Destaque

SEA SHEPHERD LOCALIZA A FROTA BALEEIRA JAPONESA: BALEIAS FORAM MORTAS DENTRO DO SANTUÁRIO ANTÁRTICO

[youtube width=”520″ height=”444″]http://www.youtube.com/watch?v=hz-Bvk-5O0M[/youtube]

Nisshin Maru, navio fábrica da frota baleeira japonesa

A Sea Shepherd localizou todos os cinco navios da frota de caça japonesa às baleias, incluindo o navio fábrica japonês, Nisshin Maru, dentro do santuário das baleias do oceano Austral. O Steve Irwin, o Bob Barker e o Sam Simon estão, agora, perseguindo a frota baleeira, levando-a a se afastar das áreas de caça e consequentemente das baleias, atrapalhando, dessa forma, a caça ilegal, e preparando para encerrar a operação de caça às baleias.

O Helicóptero do Steve Irwin foi o primeiro a localizar o navio fábrica – Nisshin Maru – na posição 64º44`S, 162º34` O, em águas territoriais da Nova Zelândia e no interior do internacionalmente reconhecido Santuário Antártico das Baleias. A primeira filmagem feita pela Sea Shepherd no momento em que foi localizado o navio fábrica mostra, de forma convincente, três baleias mortas no convés do navio japonês. Uma quarta baleia, acredita-se que seja uma baleia Minke, estava sendo processada no convés.

O diretor da Sea Shepherd Australia, Jeff Hansen, declarou: “O Santuário Antártico das Baleias tem sido manchado pelo abate ilegal dessa belas e majestosas baleias Minke de forma cruel, bárbara e violenta pelos japoneses. Ninguém nunca vai saber a dor e o sofrimento que esses gigantes gentis passaram desde o momento em que o arpão destruiu de forma violenta seus corpos até o momento em que deram o último suspiro em um mar vermelho cheio de seu próprio sangue. Uma coisa é certa, a Sea Shepherd vai fazer o que for preciso para que essas baleias não passem mais por isso e nem tenham que suportar a dor e o sofrimentos nas mãos desse cruéis assassinos de baleias do Japão.”

Três baleias Minke mortas no convés do Nisshin Maru

O capitão do Steve Irwin, Sid Chakravarty, disse: “Quando a “ciência” requer que você grotescamente puxe a bordo o corpo de três baleias protegidas, arraste-os atravez de um deck sujo com o próprio sangue dos animais, transportando partes dos corpos com correntes e cordas e descarte os restos no oceano, então essa “ciência” não tem mais lugar no século XXI. O  Nisshin Maru é um navio açougueiro e um açougue flutuante não tem lugar no Santuário das Baleias. A Sea Shepherd continuará a guiar estes falsos e desesperados “cientistas” de volta para Tokyo.”

A frota baleeira japonesa opera no Santuário Antártico das Baleias em violação a uma moratória global de 1986 sobre a caça comercial sob o pretexto de pesquisa científica. Em junho de 2013, o governo da Nova Zelândia se juntou ao desafio criado pelo governo australiano para questionar a legalidade da caça japonesa no território Antártico. Ainda se aguarda uma decisão para o caso.

O Capitão do Bob Barker, Peter Hammarstedt, disse: “novamente, o governo japonês mostrou, de forma clara, desrespeito pelas leis internacionais ao continuar sua caça de baleias de forma ilegal enquanto o mundo aguarda pacientemente a decisão da Corte Internacional de Justiça. O Governo Japonês de forma desonrosa tentou burlar o processo legal, o que é um insulto à cooperação demonstrada por pessoas ao redor do mundo para que a lei seja cumprida pois o meio ambiente precisa de tal reconhecimento e proteção.”

Planejada e liderada pela Sea Shepherd Australia, a Operação Relentless é a décima campanha Antártica de defesa das baleias da Sea Shepherd. Nas últimas nove campanhas, a Sea Shepherd salvou a vida de mais de 4500 baleias. A Sea Shepherd Australia continua sendo a única organização comprometida a defender a integridade do Santuário Antártico das Baleias de forma direta e intervindo contra as operações ilegais da frota baleeira japonesa.

Três baleias Minke mortas no convés do navio fábrica, Nisshin Maru

O convés ensanguentado do Nisshin Maru, a fonte do sangue é uma baleia que estava sendo processada

Tradução: Igor Ramos, Voluntário do ISSB.

Back to list