Notícias

Reflexões sobre a temporada de matança de leões-marinhos na represa de Bonneville

Por Sandy McElhaney

Um leão-marinho ao lado da máquina de matar no rio Columbia. Foto: Ninette Jones, Sea Lion Defense Brigade

A máquina de matar leões-marinhos no rio Columbia, no Oregon, Estados Unidos, parece ter encerrado sua temporada. Os últimos assassinatos relatados pelo Departamento de Pesca e Vida Selvagem de Oregon foram em 16 de maio de 2012. Nessa data, o barulho alegre dos leões-marinhos número U61 e U159 foi silenciado para sempre nas mãos de funcionários do Estado. Estes animais foram os últimos de uma longa lista de vítimas de uma parceria moralmente corrupta entre as agências estaduais e federais e gananciosos da pesca comercial.

A matança começou este ano em 3 de abril. Ao longo de um mês e meio, os funcionários do Departamento de Pesca e da Vida Selvagem de Oregon metodicamente marcam, maltrataram, e mataram leões-marinhos da Califórnia pelo crime de comer salmão em extinção no Rio Columbia, perto da represa de Bonneville. Um relatório publicado recentemente pelo Corpo de Engenheiros do Exército dos EUA afirma que leões-marinhos da Califórnia consumiram 0,6 por cento do salmão em extinção na represa Bonneville de janeiro a maio de 2012. Pescadores foram autorizados a pescar até 13 por cento dos salmões, mesmo em extinção, e a barragem em si é responsável por matar 17 por cento de salmão adulto.

Se o salmão está em extinção, por que os pescadores foram autorizados a tirá-los do rio? Por quê? Basta seguir o dinheiro. Em 2011, a Seafood Oregon ostentava um valor global superior a 145 milhões de dólares para todas as pescarias. O diretor do grupo, Nick Furman, comentou: “Lembramos os pescadores que não são os quilos de peixe que você pesca para o banco, são os dólares que você pesca para o banco”. Um rápido exame do Porto de Astoria leva esta mensagem para casa. O porto está cheio de redes de emalhar. De acordo com a Sea Lion Defense Brigade, Oregon permite que grupos de salmão sejam pegos pelas redes de pesca no rio Columbia. O argumento de que os leões-marinhos são mortos para proteger o salmão em extinção simplesmente se desfaz em pedaços quando se observa como os pescadores comerciais, recreativos e tribais na Columbia são a sobrepesca do mesmo salmão em extinção. Com isto em mente, a Humane Society dos Estados Unidos está lutando Leões-Marinhos da Califórnia em tribunal federal. A Sea Shepherd apoia a luta para salvar estes animais de uma morte desnecessária e ilegal.

Em oposição a esse abate insensato de leões-marinhos por comer peixe e em oposição à sobrepesca e represamento das águas dos rios, que são problemas muito maiores no rio Columbia, a Sea Shepherd Conservation Society mobilizou uma campanha Guardião da Represa nesta primavera. O Coordenador da campanha, Scott West, faz uma reflexão:

“A campanha foi iniciada de imediato. Voluntários responderam, e alguns viajaram grandes distâncias, por conta própria, para ajudar. Tornou-se uma campanha auto dirigida, e os participantes mostraram-se à altura da tarefa. Essa resposta me deu esperança para a nossa espécie. Claro que houve problemas também. Pessoas com a intenção de lucrar com a morte de salmão se recusaram a reconhecer suas próprias contribuições para o declínio do salmão, e os leões-marinhos facilmente tornaram-se bodes expiatórios. A Sea Shepherd continua empenhada em um ambiente marinho natural, onde salmão e leões-marinhos são saudáveis e abundantes”.

Uma série de Guardiões da Represa observaram leões-marinhos sendo dolorosamente marcados com ferro quente e maltratados por funcionários do Estado, que disparavam balas de borracha e fogos de artifício neles. A fumaça do ferro em brasa flutuava no ar enquanto os animais indefesos ganiam de dor e angústia. Em um momento, um animal foi chutado. Vários desapareceram em uma garagem de barcos, e nunca mais foram vistos vivos novamente. Durante a temporada de matança de 2012, 11 leões-marinhos foram silenciados para sempre, e 1 foi roubado de sua casa no rio para viver uma vida patética em cativeiro. Todos totalizam, desde 2008, 39 leões-marinhos mortos por funcionários do Estado, e 11 foram levados para cativeiro.

Os fundamentos para autoridades federais e estaduais para parar a matança parecem cair por terra. Em maio, Scott West, acompanhado da professora de 3ª série, Angela Casey, visitou o governador de Oregon, John Kitzhaber. O objetivo da visita foi apresentar centenas de desenhos e cartas de crianças de escolas da Califórnia pedindo ao governador Kitzhaber para defender os leões-marinhos. O governador não estava disponível para atendê-los. Desde então, ele não conseguiu nem sequer acusar o recebimento dos desenhos das crianças. Que tipo governador eleito rudemente ignora as mensagens de centenas de crianças em idade escolar? No início de 2012, o governador aproveitou uma oportunidade de foto e leu o clássico de Dr. Seuss, “Lorax”,  a um grupo de alunos do 2ª série. Aparentemente, o governador não estava prestando atenção às palavras esclarecedoras de “Lorax”:

“A menos que alguém como você se importe muito com algo horrível,
Nada ficará melhor. Não é.” – The Lomax

A Sea Shepherd está prestando atenção! Enquanto os leões-marinhos estão sendo injustamente mortos por comer na represa de Bonneville, enquanto os verdadeiros culpados, a sobrepesca de salmão em extinção e as operações de barragens destrutivas são permitidas, enquanto os leões-marinhos são acusados ​​pela redução das populações de salmão, nós estaremos lá para acender uma luz e para falar sobre essa injustiça horrível.

Traduzido por Raquel Soldera, voluntária do Instituto Sea Shepherd Brasil

Back to list