As águas ficaram vermelhas: dezenas de baleias-piloto são covardemente assassinadas nas Ilhas Faroé

Baleias-piloto assassinadas nas Ilhas Faroé em 2010. Foto: Sofia Jonsson

Baleias-piloto assassinadas nas Ilhas Faroé em 2010. Foto: Sofia Jonsson

Entre 50 a 100 baleias-piloto indefesas foram levadas para um fiorde em Vestmanna, nas Ilhas Faroé, na manhã de hoje, onde cada baleia adulta, machos e fêmeas, e seus filhotes, foram barbaramente massacrados, numa orgia de sangue que manchou as águas de um escarlate profundo.
 
Esta atrocidade vergonhosa seguiu o rastro da recente partida da Sea Shepherd das Ilhas Faroé, após prevenir com sucesso o derramamento de sangue por vários meses durante a Operação Ilhas Ferozes, uma campanha em defesa das baleias-piloto. Devido ao orçamento limitado da Sea Shepherd, só pudemos passar dois meses nas Ilhas Faroé, e nenhuma única baleia foi morta durante este tempo.
 
Durante os meses de julho e agosto de 2011, quando os navios da Sea Shepherd, o Steve Irwin e o Brigitte Bardot, estiveram na área, a polícia das Ilhas Faroé aconselhou todas as comunidades locais a não matar qualquer baleia. Estima-se que 668 baleias-piloto foram mortas nas Ilhas Faroé durante julho e agosto de 2010, em comparação a zero baleias mortas durante os mesmos meses deste ano, como resultado da presença da Sea Shepherd.
 
“Eu acho que os baleeiros das ilhas Faroé são covardes”, disse o Capitão Paul Watson. “Eles não mataram uma única baleia quando estávamos lá. Eles esperaram, sabendo que acabaríamos tendo que ir embora, e depois de uma semana da nossa partida, eles retomaram seu ritual macabro e bárbaro de uma matança cruel e horrível. Eu só tenho uma palavra para descrever esses assassinos, e essa palavra é – covardes”.
 
As mortes de hoje justificam a presença e as táticas da Sea Shepherd nas Ilhas Faroé este ano. É bastante evidente que se os navios e a tripulação da Sea Shepherd não estivessem nas ilhas durante os últimos dois meses, centenas de baleias provavelmente teriam sido massacradas.
 
“Eles agora vão sentar-se para sua refeição de carne de baleia, envenenada de mercúrio e gordura, e vão sorrir e se orgulhar de terem tirado tantas vidas cruelmente”, disse a Chefe de Cozinha e tripulante, Laura Dakin, da Austrália. “É fácil matar os indefesos, os bebês e as mães, criaturas tão fáceis de massacrar, que não podem lutar. Estes homens são pateticamente covardes”.
 
A Sea Shepherd tem planos de voltar para as Ilhas Faroé no próximo ano, para mais uma vez patrulhar as águas em defesa dos indefesos.

Traduzido por Raquel Soldera, voluntária do ISSB

Caçadores de atum tentam atrasar o lançamento da Operação Ilhas Ferozes

“Se não é uma coisa, é outra coisa!” – Gilda Radner, como “Roseanne Roseannadanna”

Foto: Bill Rankin

Foto: Bill Rankin

As campanhas da Sea Shepherd Conservation Society são muitas vezes imprevisíveis, e devemos estar sempre preparados para os obstáculos e emboscadas. Assim como estavam prestes a partir de Lerwick, nas Ilhas Shetland, para lançar a campanha Operação Ilhas Ferozes, contra a matança ilegal de baleias-piloto nas Ilhas Faroé, na Dinamarca, dois funcionários do tribunal de Aberdeen chegaram ao navio da Sea Shepherd, Steve Irwin. Os funcionários entregaram à Sea Shepherd um aviso de detenção, porque a Fish & Fish, uma empresa de pesca de Malta, entrou com uma ação civil no Tribunal britânico, alegando que a Sea Shepherd havia danificado propriedades que afirmam possuir.

A Fish & Fish estão especificamente se referindo a danos que alegam terem sido feitos pela Sea Shepherd durante a pesca de atum-azul no Mediterrâneo em 2010.

