Taiji.

Os meteorologistas estão intrigados com o tufão Talas, dizendo: “A análise continua a revelar um padrão de nível superior incomum, com uma baixa sobre o centro e o fluxo anticiclônico em torno da periferia”. E logo abaixo de Talas, está a fúria de categoria 4 do supertufão chamado Nanmadol, com ventos de 250 quilômetros por hora.

As tempestades são convenientes mensageiras para a campanha da Sea Shepherd contra a caça japonesa nesta próxima temporada. A campanha deste ano é intitulada Operação Vento Divino (kamikaze: japonês para “vento dos deuses”). Foi o kamikaze que destruiu a frota invasora mongol entre 1274 e 1281.

Uma vez os tufões protegeram o Japão, mas os pescadores japoneses caíram em desgraça com o mar, e agora os tufões voltaram para proteger os golfinhos. É agora que os Guardiões da Enseada encarnam o espírito do kamikaze.

O Yamato-damashii, ou espírito do velho Japão, praticamente desapareceu, e Shikishima está desaparecendo nas brumas do tempo, como a morte de flores de cerejeira representadas agora pelos bandidos cruéis que brutalizam os golfinhos em Taiji, as massas inconscientes que consomem o último dos atuns-azuis, e os assassinos sem coração das grandes baleias no Santuário de Baleias do Oceano Antártico.

Questionado sobre a alma de golfinhos, eu diria, “Suas almas são como as flores de cerejeira selvagem, sangrando vermelho no sol da manhã”.

Há alguns que atribuem os desastres marítimos que se abateram sobre o Japão a karma e intervenção divina. A Sea Shepherd e eu rejeitamos tais reflexões fantasiosas e irreais, que não tem credibilidade científica para tal especulação, mas eu reflito sobre o sentido poético de retribuição em que a nação que é a maior responsável pela destruição de baleias, golfinhos, tartarugas marinhas, atum-azul e tantas outras espécies nos oceanos, é a nação que está sendo tão severamente espancada pela fúria do mar.

Eu penso na novela de Yukio Mishima, de 1963, Gogo no Eiko, ou o marinheiro que caiu em desgraça com o mar, e eu não posso ajudar, mas sinto que que o Japão começou a cair em desgraça com o mar sozinho.

Sobre o navio do Estado que é a nação do Japão, talvez os assassinos de golfinhos de Taiji e os baleeiros da frota baleeira da Antártida sejam simplesmente Jonas modernos trazendo má sorte à nação.

Tal especulação é obviamente tola e um produto do meu ponto de vista poético sobre essas coisas, mas não há dúvida de que o tamanho da estima do próprio Japão foi reduzido para centenas de milhões de cidadãos em todo o mundo, que encontram nos massacres no Oceano Sul e de Taiji uma marca negra de vergonha sobre toda a terra do sol nascente.

Quando eu penso no Japão eu quero pensar em haiku e na literatura e filmes japoneses, como Os Sete Samurais e Rashomon de Akira Kurosawa, ou Seppuku (Harakiri) por Masaki Kobayashi. Eu penso em heróis lendários, como Miyamoto Musashi, na arte japonesa, no senso japonês de ordem e simetria e na beleza linguística da língua japonesa. Mas toda essa beleza e poesia é manchada pelo sangue quente que desemboca no mar frio das feridas abertas de golfinhos e baleias mortas. Toda a delicadeza da música japonesa é substituída pelos gritos lamentáveis e tristes de cetáceos morrendo.

E eu me pergunto como uma nação de tais realizações geniais na arte, na filosofia, e na tecnologia, permitir-se ser manchada por um pequeno punhado de homens sanguinários com arpões e lanças? Eu não sei a resposta, mas eu sei que minhas aulas de história japonesa têm me ensinado uma coisa, e que está sendo fiel ao seu dever de servir com lealdade e honra absoluta.

E isso é o que fazemos com referência aos golfinhos e baleias que protegemos. Nós nos comprometemos a defendê-los e protegê-los, e devemos ser fiéis a essa promessa, não importa o que a oposição faça para dissuadir-nos.

A Sea Shepherd não é inimiga do Japão, mas nós somos os inimigos do câncer que se agarra à bandeira do Japão como uma lapa teimosa, e este câncer é Taiji e a frota baleeira que saqueia as águas do Santuário de Baleias do Oceano Antártico.

Traduzido por Raquel Soldera, voluntária do ISSB.

Back to list