Notícias

Japão libera um tsunami de energia contra a Sea Shepherd

Foto: pessoal da Guarda Costeira japonesa arremessa granadas durante a Operação Migaloo, em 2008

Foto: pessoal da Guarda Costeira japonesa arremessa granadas durante a Operação Migaloo, em 2008

Navios de segurança armada, bandidos mercenários, oficiais da Guarda Costeira, empresas de relações públicas fortes, e advogados!

Trinta milhões de dólares compram uma grande influência e podem exercer uma enorme pressão ao defender uma atividade ilegal.

Num ato de desespero, os baleeiros japoneses, armados com um arsenal de cerca de 30 milhões de dólares, alocados pelo governo japonês do fundo de ajuda ao tsunami e terremoto, estão fornecendo uma grande quantidade de energia em seus esforços para deter os navios da Sea Shepherd de salvar este baleias estação.

No movimento mais recente, os baleeiros japoneses abriram uma ação judicial em um tribunal dos EUA para proibir a Sea Shepherd de intervir contra as operações ilegais dos japoneses. A Sea Shepherd rejeita este fato como insignificante e nada mais do que uma tentativa dos baleeiros em recorrer à justiça como uma arma contra a Sea Shepherd.

“Ganhamos esta rodada já”, disse o Capitão Paul Watson. “Na última temporada derrotamos os baleeiros e os mandamos para casa, humilhados, depois que eles só conseguiram matar 17% da sua quota. Este ano será mais desafiador. Trinta milhões de dólares compram uma grande influência e estamos esperando um ataque cheio de perseguições e obstáculos burocráticos do Japão e dos governos, dos tribunais e da imprensa, que eles são capazes de influenciar.”

“Vai ser uma temporada difícil e a campanha mais perigosa até o momento, no nosso oitavo ano de intervenções contra os caçadores de baleias do Santuário de Baleias da Antártica.”

A Sea Shepherd não se abala com essa última tentativa de nos deter nos tribunais dos EUA.

“Isto é insignificante para mim”, disse o Capitão Watson. “Temos as imagens dos baleeiros japoneses destruindo um de nossos navios, empurrando nossos navios, atropelando nossa equipe, disparando sobre nós, lançando granadas, utilizando armas acústicas, nos atingindo com canhões de água e lanças de bambu, e eles estão nos processando porque nos acusam de violência contra eles. Nós não abalroamos seu navio e não causamos uma única lesão, nem fomos acusados de um crime, ou mesmo repreendidos por ninguém por nossas ações. Nós temos cooperado com todas os inquéritos. Eles não têm. Isto é simplesmente o caso de usar os tribunais para nos perseguir. Eu não acredito que eles tenham provas, e eu duvido que um tribunal dos EUA leve isso a sério. Ao contrário do Japão, os tribunais nos Estados Unidos não fazem de maneira automática o que o governo exige que eles façam.”

A Sea Shepherd tem questões mais importantes para resolver do que se distrair com ações judiciais. “Nosso foco para os próximos três meses está em impedir o massacre cruel e ilegal de baleias no Santuário de Baleias do Oceano Antártico”, disse o Capitão Watson. “Nós não seremos dissuadidos pela força, por ações judiciais, por burocratas, pela crítica ou por qualquer governo. Agimos de forma não violenta dentro dos limites da lei e vamos salvar as baleias de uma operação criminosa em um santuário de baleias.”

“Tudo isso é simplesmente o último suspiro de uma indústria moribunda, ecologicamente destrutiva e cruel. A Sea Shepherd nunca vai abandonar as baleias do Oceano Antártico, não importa o quão fortes os baleeiros japoneses se tornem. A única maneira deles nos pararem é nos matando, e eles podem estar desesperados o suficiente para fazerem exatamente isso.”

Traduzido por Raquel Soldera, voluntária do Instituto Sea Shepherd Brasil

Back to list