A Sea Shepherd não está particularmente preocupada com o fato, porque suas ações contra as operações de pesca ilegal são tomadas somente após a obtenção de provas suficientes para provar que o alvo está funcionando ilegalmente, e acreditamos que temos provas contra a Fish & Fish e estaremos nos defendendo com base nisso. No entanto, não vamos esquecer que os processos podem ser arquivados por diversos motivos. Isto pode ter acontecido por reparação financeira, ou simplesmente porque a Sea Shepherd teve sucesso expondo as ilegalidades das operações que lucram com a destruição do atum-azul e queremos interferir em suas atividades. De qualquer forma, a Sea Shepherd está confiante de que sua defesa contra esta ação é forte.

Nesse meio tempo, um mandado para prender o navio foi convenientemente apresentado às 16h30min da tarde, na véspera de sua partida para as Ilhas Faroé, para proteger as baleias-piloto do abate.

A Sea Shepherd é capaz de enviar o navio Brigitte Bardot como planejado, mas a partida do Steve Irwin será adiada até que eles possam apresentar uma carta de fiança, que seu departamento jurídico está preparando.

Em qualquer campanha, a Sea Shepherd deve permanecer flexível e pronta para lidar com o inesperado. Este ataque jurídico pela indústria de pesca de atum irá nos atrasar, mas certamente não irá nos deter ou nos impedir de defender as baleias neste verão.

A Operação Ilhas Ferozes terá início, como programado, com a partida do Brigitte Bardot em 16 de julho, de Lerwick, nas ilhas escocesas Shetland.

Traduzido por Raquel Soldera, voluntária do ISSB.

Operação Ilhas Ferozes: em defesa das baleias nas Ilhas Faroé

news_110701_1_3_grind_photos_current_day_100719_(PH1521)Em questão de dias, a Sea Shepherd Conservation Society vai zarpar para o protetorado dinamarquês das Ilhas Faroé, com um plano para parar a matança anual de milhares de baleias-piloto em extinção, conhecido como o “Grind”. A Operação Ilhas Ferozes 2011 marcará a primeira vez que a Sea Shepherd voltará às Ilhas Faroé para intervir ativamente nesta matança, em mais de 10 anos. A Operação Ilhas Ferozes é um projeto conjunto entre a Sea Shepherd e a Fundação Brigitte Bardot.

Com o fundador da Sea Shepherd, o Capitão Paul Watson, no comando do carro-chefe Steve Irwin, a Sea Shepherd sente que o suporte adicional do rápido navio interceptador, Brigitte Bardot, capitaneado pelo veterano tripulante Locky MacLean, uma maior equipe cooperativa, e novas tecnologias essenciais, criarão um impacto este ano em Faroé, semelhante ao sucesso com a campanha em defesa das baleias no sul do Oceano Antártico no início deste ano. O grupo de conservação tem a intenção de implantar dispositivos acústicos, criando uma parede de som no caminho das baleias em migração, para impedi-las de se aproximar das ilhas. A Sea Shepherd também estará registrando e documentando as atrocidades cometidas nas Ilhas Faroé, e compartilhará tudo isso com o público para criar consciência; esta tática se mostrou altamente eficaz na defesa de grandes baleias.

“Há uma coisa muito mais importante que a liberdade de expressão, e que é a liberdade de viver”, disse o Capitão Watson em resposta a uma recente declaração do Primeiro Ministro das Ilhas Faroé, Kaj Leo Holm Johannesen, sobre seu “direito das pessoas a discordar … e protestar”.

Baleia-piloto morta e seu bebê

Baleia-piloto morta e seu bebê

No entanto, a Sea Shepherd não está indo para as Ilhas Faroé para protestar ou se manifestar contra o horror da matança das baleias-piloto, que ocorre neste ritual bárbaro chamado de “Grindadrap”, ou simplesmente “Grind”. O objetivo da Sea Shepherd é intervir no “Grind” de maneira agressiva e não-violenta sempre que possível, e também para chamar a atenção do público internacional sobre esta matança em massa, que é ainda mais cruel e sangrenta do que a matança de golfinhos mostrada no filme vencedor do Oscar, The Cove.

“Enquanto europeus, como podemos criticar a matança de golfinhos no Japão, ignorando o massacre cruel de grupos inteiros de baleias-piloto gentis e indefesas na Europa?”, disse a presidente da Sea Shepherd da França, Lamya Essemlali.

