Notícias

Centenas se reúnem em Sidney pelas baleias de Kimberley

Protesto contra a indústria de Woodside em James Price Point

Australianos comparecem a protesto no MV Steve Irwin na baía de Sidney. Foto: Glenn Lockitch

Mais de 700 pessoas se reuniram no dia 04 de setembro em Circular Quay, Sidney, Austrália, para protestar pelas baleias de Kimberley e expressar sua oposição ao empreendimento de Woodside, um dos maiores complexos industriais do mundo, na notável e intocada costa de Kimberley, no noroeste da Austrália.

Representantes, incluindo o líder da Operação Kimberley Miinimbi, Bob Brown, e o Diretor Australiano, Jeff Hansen, se dirigiram à multidão a partir do principal navio da Sea Shepherd, MV Steve Irwin, que acaba de retornar da costa de Kimberley, onde mais de 10 mil baleias jubarte se reúnem e centenas de filhotes nasceram neste inverno no maior berçário de jubartes do mundo.

A multidão caminhou de Circular Quay, através da ponte da baía de Sydney, para a Kirribilli House, para entregar uma mensagem para a primeira-ministra Julia Gillard: proteger baleias jubarte de Kimberley do projeto da companhia de gás em James Price Point.

Woodside – juntamente com parceiros de joint-venture da Shell, BHP Billiton, BP, Mitsubishi e Mitsui – está planejando construir a fábrica gigante de gás James Price Point (ou Walmadany, como o povo aborígene Goolarabooloo o chama), com um enorme quebra-mar e um canal dragado bem na região de berçário da baleia.

Cerca de 34 milhões de toneladas de resíduos de dragagem serão jogados de volta a este ecossistema marinho intocado, o que afetará de maneira desastrosa raros golfinhos, tartarugas locais e a população de dugongos. O projeto também ameaça pegadas fossilizadas de dinossauros, locais tradicionais da cultura aborígine e animais em extinção, como o bilby.

A multidão também ouviu adversários do desenvolvimento, incluindo o proprietário tradicional Goolarabooloo, Phillip Roe, o empresário Geoffrey Cousins, a parlamentar Cate Faehrmann da Greens de New South Whale, e o gerente de campanha da Wilderness Society de Kimberley, Glen Klatovsky.

O proprietário tradicional Philip Roe disse: “Essas companhias de gás destruiriam nosso modo de vida, nossa lei e cultura, que é a mais antiga do mundo. É nossa responsabilidade cuidar do maior berçário de baleias do mundo.”

Diretor da Sea Shepher australiana Jeff Hansen fala com a múltidão em protesto pelas baleias de Kimberley

O Guardião do Mar, Jeff Hansen disse: “o berçário de baleias jubarte de Kimberley é de significância e preocupação global. Se os ministros federais australianos permitirem que esta refinaria de gás continue com o projeto, será muito hipócrita para o governo australiano condenar os baleeiros japoneses. Se o governo australiano permitir este projeto, haverá morte de baleias dentro do maior berçário de baleias jubarte do mundo”.

“Se alguém quisesse destruir a ponte da Baía de Sydney ou a Opera House os australianos não permitiriam, assim como não devemos permitir que Woodside e as demais empresas parceiras destruam pegadas de dinossauros de 130 milhões de anos, a bela cultura aborígene de mais de 40 mil anos e o maior berçário de baleias jubarte do mundo. Não se pode colocar um preço em Kimberley, porque têm valor inestimável, é uma das últimas regiões selvagens no planeta.”

O dr. Brown disse: “O impacto o projeto de $45 bilhões de Woodside inclui um quebra-mar de 1,5 km e 6 km de um canal dragado com 300 metros de largura rumo ao mar passando pelo berçário de baleias, com uma indústria de gás do tamanho de um subúrbio a beira mar no território da população tradicional. Seria mais barato mover a fábrica mais para o sul, mas o berçário de baleias não tem para onde ir.”

Glen Klatovsky, da Wilderness Society disse: “A luta contra a companhia de gás proposta em James Price Point é lenta, mas vem sendo firmemente estabelecida em todo o país, começando com a brava comunidade Broome que lutou contra esse projeto por vários anos. Agora é responsabilidade de todos os australianos preocupados, que unamos os nossos esforços com a comunidade local para garantir que esse lugar extraordinário mantenha seus valores culturais e ambientais”.

Martin Pritchard, diretor do grupo local Environs Kimberley, disse: “se esta companhia de gás seguir com este projeto haverá destruição completa de 50 quilômetros quadrados de uma das áreas marinhas mais preservadas no planeta. Também permitiria que o resto da espetacular natureza de Kimberley fosse disponibilizada para a industrialização.”

Mais de cinco mil cidadãos de Sydney puderam ver o novo vídeo de Kimberley Miinimbi da Sea Shepherd enquanto realizavam uma visita gratuita ao Steve Irwin. O vídeo mostra uma das ultimas áreas selvagens na Terra e tudo que os australianos e o mundo têm a perder se a indústria de Woodside prosseguir em Kimberley.

Por favor escreva para Tony Burke, Ministro Federal do Meio Ambiente, deixando-o saber que você é contra a instalação da estação de gás em James Price Point.

The Honorable Tony Burke MP
Minister for Sustainability, Environment, Water, Population and Communities
PO Box 6022
House of Representatives, Parliament House
Canberra ACT 2600
Tony.Burke.MP@aph.gov.au

Centenas de manifestantes comparecem ao protesto pelas baleias de Kimberley em Sydney

Traduzido por Flávia Milão, voluntária do Instituto Sea Shepherd Brasil
Back to list