Destaque, Notícias

AS BALEIAS VENCERAM !!!

A Corte Internacional de Justiça (ICJ) declara que operações baleeiras do Japão, no Oceano Antártico, “NÃO são para pesquisa científica”.  A Sea Shepherd aplaude a Corte Mundial por proteger as baleias no Santuário Antártico.

31 março de 2014 – Friday Harbor , Washington – Em uma impressionante vitória para as baleias, o Tribunal Internacional de Justiça ( CIJ ) em Haia, anunciou hoje sua decisão no caso histórico da Austrália versus Japão , determinando que o programa de caça às baleias na Antártida do Japão – JARPA II – não é para fins científicos e ordenou que todas as autorizações concedidas ao programa JARPA II sejam revogadas. A notícia foi aplaudida e comemorada pela Sea Shepherd Conservation Society EUA e Sea Shepherd Austrália, os quais tem realizado diretas intervenções contra baleeiros japoneses no Oceano Antártico.

Foto: Tim Watters

Representando a Sea Shepherd na sala do Tribunal, para ouvir o veredito histórico, estiveram o Capitão Alex Cornelissen, Diretor Executivo da Sea Shepherd Global e Geert Vons, diretor da Sea Shepherd Holanda. Eles estavam acompanhados por um advogado holandês da Sea Shepherd Global. O caso contra o Japão foi ouvido pela Corte Internacional de Justiça, em julho do ano passado para decidir se o Japão viola suas obrigações internacionais na execução do programa de “pesquisa” JARPA II no Oceano Antártico, e exigir que o Japão deixará implementação de JARPA II e revogar todas as licenças relacionadas até o Japão pode fazer garantias de que suas operações estão em conformidade com o direito internacional.

Em uma votação de 12 a 4, a Corte Internacional de Justiça determinou que as licenças concedidas para o programa de caça às baleias do Japão, não eram para pesquisa científica, tal como definido nos termos da regulamentação da Comissão Baleeira Internacional. O Tribunal ordenou que o Japão revogue as licenças científicas dadas sob o programa JARPA II e abstenha-se de conceder quaisquer licenças nos termos do referido programa. Antes do veredicto, houve especulação de que a CIJ não permitiria a caça de baleias fin ameaçadas de extinção e das baleias jubarte, mas iria comprometer e permitir a caça de baleias minke. No entanto, tem sido contenção da Sea Shepherd o tempo todo que – não importa a espécie – sem baleias devem ser mortas , especialmente em um santuário. Santuário significa ” um lugar de refúgio e segurança ; uma reserva natural ” onde os animais estão protegidos. Para permitir a matança em um santuário internacionalmente designado, deve-se ridicularizar os acordos internacionais feitos pelos países que estabeleceram o santuário em 1994. Naquela época, 23 países apoiaram o acordo e Japão foi o único membro da Comissão Baleeira Internacional a se opor.

Mesmo o Embaixador do Japão para os EUA, Kenichiro Sasae, durante uma reunião pública em Los Angeles em dezembro de 2013 com a participação de representantes do Sea Shepherd EUA, disse sobre a caça à baleia : “Como indivíduo, eu gosto de baleias. Se você sair e ver as baleias, não há razão para matarmos este lindo animal. Mas há uma história e uma política, eu diria. Há um pequeno número de japoneses ainda tentando obter este vitória. Contudo, os japoneses tradicionais não estão mais comendo baleias.” Na mesma reunião, o embaixador Sasae afirmou que o Japão vai acatar a decisão da CIJ.

A tripulação voluntária internacional da Sea Shepherd Conservation Society esteve na linha de frente nas águas hostis e remotas da Antártida por oito anos e, em seguida, a Sea Shepherd Austrália assumiu o desafio nos últimos dois anos e vai continuar enfrentando os baleeiros japoneses na Antártida até que possamos de uma vez por todas, pôr fim à matança nesta internacionalmente designada “zona de segurança” para as baleias. Ao longo dos anos, a Sea Shepherd tem sido a única organização a intervir diretamente contra a caça comercial ilegal do Japão realizada sob o pretexto de pesquisa, com suas reivindicações de pesquisa sendo globalmente questionada. Na verdade, a Sea Shepherd tem sido a única coisa entre majestosas baleias e arpões baleeiros, quando estas espécies protegidas internacionalmente – muitas delas grávidas – migram através das águas antárticas a cada ano.

“Com a decisão de hoje , o Tribunal Internacional de Justiça tomou uma posição justa e imparcial sobre o lado certo da história, protegendo as baleias do Santuário Antártico e do ecossistema marinho vital da Antártida, uma decisão que afeta a comunidade internacional e as futuras gerações” disse o capitão Alex Cornelissen da Sea Shepherd Global. “Apesar dos arpões implacáveis do Japão continuarem a conduzir muitas espécies de baleias para a extinção, a Sea Shepherd está esperançosa de que, na sequência da decisão do Tribunal Internacional de Justiça, os baleeiros serão levados para as páginas dos livros de história”, disse ele .

Foto: fotos.fot.br

“A despeito da moratória sobre a caça comercial, o Japão continuou a reivindicar as vidas de milhares de dóceis gigantes do mar, em um lugar que deveria ser o seu porto seguro”, disse o fundador da Sea , o Capitão Paul Watson. “A Sea Shepherd e eu, juntamente com milhões de pessoas envolvidas ao redor do mundo, certamente esperamos que o Japão vai prestigiar esta decisão do tribunal internacional e deixar as baleias em paz.” A Sea Shepherd Global terá os navios preparados para retornar ao Oceano Antártico em dezembro de 2014, quando o Japão poderá optar por ignorar esta decisão. Se os japoneses retornarem com a frota baleeira, a tripulação da Sea Shepherd estará lá para defender esta decisão contra os baleeiros piratas japoneses.

Back to list