Notícias

Atualização sobre a Operação Kimberley Miinimbi: Chevron pula do barco com a pressão para salvar o essencial berçário Jubarte das fábricas de gás

Por Capitão Mal Holland

Steve Irwin

Poucos dias depois de o Steve Irwin deixar a costa de Kimberley e retomar o trajeto para Sydney, o principal parceiro da Woodside na proposta da fábrica de gás James Price Point, a Chevron Corporation, pulou do barco sobre o empreendimento.

O carro-chefe da Sea Shepherd suspendeu temporariamente os preparativos para a próxima campanha de defesa das baleias da Antártida, a Operação Tolerância Zero, e fez um trajeto para as águas do norte da Austrália. Esta viagem foi feita em um esforço para destacar a situação crítica enfrentada agora pelas baleias jubartes da Antártida, na extremidade oposta da sua migração anual.

A desistência da Chevron coincide com uma corrida de uma semana de ações em terra, tomadas por cidadãos comprometidos, para impedir os equipamentos de perfuração de alcançar o complexo de Woodside, em outras palavras, as idílicas terras costeiras atrás de James Price Point.

O equipamento se destina a ser usado para tocar as águas subterrâneas de Broome. O prelúdio de oito bilhões de litros de água para o eventual empreendimento ameaça ser utilizado todos os anos na contrução da fábrica de gás. Uma vez utilizado, grande parte dessa água vai se tornar parte de 30 bilhões de litros de “descarga marinha de rotina” despejada no oceano adjacente onde 52 quilômetro quadrado da “zona morta marinha” vai destruir um dos últimos ambientes marinhos intactos remanescentes no planeta.

O estado não-contaminado do oceano aqui até agora tem permitido uma abundância rara de verde, tartarugas marítimas, e as tartarugas-de-pente, numerosas espécies de baleias e golfinhos, pássaros migratórios, peixes, incluindo arraias-manta e tubarões, dugongos, plâncton, alga marinha e corais .

Quinze ativistas foram presos nas ações para segurar o comboio de perfuração e parar a destruição do habitat selvagem. Neste momento, as pessoas de todos os lugares estão bloqueando as máquinas com seus corpos, enfrentando a polícia armada e os tribunais, para diminuir esta maré irracional pelo tempo necessário para o resto de nós possamos ver as coisas como elas realmente são na Península de Dampier. Desobediência civil não-violenta nesta crise é um show de contenção disciplinada – mais graxa para seus cotovelos. Nós confiamos que mais pessoas irão se juntar a eles.

Mar intocado das idílicas terras costeiras. Foto: Ingetje Tadros

Polícia bloqueando as estradas. Foto: Ingetje Tadros

Traduzido por Dani Vasques, voluntária do Instituto Sea Shepherd Brasil

Back to list