“Nosso objetivo não é exercer a nossa liberdade de se manifestar contra esta matança ilegal de baleias-piloto indefesas, mas acabar com esta atrocidade. Petições, protestos, banners pendurados, reuniões e discursos não avançaram neste objetivo de forma alguma”, disse MacLean, a bordo do Steve Irwin, em Barcelona. “Falar provou ser um desperdício de tempo. Enquanto os seres humanos tagarelam sobre tradição e direitos, as baleias-pilotos, seres inteligentes, socialmente complexos e belos, são violentamente levadas a baías e cruelmente massacradas, em um espetáculo que não tem lugar num mundo civilizado. Nós não queremos um diálogo sobre essa obscenidade, queremos pará-la. Os direitos dessas baleias para viver tem precedência sobre os “direitos” da Ilhas Faroé de assassiná-las”.

Imagem histórica do "Grind"

Imagem histórica do "Grind"

A Sea Shepherd pretende enfatizar que, enquanto as Ilhas Faroé estão se beneficiando de subsídios da União Europeia, reivindicam isenção à proibição da matança de baleias das leis europeias. A Sea Shepherd espera forçar um compromisso com o governo dinamarquês como um meio para obter uma base legal para convocar a Dinamarca à tarefa de proporcionar benefícios para um povo que, abertamente, viola as leis europeias. Se a Islândia não pode aderir à União Europeia porque eles são uma nação baleeira, as Ilhas Faroé também não devem se beneficiar enquanto estão fazendo a mesma coisa. Isto é discriminação clara contra a Islândia em favor das Ilhas Faroé.

“As Ilhas Faroé dizem ter o direito tradicional de massacrar grupos inteiros de baleias”, disse MacLean, “mas nenhum ser humano tem o direito de torturar e matar outro ser senciente. O que as Ilhas Faroé chamam de ‘direito’, nós chamamos de farsa. É como ter de respeitar Ted Bundy ou Charles Manson, e a Sea Shepherd não tem intenção de respeitar os direitos de psicopatas cruéis. Você não tenta falar com um psicopata, você tenta pará-lo antes que ele mate novamente”.

Desde o início de 1980, a Sea Shepherd tem liderado a oposição contra a matança de baleias-piloto nas Ilhas Faroé. O Capitão Paul Watson liderou campanhas em oposição à caça, em 1985 e 1986, e novamente em 2000. Nenhuma baleia foi morta enquanto a Sea Shepherd patrulhava as ilhas. A Sea Shepherd também foi bem sucedida em convencer 20.000 lojas de duas cadeias de supermercado na Alemanha a boicotar produtos da pesca das Ilhas Faroé.

Imagem histórica do "Grind"

Imagem histórica do "Grind"

Durante o verão de 2010, a Sea Shepherd tomou a iniciativa e enviou um agente disfarçado para as Ilhas Faroé, para reunir imagens visuais do horrível “Grind”: as imagens que foram posteriormente utilizadas para expor os assassinatos em massa de baleias-piloto para o público. A Sea Shepherd e a Fundação Brigitte Bardot testaram dispositivos acústicos destinados a manter as baleias-piloto distantes da costa das Ilhas Faroé. Estes dispositivos serão implantados para formar uma cortina de som entre as baleias e seus assassinos durante a Operação Ilhas Ferozes.

Estima-se que pelo menos mil baleias-piloto são mortas anualmente durante o “Grind”. As Ilhas Faroé fazem isso encurralando grupos de baleias-piloto em migração, que viajam em grupos familiares, passando pelas ilhas em enseadas rasas. Uma vez identificadas, essas famílias de cetáceos são levadas para perto da costa, onde homens, mulheres e crianças de todas as idades aguardam com clavas, lanças, facas e tesouras, levando as baleias a uma morte lenta, deixando a água vermelha com o seu sangue inocente. Muitas vezes, nos meses de pico do verão, baleias-piloto grávidas também são encurraladas e sofrem ainda mais, com os fetos cortados fora de seus corpos e alinhados perto da costa, ao lado das centenas de outras vítimas.

Esses dias, esses assassinatos em massa não são realizados por qualquer finalidade utilitária que não seja uma chamada “importância cultural” para a comunidade das Ilhas Faroé. De fato, após os moradores terem terminado de mutilar as baleias, os seus corpos são simplesmente descartados em uma vala comum, debaixo d’água, com total desrespeito pelo valor da vida. A Sea Shepherd pretende intervir no “Grind”, quando possível, para evitar a perda desnecessária de preciosos animais selvagens marinhos.

Traduzido por Raquel Soldera, voluntária do ISSB.