Home » Notícias

Sea Shepherd Brasil questiona diante da Fatma o licenciamento do Estaleiro da OSX

17 março 2010
O Estaleiro será construído próximo à Reserva do Anahatomirim
Além do Estaleiro como este na foto, se questiona se na área de expansão haverá ou não uma futura Refinaria ou uma Termoelética a Gás

Além do Estaleiro como este na foto, se questiona se na área de expansão haverá ou não uma futura Refinaria ou uma Termoelética a Gás

Dia 15 de março de 2010 o Instituto Sea Shepherd Brasil - ISSB protocolou junto à Fatma, órgão ambiental catarinense, documento manifestando a irresignação frente ao licenciamente do Estaleiro da OSX, em Biguaçú, SC. A Sea Shepherd por meio do núcleo de Santa Catarina, Florianópolis, questiona o fato do pedido da licença ter sido feito à Fatma, órgão estadual ambiental, ao invés de ter sido encaminhado ao Ibama, com competência e aparelhamento adequados para empreendimentos que envolvam grandes impactos ambientais. "É absolutamente inaceitável que um empreendimento desta magnitude seja licenciado pelo órgão estadual, sabidamente inapto para avaliar e licenciar este tipo de impacto ambiental. Faz-se necessário um amplo estudo que contemple toda a magnitude de danos, presentes, futuros, reversíveis e irreversíveis, sem referir a rota migratória natural - estabelecida há séculos - por cetáceos como baleias francas e golfinhos, abundantes na região", comenta Cristiano Pacheco, diretor executivo do Instituto Jutiça Ambiental -IJA e advogado voluntário da Sea Shepherd Brasil. "Temos que agradecer a iniciativa de cidadãos atentos como o professor Jorginho,  o doutor Eduardo Lima e todos da Associação Montanha Viva por estarem de olhos abertos para o licenciamento de empreendimentos que coloquem em risco o meio ambiente. É o nosso desejo e do povo brasileiro construir um país com um meio ambiente saudável e seguro para as presentes e  futuras gerações", afirma Daniel Vairo, cofundador e diretor geral voluntário do ISSB. Veja o ofício enviado à Presidência da Fatma e o fundamento legal do pedido:
Area de influencia direta e indireta do empreendimento. Foto: Montanha Viva.

Area de influencia direta e indireta do empreendimento. A Montanha Viva requer a realização de audiência publica nos 5 municipios de influência do empreendimento: Celso Ramos, Biguaçu, São Jose, Florianópolis e Palhoça

  Ao Presidente da Fundação do Meio Ambiente – Fatma Rua: Felipe Schmidt, 485 – Centro Florianópolis/SC - CEP: 88010-001 Ofício nº 0178/2010 O INSTITUTO SEA SHEPHERD BRASIL – ISSB, organização não-governamental sem fins lucrativos, com sede na Cidade de Porto Alegre, RS; Em relação ao empreendimento “Estaleiro OSX”, o qual pretende-se a instalação no Município de Biguaçú, Estado de Santa Catarina, o INSTITUTO SEA SHEPHERD BRASIL – ISSB, de acordo com sua missão institucional e estatutária, vem trazer ao Ilmo. Sr. Presidente da Fatma, respeitosamente, as seguintes ponderações: Tendo em vista que (i) a Resolução 237 do Conselho Nacional do Meio Ambiente - Conama, pelo art. 4º, I, que determina que empreendimentos que envolvam considerável impacto ao mar territorial ou plataforma continental devem obrigatoriamente ser licenciados pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - Ibama, autarquia federal; (ii)que, conforme o art. 225, § 4º, da Constituição Federal Brasileira, a zona costeira trata-se de patrimônio nacional, portanto, da União e que deve ter como licenciador do empreendimento em tela o Ibama, órgão bem mais aparelhado, ao invés da Fatma, de duvidosa capacidade para licenciar empreendimento de tamanha magnitude e impacto ambiental em região extremamente rica em biodiversidade marinha e costeira; (iii) e, por fim, em consonância também com a determinação do Ministério Público Federal de Santa Catarina, em razão do local cogitado para a instalação do empreendimento se tratar de importante rota de cetáceos (golfinhos e baleias franca), animais marinhos protegidos por Lei Federal nº 7.643/87, sendo assim vedado todo e qualquer tipo de molestamento a cetáceos – o que dirá a alteração de sua rota natural traçada há séculos - vem o INSTITUTO SEA SHEPHERD BRASIL – ISSB, por seu representante legal firmatário, manifestar o total descontentamento e desaprovação no sentido de ver empreendimento que envolve tamanho impacto ambiental a diversos ecossistemas e à coletividade ser licenciado pelo órgão ambiental estadual, a Fatma, notoriamente menos aparelhada para acompanhar um empreendimento de tamanho vulto e danos futuros irreversíveis, com base também no que estipula a Constituição Federal e normas reguladoras amplamente aplicadas e acima citadas, sem referir o princípio da precaução. Diante do exposto, o INSTITUTO SEA SHEPHERD BRASIL –ISSB reitera o total descontentamento com o trâmite atual do licenciamento, requerendo desde já seja todo o processo de licenciamento encaminhado, acompanhado e mantido pelo órgão efetivamente competente, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – Ibama, sob pena de colocar-se em risco os ecossistemas marinhos, costeiros e a coletividade. Nestes termos, protocolamos o presente ofício permanecendo desde já no aguardo de resposta desta autarquia. Porto Alegre, 15 de março de 2010. Cristiano Pacheco OAB/RS 54.994 Diretor Jurídico Voluntário do Instituto Sea Shepherd Brasil - ISSB Leia Também:

Estaleiro Biguaçu mais um empreendimento desconhecido da população

All Contents Copyright © 2012 Sea Shepherd Conservation Society.

produzido por dEx